Casa dos Contos Eróticos

Click to this video!

Escrava Negra

Autor: Daniel
Categoria: Sadomasoquismo
Data: 12/07/2004 22:41:30
Nota 9.75
Assuntos: Sadomasoquismo
Ler comentários (13) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

S E B A S T I A N A

Quando o Coronel soube que minha mulher me abandonara, chamou a Tiana e disse para ela:

– Você vai para o Rio com o Doutor. Ele está precisando de uma mulher para tomar conta da casa, lavar e passar a roupa dele, cozinhar, fazer todo o serviço. Arruma tuas tralhas que ele volta pra casa amanhã e você vai junto.

Eu disse que não era necessário, pois lá no Rio mesmo eu arrumava alguém, mas não era fácil ganhar dele numa discussão.

– Doutor, eu respeito muito o que o senhor diz quando se trata de doença mas quando o problema é formar uma boa criada, quem entende disso é esse seu amigo. Leva a Tiana, o senhor vai gostar. É só manter as rédeas bem curtas, sabe como essas pretas são abusadas.

Um arrepio correu pelo meu corpo. Eu gostava do Coronel, apesar de sua franqueza rude e do modo pouco convencional como ele se fez na vida. Mas me remoia por dentro ver como ele se referia aos empregados da fazenda, praticamente todos negros. Sempre fui contra qualquer tipo de discriminação e ficava indignado com o modo quase sádico como ele os tratava.

Mas nunca tive coragem de protestar. Na hora, as palavras ficavam engasgadas na garganta, talvez por não querer me arriscar a perder um ótimo cliente, talvez pelos boatos que corriam sobre ele ter algumas mortes nas costas, fora outras coisinhas. Na minha inércia covarde, eu pensava "tenho é que manter o coração dele funcionando, o resto não é problema meu". Sim, eu era o seu cardiologista, o único em que ele tinha confiança. Quando ele sentia qualquer coisa, mandava o jatinho me pegar no Rio, a quinhentos quilômetros da fazenda.

Na manhã seguinte, embarquei no avião com um cheque gordo na carteira e a minha nova doméstica. Só então fui reparar nela: tinha a pele negra como carvão, contrastando com uma dentadura perfeita, alvíssima. Possuía a estranha beleza característica dos descendentes diretos dos escravos africanos, um pouco mais alta que eu e bastante robusta, porém de modos femininos, com um corpo bem feito, dentro do que seu vestido folgado permitia vislumbrar. Devia ter um terço da minha idade, dezessete, dezoito... vinte anos, no máximo.

Durante toda a viagem e até chegarmos em casa, não ouvi sua voz. Ela mantinha os olhos no chão mesmo quando eu estava mostrando o meu apartamento, onde ela iria trabalhar

– Tiana, olha direito para a frente. E quando eu falar com você, olha para mim.

– Desculpa, patrão, eu vou olhar. É que o Coronel não gostava que a gente encarasse ele.

Eu já ia dizer "comigo é diferente, aqui eu trato todo mundo como ser humano", mas lembrei das palavras do homem. Rédeas curtas...

– Agora quem dá as ordens sou eu, entende? teu patrão sou eu e você vai fazer o que eu falar. Esquece o teu Coronel.

No dia seguinte à nossa chegada, comprei alguns vestidinhos e roupas íntimas, pois ela só tinha praticamente a roupa do corpo e mais alguns objetos de asseio pessoal. Não consegui desviar os olhos quando ela, inocentemente, tirou o vestido e o trocou por um dos que eu trouxera.

– Muito obrigada, patrão, que lindo... eu nunca tive um vestido novo, só meu... é muito bonito mesmo...

Eu mal ouvia suas palavras. Ela tinha um corpo perfeito, seios opulentos e firmes, as coxas roliças se esfregavam... nunca tinha usado sutiã e estava só com uma calçola surrada que devia ter pertencido à mulher do coronel.

Então percebi, pendurado atrás da porta do quartinho que era seu novo lar, um grosso cinto de couro.

– Pra que é isso?

Ela ficou toda sem jeito, baixou a cabeça e depois de alguns segundos explicou.

– É que o fecho da mala não estava muito bom e o Coronel me deu o cinto pra passar nela e não deixar ela abrir na viagem. Mas antes de sair eu dei um jeitinho e não precisei amarrar a mala com ele.

Não me convenceu, mas deixa pra lá... afinal, minha mulher que era culta, tinha seus fetiches. Sabe lá se a mocinha gostava de se esfregar no couro? ainda mais que aqui ela não teria oportunidade de conhecer outros homens, como na terra dela.

– Você tinha namorado lá em Minas?

– Não, Doutor, o Coronel não deixava. Só casando. Sem casar, não podia namorar.

"A não ser com ele, claro", pensei. Ele mesmo dizia que não deixava escapar uma neguinha gostosa... assim que apareciam os peitinhos, já viu...

E um mês se passou. A cada dia eu estava mais satisfeito com a Tiana. Era limpa, rápida e discreta. Não me incomodava para nada e aprendia tudo de primeira. O velho fazendeiro estava certo: eu, médico; ele, formador de criadas perfeitas...

Então, aconteceu: um estrondo vindo da cozinha, barulho de louça quebrada. Corri até lá e vi o chão coalhado de cacos de vidro.

– Tiana, cadê você?

Ela entrou, vinda da área de serviço. Chorava tanto que eu mal consegui entender quando falou.

– Não foi relaxamento, patrão, os pratos escaparam... foi sem querer, eu juro... desculpa... por favor...

Eu não sabia o que dizer. Ela agia como se tivesse cometido um crime hediondo. E fiquei mais aparvalhado quando vi em suas mãos aquele cinto de couro. Ela entendeu meu olhar e explicou.

– Eu menti para o senhor sobre o cinto, me perdoa. O Coronel mandou eu trazer pra cá, ele me disse "Tiana, emprego está muito difícil de arrumar. É melhor ele te castigar do que te botar no olho da rua".

Esticou a mão para mim, oferecendo o cinto. Comecei a falar "Espera aí, não é nada disso..." mas ela já tinha me dado as costas e, quando cheguei no corredor, ela estava entrando no meu quarto. Quando atravessei a porta, estanquei. Ela tinha levantado o vestido até a cintura e estava baixando a calcinha. Ainda chorando, perguntou:

– Como é que o senhor quer? onde?

Juro que ia mandar a garota se recompor. Ia explicar para ela que nós estávamos no Rio de Janeiro e que a escravidão já tinha acabado ha muito tempo. Ia dizer que nunca bati numa mulher e não iria começar agora.

Mas na hora me lembrei da vagabunda da minha ex. Do tanto que ela me sacaneou. Dos chifres que ela plantou na minha testa. E, acima de tudo, das oportunidades que deixei passar de lhe dar uma boa surra, só porque teimava em obedecer os meus princípios idiotas de homem civilizado.

Não sei se a razão foi essa ou se foi a visão daquela estátua viva de ébano com suas formas tentadoras, inteiramente à minha disposição. Eu nunca tinha me sentido tão poderoso assim, podendo fazer o que quisesse naquela garota. Afinal, se ela mesma estava se oferecendo, porque recusar? mais uma vez lembrei do Coronel: "rédeas curtas, Doutor... essas pretas são abusadas..."

– Você me deu um prejuízo grande, Tiana e eu vou ter que te castigar. Como é que o Coronel fazia?

– Ele mandava a gente ficar em pé com as pernas bem abertas e batia até a gente cair no chão...

– Batia onde?

– Na bunda, nas costas, em qualquer lugar. Quando estava muito zangado, ele batia no meio das coxas.

– Na boceta?

– É, pelas costas. Dói demais...

– E depois? cuidava de você?

– Não, primeiro ele abusava da gente até cansar. Aí então chamava outra criada pra passar água de cheiro nos machucados. Ardia muito, mas acabava sarando.

Que filho da puta, o Coronel... mas com o tesão que eu estava, achava que ia pelo mesmo caminho...

– Eu prefiro que você fique em cima da cama, de quatro, como uma cadela. Olha pra mim enquanto eu te bato, eu quero ver teu rosto.

Ela obedeceu e eu me coloquei em pé, ao lado da cama, um pouco à frente da sua bunda. Desse modo, eu poderia atingir as duas nádegas dela com as correiadas e ao mesmo tempo observar a expressão de dor em seu rosto. Ela olhava fixo para mim como pedindo perdão. As lágrimas continuavam escorrendo em seu belo rosto.

Nem mesmo no dia em que fodi minha ex-mulher pela primeira vez eu estava tão excitado. Meu pau estava estourando dentro da calça e eu estava muito tenso. Não sabia muito bem o que fazer, se batia nela ou se a fodia. Então pensei "que merda, cara, pra que esse nervoso todo? você é o dono da situação... quebra o orgulho da crioula com o cinto... depois você faz dela o que bem entender..."

A primeira correiada foi bem na altura do ânus e eu observei fascinado o cinto estalar em cheio, enquanto o couro que sobrava na ponta dava uma mordida em seu quadril. Ela pulou para a frente mas conteve o grito, mordendo os lábios.

– Doeu, negrinha? porque não gritou?

Bati de novo. Ela continuou abafando o lamento. O cinto zuniu no ar mais três vezes, dessa vez arrancando gemidos de dor.

– Acho que estou batendo muito devagar... vou caprichar mais...

No fundo, eu queria que ela teimasse em não gritar. Estava gostando de bater... quem diria... apliquei mais alguns golpes, até que ela parou de resistir. Agarrou-se às minhas pernas, esfregando o rosto no meu pau, por cima da calça.

– Chega, patrãozinho, eu juro que vou tomar cuidado, nunca mais quebro nada. Não me bate mais, eu to implorando.

Peguei sua cabeça e a esfreguei contra mim. Ela não resistiu, muito pelo contrário, abriu a boca e pôs a língua para fora, lambendo o tecido. Suas mãos foram à minha cintura e trabalharam até que conseguiram arriar minha calça. Então, quase enlouqueci quando vi minha piroca desaparecer em sua boca. Ela enfiava tudo e tirava, dava algumas lambidas, sussurrando "to implorando, patrãozinho" e lá se ia o pau garganta abaixo.

Não demorou muito e a boca da crioula estava cheia da minha porra. Mesmo depois que acabei de gozar, ela continuou chupando e lambendo, sempre com os olhos fixos nos meus.

– To perdoada, patrão? quer o meu cabaço agora? eu faço tudo que o senhor mandar.

– Que cabaço? você não disse que o Coronel cansou de abusar de você?

– Só na boca, Doutor.

– Não acredito. Não mente pra mim, sua putinha. Porque foi que ele nunca te fodeu?

Foi o único momento que ela deixou de me encarar. Apertou o rosto contra os meus pentelhos, como se quisesse se esconder.

– Isso eu não posso dizer, eu jurei pra ele que nunca ia contar pra ninguém. Jurei pela alma da minha mãe.

– Você está esquecendo que quem manda em você agora sou eu. Deixa de besteira e conta. Você não vai mais ver o Coronel, então ele não pode te fazer nada.

– Não é isso, o senhor não entende... eu não vou quebrar a minha jura. Deus castiga...

– Tá bem, eu já vi que bati pouco. Tira a roupa toda e fica de quatro de novo pra eu te mostrar quem é que você tem que respeitar.

Ela recomeçou a chorar.

– Obedece logo, negra safada.

A bunda dela faltava pouco para sangrar, de tanto que eu a tinha surrado. Mandei que ela apoiasse os ombros e o rosto na cama e dessa vez bati na parte de trás das coxas. Não foi preciso castigar muito, ela logo pediu para parar.

– Chega, patrão, eu conto. É que o pau dele não ficava duro direito, ele não conseguia meter. Eu chupava mas quando ele tentava enfiar, o pau amolecia. Ele ficava com raiva e me batia mais ainda. Então eu aprendi que tinha que fazer ele gozar na minha boca bem depressa pra ele me deixar em paz.

– Você é uma puta mesmo. Enrolava o velho e está querendo me levar na conversa também com uma mamada no cacete?

– Não to fazendo isso com o senhor não, eu juro. Eu gostei de chupar o senhor e quando ofereci meu cabaço foi de coração. Eu nunca tinha visto um pau tão duro assim. Pode acreditar, patrão, eu estou sentindo muito tesão pelo senhor.

Sem pedir permissão, ela tinha se virado e novamente lambia minha piroca. Estiquei a mão para sua vulva e senti seus pêlos encharcados. Não foi difícil enfiar o dedo em sua boceta até sentir o hímen. Quando eu ia retirando o dedo, ela descolou a bunda da cama, acompanhando-o.

– Mete, Doutor, arranca meu cabaço. Pode enfiar até o fundo.

Aquela negra chucra não poderia estar representando. Tive de acreditar que era tesão mesmo.

– Em vez do dedo, vou meter a piroca. Acho que é isso que você quer, não é? está dura, do jeito que você gosta.

Ela se deitou de costas para a cama e abriu as pernas. Seus olhos estavam fechados e ela gemia baixinho.

––––

Isso aconteceu ha dois anos. Tiana continua trabalhando para mim, cada vez mais perfeita na execução de suas tarefas domésticas. Quando termina, à noite, toma um banho, se enfeita toda e fica em seu quartinho esperando para ver se "eu quero me servir dela", como ela diz.

Seu único defeito no serviço é que, no mínimo uma vez por semana, ela quebra algumas louças.

Quando isso acontece, em menos de um minuto ela aparece chorando, já nua e trazendo nas mãos um chinelo, uma escova ou mesmo aquele velho cinto de couro para o castigo merecido.

Já estou até pensando em comprar um chicote de tiras...

Comentários

25/06/2012 00:18:30
idem com o LUIZ
29/05/2011 21:48:28
05/03/2011 19:30:08
muito bom
05/03/2011 12:47:06
este sim tem sadomasoquismo
franca
17/02/2006 20:13:35
foi muito bom ate gozei
marcelo
09/06/2005 13:41:19
Gostaria de conhecer uma mulher assim, bonita e submissa
TioPaulo
28/03/2005 15:14:05
Otimo conto nota 9,5
Marcelo
18/12/2004 18:36:28
Esse conto realmete é Otimo
mineirinha
07/12/2004 01:07:24
poxa, foi legal de ler...gostei mesmo, pode escrever outra.
fernando
18/08/2004 11:00:36
O CONTO,E MARAVINHOSO NOTA 10.VOCÊ PODERIA ENVIAR PARA MIN FOTO DELA.
fernando
18/08/2004 09:14:48
O CONTO,E MARAVINHOSO NOTA 10.VOCÊ PODERIA ENVIAR PARA MIN FOTO DELA.
fernando
18/08/2004 09:11:16
O CONTO,E MARAVINHOSO NOTA 10
luiz
13/07/2004 11:15:50
Bom conto, pode escrever a sequencia que vale a pela. Parabens. Nota 9.

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.




Online porn video at mobile phone


xexoleitinhonovinhas grupalweb cam xvideospadrasto sodomitatem lebica olaine 2017 pra comigo outra mulher por celularfinha cendo bulinada por pai enquanto dorme no sono profundo xtubvídeo pornô homem c****** no pau do outro homem saindo bosta do c* do Cupim na pica no c******** e grossanovinha virgem tora a roupasmostrando s calcinhacontos eroticos quando eu tinha doze anos viagei pra fazenda com meu paidoce nanda parte IV contos eroticosporno gay com vendedor de porte e portacontos erotico chantagem e submissão de casal novinhocontos eroticos a amiga da minha irma rabudaZoofilia caes encangados em mulheresamigo gay bundudo liso vestido de mulher na festa conto gayenteada acanhada masturba o padrastocontos tonando as menininhascontos minha cunhafa de 12 anos chupo meu pintopassando a mao no peitoral beijando o ouvido beijando o pescoco porngostosa gordinhas tirando cabeçamulher buceta apertada chora fudendo ç negro dotadosquirt alucinador pornas gordinha r***** dando o vaqueiro na Fazendacomendo o cuzinho dela ela chorando ele filmando escondido ela ferver na firma esconde dele comendo o cuzinho a bucetinha dela ela chorandotorando a gordinha escandalalosavideo porno com muito beijo na boca de tirar o folego muita chupada na buceta fazendo gozar na lingua de tanto prazer puchao de cabelo sexo com pegada forte e brutaporno contos cunhado novinhocontos-esfregando na bundinha da netinhacontos de homem que puxa e mama os mamilos enrijecidospornô brasileiro mulheres comendo outra com pipador falando putariacacetudomonstromenina novinha nao aqenta a pica e sangra a bucetinhaconto erotico castiguei o viadoevangelica ainda nao tinha dado o cumin engravida amor porno sacanacontoerotico chantageado por pContos incesto dei pro meu pai eu era novinha convenciSou tarado por beijar pezinhos com rasteirinhascorno e engulidor de rola contosaiti porno japobeisos melhores minetes com o caralhinho no cu pornocontos eroticos de menias q deu seu cabaçinho bem novinhas por que sua obrigou a trepa com seu companheiro taradovideocurtomagrinha e roludovídeo pornô de mulher arrotando dando para baixinhoGisele bundchen mostrando sua buceta inchadacontos pai atolou tudo no cuzinho d filha.com fotosXvideosarretadacomo amasiar um bum-bum super sexocontos bi vi meu pri meter na prinha prima fiz ele comer meu cu e eu fudi elápornô pornô socando o pau na b***** da dona Zefa cachorro tocando pau na b***** da donacontoseróticospublicadosemconto erótico de mega pauzudo tirando a virgindade da crentizinha novinhabaixar clip 16 .com porno mulher mini saia no metro mete a mao na calcinha delaPapai goza na minha boquinhasexo minha mulher me dando minha sogra de presenteQuero ler contos escravos roludos macho alfa familia realpica da cabesa grade colocono na buseta pornomulher.cal.fiudentalconto titiocomeu meu cu no natalas penujinhas do pornocontos de sexo depilando a sogracontos eroticos aprendendo a dirigirgta faz sexed putaria sessaonegao metendo em colatinaxvd irma bati punheta para o irmao e nao rezisti e da pra elemulher trasando cem saber com oltrodei o cuzinho meladinho contosFutebol dos Heteros ? OU Nao ? cap 28www delexvidio comdescreva como se sente ao esfregaren seu clitoresComtos namoradas fodidas por velhosboxeerotico:carolzinha santos baixinha ruiva gostoza fodenovídeo de sexo amador brasileiro de Osasco Eloisa oliveira dando o cu para doiscontos eróticos de um****** velho metendo a rola na menina nova com padrinho pai e filhobritney bitch em anal 15 minutosquirt alucinador pornrelatos minha esposa chegou toda chupadaem casaV contos de mulheres sendo fodidas por cãoPapai e titio comeram minha bundinha contos eróticos"virei mulherzinha" cadeiavideo de padrasto tentando resistir a enteada rebolando no colo delepornoxvideos levo a gostosa anda de moto e comeu ela no matomundobicha ver dois garotos transando em galpao abandonadomúsica de Tierry E aí parceiro que como você é o meu desejo te chatear o seu prazer escravo dos seus beijos Ai como eu quero te agarrar