Casa dos Contos Eróticos

Click to this video!

AMOR COM AMOR SE PAGA - A surpresa (III)

Autor: Paulo César
Categoria: Heterossexual
Data: 14/05/2006 05:17:43
Nota 10.00
Assuntos: Heterossexual
Ler comentários (2) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Na casa de banho ouvia-se distintamente a água a correr com força do ralo do chuveiro. Percebia-se que Isabel se deleitava debaixo do jacto de água morna. De repente, a água deixou de correr e Isabel chamou:

- Amor?! Anda cá... Vem ensaboar-me as costas... Vens?

Adriano olhava o relógio a cada segundo, impaciente e tenso. Tinham passado apenas dois minutos. Eram 19h55! Encaminhou-se para a casa de banho disposto a ensaboar as costas da esposa, o que fez com desusada rapidez, deixando-a com um misto de ansiedade e insatisfação.

Saiu do wc e foi até ao quarto. Olhou o relógio ansioso: eram 19h58! Abriu a gaveta da sua mesa de cabeceira e retirou um acessório, que foi colocar na gaveta da mesinha de sua esposa. Na casa de banho a água voltava a jorrar do chuveiro e Isabel saboreava o jacto, sem pressas.

A campainha da porta soou: eram vinte horas exactas! Adriano sentiu um calafrio invadi-lo de alto a baixo. A surpresa chegara exactamente à hora marcada. Tremia, tenso e ansioso, invadido por uma sombra de angústia que não pensara poder sentir. Dirigiu-se à porta, quando a campainha soou uma segunda vez.

Tremendo, meteu a mão à chave e ao mesmo tempo espreitou pelo óculo de vigilância da porta. Do lado de fora via-se um vulto, impecavelmente vestido, que aguardava ser atendido. Adriano abriu entre o tenso e o desconfiado. Duvidava da sua decisão e começava a temer que o final pudesse ser contrário ao que havia projectado.

O visitante cumprimentou esticando a mão e apresentando-se, enquanto meneava a cabeça numa saudação de cortesia. Adriano confirmou os dados e verificou que a “surpresa” correspondia inteiramente ao que havia encomendado, pelo menos a julgar pela embalagem exterior. Adriano fechou a porta.

A voz de Isabel vinda da casa de banho fez-se ouvir, indagando:

- Amor... Quem tocou à porta?

Adriano mentiu:

- Querida, foi engano! Era uma pessoa a perguntar por um Feliciano... Conheces alguém com esse nome? Eu não conheço...

Isabel aceitou a resposta e saiu da casa de banho com uma toalha enrolada ao corpo. Foi até ao quarto e sentou-se na cama. Preparava-se para vestir uma cuequinha fio dental quando Adriano apareceu.

- Fofinha... – disse quase embaraçado – afinal não vamos ao cinema! Vou fazer-te a surpresa... agora! Veste-te, põe a roupa mais ousada e sexy que tiveres, põe-te bem cheirosa e verás!

Isabel estava boquiaberta, sem reacção, mas visivelmente excitada.

- Agora... Já?! – quis saber, como se pretendesse adivinhar o que lhe estaria reservado.

- Sim, minha gulosa! Agora... Já!

- Então e o jantar? – indagou ela, claramente ansiosa por saber que surpresa lhe tinha ele preparado.

- O jantar fica para mais tarde... Tens fome?

Ela movimentou a cabeça dizendo que não e os olhos faiscavam de excitação. Adriano saiu do quarto e encostou a porta. Ela estranhou a atitude e perguntou:

- Amor, porque fechas-te a porta? O meu corpo é teu e tu conhece-lo...

Adriano respondeu, agora mais calmo:

- Faz parte da surpresa, tonta! Veste-te que eu só quero ver depois. Quando estiveres vestida e perfumada, diz, mas não saias do quarto.

Ela assim fez, cumprindo com rigor e prontidão o que lhe era indicado. Vestiu uma cuequinha fio dental preta, com rendas de lado, deixando de lado a que tinha preparado inicialmente. Pôs um soutien condizente, que fazia sobressair as suas mamas de tamanho médio e lhe adornavam os peitos tornando-os mais redondos e firmes e deixavam ver as carnes bronzeadas. Usou uma saia branca, que lhe deixava visíveis os joelhos e faziam adivinhar a perna torneada e grossa, com ramagens vivas de flores vermelhas, que aguçavam a libido ao mais insensível, e uma blusa salmão, num tom suave, com a fralda por fora, que tornavam o seu busto totalmente apetecível e desencadeavam acessos de pura loucura em qualquer macho. A transparência da saia deixava entrever o contorno da cuequinha e a sua cor. A blusa, embora menos transparente, deixava adivinhar o contorno do soutien preto e o decote, com dois botões abertos, mostrava a redundância do peito lindo, onde os mamilos sobressaiam espetados na blusa, chamando a atenção do mais distraído. Faltavam os sapatos, já que ela não iria usar meias.

Isabel chamou o marido que se encontrava no “escritório” junto da surpresa e pediu:

- Docinho, não tenho aqui os sapatos... Posso sair e ir buscá-los?

Adriano respondeu que não e dirigindo-se ao local onde os guardavam perguntou:

- Quais são os sapatos que queres?

- Amor, traz-me as sandálias salmão, com correias que apertam na perna!

Era uma excelente opção, pensou Adriano. Ficavam-lhe lindamente e davam-lhe um ar muito sexy! Pôs os sapatos junto da porta e falou:

- As sandálias estão junto à porta, podes ir buscá-las!

Daí a pouco, depois de aplicar um perfume suave mas extremamente apelativo, de se maquilhar com maestria e de colocar uns brincos de argola, grandes, e um colar de pedras semipreciosas, que lhe realçava a face e o busto, falou para Adriano que aguardava junto da “surpresa”:

- Maridinho, já estou pronta! Que faço agora, saio? Ou aguardo?

- Já puseste o que está dentro da tua gaveta, como eu te disse? – perguntou Adriano.

- Não amor, falta isso... Mas... Querido, isto é uma venda? É para pôr esta venda? – perguntou quase incrédula.

Adriano confirmou e ela, rindo, foi apertando a venda em volta dos olhos, enquanto dizia:

- Não sei, não, mas tu estás a tramar alguma e das boas!.

Por fim confirmou que estava tal como ele indicara e recebeu como informação que aguardasse que ele ia buscá-la. Assim aconteceu. Adriano deslocou-se ao quarto e ficou embasbacado com a beleza estonteante da sua “amante”, com a sensualidade que transpirava de todo o seu corpo, com a tesão que ressaltava da sua silhueta e lhe provocava já uma erecção sem precedentes. Apeteceu-lhe beijá-la e possuí-la ali mesmo, sem mais pormenores ou demoras, mas soube conter-se e pegando-lhe na mão, que beijou com ternura, arrastou-a para a sala ampla e fê-la sentar-se num cadeirão de baloiço de perna cruzada.

- Espera um pouco, mas não tires a venda enquanto eu não disser. Tens que me prometer que não tiras a venda... Vou buscar-te uma das surpresas!

Ela prometeu, cheia de excitação e sentindo já o seu clitóris enrijecer e os seus lábios vaginais ficarem alagados da tesão que sentia e do fogo que a abrasava. Os mamilos estavam retesados de tão excitados e sentira um calafrio na pele quando ele disse “uma das surpresas”. Quer dizer que havia mais do que uma surpresa?

Adriano dirigiu-se ao “escritório” e trouxe a “surpresa” que de imediato se pôs em acção, aproximando-se de Isabel, por trás, e começando uma lenta, mas profissional, massagem nos ombros e no pescoço enquanto lhe ia lambendo o lobo das orelhas e lhe beijava o pescoço, pondo-a em perfeito estado de perdição.

Isabel gemia, contorcia-se, digladiava-se nas mãos sábias daquela “surpresa” viva e dizia entre dentes, num extase quase alucinado:

- Oooohhhh!!!! Que fogo sinto por dentro de mim! Que excitação me provocas! Oh que maravilha de mãos e que fogo de lábios. Devora-me com essas mãos... Devora-me toda e deixa-me de rastos! Nunca me senti assim, tão ordinariamente amassada! Come-me toda! Vem comer-me! Oooohhhh!!!! Que loucura, que tesão, que ardor sinto! Tenho a greta em chamas!

Adriano assistia sentado num sofá em frente. Por dentro das calças o seu caralho quase estoirava e o seu cérebro quase não conseguia digerir a sucessão de imagens, gemidos, palavras e sensações que o rodeavam e que provinham quer de si mesmo, quer da sua excitada e depravada esposa.

Não se conteve e abriu o fecho das calças, baixou-as e tirou-as juntamente com os boxeres ficando nu da cintura para baixo. A “surpresa” mantinha a cadência, explorando agora a zona dos seios e o abdómen, até junto da zona pélvica. Isabel urrava sem preconceitos, gemendo e lançando sempre palavras de prazer incontido, rebolando-se e meneando o corpo agora desnudado da cintura para cima, excepto o soutien que continuava abotoado, mas retirado do peito.

Adriano estava vidrado na sua esquentada “amante”, enquanto ela era amassada, massajada, explorada por aquelas mãos experientes, e de pau duro e grosso ia batendo uma punheta, constantemente interrompida sempre que sentia o clímax da explosão aproximar-se vertiginosamente.

Isabel uivava despudoradamente, freneticamente e de repente veio-se qual cadela no cio, apenas com as carícias da “surpresa”, lançando um estridente:

- Oooohhhh!!!! Foda-se, caralho... Estou a esporrar-me! Cabrão do caralho, fizeste vir-me sem me dares cacete ou chupares o grelo! Cavalo! Boi! Vais-me matar de tesão! Tenho a cona a escorrer... Estou a estoirar de febre! Quero ver-te a cara, fodilhão!

Adriano levantou-se de um pulo e gritou:

- Não amor, tu prometeste! Não podes tirar a venda! Promessa é promessa!

- Está bem, cabrão, está bem... Eu não tiro! Mas se esta é uma surpresa, qual é a outra! Tu rebentas comigo! Foda-se...

Adriano não respondeu, mas de imediato aproximou-se da cadeira, com gestos pediu à “surpresa” que passasse para o outro lado e de pé, segurando a cara de Isabel, que desviou para junto de si, apontou o seu mangalho duro e grosso e ofereceu-lho na boca. Ela não se fez rogada e de imediato começou a mamar aquela grossa salsicha, enquanto com a mão lhe puxava pelo colhões, sem piedade, obrigando-o a gemer, num misto de prazer e dor.

A “surpresa” explorava agora as coxas roliças e as pernas da fêmea, deixando propositadamente o triângulo cavernoso e húmido para último.

Adriano sentia arrepios de prazer constantes, à medida que sua “amante” lhe sugava e engolia literalmente o instrumento, e grunhia sem controle sentindo a boca quente e instruída de Isabel abocanhar sofregamente a sua vara.

A seus pés a “surpresa” lambia e massajava a pele sedosa das coxas da sua escrava, incendiando o corpo insubmisso que não parava quieto e se agitava sem desfalecimento, sentindo o seu ser invadido sem aviso prévio.

Adriano estava prestes a estourar numa esporradela sem definição ou limites. Sentia-se prestes a descarregar todo o seu leite naquela boca devoradora e fazia questão de inundar a sua “amante” sem qualquer pejo ou relutância. Ela iria saborear a sua produção leiteira, como uma autêntica vitela ao sugar o tecto da mãe vaca. Só que agora ela receberia o leite do seu boi cavalo! Num estertor final, com o clímax a atingir a ponta da sua tora, urrou como um autêntico cavalo que toma a égua e a estoca sem piedade e veio-se num gozo que durou vários e dilacerantes segundos, enquanto a fêmea abocanhava todo a ferramenta, deglutindo esfomeadamente a escorrência pastosa e agridoce do seu macho.

Refeita do ataque sofrido, lambuzada da esporra que recebera e que engolira, Isabel respirou fundo e disse ordinariamente:

- Tu és um autêntico boi. E com essa moca assim cheia de leitinho, qualquer boca mama sem reclamar! Adoro-te, meu maridinho!

De joelhos aos pés de Isabel, a “surpresa” investia agora no tufo de pintelhos negros que encimavam o clitóris e adornavam os grossos e rosados lábios daquela cona totalmente lubrificada. Ela soprava, arfava, gemia e ele massajava o grelo, abria-lhe as pernas e cirandava nas bordas do cu apertado, da cona macia e quente, provocando-lhe espasmos seguidos, que ela não conseguia dominar e abafar.

Adriano, de pé, socava já o seu sardão numa nova punheta, alucinado pela visão da sua mulher a ser dominada e fodida por aquele macho que ele requisitara para lhe fazer uma surpresa. Nesse momento, as mãos sábias da “surpresa” entravam devagar naquela cona fogosa, mergulhando dois dedos e depois três na funda mina da vulva totalmente exposta. As pernas estavam levantadas e todo o espaço da cona e do cu estavam disponíveis e totalmente dilacerados pelo abundante gozo que quase golfava das entranhas. Num ápice, a língua experiente do macho desceu à caverna de alibábá e Isabel gritou:

- Caaaaraaaalhoooo!!!! Fooodaaa-seeee!!! Estou toda fodida, cabrões! Vocês rebentam comigo! Quero ser mamada a sério! Faz um minete com ganas de cão raivoso, seu mineteiro! Fode-me a conaça toda com essa língua, filho da puta! Oooohhhh!!!! Que tesão! Que entesoada me sinto...

A “surpresa” iniciou então um minete frenético e passados três minutos Isabel esvaia-se em sucos, gritando desvairada, dizendo que estava a derreter-se em leite.

Nesse momento, Adriano que estava de pau feito e pronto a foder a sua esposa, chamou a “surpresa” com um sinal e os dois trocaram de posição. Enquanto Adriano se ajoelhou aos pés de Isabel pronto para lhe lamber a cona inundada de sumos vaginais, a “surpresa” que ainda estava totalmente vestida, começou a despir-se e em breves segundos estava apenas de cuecas fio dental vestidas.

Adriano quis presenciar o processo e disse a Isabel:

- Querida, espera um pouco que já terás mais... É só um momento!

À medida que o macho “surpresa” se despia Adriano pôde apreciar as formas firmes do seu corpo musculoso e bem tratado, a aparente macieza da sua pele, a sua apresentação cuidada e, por fim, o volume do seu membro resguardado na cueca preta. A julgar pelo volume, a “surpresa” teria uma agradável surpresa para Isabel!

Adriano indicou-lhe que deveria oferecer-lhe o cacete para ela fazer um broche e ele, de imediato, tirou a cueca fio dental, deixando à mostra uma instrumento deveras grande e grosso, onde sobressaía uma cabeçona vermelha latejante. Adriano assustou-se com o tamanho e a grossura daquele caralho, pensando já na foda que sua esposa iria receber.

Dedicadamente, Adriano baixou-se e começou a massajar o grelo de Isabel que de imediato se contorceu na cadeira, gemendo de gozo. A “surpresa”, totalmente nu e de caralho já bem grosso, começou por segurar na mão direita de Isabel e guiando-a até ao seu membro levou-a a fazer-lhe uma punheta. Ao sentir o rolo de carne descomunal na sua mão, que mal conseguia abarcar a totalidade do diâmetro, Isabel mostrou estupefacção e sem rodeios, disse:

- Chiça, punheta! Vou levar com este salpicão na boca e na cona? Filho da puta de caralho grosso e grande! Mas eu vou fodê-lo todo! Vão ver...

Durante alguns minutos a “surpresa” foi sendo manuseada pela mão incansável de Isabel, que em determinada altura parou e puxando o grosso e duro caralho para si começou a engoli-lo, a princípio devagar, como se quisesse ajustar-se às medidas do bicho, mas logo depois sem cerimónia, fazendo questão de o abafar todo na boca, e provocando no macho estonteantes gemidos de prazer, embora tentasse não o dar a entender. Na outra extremidade, Adriano lambia todo o corredor vaginal, demorando-se igualmente no cuzinho virgem de sua “amante”. Isabel gemia porque era arrombada na boca e porque era sugada na cona! Adriano sentia uma tesão descomunal e estava prestes a deixar o minete que fazia para se dedicar com intensidade a uma foda, penetrando a cona de sua esposa que já não possuía, assim, há quase cinco meses! Sentia que o ia conseguir! Excitava-se ao ver aquela grossa moca entrar e sair da boca saborosa de sua mulher e enquanto a minetava, ia batendo uma punheta, embora suave, na sua vara hirta.

A “surpresa” estava prestes a atingir o seu primeiro orgasmo e urrando falou pela primeira vez junto de Isabel:

- Vá putéfia, chupa-me o cacete... Mama o caralho da tua “surpresa” e faz-me vir, ordinária! Já não comes sarda na cona há cinco meses, mas hoje vais tirar a barriga de misérias! Vou-te arrombar a greta até te sentires saciada, vaca do caralho! Mama, porca, mama que o teu marido está a lamber-te a cona e a punhetar o caralhinho dele. Vá gulosa, mama, mama... Oooohhhh!!!! Esporro-me toooodoooo!!!! Foda-se que tu és boa como a melhor das putas!

E esporrou-se em jactos de lava quente na boca e na cara de Isabel que, enquanto recebia o leite daquele pau extra-large, atingia um novo orgasmo dando de presente ao seu marido os sumos que lhe escorriam pela coninha escaldante.

Adriano esteve prestes a rebentar, mas controlou-se e assistiu quase absorto ao descarregar do armamento da “surpresa” gozando intimamente a felicidade que sentia alastrar pelo corpo todo de sua doce “amante”.

Enquanto Isabel fazia questão de engolir a totalidade do esperma que tinha sido descarregada na sua boca e na sua cara, a “surpresa” iniciava já uma nova etapa, passando a dedicar-se a uma punheta suave, de pé, enquanto massajava as mamas duras e bonitas da fêmea. Adriano, também de pé, fora junto da cabeça de Isabel e deu-lhe um beijo na boca, provando o sabor da nata quente da “surpresa”, recebendo como troco as palavras tresloucadas de sua mulher:

- Meu cabrãozinho querido! Só tu podias oferecer-me uma “surpresa” destas, com um caralho tão grosso, tão comprido e com um leite tão gostoso! Vou-te compensar... Tu és o meu garanhão de estimação, mas este boi cavalo que me trouxeste é sublime! Obrigado, porcalhão. Dá-me outra vez a tua pichota para eu mamar! Quero ser a maior das putas, hoje...

Já de caralho duro, a “surpresa” ajoelhou junto da cona da escrava e, segurando as pernas no alto, apontou o bacamarte e, como uma flecha apontada ao alvo, entrou na gruta em chamas, com uma cadência aterradora. Isabel ao sentir aquele martelo de bola afundar-se na sua rata gritou, qual animal acossado e ferido, retirando da boca o cacete de Adriano, e grunhiu:

- Seu cabrão do caralho! Javardo! Arrebentas-me com a gruta toda, boi... Seu arrombador de conas! Vá fode! Estás à espera de quê? Que eu te diga para parares? Fode, animal! Viola-me a pachacha e arreganha-me as beiças da conicha! Vou-te engolir todo e tu vais guinchar que nem um porco quando eu te fizer esporrar, fodilhão.

Já acostumada ao vaivém do macho, retomou o broche a Adriano que se comprazia ao ver aquela grossa metralha entrar e sair, sem piedade, da cona, até ali só sua, de sua “amante”. Desvairado, cheio de tesão e excitado pela visão infernal daquela foda que sua mulher recebia, Adriano pediu:

- Ó tu... machão do caralho! Enterra nessa ratazana sem dó! Dá-lhe com força que ela quer é ser fodida! Tira-lhe a fominha toda e esporra-te bem no fundo dessa greta! Vai... Estoca nela! Afunda essa moca até ao nó dos colhões! Ela tem cona que chegue para isso e muito mais!

Isabel arfava, chupando o cacete de Adriano; grunhia enquanto o caralho duro e comprido da “surpresa” lhe arrombava o canal vaginal, tocando-lhe no útero. A “surpresa” espetava cada vez com mais vivacidade na cona esparramada de Isabel, sentindo que o clímax chegaria a qualquer momento. Adriano babava-se de tesão ao ver-se espectador daquele espectáculo quase fantasmagórico e ao sentir-se “cabrão” por amor, enquanto a sua verga era manuseada habilmente por sua esposa, que agora o punheteava, depois de muito o ter mamado.

Num ápice a “surpresa”, qual animal encurralado, urrou num estertor de gozo e afundou todo o seu ferramental na dilacerada cona de Isabel que ao sentir-se inundada pela esporra escaldante do macho cobridor entrou totalmente em órbita e completamente tresloucada, se esporrou em simultâneo, falando e gesticulando animalescamente, enquanto continuava a receber as estocadas fortes da “surpresa”.

Em estado de extase, tomou o caralho de Adriano e puxando-o com força deu-lhe uma mordida que o pôs aos gritos, perdido também entre a dor e o prazer.

A “surpresa”, dorida dos joelhos, tirou o cacetão e da vulva completamente arrombada escorreu um grosso jacto de leite que foi depositar-se na cadeira de baloiço onde Isabel se encontrava deitada, resfolegando e dizendo frases sem nexo.

- Caralho... Isto é que é foder! Grande foda levaste tu na cona, minha puta! Andavas a pão e água, mas hoje foste totalmente preenchida... Que grande martelo te entrou pela cona dentro, ordinária!

Completamente exaustos, todos se prostraram adormecendo durante breves minutos. Daí a cerca de 20 minutos, Isabel acordou e ainda de olhos vendados chamou pelo marido:

- Amor! Onde estás? A surpresa já acabou?

Adriano acordou de imediato e olhando em redor viu a “surpresa” esticada ao comprido no sofá, de pichota caída e pingando, Isabel estirada na cadeira de baloiço com a cona toda inundada de esperma, as faces esbraseadas e as tetas ainda firmes e ele próprio exausto e capaz de desistir. Mas a outra surpresa ainda estava para vir e, por isso, havia que retomar, a acção. Respondeu:

- Não! A surpresa ainda não acabou! Agora falta uma parte importante da festa! Por isso prepara-te que ainda vais ter que dar mais...

- Foda-se... – respondeu Isabel – Vou ficar mesmo de rastos! Caralho!

A “surpresa” levantou-se e foi à casa de banho. Isabel aproveitou e ao ouvir a porta encostar perguntou a Adriano:

- Amor, onde foste arranjar esta alavanca monstruosa? Bem, nunca pensei que fosse tão bom levar com um caralho tipo cavalo! Foi de mais! Vou-te compensar...

Adriano não respondeu e entretanto a “surpresa” voltou pronta para retomar a função. Apalpando as tetas de Isabel e o tufo de pintelhos deu início ao segundo ataque. Ela acusou o toque e de imediato demonstrou que estava igualmente pronta. Adriano começou a fazer uma punheta e rapidamente ficou com o caralho duro, sentindo-se excitado. Quando a “surpresa” atingiu um ponto de erecção aceitável, Adriano fez-lhe sinal para ele parar e, tomando as mãos de Isabel, disse-lhe:

- Vamos, filha! É agora que vamos à segunda parte! Vem, vamos para o quarto!

Já no quarto a “surpresa” deitou-se de costas e Isabel guiada pelo marido foi colocar-se sobre a pistola carregada do macho que prontamente entrou nela começando uma cavalgada que agora era controlada pela fêmea, enquanto o marido ia preparando o caralho com uma punheta.

Decorridos alguns minutos, a “surpresa” parou e saiu debaixo de Isabel que foi mantida na posição de cachorro. Acto contínuo recebeu na boca a dura broca da “surpresa” que abocanhou com destreza, enquanto, colado ao seu traseiro, Adriano se preparava para surpreender Isabel, dando-lhe pela primeira vez, desde o acidente, a sua verga dura e lancinante.

Tomando os quadris da “amante”, Adriano apontou à greta totalmente dilacerada por aquele martelão e, sem hesitar, afundou-se até aos colhões, iniciando uma canzana gostosa e desenfreada. Isabel percebeu de imediato qual era a surpresa e segurando o mastro do macho, gritou para o marido que a chicoteava forte:

- Vai amor, espeta-te todo, todinho em mim! Eu sabia, cavalão, que tu ias voltar a dar-me a tua salsicha na cona! E eu vou querer senti-la toda afundada na minha greta! Fode, caralho, fode sem dó! Eu sou a tua puta de estimação! Esporra-te!

Retomou o broche enquanto Adriano lhe fodia a cona e de repente começou a arfar desenfreadamente atingindo o orgasmo no pau do marido. Adriano tirou o caralho e foi lamber o leite da sua cona “amante” e de seguida pediu à “surpresa” que se voltasse a deitar de costas de modo que Isabel recebesse o seu caralho na cona.

Isabel não rejeitou a alteração e rapidamente estava a cavalgar o mastro do macho, enquanto Adriano se preparava para a surpresa final.

Tomando uma embalagem de lubrificante besuntou toda a sua vara, cuidadosa e abundantemente, enquanto a sua mulher baloiçava na vara da “surpresa”. Sentia uma tesão infernal ao ver a sua esposa fiel subir e descer naquele rolo de carne e aceitar sem reticências ser a escrava dum desconhecido. Quando já estava preparado, pediu a ambos que parassem e dispondo-se atrás das nádegas de sua esposa, despejou uma boa quantidade de lubrificante sobre o anel do cuzinho virgem e começou a massajá-lo leve e convictamente, introduzindo um dedo, depois dois, depois três cada vez mais fundo e com maior intensidade.

Isabel percebeu de imediato o que a esperava e nada disse ou opôs. Sabia que de nada lhe valeria dizer fosse o que fosse. Além do mais, quem aceitou um desconhecido, totalmente às cegas, e com ele atingiu o gozo supremo de vários orgasmos, não poderia agora recusar o gozo do seu adorável marido.

Prontificou-se pois para ser sodomizada pela primeira vez e psicologicamente foi-se preparando para o momento em que aquele doce e duro caralho lhe penetrasse o cu, sentindo o prazer da posse anal.

Adriano foi preparando o momento com calma e igualmente nada disse. Quando tudo estava em ordem voltou-se para a “surpresa” e ordenou:

- Vá, fode-lhe a cona que eu vou-lhe meter na peida e rebentar-lhe com o cu!

Pacientemente, enquanto o grosso talo invadia a cona, Adriano apontou ao cu lubrificado e em suaves estocadas foi tentando abrir o canal, de modo que sua esposa não se sentisse violentada.

Quando metade do seu cacete já estava na caverna escura daquele cu, parou e perguntou a Isabel:

- Amor, está a doer? Já tens metade do meu caralho no teu cuzinho! Queres mais?

Isabel ronronou entre o prazer e a dor e disse firmemente “sim” e ele, com ganas de cavalo que assalta a sua égua no cio, segurou com firmeza as ancas roliças da mulher e selvaticamente estocou até ao nó, fazendo os seus colhões encostarem nas bordas daquele cu até ali virgem.

Sentindo-se totalmente preenchida, Isabel desafiou os seus cavaleiros a esporrarem-se, enquanto ela era ensanduichada entre o marido que a rebentava no cu e a “surpresa” que lhe invadia a cona. Adriano começou a arfar ritmada e fortemente anunciando a chegada da nata. A “surpresa” acelerava a foda e grunhia, qual boi que sabe que a vaca lhe quer sugar o leite. Isabel, totalmente submetida e sentindo os grossos vaivém dos dois bacamartes, estava prestes a esvair-se num orgasmo inesperado e novo, enquanto era enrabada e fodida na cona.

Ao mesmo tempo, os três esporraram-se e o gozo simultâneo de todos foi indiscritível, ao ponto de todos dizerem coisas sem nexo e se chamarem ordinarices impossíveis de descrever.

Segundos depois, ainda engatados, Adriano voltou-se para Isabel e ordenou:

- Tira a venda e vê quem e como fostes fodida, minha puta do caralho!

Isabel tirou a venda e ao olhar nos olhos a sua primeira “surpresa” quase desfaleceu, tal era o porte daquele macho que a havia possuído. De imediato Adriano saiu do seu cu e a “surpresa” da sua cona. Isabel, totalmente inundada de esperma pôs-se de pé e toda ela escorria leite da sua cona e do seu cu. Olhou em redor e, claramente exausta, agarrou-se ao seu marido e disse com doçura:

- Não perdes pela demora, querido! Amor com amor se paga!

Comentários

29/11/2011 22:30:34
Linda história...
23/07/2008 11:56:25
Se todos os casais fossem assim, não havia divócios! *

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.




Online porn video at mobile phone


pasando a mào na buçta da gostosaxxx carariu grandicontos eróticos roçando meu cacetao por cima fa bucetinha da irmanzinhataradao fode esposa na frente da amiga que quer tanbem.comvidio disexe porno yotubechupei lambi os pés da minha prima mais nova dormindotirei a virgindade dela contos eroticos de lesbicascontos minha tia nick 2ninfomaníaca viciada em zoofiliamorena anda na rua de vestido branco ai himen vai ate la e fode elacontos/comi a mae e tirei o cabaco da filhaporno so vidio reral tiramo a vingidadecolica o pinto na buceta com saiaVirgindade anal incesto Desde pequena Contolouras peludas taradas fudedoras malucas chamando palavraoesposa bunda ggg conto com negaosexybemmaisvídeos porno de bonecas de prático gigantespalavroespornobrasileirasminhas condiçoes de corno contos eroticoquero os melhores contos eróticos de enteadas brigonas com fotosso puta dancando sexual e menor mostrando o peitinho e bucetinha enchada marcado a calcinhaContos eroticos dormindo,gey fazendo fime porno com homem infindo garrafas no geypeso d porrta gatinhalactofilia com leite materno fetichefui brincar com meu cao e fui enrrabada contoconto erótico Inaradoce nanda contos eroticosporno doido teste en cascavelcomi a minha tia pela primeira vezcontos irmazinha nossa punheteiraCovidei meu amigo pra toma uma cerveja em casa depois comemos minha esposa casa dos contosporno mae e filha oubrigada pagar agiotacontos de sexo depilada na praiainara puta dando pro sogrocoisinha do pornô bumbum na nucaeu já perguntei onde tu tava ontem Live sexo vídeo pornô deixa que eu adoro vai bater igual a Shakiragostosa chifrando corno com seguranças na festa contos eroticosnovinhas so gost de negraopornoxvidios betinhos lindoqero vido de transafamiliarcasada fode chamando corno falando obscenidadesContos animados papai tio e padrinho me foderam muito quando novinhaporno sem casaminhasEu brico no colo do papaimassage ando a cunhada contoconto porno saiu sanguewww.guarda costa da granfina pornoDeixou varios gozar dentro frutapornocontos porque virei crossdressingpornodoido comendo aminha madrasta emcanto eladormirconto erotico macho dominador convida amigos pra foder viadinho submissopornopaumostroiniciando um viadinho contocontos de zoofilia com macaco bem dotadoVIDIOPOMO PETECAcontos de calcinhas da tiasexo gay contos valentãomulher bundona camsola curtinha trepand pornodoidoconto porno me separei por causa da traicao da minha esposaos cara chegaram passando a mao na gostosa depois fuderam ela porno a.focasou tarado rasgo cu zapvideo porno padastro tomando cafe e entiada estidando pra prova de sainha mostrando a calcinha brancaMenina pedendo cabaçoxxvideovideo de padrasto tentando resistir a enteada rebolando no colo delexxx vídeos novinhas aproveitando que a sua mãe saiu no pornô iradofilha dengosa e gostosa sendo acariciada pelo pai sexo pornocontos de sexo raspei minha bucetaminha mãe me surpreendeu contos de incestocontos defloraçao anal