Casa dos Contos Eróticos

Click to this video!

As coisas estão ficando difíceis (revisado)

Autor: JOhnny Ledmoe
Categoria: Heterossexual
Data: 07/05/2005 03:59:22
Nota -
Assuntos: Heterossexual

As coisas estão ficando difíceis...

Há mais ou menos sete anos, divorciado há pouco mais de seis meses, eu gozava a liberdade após um casamento de vinte anos. Com quarenta e dois anos então, pois me casei muito jovem, buscava, a cada dia, novas aventuras, “um novo bem querer”. Nessa tarefa, ajudava-me, e muito, um café-jazz que conheci, onde as pessoas da minha idade iam para ouvir boa música, num bom ambiente.

Não era, absolutamente, um desses single-bar que existem na noite, os famosos caça-maridos. Revelando-me musicólogo e jazzófilo aos proprietários do local, fui, em certa oportunidade, convidado a compor um júri para eleger os melhores talentos que iriam se apresentar no café em série de concursos.

Logo na primeira noite fui apresentado aos demais membros do júri, dentre eles uma morena, de aproximadamente 1,60m, não muito jovem (mais ou menos da minha idade), porém muito conservada, bonita, simpática, com um sorriso encantador. Logo começamos a falar de música e ela se revelou pianista, não de grande talento, porém boa apreciadora de jazz e música popular de qualidade..

As noites de concurso se seguiram, uma por semana, durante uns três meses, até que, numa noite, em meio às apresentações, quando atribuíamos notas, ela revelou que eu havia “lhe tocado” desde a primeira vez que me vira, porém nada havia me dito porque, em primeiro, havia recém iniciado seu divórcio e não desejava que dissessem “que nem bem havia saído do casamento já havia arrumado outro homem” e, em segundo, achava-me extremamente culto, não sabendo se seria companhia adequada à minha pessoa — posso garantir-lhes que isso era mera impressão dela, não sou tão culto assim...

Toda a confissão revelou-se, para mim, como um convite aberto e franco, ao qual não me fiz de rogado. Naquela época, tal como hoje, residia numa chácara próxima à cidade, bem acabada, à beira de um rio, com uma bela piscina, um belo bar e todo o conforto possível, onde, nos dias de sol, trabalhava com meu laptop à sombra de uma árvore; apenas precisava, como acontece até hoje, ir a cidade para me divertir, comprar novos livros e discos, cuidando do meu trabalho pela Internet – não posso dizer minha profissão porque, como há poucos, logo muitos saberiam quem eu sou.

Assim, após alguns drinques e muita música, cumprida a tarefa de julgar os que se apresentaram naquela noite, convidei-a para visitar minha chácara, ao que ela, em princípio, se mostrou reticente (seria puro charminho?) e depois concordou, não sem, antes, com ar grave, fazer a observação de que há mais de vinte anos não tivera nenhum caso com outra pessoa senão seu ex-marido e que se julgava, para os padrões atuais (de sete anos atrás), “muito inocente” quanto aos relacionamentos amorosos. Confissões em meio, fomos para a chácara e, lá chegando, tratei logo de colocá-la à vontade; como era noite de grande calor, em meio a primavera, convidei-a para nadar.

A desculpa veio de imediato: “estou sem traje de banho, biquíni, maiô, etc.”, de onde deduzi que a minha cara pianista precisava de um incentivo a mais: Ela já havia ouvido piano demais, mas não uma edição especial de Errol Garner, tocando Over The Rainbow por mais de nove minutos, em diferentes estilos e, tampouco experimentado Amaretto Brossa.

— Deixem-me falar-lhes desse amareto: situada na Itália, ao pé dos Alpes, divisa com a Áustria, se estende a região de Piemonte, cuja missão é oferecer ao mundo as mais fantásticas comidas e licores, dentre eles o mais sublime dos amaretos, que faz os excelentes Amaretto DiSarono e Amareto D’Orso parecerem vulgares e grotescos. E foram esses os incentivos que resolvi lhe proporcionar. Afora a noite com estrelas e o perfume que emanava de um jardim todo projetado, um espelho d’água refletindo a lua, coloquei o disco e, num copo alto, de cristal Saint Louis, com quase cem anos, preparei-lhe minha receita especial: uma parte de Amaretto Brossa e duas partes da incomparável vodka Stolichnaya, russa (porque agora também é produzidanos Estados Unidos e outros paises), tradicional, com gelo moído, formando um frappé irresistível. A vodka, a boa vodka, como vocês devem saber, apesar de tem um sabor delicioso pura, tem que ter a propriedade de perder sua identidade quando misturada a outras bebidas, assumindo o sabor do seu par.

Com três minutos de música e meio copo do mais delicioso drinque — eu o chamo Golden Mary —, minha pianista sorriu-me e sugeriu que ela bem que poderia banhar-se de calcinha e soutien — este drink realmente faz milagres —, no que concordei que nada mais seria que um biquini — já na esperança que, ao contato com a água, as peças se tornassem transparentes.

“Esperança será sempre o que a palavra encerra: esperança! Nada de concreto”. No meu caso este ditado se confirmou quando observei que, ainda que belas, as roupas de baixo da minha pianista eram pretas, muito pouco deixando a transparecer, mesmo molhadas.

Ainda que pudesse, dada a sua delicadeza, não queria lhe dizer: “vamos, tire logo esta roupa e vamos transar”. Ela, provavelmente, teria até concordado, mas agradava-me, como me agrada até hoje, o jogo das preliminares, tal qual faço aqui. Creio que toda esta preliminar, traz, à pessoa de certa cultura, um deleite que intensifica o prazer do gozo.

Sutilmente propus-lhe experimentar um prazer diferente, derramando um pouco do seu precioso frappé em sua nuca, logo atrás da orelha esquerda, gotas que, correndo pelas costas, causaram-lhe ligeiro arrepio e que eu, com um cerimonioso pedido de licença, tratei de recolher com a língua, quando já chegava à altura da sua cintura, negligenciando em algumas gotas que deixei seguir caminho mais profundo, em plano meticulosamente elaborado.

Sucederam-se várias outras cachoeirinhas, ora a partir da nuca, ora do pescoço, cujos caminhos iam se alternando, até que, em determinado momento, atrevi-me a puxar-lhe a calcinha para colher uma gota que, mais rápida, adentrara à região protegida. A esta altura, obviamente, o seu top já havia sido suprimido e eu já me encontrava um tanto excitado em colher o frappé em seus seios, mas, à vista de seus pentelhos, cortados rentes, que deixam entrever uma pele mais clara sob os ralos pelos, ela pôde, apenas visualmente, mesmo a meia luz, perceber o significativo salto do meu quinto membro.

Neste particular, não tenho o que se pode chamar de “um pau avantajado”. não sou, como se costuma dizer, “bem dotado”. Bem... Isso quanto ao tamanho, onde, no máximo, chego a vinte centímetros; entretanto, gosto do diâmetro do meu pênis. Ele é um pouco desproporcional ao tamanho, um pouco mais grosso, o que por vezes dificulta as relações anais com mulheres não iniciadas nesta prática, mas tudo, ao final, se ajeita e, a bem da verdade, nunca tive reclamações — a não ser no início, onde é normal um “ai, tá doendo”, ou coisa do gênero.

Bem, o salto que a pianista observou lhe foi irresistível e ela, num ímpeto, dirigiu sua mão à minha sunga, abaixou-a e tomou, em sua boca, meu cacete rijo. Foi difícil não gozar mas consegui. Deixei-a chupá-lo um pouco enquanto que, ao mesmo tempo, tratava de lhe retirar a tanga por completo, adotando uma forma de carícia que é muito minha: ao invés de colocar a mão sobre o grelo ou a xoxota, eu trespasso minha mão por entre as pernas da mulher, indo acariciar com a palma da mão, em boa pressão, a parte inferior-interna da nádega esquerda, enquanto meu dedo mínimo penetra levemente o ânus e o dorso inferior da mão (o lado que normalmente utilizamos para o karatê), inclusive parte do pulso, roça, com força comedida, os grandes lábios vaginais e o clitóris. Creio ser uma boa carícia porque, normalmente, a acariciada chega ao gozo com surpreendente rapidez, que ela não imagina que ocorrerá em razão do toque dissimulado.

E dessa vez não foi diferente, quando percebi que ela, a doce pianista, chegava próximo ao seu orgasmo, apenas intensifiquei a pressão que vinha fazendo e tirei meu cacete de sua boca passando a apenas roçá-lo em seu rosto, afastando-o por vezes para que ela pudesse vê-lo, impedindo-a de tocá-lo com a mão para que eu não gozasse.

É bem verdade que a esta altura as partes íntimas da pianista se encontravam um pouco encharcadas com as gotas do frappé, mas o que se sucedeu foi, realmente, bem impressionante, ela banhou-se de tal forma em seu orgasmo que imaginei vê-la menstruada ao tirar a mão. Mas não, ela expelia, de fato, uma quantidade enorme de lubrificante vaginal..

Findo este primeiro tempo, disse-lhe que estava esfriando e que era melhor trocarmos a beira da piscina pelo o aconchego da casa, no que ela concordou e, já desinibida, andando com passos graciosos e apressados, nua, com um belo traseiro a balançar, caminhou até a entrada da casa. Quanto a mim, estava se tornando doloroso resistir a tudo aquilo, mas decidi que aquela iria ser uma noite “diferente”.

Já acomodados na casa, propus-lhe que tomasse um banho para se esquentar e tirar o melado do licor, enquanto eu refazia nossos drinques e mudava o disco. Dei-lhe uma toalha e, de quebra, uma camiseta para que usasse como camisola. Ela retornou pouco depois, encontrando-me limpo também, porém apenas com uma toalha curta envolta na cintura, Deitado à meia luz, acariciando-me levemente ao som de All The Things You Are, em lenta e magistral interpretação de Lester Young.

Propus-lhe deitar-se próxima a mim, encostando-se no grande e confortável braço do sofá, sentado-me mais à beira, junto ao seu corpo. Nesta posição comecei novamente a esfregar-lhe a nádega por sob a camiseta e, em certo ponto, retirei delicadamente a camiseta, passando a alternar lambidas e chupadelas entre os bicos dos seios e seu grelinho. Quando descia para a região vaginal, antes de tocá-la com língua, a cada vez procurava bafejar levemente sobre sua entrada vaginal, de forma a fazê-la sentir, antecipadamente, o calor que a seguir adviria da chupadela ou lambida.

Evidentemente toda carícia havia deixado-me, novamente, quase que dolorido e pensei que se fosse tentar comê-la daquela forma seria doloroso para mim. Meus testículos encontravam-se bem inchados e doloridos e decidi agir de outra forma. Tendo observado sua tendência voyeurista, posicionei-a de joelhos sobre o amplo sofá, com as pernas suficientemente abertas, e adotei uma outra posição que exige calma, cadência e, como já disse uma alta dose de voyeurismo: deitei-me de costas à sua frente e enfiei minha cabeça entre suas pernas, fazendo-a apoiar sua mão esquerda sobre meu peito e dirigindo sua mão direita para seu grelo, induzindo-a a uma deliciosa siririca para colaborar com a chupada que eu estava lhe dando, enfiando minha língua bem fundo em sua boceta, enquanto olhava para seu cuzinho e acariciava-o com a mão esquerda, ao mesmo tempo que, com minha mão direita, tocava uma lenta e bem exibicionista punheta, de forma que ela pudesse ver, de forma bem sensual, a cabeça do meu pau sumir e aparecer metódica e vagarosamente a cada vai-e-vem da minha mão.

Dada a dor que começava a ser lancinante em meus colhões, e também porque esta é a técnica do voyeurismo, eu me movimentava com bastante lentidão, evitando chegar à base, fazendo a punheta à maneira das mulheres, com apenas três dedos e o polegar. Ela não resistiu e, ao cabo de uns três ou quatro minutos, gozou. Um gozo tão intenso que, no primeiro momento, acreditei que ela havia urinado sobre meu rosto, porém a textura do líquido e seu cheiro desfez minha primeira impressão, fazendo-me crer que, realmente, ela havia gozado muito, quase como um homem que esporra pouco, e este pensamento excitou-me ainda mais, de forma que a fiz inclinar-se da posição em que se encontrava e tomar meu cacete em sua boca para chupar-me até o momento do meu gozo. Ela se inclinou adotando uma posição quase de sessenta e nove, revelando toda beleza daquela boceta pequena, rósea e quase escancarada para mim. Senti imediatamente a vontade de penetrá-la; esbocei um movimento para mudar de posição e comê-la, mas não deu: veio-me aquela sensação de gozo e eu, preocupado em não chocá-la por esporrar em sua boca, tentei afastá-la. Ela, entretanto, pressentindo meu gozo, intensificou então a punheta que ela passara a tocar enquanto me chupava e cerrou seus lábios, chupando-me mais intensamente, mais fundo, como realmente se chupa um picolé. E assim tive meu primeiro gozo com a pianista. Foi um gozo de sensação indescritível, porque pela primeira vez alguém havia me chupado e, na hora de esporrar, ao contrário do que normalmente se faz, de se tirar o cacete da boca, ela havia aprofundado-o ainda mais, passando por ele sua língua, enchendo toda a boca, sugado-o até que toda a porra saísse e fosse para o fundo da garganta, o que deixou a cabeça do meu pau hiper sensível; fundindo-se, a certa altura, um misto de gozo e de dor que me fez urrar pra valer, em alto e bom tom.

Curiosamente, não brochei a seguir. Pelo contrário, com uma excitação próxima ao descontrole, ainda com a visão que sua boceta havia me proporcionado quando ela me chupava, puxei a pianista para o lado, coloquei-a de quatro e, com vontade selvagem, penetrei sua boceta por trás, de tal forma que, apesar dela se encontrar bem lubrificada, gemeu, de início um misto de dor e tesão que, a seguir, com a continuidade das minhas bombadas, passou a ser de puro prazer, seguido por aquele barulhinho gostoso que uma foda melada provoca.

Certamente por ter gozado a poucos minutos atrás e de uma forma meio dolorida, minhas bombadas vigorosas não me levaram rapidamente a novo gozo, prolongando-se o vai-e-vem gostoso e gemido até que ela, não mais resistindo, gozou empinando e empurrando sua bunda gostosa na minha direção que, não resistindo, dei-lhe uma bela palmada no traseiro e a seguir gozei, desta vez com uma abundância muito maior que a anterior e, quando pressenti um segundo jato de porra, tirei meu cacete de propósito, fazendo aquele último jorro cair sobre parte das suas costas e bundinha, formando uma pocinha no seu cuzinho.

Eu estava, então, exausto, e esperava cair no sofá para um belo descanso mas, mais uma vez, assim não aconteceu. A visão do cuzinho da pianista cheio de porra re-excitou-me e, por puro instinto, enfiei ali um dedo, que entrou bem lubrificado pela porra e, ao alcançar o fundo, após massagear duas ou três vezes o esfíncter interno (que dista a nove ou dez centímetros do primeiro esfíncter e tem um músculo involuntário, que só se abre à excitação), este cedeu voluptuosamente, abrindo e fechando de tesão. o que me fez colocar um segundo dedo e, como um louco, buscar aquele cuzinho com meu cacete.

Confesso que não fui muito gentil, mas o grau de excitação em que estávamos colaborou bastante: não ouvi nenhum “ai”, só’gemido de prazer que, ao fim de umas dez ou quinze bombadas, trouxe-nos novo gozo, este sim em conjunto, relaxante e brochante. Ao terminarmos constatei que ela havia, realmente, pelo sangue em meu cacete, se machucado um pouco, estava andando de perna meio aberta, mas com um sorriso inenarrável que se multiplicava em seus olhos.

Sem nos lavarmos, repus o CD que não consiguíramos ouvir antes, refiz os drinques que haviam se aguado, e deitamos no sofá. Conversando, toquei no lance de não tirar meu cacete da boca na hora em que gozei a primeira vez e ela me disse que há muito aquilo era uma fantasia que desejava realizar,, bem como permitir que lhe “comessem o rabo”, o que ela só permitiu por se sentir segura comigo, porém com certo medo dado o calibre do meu cacete. E eu acreditei. E por quê não acreditaria? Eu estava ciente de que minhas crenças no que ela dizia iriam me render muitas e muitas noites iguais, e não me enganei. Até hoje, passados sete anos, ela insiste, vez ou outra, em bisar o mesmo programa, o que, confesso, com o peso dos anos que vão às costas, apesar dela continuar tão gostosa quanto da primeira vez, e muito mais experiente, vai ficando difícil... Mesmo porque, os importadores já não trazem mais o Amaretto Brossa, que se tornou raro. É... As coisas estão ficando difíceis...

Comentários

Vania Regina
09/05/2005 20:51:09
Muito Bom, mas achei o outro conto, Acerto de Contas, melhor
Renato
09/05/2005 16:28:11
Achei o texto muito bom. Desconfio que você é profissional nesse negócio de conto.

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.




Online porn video at mobile phone


video de porno .que nuher mão quanta que.cagacumeu a buseta da novinha qe nuca tinga metidovidio porno de mulheris piquenas de 120 sentano ni rolas de 44 centimetroperdi a virgindade pq quiz conto incetotortura porno linguada no clitoriscontos de sexo depilando a sograxvideos desleal branquinha dando pro negaoContos com fotos velhos fudedores chupadorescontos eróticos mamãe deu o cu eu vipornodoidocoroa deitad na cama so de calcihabundas maciinhasmulher transando na subida do Ilha Porchat São Vicentecorno porra ordenhA taca contodois pauzudo fodendo duas vadias das beradas grosa de cabeça para baixocontos de sexo depilada na praiacontos de cornos revista private 2017contos incesto mae gtsguia de como fuder cadelascontos gay baby doll rosaxvideos ruansafado e a coroa chupanosexo novos banho conhadas nuasqueria ver vídeo de sexo com lindas coroas chorando e gritando no pau do negão dos peitão e bundão ela g****** junto com negão e o negão g****** junto com ela no pau ela g****** nos corre na gala chorando e gritando de dorConto porno ui ui ui meteVideos de sexo bucetinha das crentinhas nen naceu pelo se lascando na rola do negaoentregei uma pizza e mepagou com boquetemeu tio me  Como era as bucetas no tempo da minha avóporno novinha fica brava porque a camisinha estourou e ele nao avisoucontos a.freira viu meu pauporno vedio chupando buceta forçado padrasto sexo forçado direto safado estupro gozando gostosobaixar xvideo de aluna ta secando minha bucetaperdi a virgindade com pau enormeincesto gay papai me fez de putinhaconvenci minha irmã fuder comigo e gozei dentrocontos eróticos brincando cometi o incestomae/chupa pica do filho e engasga pelo narizapostei minha mãe com meus amigos conto erotico analpau alejado fodeno estourado abusetasexo homens gozando e.falandopalavroeshomem escroto excitado gozando gemendo no grelo pra caralhoporno gey peando priminho pre. adolesente e jovem tanbem xvidiosrapaz com pau enorme na prai de nudismo no brasil e gostosa nao resiste e da p elecontos eróticos vovó transando com cavalofunk pancada novinha loirinha fudendo muito e meninas também cheirando muitovideo porno padrasto enfiando a mão na buceta da sua enteada com sua mãe do lado sem ela percebervizinha lactante contosmulenapicabdsm humilhaçao extrema contoContos a empregada com fotosxvıdeo novınha de bıquınıxvıdeo novınha de bıquınıcontos eróticos de entregador de agua como dona de casadeu para nao ser caguetada para o marido xvideosvídeo pornô Sport segurando marido comendo o cuzinho da comadre a forçamae deita com filho ela nao resiste transaele goza na bucetamulher centa na bengalaPasando com a cobra na cona Zooporntransei com minha irmaO Certinho e o Desleixado (Capítulo 3) casa dos contospirnobuceta freiraswww.xvideos meninas com fartura de carne da buceta e rabo gostosopornô brasileiro mulheres comendo outra com pipador falando putariaeu. quero. ve. video. porno. com. menina. de. quize. ano. pegarno. carona. de. caminhaouma diziam que iriam cavalgar pra dar pro seu namorado nomeio do mato sua bucetonawww.xvideo vanda virtusporno irma tremendo no pau ate o fundofilme porno home reprodutosexo contos eroticos comi minha prima d menor nordestinafilha dengosa e gostosa sendo acariciada pelo pai sexo pornomulhe.michando.eigual.homem.que.tem.um.grelao.que.prece.uma.rola.que.ela.bati.punheta.igual.homem.e.goza.espurrando.porra.fota.chupando o grelo de uma loira mulher chupando beijo tchauContos perdendo o cabaço com negao tripépornocontoincestosnovinha com beloto do grelo grandeapaixonado pelo meu primo brutamontes 2temporadafamilia sacana tufoscontos de putaria sou puta meu irmao um jumento fudeu o cu da minha amiga e eu ajudeiContos gays /fui estrupado por2 na escola e a diretora flagou