Casa dos Contos Eróticos

Click to this video!

Desabafo

Autor: Dödoi
Categoria: Heterossexual
Data: 07/04/2007 03:29:19
Nota 7.77
Assuntos: Heterossexual

Ele não existe para me fazer feliz. Parece não ter sentido. Nem é para ter, mas tem. Como das outras vezes, depois de gozar duas vezes, me olhou com a mesma frieza e desprezo, levantou-se, botou a roupa, mexeu na minha bolsa e saiu sem se despedir. Nem banho toma. Só vem foder, me aniquilar, deixar meus nervos em paz. Resigno-me. Pior, sinto pena dele. Tem um trabalho de merda. É um zé-ninguém. Um fodido. É só pena. Amor, não cabe. Acho que não. Nem amizade. Afeto bom, nenhum. Homem não respeita mulher fácil, muito menos uma branco. Ainda mais um ressentido como ele. Me fode por vingança de crimes que nunca cometi. Sei disso. Se gostasse mesmo, ficava. Dormia comigo, me dava um pouco de carinho. Mas também não quero que fique. Nem que me respeite ou me ame. Quero apenas que me mate de gozar, como ele faz.

Morro de vergonha de confessar, mas é só isso mesmo.

Mais de mês não aparecia. Infernizada pelo desejo, liguei. Tá bom, disse com voz de tédio. Antes, vinha logo. Agora, leva horas para aparecer. Quando chega, estou corroída pela vergonha e pelo tesão. Não vergonha dele, mas de mim mesma. meu útero se contorce de tesão. A buceta molha. Nem menstruada ele me alivia, como hoje. Gosta. Eu também, gozo mais ainda. Depois morro de nojo da melecada. Chegou, tirou a roupa, me botou para chupar, enfiou em mim até me fazer gritar e gozar como uma condenada. Gozou, fumou um cigarro em silêncio. Tornei a chupar e abrir as pernas e ele me fodeu mais demoradamente e eu gozei como uma louca. Adoro o cheiro dele, o gosto do seu suor abundante, a cor negra, os músculos fortes, a pica. Parece um desses corcéis negros que a gente se cansa de ver em reproduções baratas.

Não é exploração.

Ele pega pouco de dinheiro. Pouco, mesmo. Quisesse pegava mais, bem mais. Não ligo. Acho até que me alivia a alma. Uma ajuda não faz mal. Sustentar, nunquinha. Cafetão é coisa de puta. Mas nem tudo é lógica, porra. Preciso do pau dele. E custa tão pouco. E olha que pica é coisa que conheço. Até demais. A dele é única. Ele é só isso: uma pica. A melhor de todas. Não que seja gigantesca. Mas é das bem grandinhas. Grossa e cabeçuda, incansável e nada apressada. Não tem o menor refinamento, nem precisa. É animalesco. Não trocamos pensamentos, afetos conscientes, só nossos corpos, suores e sucos e salivas. Acho que é disso que gosto, por isso que é bom.

Que é humilhação, é.

Começamos numa boate. Me olhava o tempo todo. Só prá mim. Mulher gosta de ser desejada. Bonito não era, o jeito me atraiu. A cor também. Correspondi. Ele veio, meio debochado, como quem diz: tá precisando de um macho? Tava, claro, mas fiz cu-doce. Só dançar, tá? Dançava bem. Muito bem. Encostou o pau duro em mim. Vibrei. Ele percebeu e me roubou um beijo. Homem que beija gostoso me ganha fácil. Me molho na hora... Vamos lá prá fora, gostosa. Peguei na mão dele e pensei logo em que motel ia acordar. Sou prática. Dona do meu nariz. Noite gostosa, fresca, sangue fervendo, gente se comendo sob as árvores, nos carros. Vamos prá onde, perguntei, com a inocência de uma víbora. Prá aqui mesmo, tô sem carro. Vamos no meu, propus aflita abrindo a bolsa. Não queria ficar no estacionamento, exposta. Chegamos no carro. Tentei pegar as chaves. Ele não deixou. Me beijou, colando-se em mim. Espremida contra o carro, senti de novo a coisa dura. E a mão no meu peito. Bom de gemer. Macho, adoro homem assim, decidido. Botou o pau para fora. E que pau. Lindo. Fiquei com medo.

Chupa.

Foi o jeito como ele falou, imperativo e o frio. Só aí me dei conta que ele parecia um bandido. Tinha cara de bandido, de gente ruim. Porque não pede prá tua mãe? Porque nunca senti vontade e acho que ela não ia querer de jeito nenhum. Engraçadinho.Vai, chupa logo. Olhei no olho dele, na cara dele, puta. Olhei pro pau dele mais puta ainda. Esse eu chupava fácil, fácil, se o dono não fosse assim. Gosto de chupar. Ainda mais cabeçudo, bem cabeçudo, com a pele cobrindo a cabeça e fazendo pontinha bicudinha. Gosto mesmo. Por que mentir, esconder? Minha boca encheu d’água de vontade. Mas não agüento esse tipo de homem, nem de humilhação. Não agüento. De repente, dentro do carro, eu até topava. Ele nem ia precisar mandar. Mas ali fora, não. Nunquinha.

Resisti.

Que é isso? Tá pensando o quê? Que eu sô o quê, seu maluco? Tô pensando é só nele aqui ó. Diz que num gostou, diz. E segurou de um jeito que ele pareceu maior. E me olhou de um jeito que puta que pariu. Achei que ele ia me bater, me matar. Gelei dos pés à cabeça. Mas encarei. Não, não vou chupar porra nenhuma. Me solta. Vou chamar o segurança, vou gritar, me solta. Chama. Eu engulo ele você juntos. Me solta, nojento, tá pensando que eu...Não tô pensando nada. Teus biquinhos tão durinhos, tua buceta tá babando, meu pau tá duro, tua boquinha é uma delícia, e você tem cara que adora chupar uma pica. Pareço com a tua mãe, nojento? Nem um pouquinho. Você é mais gostosa. Me solta. Olha como ele tá doido pela tua boquinha. Não, seu porco, me solta, não quero. Quer sim, e como quer. Vai bancar a difícil? Asqueroso. Vou embora, me deixa ir embora. Tá com medo, né branca azeda? Medo de que quê? De você? Tô é com nojo, você é nojento. E você é gostosa. Me dá essa mão... Não, não faz isso, não quero.

Peguei.

Num tá gostoso? Né bom de pegar? Cê precisa ser tão nojento? Cê precisa se fazer de tão difícil? Riu. Aí percebi. Não era mau. Tinha cara de mau, só cara. E num tem mulher que pegue e não goste. Além de nojento é convencido. Mulher só gosta de homem assim. Eu, não. Melhor a gente ir embora. Adoro quando a mulher fica assim, puta, com medo. Goza mais gostoso. Mas puta que pariu, que diabo de homem é você, tão nojento? Nojento, mas se você quisesse mesmo ir embora, já tinha largado meu pau. Pode apertar mais. Tá com raiva? Tô. Aperta mais, vadia. Não me chama de vadia. Então chupa, vai. Aqui, não. Aqui, sim. Agora.

Ajoelhei.

Fedorento. Um pau fedorento, nojento. Mas chupei. Nojo é coisa que passa. Nessas horas mais que nunca. Deus que me perdoe, acho até que gosto. E até esfreguei na cara. Me dá tesão, muito tesão. Engole todo, vadia. Vadia é a puta da tua mãe, pensei. Vontade de engolir eu tinha, mas não dava. Na metade, já batia na garganta. Engole mais um pouquinho, vai. Não podia falar, mas meu desejo era que enterrasse até o meu esôfago. Taquei a mão na buceta toda babada. De pingar. Ele agarrou meus cabelos. Forçou mais. Eu até queria, juro que queria. E começou a meter como se tivesse fodendo uma buceta, até grunhir como uma fera.

Quem chupa, engole.

Sinto um nojo desgraçado. Quer dizer, pensar assim num pau esporrando na minha boca, sinto horror. Nem penso. Não sei explicar, mas é assim. É igual ao que acontece com o cheiro. Pau fedido é a coisa mais horrorosa do mundo, mas na hora do sangue fervendo, deixa de ser. Chupo mesmo, e com vontade. Vou parar para ele ir lavar? Na hora do tesão? Melhor se arrepender depois. Acabo engolindo o esperma. Chego a me arrepiar de repulsa. Mas engulo. Morrendo de nojo, engulo. Homem adora. Sempre engoli. Mas cá pra nós, que é foda, é. Pensa assim, a frio, numas colheradas de esperma. É de arrepiar de nojo. Quando é daqueles que gozam ralinho e sempre pouquinho, porque uma coisa tem a ver com a outra, não sei o porquê, mas aprendi, vai numa golada só. É mais fácil. Mas, aí, a gente reclama que a porra é rala e pouca. Vai entender!

Engoli.

Quando é mingau, daquele grosso que nem angu, né mole, não. E quanto mais grosso, mais abundante. Quem goza grosso, goza muito. E sai empelotado. Cada jato vira uma bola gosmenta, enorme, que parece que não vai passar na garganta de jeito nenhum. E a garganta, prá sacanear, se estreita. Aí, lá na alma, sempre um demônio atenta: engole boba, engole que você vai morrer de tesão. E a gente acredita, sempre acredita, todas as vezes. E se dana toda pra fazer a bolota de gosma descer goela abaixo. O demônio tem razão, nunca mente. O tesão aumenta, a garganta se arreganha, a outra bolota desce, a outra mais fácil ainda. Mas tudo tem que ser rápido porque senão transborda e a gente se suja toda e fica fedendo mais ainda. Nunca fui muito rápida. E porra seca incomoda, fica repuxando. É horrível. Mas o melado acaba sendo gostoso também. O demônio nunca mente. E ele, meu corcel negro, gozou muito na minha boca.

Levantei.

Azul de tesão, lambuzada de porra até a alma. Joelho esfolado, meia rasgada, e o pau dele duro. Senta no capô. Não, alguém vai ver. Porra nenhuma. Se arreganha, vadia. Tô de meia. Dá teu jeito, tira, arranca. Não era eu. Não podia ser. Mas era. E dum jeito que nunca tinha sido, e com uma vontade de foder que nunca tinha tido, com um despudor que jamais experimentara. Filho da puta. Assim tá bom, desgraçado? É assim que você quer, maldito? Então vem, me come, se enterra todinho em mim.

Dei.

Um golpe só. Seco. Tudo dentro, de uma vez. Podia ao menos melar o pau no meu caldo, que vazava de escorrer. Talvez não tivesse me machucado daquele jeito. Nem tão gostoso, meu deus. Mordi o ombro dele pra não gritar. Todo dentro, tudo dentro, doendo e ardendo. Como dói, meu deus, como arde, filho da puta. Como é bom, meu deus. Faz de novo. Outra vez, com toda força, prá machucar. Machuca, machuca, cachorro. Outra vez. Ai, como é bom. Eu vou morrer, porra. Vou morrer, demônio. Gozei de mijar. É só do que me lembro, até acordar já dentro do carro.

Tive que admitir: nunca tinha gozado daquele jeito.

Não é amor.

Tô na contra mão, eu sei. Toda mulher quer amar, ser amada. Carinho, atenção, o companheiro, o amigo e todas as essas coisas que dizem que são o normal, mas não são. Fui casada. Seis anos. Uma delícia: a mais cansativa das delícias. Gozava gostoso, amava, era amada. Sonho de qualquer mulher. Mas casamento parece condenação: nele, a gente nunca goza mais que gozava na semana anterior. E depois vê que na semana anterior nem trepou. Nem na outra. Um mês. E quando fode, já não se esgota. E se esgota menos a cada mês que passa. Essa é a chave. O tesão esfria. Homem, por mais que nos ame, parece que já casa enjoado. Fode menos, e com menos vontade. Precisa de novidade. Trai com qualquer buraco. Tá no sangue. Precisa, se vira. Nunca tive grandes ilusões.

É desejo animal.

De vez em quando, porém, a natureza faz das suas: uma de nós, como eu, nasce com defeito de fabricação. Porque era legal, era gostoso, mas enjoei também. E traí. Não por vingança. Bobagem, e nem havia motivo. Não traí por que ele me traía. Nem ligava. A porra da vida é que assim. Era um bom sujeito. É um bom sujeito. Hoje, o amigão de todas as horas, menos na cama. Senti vontade de foder com outro, só isso. E fui foder. Não era lá essas coisas, o primeiro. Apenas bonitão. Um desses gostosinhos que sabem que são bonitos e acham que isto basta. Na cama, um cocô. Mas eu gozei muito. Mais que em casa. Termômetro do Diabo. Se aquele bosta me fez subir nas nuvens, um “picão” mesmo ia me levar para o espaço. Mulher é foda, não se iluda. Não parei mais. Vício. Dava vontade, eu trepava. Nunca fui de escolher muito. Outra bobagem. Nem de conversa. Quer quer, num quer desencana. Até encontrar o idealizado “pícão”.

Mas ninguém se mija impunemente ao gozar.

Deixei-o em casa. Um subúrbio no cú do mundo. Na volta para casa, os protestos da razão. Estava fedida, enjoada, querendo me arrepender, mas satisfeita. Quase joguei o telefone dele fora. Era a antítese de tudo o que eu desejava. Até que o tesão bateu de novo. Só pensava nele. Tinha com quem sair, bastava ligar, era ele que eu queria. Liguei. Ele veio, me devastou, pediu um dinheiro emprestado e saiu. Humilhante. Mas gostei, e como gostei. E fui ligando, fomos fodendo e vamos fodendo.

Acho que estou me apaixonando.

Comentários

14/10/2008 17:46:50
Muito boom esse conto! Muito bem escrito. Adorei meu Deus! 10³.
23/07/2008 10:32:45
Porquê que há pessoas com tanto jeito para a escrita e outros nem lhe cheiram? Vidinha injusta! MARAVILHOSO,continue! 10!
25/10/2007 01:55:57
Naná, você já cresceu. E ter vergonha, mais que um defeito, é uma qualidade. Eu adoraria escrever como Joyce, Rosa, Saramago, Antonio Fraga, Plínio, Rodrigeus e tantos outros. Morro também de vergonha por me atrever a escrever diante desses diabos divinos da escrita. Apenas tento. Beijos
23/10/2007 20:50:41
Quando crescer quero escrever assim. Fiquei até com vergonha dos textos que já publiquei aqui. Parabéns, muito bom.
23/10/2007 20:50:37
Quando crescer quero escrever assim. Fiquei até com vergonha dos textos que já publiquei aqui. Parabéns, muito bom.
25/04/2007 16:00:48
Mulherão. Saber que um texto meu é capaz de jubilar voluptuosamente um corpo, por si só, é também um júbilo. Ainda que seja um só, apenas o seu, já terá valido a pena. A contradição, na mulher, é uma pré-condição existencial. A coerência é um conceito relativo no contexto feminino.. Só somos “coerentes” por força da nossa absoluta incoerência. O homem vai ao puteiro ou da “outra” em busca do simbólico. Ele quer a vagabunda, a indecente, a “cachorra”, a permissiva. Já no casamento, seu objetivo é meramente social, o de cultivar e cevar uma santa, a Amélia, a representação da própria mãe, símbolo da mais doce tolerância ( filho não tem defeito). Fazendo-se de filho, se esquece que a “mamãe” tem necessidades fisiológico-existenciais que nunca foram interditadas aos homens. Mamãe também gosta de conjugar o verbo foder, como qualquer vagabunda. É por aí. Por isso a nossa riqueza como gênero feminino da espécie. Nosso prazer é custoso mas é superior, mais intenso, mais devastador. Não somos cartesianas e, ma
25/04/2007 15:55:25
Sophie, obrigada por essa carícia tão gostosa no meu ego. Vou tentar escrever mais. Reminiscências e idéias não faltam, vontade de desabafar também não... já o tempo, tá curtíssimo.
25/04/2007 10:48:12
Ótimo. Um conto diferente e que retrata maravilhosamente as contradições da alma e da essencia feminina. Situações aparentemente incoerentes, mas que faz o corpo entrar em júbilo. Prazer. Nem tudo que é politicamente correto nos faz alcançar o tão almejado e intenso prazer, o orgasmo... o gozo. Esse seu relato abriu as portas e janelas, deixou deitar um pouco da luz da compreensão sobre nossos desejos inconfessados, nossas vontades não reveladas. Adorei... Parabéns.
24/04/2007 23:22:52
Muito bem escrito, li os outros e só posso dizer que você tem uma fã. Leio muito (livros e contos) e é difícil achar algo diferente. Você conseguiu, parabéns!!! Continue escrevendo, precisamos de pessoas como você no site.
14/04/2007 12:15:24
casalvontade Meu rapazinho, considerações de ordem moral num sitio de contos eróticos? Só lhe faço uma pequena pergunta: Já tomou seu danoninho, hoje, minha criança? Úrsula, grata por seus elogios. Os mistérios da alma feminina são, de alguma maneira, decifráveis. Os hipócritas, geralmente oportunistas como esse boboca aí de cima, jamais vão compreender as dores e as delícias que compõem o universo feminino. Por isso, são maus amantes, maus maridos, machistas...bobocas. Beijos.
09/04/2007 16:06:48
nossa,vc escreve muitissimo bem...estou encantada...publique mais textos seus,adorei não só a historia,mas tambem a maneira crua como descreve-se como mulher.
09/04/2007 11:41:44
Antes de mais nada, você tem que ter amor e respeito por você mesma. Ninguem respeita uma mulher como você se descreveu. Você diz que "cafetão é coisa de puta". Nesse caso, você está bem coerente. Pois mesmo negando, você é uma puta e o seu homem é na verdade, seu cafetão. Encare os fatos. Se precisar de ajuda, para sair do buraco que se meteu, mande um e-mail. A nota para o que deveria ser um conto erótico, é zero, pois o que eu vi aqui foi um desesperado desabafo.
08/04/2007 10:51:52
A lógica do prazer não é cartesiana, embora o pareça. Se fosse, não seria prazer. Há mais coisas entre o sim e o não ou o bem e mal ou o mau e o bom ou entre o doce e amargo...que o atraente, confortável e burro maniqueísmo não pode reconhecer. Os mistérios da alma feminina se traduzem e se desdobram em contradições nem sempre fáceis ou imediatamente compreensíveis. Essa a nossa maior riqueza ou, dependendo do grau das lentes, nossa eterna condenação. Grata pelos elogios.
07/04/2007 23:44:36
a primeira vez que leio um conto seu,e pra ser sincero,me ddividi em opinioes,o que deve ser bom.1o.em alguns trechos senti nojo por vc admitir ser tratada desta forma,em outros senti tesao pela forma como vc se submete ao mesmo.em suma um bom conto sem duvida.
07/04/2007 23:37:20
Que desabafo...vc tem razão...vai entender nós mulheres...(risos)
07/04/2007 03:39:15
Muito bom, descreveu sentimentos e sensações com maestria

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.




Online porn video at mobile phone


conto esposa do pastor tranzou com molekai como doi pucona pornopriminhos na ferias do colejo fazem muita putaria20contos eroticos transei com meu filho gostosoxsvideo de porno casero itiada fudeno com padrasto armadovídeos de biscatinha novinha brasileira gostosa safada entiada metendo c padrasto sem ninguém perceberensopando o cuzinho com gelDedando.a.casada.dormindo xvideopornocaralhos gigantes e cabeçudos de héteros no pornodoidocunhada louca pra sentir rola grande pega cunhado de pau duro e nao resistesiririca em horas inoportunascontos de sexo depilando a sografui pago pra dar o cu pela primeira vez hetero , sexo gay amadorchinesa rabuda de cuecaxvideos rolas chapuletadasmenino de atrasou e pediu carona pra homem sarado na moto pornovídeo porno da tia gostosa dando pra sobrinha saida agua do olhoccontos eróticos incesto fudendo novinha virgem inocente faveladafudendo a irma no sofá depois de chantagealaContos eroticos de viados maduros que foram deflorados na marraconto erotico curradae ele bate o que Assumimos a bunda da irmãver lésbicas lésbicas se esfregando até gozar em perigosos de músicaslambendo dedo com coco scatmuiler da buseta ixada levamo varacontos eroticos dei para um vizinho de iptingaFelipe e Guilherme- Amor em londresentregei uma pizza e mepagou com boqueteXVídeos a comadre de vestido bem curtinho com a boca fica do lado de fora no ônibusconto erótico flagrei minha mãe chifrando meu pai e ela me humilhou muitoviven cabaço foi brica de tranza com cachorro e levou uma rola bem grnde que ficou engatado na bucetaContos eroticos gay funk traficanteDedando.a.casada.dormindo xvideopornoa tia zoofilia pegada no caocontos vi uma mulher cagandowww.casadoscontos/gayputo.comCasa dos contos minha mulher falou que todos a comeram que eu sou cornocasei com um velho brocha mas levo machos pra casa contos eroticoscontos eroticos novinha fui bem fodida que até choreidoce nanda contos eroticosxv.ogenrro.cl.endo.asogradei minha esposa santinha a um comedorcomo passar a pomada azulzinha na buçetacoroa peituda de buceta peluda fidendo depois da festavidio do porno doido de lesbisca chupando a bucetavda outra ate ficar sem folegovideos de sexo louco e com pegada chupão, arranhãoComtos casadas fodidas na cadeiachupando a buseta defentesex. video amarcaiacomendo duas verdinhas muito deliciosa dos busão sexo e do r**** e dos peitãomulher fazendo sexo e o cara comendo a bucetinha e o cuzinho dela empurrando a picona ela gemendo respirando fundo e ele empurra toda na bucetinha e filmando escondido ela vercontos eroticos de sogras 2017freira da a buceta pra pintudo no azilo contos.contos eróticos loba adoro inversãoSou a cadelinha do cão labrador contosContos eroticos casais e pintudos fantasiasvidios travetis nao aguetaomorena sendo arombada por rola de40centimetros entra todinhaContos eróticos mulher do pastor dominou e humilhou minha esposaVanessa queria brincar mais não imaginava que ia encontrar pela a frente um monte de safadinhos taradoscontos eroticos ganhei um boquete no poker`conto erotico` Gabrielporno comeu a etiada que fazia pirasa so de chortinhoporno chupando a bucheta da minha padroa em baixo da mesa na sala de reuniõesCaíque levando rola no cúmarido tranza com espoza no acampamento chega mais e tranza com ela contoszoofilia baixo saiamentendo o pepino na buceta e no meu rabao contosquero ver o vídeo da mulher da enxadinha perdendo a virgindade dela mulher beijandoCamisinha atrapalha a tirar a virgindadeXVídeos gay com truculênciaesposa novinha timida gostosa e o sogro roludo contos eroticosxx videos menina pedro agilidade notado abertavidio de pono gya com tio com briquendo polo cu do seu afilhado mundobichavideos de sexo gay imperador sendo puta dos guardas do palacioContos eroticos de mulheres de manausna hora do sexo o que pode ser feito com o halls pretovideos pornos de mulheres de cor amarradas e amordaçadasContos Afilhada batendo punheta para o padrinhox vidio vovinha safada caiuvídeo pornô com mulher trepando bem muito toda suada suor pingandocontossou safado como minha maeincesto amador no surdão@nubianinfa.comsou tarado rasgo cu zapContoeroticonovinhosafadopai pausudo fudeno o cusinho da filhaconto erotico bacanal bucetangatadas anais zofilia contosso videos de xoxotas murchascontos erotico meu filho me bateu e botou moralquero ver sexo com patroa lesbica seduzimdo sua enpregada e fazendo sabao com ela no aeu quartopaniqueti lavando gosarda pirnimulheres que fuma charuto e souta fumassa na rola do cara ate goza asseste videoadestrador de escravasXvideos.comcontoscornoContos encesto mae cu sangranobaixar xvideo de aluna ta secando minha bucetaadvogada abrindo sua buceta no motel