Casa dos Contos Eróticos


Click to this video!

O casamento de Márcia

Um conto erótico de TREUFFAR
Categoria: Grupal
Data: 12/01/2007 15:33:32
Nota 7.29
Assuntos: Grupal

Visão.

Márcia levando vara, caras e bocas dentro de um vestido de noiva.

Sim.

Márcia casaria logo à noite.

Mesmo assim.

Frente a mim Márcia rebolava, suava, pingava.

Vestido todo amarrotado colado ao corpo.

Boca procurando dedos e lambendo o ar, verdadeira rameira de porão.

No dia do casamento é imperdoável.

Trair é até aceitável, todo mundo faz, mas no dia do casamento é demais.

Muito pior:

A comia o irmão do noivo.

Inaceitável.

Com o irmão do noivo é a morte.

Eu só fora lá para combinar como seriam as fotos do casamento, discutir ângulos preferenciais, numero de fotos, coisas de ultima hora.

Atabalhoados como eu acertam coisas desse tipo momentos antes do casamento.

Detalhes.

Noventa e nove por cento das noivas são assim.

Nervosas, querendo resolver tudo na ultima hora.

Teria feito minha parte em agradá-la, transcorrido na mais devida ordem natural.

Não aconteceu.

Destino diferente.

Eu predestinado a tirar as fotos mais excitantes de minha vida.

Aquele não seria um casamento como os outros.

Restava-me registrar tudo literalmente.

Continuei onde estava e disparei o clique, cuidadosamente tirei varias fotos, registrando tudo.

Depois saí correndo para o estacionamento para imprimir as fotos na impressora que tenho em minha Van.

Menos de quinze minutos se passaram.

Em minhas mãos fotos comprometedoras de uma noiva no dia do seu casamento.

Eu não presto!

Vou comê-la!

Vou extorqui-la!

...hahaha...

Duvidas dos afazeres.

Não!

Eles ainda estão fudendo!

Correndo para o quarto com as fotos na mão encontrei Cláudio o irmão mais velho do noivo se arrumando.

Ao me ver, todo sem graça tentou ser natural. Fiz o mesmo, segui em frente e entrei no quarto.

Márcia se olhava no espelho ajeitando o vestido.

Cruel!

Crueldade eu vou fazer com ela.

No relógio: 15h32min.

Casamento marcado para: 21h30min.

Indaguei-a:

- Tem alguém em casa Márcia?

- Ai que susto André.

- Desculpe não quis assustá-la.

Vai dar tempo!

- Tudo bem. Você não encontrou o Cláudio?

- Sim.

Como é cínica a vadia.

- Estava descendo as escadas quando cheguei, tem mais alguém aqui?

- Não, minha mãe e a costureira vêm as 19h00min para os finalmentes e ai nós partiremos para a igreja. Estou tão nervosa.

Eu também estaria!

- Ótimo Márcia.

- André você vai repassar o que já disse com relação às fotos, eu quero...

A interrompi!

- Vamos falar das fotos sim, mais não das que você esta falando.

- Falando André? Pare de brincadeiras e vamos discutir o que interessa...

Vagaba sem valor nenhum.

A interrompi novamente.

Joguei as fotos em cima de sua cama, e fui abrindo a minha calça, comecei a mexer na minha pica.

Márcia entendeu tudo em meio segundo, olhou para minha vara crescendo e disse:

- É isso que você quer? Comer-me aqui? -Agora?

Dei-lhe um tapa no rosto, ao mesmo tempo puxei seus cabelo e a fiz ajoelhar para chupar.

Ela pegou meu pau.

Eu esfregava o pau nela.

Meu mastro pulsando de tanto excitação saltava.

Ela abocanhou sem pensar, sabia mamar um cacete, subia e descia lambendo a cabeça, segurando o saco e o lambendo como se fosse a melhor de todas as vadias do mundo.

Olhava para mim com um sorrisinho sarcástica e ao mesmo tempo cara de menina levada.

Abocanhou a vara, foi colocando a inteirinha na boca, não sobrou nada, ela abocanhou a vara até encostar o saco no queixo, seus olhos lacrimejaram, agüentou quanto pode, tirou o caralho da boca de um supetão, seguido veio uma baba abundante, ela segurou o pau, começou a punhetalo sem limpar a baba que lhe escorria da boca ao queixo, assim foi descendo a boca até lambê-lo no saco, lambia uma bola, lambia a outra, lambia o pau, apertava e punhetava a vara, me olhava, transpirava, lambia o saco.

Uma verdadeira devassa natural.

Enquanto essa zorra rolava, ela ia me chupando e coloquei a mão no bolso do meu palito procurando meu telefone, discava números tendo uma visão privilegiada.

A noivinha ajoelhada chupando-me a vara, eu ligando para a agência de fotografias onde trabalho, ela se humilhando nos trabalhos orais.

Amando tanta perversidade ela gemia, se contorcendo com a maldade praticada por nós.

Geramos luxuria.

Do ar respirava-se promiscuidade.

Também sei ser cruel!

Fui atendido ao telefone por Paulo, um grande amigo ao qual devia favores. Márcia se deliciava com a minha verga.

Falei:

- Paulo tem uma puta sem vergonha me chupando o pau. Melhor ainda, é uma noivinha. A noivinha putinha. Quero lhe fazer um agrado. Você e seus chegados corram para cá, me ajudem a deixar essa noivinha pronta para casar. Anote o endereço.

Márcia chupava olhando nos meus olhos, atenta ao que lhe ia acontecer.

Vou preparar essa piranha para casar arrombadinha.

É essa a dela.

Ta querendo sacanagem.

Vou comê-la como uma cadela.

Deixei ela brincar um pouco mais no meu cassete e pronto. Minha vez de comê-la.

O marido vai pega-la destruída para a lua de mel.

Sentei no sofá segurando o cacete.

Ordenei:

- Vem gata, senta no meu caralho aqui. Vem.

Olhando minha vara, Márcia tirou o vestido de noiva sem o menor cuidado e só de calcinha veio obedecer e sentar na piroca.

Pronto.

A cabeça foi entrando com um pouco de dificuldade e ela com a sua ginga de noite de núpcias foi chegando à calcinha mais para o lado, rebolando e falando baixinho:

- Calma...ai...deixa eu encaixar nessa tora...calma...devagar...assim...assim...

Dai comecei a fodê-la como uma fêmea de verdade.

Com potência.

Vontade.

Socava o caralho dentro daquela buceta até machucá-la.

Era para ela pedir clemência, mas a safada agüentava tudo numa boa, se deliciando, estava nas nuvens com meu caralho atolado dentro.

Gozamos rápido, quase juntos.

Ela se levantou tentando se ajeitar para ficar mais gostosa e disse que daria para mim e quem mais chegasse.

Seria o nosso segredinho, meu, dela e de quem surgisse.

Márcia vibrava!

16h28min.

Toca a campainha.

Fui atender.

Peço a Márcia para nos esperar vestida de noiva.

Ela aceita rindo.

Desço as escadas, atendo o interfone.

Eram eles.

Paulo chegou perguntando quem era a vagabunda.

Lógico queria comer a moça e não poderia ser diferente, devido à inusitada situação do momento.

Pude notar mais oito amigos, todos riam e falavam euforicamente sobre a noivinha devota.

Fomos todos para o quarto, e quando lá chegamos, todos viram Márcia, Márcia viu a todos.

Incrédulos achávamos que tínhamos ganhado na loto.

Eu.

Eles.

Ela.

Todos nós babávamos.

Cães sedentos.

Márcia brilhava.

Mandei:

- Tira o vestido e vem engatinhando se mostrar para a gente. Só de calcinha e saltos. Noivinha devassa! Mostra pra mim e pros meus amigos como você é cachorra. Vem cornear o seu noivinho otário. Vem sua puta. Rasteja!

Não precisei pedir duas vezes.

Márcia babava pelas dez picas em sua frente.

Nunca vi mulher assim.

Exalava sexo por todos os poros.

Ela veio engatinhando, de quatro, era uma visão e tanto, um convite à penetração.

Paulo não bobeou, foi o primeiro a penetrá-la na buceta.

Ao mesmo tempo fazíamos as maiores sacanagens com a noivinha.

Lambíamos.

Chupávamos.

Apertávamos o corpo sensacional e escultural da nossa fêmea inebriante, fazendo com que ela gritasse que não agüentava mais, que iria explodir de tanto prazer.

Nós não dávamos trégua à futura esposa.

Na verdade ela queria cada vez mais picas, ficava bem claro pela cara de felicidade dela a cada estocada de vara em sua buça.

Vazavam sorrisos libidinosos.

Suas linguadas e chupadas em nossos cassetes também eram uma prova de sua embriagues sexual.

Quando Paulo gozou dentro dela, mal a deixei respirar, passei a acariciá-la e comecei a chupar os seus maravilhosos seios.

Todos a bolinavam a excitando mais ainda.

Logo depois estava possuindo a noivinha novamente, colocando-a sentada em meu cacete, ela chupava e masturbava todos os cassetes como se estivesse em um trono.

O trono da rainha das picas.

Continuamos nos revezando em sua buceta, levando a futura esposa aos céus. Certa hora a noivinha sugeriu que ficássemos à sua volta, para reproduzirmos uma cena de vídeo pornô.

Despudorada começou a acariciar e a lamber os três cacetes que surgiram pela frente.

Chupava um.

Lambia outro.

Chupou e lambeu os paus até jorrarem suas gosmas brancas no seu rostinho de noiva.

Masturbávamos-nos freneticamente.

Fazíamos piadas da situação desrespeitosa que vivia a futura esposa. Estávamos perplexos com a desenvoltura da noiva, ela se sujava com os jatos das varas, deliciando-se, limpando os cassetes com um tesão, um ardor, deixou os três limpinhos.

Olhando todos babando por ela lambeu seus próprios dedos.

Observávamos ali uma fêmea gozada com cara de cadela no cio.

Seu rosto brilhava, suava.

Excitou-me olha-la, o jeito como se comportava.

A futura esposa era uma especialista em oral.

Provamos os prazeres proporcionados por sua boquinha quente e ágil.

Com lambidas e sucções levou-nos à loucura.

Ela nos chupava.

Acariciávamos seu rabo, seios, costas.

Bolinação a muitas mãos.

Ricardo enfiou dois dedos em seu cuzinho.

Isso aumentou a intensidade das chupadas da noivinha rameira.

Sua língua acariciava meu saco, subia, descia, ia até a glande, passava deliciosamente por toda a extensão do mastro, depois botava o pau na boca até ficar sem ar, babando, engasgando.

As babas escorriam da sua boca para o queixo, do queixo para os seios, dos seios pra barriga.

Uma lambança só.

Abocanhou outra tora que estava por perto.

Os dedos de Ricardo sumiam e emergiam naquele buraquinho.

Cuzinho rosado.

A noivinha gemia despudoradamente urrando de prazer.

Gritava ser a futura esposa mais feliz do mundo.

Berrava que era uma noiva insaciável.

A vadia das cadelas.

Aplaudíamos e fazíamos a maior zorra.

Gritávamos incentivando.

Puta sem vergonha.

Ela ajoelhada no meio da roda alternando chupadas em todos os nossos caralhos.

Pegava um em cada mão, botava um na boca, tentava engolir dois ao mesmo tempo, às vezes chupava um e batia punheta para outros dois.

Ficávamos a bolinando, apertando seus peitos, enfiando a mão na sua buceta, beijando seu pescoço, passando o pau na cara dela.

Ricardo com os dedos no cu da noivinha fazia movimentos bruscos.

Ela entre uma chupada e outra pedia pica:

- Quero pica...muita pica...varias picas...

Ricardo se deitou por baixo dela e começou a chupar sua buceta.

Ela acelera os movimentos do entra e sai de paus na boca.

Fernando sendo chupado freneticamente não agüenta esporrando na boca dela.

Nossa debutante oral tentava acomodar aquela tora em espasmos.

Pedro masturbava-se observando a tudo.

Atento aproximou o caralho do rosto laçando-o um jato bem espesso na bochecha da ordinária, outro jato espirrou no queixo.

A noivinha devota não deixou barato e chupou a pica sorvendo as últimas gotas de porra.

Ao mesmo tempo dois deram as picas para ela chupar.

Ela era a debutante oral.

Não decepcionaria a mais vadias das putas ordinárias e sem valores já existentes na terra.

Ricardo embaixo dela chupava-lhe a buceta e lambia seu cuzinho.

Ele narrava suas linguadas.

Gostinho de cu falava ele e saindo por baixo dela colocou a de quatro fazendo a parar de chupar paus por alguns segundos.

Ajeitou-se atrás e começou a enfiar o pau sedento direto no rabo.

Ela dava gritinhos enquanto a pica de Ricardo ia abrindo caminho em seu rabinho.

Seus gemidos foram abafados quando um dos paus a frente foi enterrado na sua garganta.

Ela jogava a bunda para trás a cada estocada, fazendo entrar toda, até as bolas encostaram-se a buceta.

Ela gemia alto:

- Ahhh...enfia bem fundo...ai que tesão...me come seu sacana...me faz gozar...não pára...

Ricardo gozou dentro do cuzinho da fêmea e quando tirou seu pau de lá, o sêmen escorreu pelas coxas dela.

Ela passava a mão pelo cu depois lambia os dedos sujos de porra.

Nossa noiva era a melhor murmurando palavras entre chupadas:

- Quero mais pica no cu...acabem comigo...tirem todas as minhas pregas...

Suas frases desconexas ecoavam por todo o quarto.

Coloquei-me por de trás dela, comecei a penetrar lhe o cu.

Ela ia gemendo:

- Ai...vem...mete mais...mais fundo...quero te sentir inteiro...vem mais para dentro de mim...

Enterrei tudo.

Estava literalmente atolado, peguei sua mão e pus no meu saco.

Ela pode sentir até o talo.

Doidinha continuava murmurando:

- Ai...entrou todo...

Chupava picas a sua frente:

- Desse jeito vocês vão me matar ...delicia...

Gozei fartamente olhando aquela marquinha de biquíni enfiado no rabo com meu pau todo metido no cu.

Sai de dentro dela realizado.

Maravilhoso!

Márcia então enfiou o dedo no cuzinho que piscava de tesão.

Afrânio estava para gozar e disse para ela colocar o pau entre as tetas.

Ela o fez de prontidão, ele gozou nos peitos dela.

Ela esfregava o restante pelos peitos e olhava para nós.

Lindo vê-la ali.

Paulo quis meter na boceta molhada de Márcia.

Ela demorou um pouco a mudar de posição.

Cuspi-lhe na cara dando um tapa por cima.

Ela murmurou:

- Ai...ui...comam me de qualquer maneira...

Empurrando a esbravejei:

- Eles são meus convidados. Sirva.

Sapequei outro tapa no rosto.

Ela gemia:

- Meus machos...comam-me toda...

Paulo posicionou-se para penetrá-la.

Meteu e começou a foder a debutante sexual.

Ela delirava sem decepcionar ninguém.

Masturbava-me a vendo levar na boceta e abocanhando tantas picas.

Marcos disse que queria comê-la de quatro.

Paulo deu a vez virando-a.

Conferia a cena.

Marcos meteu e avisou que ia gozar.

Ela tirou seu pau da bocetinha e chupou por pouco tempo.

Vi quando escorreu a porra pelos cantos da boca nupcial.

Fernando começou a forçar no cuzinho da noivinha devota.

Metiam.

Deslizei para debaixo dela.

Ela estava de quatro e comecei a comê-la na boceta.

Com a dupla penetração a futura esposa gozava alto e mamava os paus à frente gritando:

- Eu quero pica...mais pica...

Fernando encheu o cu dela de porra e jogou-se no sofá ao lado.

Continuei metendo na buça encharcada e com a boca suguei os seios.

Durante os chupões ela entrava em delírio, gemia alto.

De leve mordisquei os bicos do peito.

Ela pediu que fosse com força.

Apertei forte com as duas mãos até meus dedos marcarem seu peito

Rolamos no chão.

Todos gritavam e xingavam a noiva de nomes sujos e obscenos, falavamos montes de bobagens

“Quer trair o noivo”, “fode então”, “noivinha safada”, “a noivinha vai casar arrombada”.

Peguei a nos braços e joguei sobre a cama.

Montei em cima dela.

Ela murmurava:

- Seu canalha você gosta de buceta de noiva?...bucetona como a minha?...hein...gosta?...quer fuder como garanhão?...fode a égua...vai...vou gozar...não pára...vou gozar...

Gozei dentro dela ouvindo a desse jeito.

Eduardo a levantou da cama, pegou a no colo, deitou a na mesa, ela o pegou pela pica, direcionando a para boceta.

Olhou me arreganhada.

Puta.

Vadia.

Valor nenhum.

Com um sorriso maroto no rosto disse:

- Fotos são fotos.

Pensei.

Coitado do futuro marido.

Ela fechou os olhos.

Eduardo começou a forçar passagem para dentro dela.

Presenciávamos a foda antológica da futura esposa de respeito.

A mulher do corno.

Estávamos todos rindo, riamos ZUANDO muito.

Alternadamente tinha sempre alguém gozando.

Quando não era um era outro, ou eram dois três.

Gozávamos abundantemente.

Fartamente.

Todos nós.

Eu.

Ela.

Os amigos.

Sorrindo aberta, ela facilitava a entrada de Eduardo.

Ela olhou para todo mundo dizendo:

- A cadelinha vai dar muito ainda...para todo mundo...

Gritávamos!

Eduardo socou freneticamente o pau na bucetinha da noiva.

Gozou abundantemente.

Comeram a futura esposa um por um.

Às vezes dois ou três.

Fincavam na boceta, no cuzinho.

Cadela.

Puta.

Ela adorando.

Olhava para todos.

Soltava mais frases:

- Estão gostando?...será que o meu corninho vai gostar?...o que vocês acham...

Além de todos os palavrões que costumamos dizer nestas ocasiões, ela começou a xingar o noivo de corno filho da puta e gritava:

- O cormo vai ter que se acostumar...daqui pra frente não sou mais de ninguém...sou de todos...

O coitado do noivo não tava nem ali para se defender.

Deveria estar preparando-se para o casamento.

Ela também deveria estar.

Ela deveria sonhar com o casamento.

Com o amor.

Deveria.

Não estava

“A esposa amada”.

Pobre homem.

Casar-se-iam dali a horas.

Ela estava se preparando.

Não da forma como deveria.

Ela estava deliciando-se com varas a sua mercê.

Isso sim.

Falando obscenidades.

Levando pau no cu e na buceta ao mesmo tempo.

Gemendo.

Gozando.

Urrando.

Apanhando.

Humilhando-se.

Não sentia culpa.

Era isenta deste sentimento.

Gozava cada sacanagem.

Cada putaria.

Desfrutava o momento perverso.

Lambuzava-se.

Devassa.

Márcia só pode ter nascido para isso.

Vocação nata para a submissão.

Nunca poderia ser de um só.

Márcia é do mundo!

Pablo Treuffar.

http://pablotreuffar.blogspot.com

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
30/11/2008 23:44:57
gostei do conto,quem sabe essa marcia fudedora não é minha esposa?
14/01/2007 18:04:16
vc sonha sempre assim kara vc e muito rui
12/01/2007 20:05:51
Cara, menos, mas muito menos..Quanta conversa fiada! Burra quem cai e acredita nas histórias pra boi dormir que vc conta....fala sério!
12/01/2007 17:25:37
MUITA FANTASIA S´OPODE SER NO SONHO NÉ
12/01/2007 17:25:28
MUITA FANTASIA S´OPODE SER NO SONHO NÉ
12/01/2007 17:13:37
Pronto, já começou. Será tão dificil entender que é um conto, não necessariamente uma história?
12/01/2007 16:29:09
Ai você acordou ?




Online porn video at mobile phone


contos eroticos gays virei putinha de variosRelato erótico feijoada da titia raimundacorno dopado meio sonolento vendo mulher fudendo com quatro machos e sorrindoconto erotico flagrei meu irmao comendo mamaea mulher se arreba negao em fim todinho na buceta sua bola entra na bucetaXxvidii ela vai toma ni cusexo conhadas cozinha nua pau bizarro tesaocuzao areganhado p cavalodando com dorbuceta pro pai irmaoesposa crente e muito timida foi ajudar o marido no aluguel contos eroticosdoidoporno vrlho fudendo filha gozando dentrochantagiei a colega de trabalho e comi ela casa dos contoscontos eroticos A Dama e o Bruto min engravida amor porno sacanabigodinho do ritler videos pornotecido brilhoso pornele a enrabala e ela a cagar.se pornoxviido cabelo novilnhasadomasoquismo c arrombadas e peitos esmagadoscangapor hd pronlindinhas novinhas trepandonumpau grándetia gostosas foder com subtilcontos eroticos textosSodomizando mae e filha contosmenina novinha nao aqenta a pica e sangra a bucetinhacontoseroticos de prima e seus primoscontos eróticos eu e meu sobrinhocontos eróticos gay o tratador de cavaloxvidio decotes da braquinhaVídeos de homens dando aquelas linguadinhas pornôfui iniciada como cadela e gosteipunheta na infancia com amigosexo forsado com shortinho jeansporno meti na minha irma com forca e fiz ela pular e gemerconto erotico com crenteexecutiva casada puta de negao contosdei o cuzinho meladinho contoshttp://migre.me/w4IgEvideo estrupo brasileiro caseiro fala palavrao gorda peitao patroaincesto com meu vô contostarado alisando e pasando a mao e metendo o dedo na xoxota da filhota novinha timida depois empurra o pau devagar ate gozar dentroEroticoscontos.com /casadas 23cm dupla contos erocos apenasmullheres fodem tarado apulso como vingancavelhos pintudos andando na praia nudistas videoscomendo o cu da irmaue estava dormindovidios d senhora com corpo gostoso e seios parados e arebitadoscontos de sexo depilando a sograpau no cu da incoerente pornoCalcinha cheirosa da filhinhacomtos papai me fez a pita do analContosveridicos contados por novinhasContos Mamadas no paizimtravestis negra brasileira dotada no motel ganha punheta tremendo muitomenininhao na siririca no banho escondidaincesto tio tirando virgindade da sobrinha de dez anos no semáforoapaxonado pelo primo brutamontes 3 contos gayporno xoxota loucas surpresaprovequei o papai e ele fodeumebucetamelecaContos de incesto mãe e filhoxxvideo n paguei tive dar cu eterogaycoletsnia gozando nos pemtelhos xvideofilmes porno no calor do buraco estreitocontoseroticos bebendo leite de mulher lactanteconto erotico meu primo me enganou e comeu meu cuescravo da esposa scatMinha esposa disse pra minha sogra mae agora fica de quatro pro meu marido fuder seu cu virgem voce vai adorar conto eroticocontos eróticos mulher endividadacantor erótico fui abusodo ate eu da gostosonegão socando a rola no c* da neguinha fazendo ela arregala o olhoconto erotico flagrei meu irmao comendo mamaetravesri pau 40centrimo fode amigoenteada acanhada masturba o padrastocontos eroticos de 2017 dia 20 de abrildois mordemdo e chupando forte a bucetaminha buceta seus retiradcontos eroticos feminino ajudei o porteiro negro a fuder eu e minha irma juntomédico explicado chupar bucetas doença transmitiexvidio comi á mińha pastora da igrejavelho pauzudo machuca a casada a forcaSexo menage aclimação casadacaldo de buceta sujaxvideo empurrando e gozando topado ate o talo