Casa dos Contos Eróticos

Click to this video!

Sandra e o preto velho-V

Categoria: Heterossexual
Data: 31/10/2006 19:25:39
Última revisão: 01/04/2008 14:58:56
Nota 7.44
Assuntos:
Ler comentários (10) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Sandra e o preto velho-V

Um dia, no trabalho, seu Aldo me disse que embora eu nunca tivesse encontrado alguém do resto de sua família, ele queria que eu conhecesse seu "papai". Eu não podia acreditar que ele pudesse ter um pai ainda vivo, mas ele me disse que certamente tinha e que seu pai tinha apenas 80 anos. Ele queria que eu o encontrasse e a seu pai no aniversário de seu pai.

Pensei que aquele era o mais belo gesto que ele já tinha feito em termos de tratar-me como se eu fosse realmente parte de sua vida. Só por isso concordei em encontrá-los na casa de seu pai naquele dia depois do trabalho.

O pai de seu Aldo era muito velho e curvado. Ele era desdentado e usava suas calças puxadas quase até o seu peito, presa ali por um grosso par de suspensórios velhos. Tinha cabelo grosso crescendo para fora de seus ouvidos e era ligeiramente surdo. Pensei que talvez se ele cortasse um pouco os pelos de suas orelhas fosse capaz de ouvir melhor. Mas preferi não oferecer minhas sugestões.

Quando encontrei "Oto", eu estava vestindo um vestido preto curto, com um decote profundo. Eu queria impressionar. Eu também usava a corrente de seu Aldo em meu tornozelo. Eu preferia não desobedecer ou agir demasiado independente e, ademais, secretamente eu adorava pensar em mim mesma como propriedade de seu Aldo. Creio que aquilo era tão excitante para mim quanto para ele.

Nunca esquecerei o olhar no rosto de Oto, quando fui apresentada a ele. Ele me olhou de cima a baixo como se não pudesse acreditar que eu fosse mulher de seu filho. Seu rosto se iluminou e ele ficou quase sem fala, no início. Então ele disse alto, para seu Aldo enquanto olhava para mim, "Puta merda, filho ... Eu não tinha idéia de você estava falando de algo assim!!!"

Eu sorri e fiquei ruborizada. Eu estava agradavelmente constrangida. E então enquanto o ancião me olhava, meus seios retomaram seu hábito - enquanto admirados por homens negros mais velhos - de inchar, erguer-se, e projetar seus mamilos.

Oto notou. A múmia de ébano na minha frente começou a lamber seus velhos e grossos lábios e, surpreendentemente, comecei a ver suas calças estufar. Oto era grande como seu filho. Seu Aldo tivera de quem herdar suas características.

Na mesma hora em que Oto me notou e minhas protuberâncias, eu notei a dele. Nós dois estávamos impressionados com os dotes um do outro.

Oto deu uma palmadinha no sofá junto a ele e me pediu para sentar ali. Eu fiz isso. Seu Aldo então me surpreendeu ao pedir desculpas, dizendo que precisava ir à loja de bebidas buscar umas cervejas. Oto e eu ficamos juntos sentados no sofá. Ele virou-se para mim, dizendo-me que me achava, "uma beleza." Quando ele se virou, o volumoso arpão que era seu caralho projetou-se, esticando suas calças de modo obsceno.

Eu fiquei ruborizada e disse "obrigado", mas não pude evitar dar uma espiada em seu equipamento e imaginar seu tamanho - e poder de enrijecimento.

Oto me falou de sua infância lá em Pernambuco e de como ele muitas vezes se descobrira desejando alguma bela mulher branca, e então tinha que desviar seus olhos quando ela olhava de volta, temendo por sua vida se seu olhar fosse tomado for lubricidade - o que às vezes era.

Oto me disse ele idolatrava aquelas belas damas filhas dos fazendeiros, as quais ele às vezes via de longe. Mas ele também as odiava por sua pretensão de superioridade e afetação. Ele sempre desejara poder apenas uma vez estar com uma. "E agora," ele disse: "com você, Sandrinha, aqui em meu aniversário - talvez meu último - meu filho me diz que você vai fazer meu desejo realizar-se, né?"

Eu estava chocada. Ele estava brincando? eu pensei. Eu sorri e tentei rir daquilo, "Oh certamente, Oto, eu sou apenas um presente especial para você hoje, certo?" eu ri. Mas Oto não estava rindo. "Você ri, mocinha ... Mas é pra isso que você está aqui certo?"

Oto parecia magoado. Eu imediatamente soube que seu Aldo tinha feito uma piada cruel com nós dois. Eu me senti péssima por Oto. Como podia seu Aldo fazer aquilo ao seu velho pai de 80 anos?

"Oto, eu sinto muito. Eu acho que seu Aldo fez uma piada cruel com nós dois. Eu vim aqui apenas para desejar feliz aniversário a você, nada mais."

Oto pareceu pender, tão triste e constrangido parecia. "Eu devo ser um tolo," ele resmungou, "Eu devo ser um tolo para pensar que uma deusa como você iria querer ..."

"Não Oto, não diga isso," eu atalhei, sentindo-me terrível por aquele pobre velho homem. "Não há motivo para que uma mulher não queira estar com um homem como você," eu disse: tentando levantar seu ânimo. Mas eu não imaginei como minhas palavras poderiam soar para um homem velho desesperado.

"Por quê?" ele me disse desafiando.

"Bem, você é mais velho, mais experiente e mais maduro que muitos homens mais jovens. Você deve saber, seu Aldo deve ter lhe falado sobre nós dois, e você deve saber, pelo que ele lhe disse, que muitas mulheres brancas jovens e bonitas são particularmente atraídas por homens negros muito mais velhos."

Eu podia ver seu ânimo se elevando. Mas, infelizmente, eu notei que o nervo em suas calças estava subindo também. "Então, você realmente acha esse preto velho de certo modo atraente, né?"

Eu fiquei paralisada naquele momento. O que eu podia dizer? "Sim. É claro. ... você é muito, muito elegante, Oto, você realmente é."

"Bem, então, doçura, porque você não toma uma amostra de um pouco disso, hem?" ele disse desviando o olhar para seu enorme pau duro.

"Bem, Oto, eu sou namorada de seu Aldo. Você entende, né?"

Oto debruçou-se e começou a acariciar minha coxa. "Qualquer coisa que é de meu filho é minha por direito de família."

Normalmente, eu teria rido de um comentário tão sem sentido. Mas eu vi que Oto estava sério. E seu manuseio estava começando a deslizar cada vez mais pra cima de minha coxa. Eu tentei segurar seu pulso e empurrá-lo delicadamente, dizendo, "Oto, isso é realmente descabido," mas era claro que o velho não tinha tido nenhum conhecimento sobre o que significava assédio sexual - e ele realmente não ligava se seu apalpar de minha coxa era `descabido' ou não.

"Porra, Sandra, você tem umas lindas pernas!" Oto exclamou, olhando para a carne que ele estava apertando no alto de minhas coxas carnudas. Enquanto eu lutava, tentando empurrar suas mãos, eu respondi de modo ridículo, "O-obrigado, Sr. Silva. É-É muito gentil de você dizer ... Mas é realmente, realmente descabido você estar me apalpando desse jeito!" Lentamente, aquele velho sátiro estava fazendo minhas coxas abrirem. Eu me senti desamparada, eu não queria insultá-lo e sentir a ira de seu Aldo, mas eu não queria me submeter àquele horrível e rústico bode velho.

"Vamos Sandra, você sabe que você me quer. Eu vi você olhando minha manjuba, mocinha."

Oto estava certo em certa medida. enquanto eu tentava rechaçá-lo, eu não pude evitar espiar a volumosa protuberância dentro de suas calças. Havia até mesmo uma mancha úmida crescente formando-se bem acima da cabeça dele, encharcando o tecido surrado. Comecei a imaginar, que se eu apenas o esfregasse um pouco ele iria gozar e então me deixar em paz.

Decidi-me e comecei a esfregar o volume nas calças do velho. Mas meu plano saiu pela culatra, ele estimulou a idéia de que eu realmente o queria, e ele se empenhou mais firmemente em seu objetivo. Não era minha vontade, mas meu corpo começou a reagir como se tivesse uma vontade própria e buscasse exibir seus encantos àquele velho. Ou talvez fosse sua vontade renunciar a qualquer controle interior, e render-se àquela vontade superior à minha, que exigia minha submissão.

Infelizmente, minhas coxas começaram a ceder sob a constante sondagem das mãos e dedos do patriarca africano.

Oto subitamente abriu um largo sorriso. Ele me olhou no fundo dos olhos e declarou a verdade inexorável: "Menina, você está molhadinha por mim."

Eu estava. Eu estava envergonhada então, e estou envergonhada agora quando me lembro e conto, mas as mãos de Oto me acariciando, e a visão e o sentir daquele monstro encoberto entre suas pernas tinham me deixado ardendo tesão e molhadinha por aquele octogenário preto desdentado e enrugado.

Oto curvou-se sobre mim e, debruçado, pôs seus grossos lábios em meu pescoço. Ele chupou-o, delicadamente no início, e depois com lubricidade. Nós ficamos sentados como adolescentes no jardim do prédio, com aquele 'moreninho' plantando uma grande, mancha vermelha em meu macio pescoço branco.

A mão de Oto acariciou meu seio, seu polegar brincando com meu mamilo inchado e dolorido. Eu gemi. Eu podia sentir minha calcinha ficando mais úmida. Agora meu corpo estava respondendo a Oto. Os lábios de minha buceta estavam segregando sucos, lubrificando especificamente para que sua idosa arma preta pudesse penetrá-los.

Eu murmurei: "Oto, há um quarto onde nós possamos ir?"

Ele retirou seus lábios de minha garganta com um beijo ruidoso, "Claro ... é isso o que 'você quer?" ele perguntou olhando-me no olho, agora se sentindo no comando da situação.

Ele já sabia a resposta. Mas, mais do que ouvir minha concordância, tenho certeza de que Oto pretendeu obrigar-me a reconhecer que a jovem esposa loura de André Silva, depois de ter sido arrebatada, penetrada e esporrada por seu filho Aldo, reconhecia agora e se rendia à necessidade atávica das mulheres brancas de entregarem o corpo e receberem nas entranhas a gosma e o poder inchado em carne negra dos filhos da África.

"Sim," eu murmurei de volta, desviando meus olhos dos dele. Envergonhada de meu tesão.

Ele apontou para um corredor atrás de nós. Eu me levantei. Oto não podia levantar do sofá sozinho, e tive que ajudá-lo puxando-o do sofá e pelo corredor. Uma vez no quarto, eu tive mesmo que ajudá-lo a despir-se.

Eu pensei, "quão baixo afundou minha vida a ponto de estar aqui num quarto fétido e sujo com um homem preto tão velho e debilitado que eu estou literalmente despindo-o para ajudá-lo a me foder? Eu teria gritado e chorado, não estivesse tão necessitada de seu sexo.

Depois de despi-lo, eu o fiz recostar-se contra a cabeceira da cama. Enquanto me desnudava no lusco-fusco do quarto, eu via Oto acariciando seu caralho imenso, entusiasmado com a potra que se oferecia para ser montada. O velho parecia chicotear aquele cacete como se fosse uma grossa mangueira. Quando eu estava quase despida, eu vi que seu pinto estava novamento endurecendo. Eu fiquei surpresa de que aquele homem preto semicadavérico estivesse mais pronto para sexo com oitenta anos de idade que meu marido branco jamais fora com trinta.

Eu estava pronta também. Eu fiquei na frente de Oto sentindo-me incrivelmente ardente e em chamas. Eu olhei para ele e alisei os lábios de minha buceta com meus dedos, depois os trouxe para meus lábios e os chupei.

"Eu estou com tanto tesão por você, Oto," eu murmurei ao homem enrugado, enquanto eu continuava lambendo meus dedos. "Isso é como uma porra dum sonho, mocinha. Venha cá antes que eu estoure!!!"

Eu fui. Eu fui à cama do velho, e montei nele. Eu abri minhas coxas, minha buceta à altura de seus lábios, e fui descendo. E fui oferecendo ao velho negro a cova que eu tinha apenas meses antes jurado ao mundo, num altar, que iria apenas ser oferecida a meu marido.

A rechonchuda cabeça do caralho de Oto começou a esticar meus lábios quando eu ajoelhei sobre ela. Doía enquanto ela me esticava. Mas eu gostei da dor que ela me deu. Eu necessitava exatamente daquele tipo de dor. Eu podia sentir o gordo membro negro começar a me penetrar. Mais e mais fundo eu recebi o grosso pretume de Oto em meu corpo, até nossas virilhas encostarem. Ele pegou e agarrou meus quadris puxando-me para baixo sobre ele. Ele sorriu abertamente.

"Meu Deus, você agora é minha, não é, Sandra?"

"Sim, Oto ... Eu sou sua."

Comecei a corcovear pra cima e pra baixo, me enroscando na masculinidade de Oto. Eu podia ouvi-lo grunhindo enquanto eu fazia isso. Ele pôs as mãos nos meus seios e brincou com eles - apertando-os e puxando-os. Eu adorei aquilo. Oto estava fazendo-me sentir como uma mulher de novo - muito mais que meu jovem marido jamais tinha. O velho com sua masculinidade africana merecia que quebrasse meus votos brancos ocidentais ... E eu sabia que faria isso de novo para ele. Oto Silva.

Oto gozou dentro de mim, mais e mais, aquela noite. Seu Aldo não voltou mais. Ele deve ter sabido que mesmo seu velho pai podia me possuir, conhecendo a persistência dos homens em sua família, e minha fraqueza exatamente para tal persistência dos homens negros.

Aqueles homens negros - mesmo velhos e carecas - pareciam quase geneticamente predispostos a serem capazes de me seduzir e acasalar comigo. Deixar me no estilo da família. Procriando os futuros machos de uma nação negra e forte em meu aberto, desejoso e fértil útero caucasiano.

Comentários

01/06/2017 17:04:21
Uau Fabuloso
j.a
08/05/2015 02:40:21
vc falou tanto de sua belíssima bunda e ninguém comeu e esses 5 contos poderia ter feito em 3 com enrabada dele no no segundo e uma dp com o pai dele no ultimo, teria melhorado, enfim ta bom mas pode melhorar
15/02/2015 21:40:08
Preciso urgentemente de 1 litro de sangue deste senhor para fazer uma transfusão no meu marido!
k.
21/08/2011 14:12:39
realmente fabulosa sua narrativa. fantástico talento para contar histórias eróticas.
27/01/2009 07:40:24
Putz...será que o Aldo não tem um avô p comer a Sandra tb? kkkkkkkk
27/01/2009 07:39:38
Putz...será q o Aldo tem tb um avô p comer a Sandra? kkkkkkkkkkk
01/04/2008 20:01:36
Sem chances....
01/11/2006 09:44:01
Sandra, muito bem escrito. Mas, a temática está saturada. Vc não acha?
01/11/2006 09:22:05
Sandra... na boa... realmente já cansou. Este seu fetiche por matuzaléns de ébano, feios, desdentados, carecas, barrigudos e com pica de jumento já foi. Nota 2.
31/10/2006 20:09:43
Vais me desculpar Sandra,e nao tenho nada contra pessoas de raca negra,mas tanto preto velho ja cansa.

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.




Online porn video at mobile phone


rapazinho mimado dando o raboContos eroticos sou obrigada a fazer nojerasadorei picao do papai na minha bucetinhavidio de novinha bricano de saia curta com a molecadasexo anal hAaaaacache:cB0rtZ1uQCMJ:https://zdorovsreda.ru/texto/2015051133 conto erotico gay o policial e o garoto marrento #14novinha de biquine fazedo sexo de ladinho colado bem devagarinho no cuzinhoxvidio ela mete muito ki abuceta.chega morder o casetecontos eróticos suportando três cacetes com carinho e amorezibir vidios o cacorro e criado desde pequeno com a menina derrepente ele resoçve comer a buceta delavideos porno de crente lombuda com vestido trasnparentefilha fodendo com pai na excursaoabraçando por trás incesto relatoxvidio nocinhas geme gostozo dando o cucontos eróticos minha mãe parte 4Transando com o pai ate esguichar de prazer em putaria brasileira videos curtos de incestocontos eroticos casada aguenta 27cm do cacete do vizinho novinhocontos de incetos e orgias entre irmaos nudismo piscina em casavirgens+perdendo+o+cabacao+da+buceta+e+do+cu++virgensnao acreditei mas o pirralho meteu a pica na minha bucetacasa dos contos eroticos com sobrinhos chupador de bucetamulhe trazando com dois hemquero ver madrasta chupa sua em teada dormindoeu quero só o gostosão moreno fortão dopassando oleo sabor morango e fazendo boqueticonto cracudo noiado gay contomulher transando na subida do Ilha Porchat São Vicentevídeo pornô da negra olho torto sentando na pica e virando os olhos com tesãovizinha fudendo na hora do almoçoporno de lingua dençendo a guelaContos erotico minha filhinha mim shopou no banhogozada de mule napica pornodi dicavalogozei na pica do cunhado do meu marido contosirma no cio chupa tudo sem frescuravideo porno inedito de mulher gozando descontrolada no vibradorxv minha tia tem abusetas graandeconto erotico nora carenti fudendo cm sogra pirocudomeu tio comeu minha bucetinha virgem parte 2 contos eroticosirma durmindo e irmao enfia pinto na boca delamae tarada chupa boceta de filha gravida incesto contos eroticosirmão bem dotado tirando o c***** da sua Irmã Dulcexvideo sexo na praia de nudismo abricoavideo de sex com pauzaoassistir agoracarne conto heterocontos eróticos iniciada por minha tiacontos eroticos colega negão estuprando o novinho gaySo grafida sendo encochada no trem xvideo comWww.bundudinhanovinha.comelementarians casa dos contos eroticosconto de sexo porno com meu cachorro pastor alrmao fui por racaohttp://www.homoprazer.blogspot.com.br/conto erótico gaay sonbra de gaelxoxota as gordinhas mais tocadas e mais gostosas gordinhas bem feitas discursos e transando e gemendoloirinha tentou correr do negao pra ele num te comer mais num deuloira e judiada levando com forca na boca e na bussetacontos meu patrao invocou com minha mulher contos eroticospornô em famíliaxxvNo motel eu fudi a buceta e o cu virgem da minha sogra conto eroticovideos de zoofilia mulher tarada por um jumento desmarcadobunda branca mole cavalgando na minha rrola no 1.xxxsoraia carioca soca com negao picudoporno homem pega sua mulher com seu amigo e ao inves de briga fica só olhando e se masturbando escondidoprimos se pegando e com mãoboba pornodoido.comCármen e a patroa contos eróticospraticante de zoofiliaminha vizinha puta contonovinha tentando da o cuzinho virgem pro amigo tadinha da novinhacontos eroticos meu empregado de piça ggS-&-w- Casa Dos Contosmulher secura na pica do negao quando encosta no cugta mulher anda pelada e fala voce enfia seu pinto na minha buceta