Casa dos Contos Eróticos

Click to this video!

Branquinho e o empregado do papai

Autor: Blanquito
Categoria: Homossexual
Data: 11/11/2007 08:17:20
Nota 6.67
Assuntos: Homossexual, Gay
Ler comentários (3) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Oi. Eu sou o Branquinho e tenho uns contos já espalhados pela net, como o primeiro “Branquinho e o pedreiro”, e “Branquinho e o quitandeiro”, Branquinho e o paraíba” e “Branquinho e os garotos” e ‘Branquinho na escola”, contando as minhas primeiras aventuras sexuais. Volto agora para contar mais uma. Com treze anos e na época de férias escolares meu pai resolveu me levar para o seu trabalho para tentar evitar (percebi já adulto) minhas relações com os outros meninos e homens no bairro. A empresa em que ele trabalhava, gerenciando um setor era relativamente grande, com uns cem funcionários e funcionava num prédio antigo no centro do Rio de Janeiro, de quatro andares, e o setor dele era no último andar. Meu pai me deixou para “ajudar” num dos setores de atendimento ao público, uma papelaria que fazia também xérox e plastificação. Os empregados me tratavam muito bem, pois meu pai era temido, mas eu sentia no ar uma disfarçada mágoa com o filho viadinho daquele gerente que, para eles, tinha tudo e era mimado...

Passei a ir com meu pai todos os dias e na loja ficávamos eu, Gílson, o operador das máquinas de xérox e plastificação e a balconista Eliete, ammbos com vinte e poucos anos. Eliete era uma jovem gordinha, mas bonitinha e gostosinha, que dizia que era noiva. Bem, o tempo todo em que estive lá o Gílson cantou a moça... e ela, com o papo do noivado, ria e repelia o assédio. Gílson ficava inconformado e, com o tempo a coisa esquentava. Gílson vivia de pau duro atrás do balcão e não escondia de Eliete, que ficava vermelha, ameaçava denunciá-lo, mas nada fazia... Aquilo virou quase uma brincadeira, mas Gílson estava doidinho... Eu não era afeminado, acho, mas era os caras mais experientes me sacavam logo e, também, alguns parentes meus, tios e primos (um inclusive que já tinha me comido), que talvez que já tivessem comentado o meu “problema”. O fato é que, nada conseguindo com a moça, Gilson começou a dar em cima de mim. Primeiro falando da Eliete, “como ela é gostosa”, depois mostrando o pau duro sob a calça, “olha como ela me deixa”. Logo essa conversa evoluiu para encoxadas atrás do balcão e cantadas explícitas: “me dá essa bundinha, garoto...”. Eu ria e não falava nada, mas já estava doido por aquela pica.

O local não era apropriado e eu morria de medo do meu pai, mas a gente sabe que nada impede essas coisas. No fundo da loja tinha um pequeno banheiro e depósito de mercadorias e, num desses dias o Gílson, num “horário morto” para balcão, disse que precisava arrumar umas coisas lá e disse à Eliete que olhasse a loja por que eu ia ajudá-lo. Entramos no pequeno depósito e ele fechou a porta (era uma divisória de madeira), dizendo rápido: “garoto, dá uma mamadinha, dá...”, já tirando a pica pra fora. Ainda ensaiei um “doce”, mas vendo aquela pica veiuda e de cabeça quase vermelha não resisti e caí de boca... O meu pai nunca descia até ali, se não eu não teria coragem de fazer aquilo, ainda assim, preocupados com a situação, ambos fomos rápidos. Eu me dediquei a mamar, dando apenas umas linguadas no saco, e ele não segurou o gozo. Esporrou em minha boca e acho que ficou surpreso por eu ter engolido tudo... era uma porra deliciosa. O Gílson abriu a porta e fingiu que arrumava alguma coisa, mas a moça ria, mais vermelha que nunca, percebendo o que tinha acontecido, até pelo afogueado de nossas faces e, talvez, pelo cheiro que exalou do cubículo.

Depois dali, Gilson deixou a Eliete em paz, mas todo dia tinha arrumação no depósito. Fomos ficando mais tranqüilos com o tempo e mostrei para um incrédulo Gilson tudo que tinha aprendido... rsrs. Babava os ovos e chupava bem molhado o caralho do empregado. Um dia percebi Eliete espiando pela fresta da porta divisória, e a partir daí fez-se de vez uma cumplicidade entre os três e Gílson passou a deixa-la em paz... Mas, depois das primeiras mamadas, Gilson quis mais, mandava-me arriar as calças e enfiava o dedo no meu cu, logo começou a virar-me e roçar a cabeçona no meu rego. Porém, ali era muito arriscado para aquilo... Meu pai trabalhava muito e, muitas vezes, não almoçava no horário certo. Quando isso acontecia, ele mandava um oficce-boy levar uma quantia em dinheiro na loja e me mandava almoçar num restaurante próximo. Gilson percebeu isso e, num desses dias não me chamou para mamar (o que costumava ser próximo ao almoço, embora no fim já fosse feito duas ou três vezes no dia). Na saída para o almoço, ele me pegou pelo braço e me chamou para almoçar num outro lugar.

Era um bar um pouco mais distante e mais vazio. O Gílson conhecia o balconista e passando por ele disse que preparasse dois “pfs” no capricho e que íamos lavar as mãos... Caminhamos por um corredor escuro e fedorendo, passamos por um banheiro horroroso de sujo e chegamos a um depósito de bebidas cheio de caixas de cerveja. Fiquei com nojo e medo de baratas e ratos e quis voltar. Gílson, já com o pau estourando as calças segurou-me com força: “abaixa as calças, viadinho”. Com medo e tesão, fiz o que ele mandou. Gílson me fez ficar de quatro sobre uma caixa imunda e mandou-me empinar o cu, metendo de uma vez, não pude sufocar um grito, mas o lugar era barulhento (exaustores, garrafas batendo, cozinha...). Gílson bombou como um louco e, a partir do grito, suportei bem. Não demorou para ele me encher de leite. Ele limpou a pica num lenço e o ofereceu para que eu limpasse o cu. Gilson ia saindo e eu levantei as calças e comecei a segui-lo, mas estranhamente, ele mandou-me ficar. Fiquei, morto de medo, e logo entendi, o cara do bar entrou no depósito já tirando uma bela pica preta pela braguilha. Antes que eu dissesse algo, ele me pôs sentado na caixa e enfiou a pica na minha boca, “chupa viadinho”. Ele também estava preocupado e gozou logo, segurando as minhas orelhas para eu engolir tudo. Sem falar nada ele saiu e voltou para o balcão. Gilson já estava comendo e o meu prato no balcão, almocei sob os olhares risos e comentários dos dois e de outro balconista mais velho, coisas como: “a comida estava boa”, “pf com leite é bom, né?” e, inesquecível, “garoto, pf com lingüiça é mais caro”. Eu, morto de vergonha, nem olhava direito, e, no olhar pra baixo, percebi o pau duro do velho...

Por quase dois meses chupei diariamente o Gílson, além de um amigo dele que visitou o depósito, e várias vezes fui “almoçado” por ele naquele bar. O negão só queria chupeta, mas o velho comeu também meu cu. Chegou o fim das férias escolares e nunca mais vi o Gílson, que foi demitido (se descobriram não sei, mas acho que não). Numa visita à empresa pedi a meu pai para dar uma volta por perto e voltei ao bar, o negão não estava mais lá e o velho me enrabou mais uma vez, mas fiquei com medo, sem o Gílson, e não voltei mais lá...

Comentários

25/07/2008 13:43:26
tbm gostei, fiquei com tesao de te comer....
15/11/2007 07:26:05
Que conto massa, lendo seu conto dá um louca vontade de ser o protagonista e ler otodos os seus contos.
11/11/2007 14:20:41
Caralho veio! Seus contos continuam deliciosos como sempre, excitantes demais. Conta mais sobre o velho te comendo, adoro qdo vc demonstra submissão, qdo os caras usam e abusam de vc, é mto bom ler suas histórias

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.




Online porn video at mobile phone


contos socando ate o talo na cunhadinha novinha super gostosaver videode mulher. gozando nno pinto bem grossoxvideos paacas.com.pegostosas chupando barman na festavídeos porno de bonecas de prático gigantesbuceta nua com pintei moicanocontos eróticos gay da cidade de tupã ?novinhas de bayby doll e com a mao na bucetapono 2017perdendo a virgimdadesexo fiocado paimeninas bem novas sendo fudidas pelo o padrastovidios d senhora com corpo gostoso e seios parados e arebitadosxx videos menina pedro agilidade notado abertamostrar despedida de solteira dentro do clube da p****** todo mundo pelado mais tarde vídeo pornô completoeu e meu esposo somos crentes e ele pediu para eu dar o cu para outro,contosmae foi na missa e ilha toco siririca pornôasmeniasnovinhas.nuaconto erotico gay o policial e o garoto marrento #14conto erotico gay meu dono dei meu cu de presente de aniversariogay cunete otima visao pornofilmes porno de diarista espiando patrao batendo punheta brasileira maior de idademeu patrão desejou comer a minha namorada vídeo pornô cornos Aracajuvídeo de sexo amador brasileiro de Osasco Eloisa oliveira dando o cu para doisentre uma foda e outra minha esposa beijando acariciando seu machocontos eróticos incestos fudendo a meia irmã filha do meu paimmulheres contando qe 03homens comeram suabuceta em frente a seu maridomeu namorado quer fazer sexo comigo menstruada conto eroticoconto erotico sou travesti e vendi meu cuchego do serviço encontrar cunhado só de camisola e mete o paucachorro mete na buceta e sai puxando a dona vídeofilha fica brava ao levar gosada dentrovideo de homemmorde vaginaxvideos filha fas carrinho no pae que nao resisti e trasa com elasogragosadapornô caseiro da Mayara do colégioguei dando cu p avestraz s zoofiliacasa dos contos eroticos meu marido trabalha eu meu filho rodulo me fodeComtos casadas fodidas na cadeiacaseiro homem sai e o jardineiro come cu da mulherContos erodicos homem velho mamando e mordendo e puxando o peitocontos zoo dalmata.meu machomadrinha coloca bumda buceta na cara da subrinha que ta de castigover videos de travestis dotadas acariciando o penis dentro da roupaComtoseroticos cegredoconto porno provoquei meu filhoDesabafo real de uma mae contos ero cap,IXmenina muito novinha vai assistir filme porno com seu irmão caralhudo e acaba deixando ele tirar sangue de sua inocente bucetinhaXVídeos dando em espera e gostosa queimadinha tirando a roupanovinha gostosa chupando até gozar na sexta-feira mas ainda continua na mãocontos eroticos titias putas sobrinhos roludosuma diziam que iriam cavalgar pra dar pro seu namorado nomeio do mato sua bucetonaXvideo comeu o cu da sogra bu Cetongostosa gordinhas tirando cabeçaContos meu pai me comeu com o consentimento da minha maecontos de putaria sou puta do negao meu vizinho fez um buraco na paredeperdi a virgindade com pau enormehistórias eroticas os flintstones sr pedreiramae deita com filho ela nao resiste transaele goza na bucetalevantei o vestido da minha nora contosotário ao extremo contos eróticosna cama o lençol manchado revela o fato consumado fizemos um amor gostoso transando sexo faladoque kikada cunhadinha pornocomo esconder do meu marido que a minha buceta ta cheia de gala de outro?porno de coroucom novinhasconto na enchente comi a mulher do chefecasadas fudendo dentro de Casa com parentesporno grátis cm gringa dando ate se amoleserMulher lendo jornal e dando cu pornosou casada mais quem mim fode gostoso e patinholoirinha magrinha sentando no pau do negao de 70 centimetroscomo meu tio roludo e comedor comeu minha esposa novinha 1° contosvideos dr sexo com pau de40cm analpono gay ply boi adolenti dando cu ategosacontos eróticos uma vida incestuosa como tudo começou pt 3