Casa dos Contos Eróticos

Click to this video!

ACERTO DE CONTAS - O saldo

Autor: Paulo César
Categoria: Heterossexual
Data: 17/01/2008 08:38:29
Nota 9.00
Assuntos: Heterossexual
Ler comentários (1) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Este conto consta de três partes, duas delas já publicadas:

ACERTO DE CONTAS – O deve (publicado a; ACERTO DE CONTAS – O haver (publicado a; ACERTO DE CONTAS – O saldo (actual

Antes de sairmos, Su levantou-se, olhou-me nos olhos com um olhar lânguido e disse a meia voz, com palavras quase sussurradas:

- Já venho, bombom! Vou à casinha... – e saiu, bamboleando as ancas, e mostrando as pernas cuja pele macia ardia um fogo convulsivo.

Fiquei esperando, envolto em pensamentos voláteis e loucos, enquanto o empregado levantava a mesa. Olhei a rua deserta e escura, onde o movimento quase não existia. Um ou outro carro passava pachorrento na estrada negra. Senti que o tempo teimava não passar, quase como se quisesse impedir que eu e Su saíssemos dali em direcção à perdição absoluta e descontrolada. Recordei, como se o revivesse, o momento em que Su, surpreendida pelo meu pé entre as suas pernas nuas, foi beijar sem aviso a sua vulva liberta e lubrificada. E como a sua reacção foi de submissão, de entrega, de desvario e tesão, traduzido num baixar de olhar e num trejeito de fêmea pronta para se dar, como se implorasse. Voltei aquele momento e à dúvida que me ficara. Quando é que Su tirou as cuecas, se ela tinha saído de casa com elas vestidas?

Assim, absorto, nem dei por Su regressar à mesa e com graciosidade voltar a sentar-se e, levantando a mão e o dedo indicador, chamar o empregado, que veio de imediato e simpático. A minha deusa olhou de soslaio para mim e disse:

- Traga-me a conta, por favor!

Fiz por interromper, mas ela imponente naquela simplicidade de mulher que sabe o que quer e como quer, levou o dedo aos lábios e gesticulou um “chiu” que me fez ficar sem reacção. Eu queria pagar a conta. No mínimo queria pagar metade, mas ela impôs a sua lei e pagou com cartão Visa uma conta de sessenta e três euros!

Quando a conta foi paga, pôs a sua mão sobre a minha e com aqueles olhos verdes que fulminavam o meu intimo como um raio, disse com visível prazer e boa disposição:

- Vamos querido! A refeição chegou ao fim! E temos caminho a percorrer... – tomou-me a mão abriu a palma e depositou nela um beijo suave de encantamento e ternura. Eu voltava a estar dependente dela, como se o jogo implicasse ataque e defesa e ela fosse, nesse particular, uma perfeita jogadora. Levantámo-nos e Su seguiu na minha frente imponente e majestosa. Atrás dela eu detinha-me a medi-la, a desejá-la, a fantasiar cenas de insanidade e demência, a dar-lhe tudo o que ela pudesse exigir, sem constrangimentos ou dúvidas. Tudo girava em torno daquela escultura humana, que a meus olhos ultrapassava tudo o que pudesse ser imaginado de volúpia, desejo, excitação, tesão, fome e sede de sexo. Que era mais do que simples sexo, pois era também paixão e arrebatamento; era desconchavo e overdose duma cegueira que não matava, mas consumia a consciência e a razão.

Já na rua, Su juntou-se a mim, enlaçou o braço ao redor da minha cintura e encostou a sua cabeça, de cabeleira sedosa, no meu corpo, como se, qual gata que se aninha, iniciasse assim uma fase de rom-rom, suave e doce. Seguimos assim por alguns metros, até junto do meu carro. Ali, voltei a abrir-lhe a porta, e voltei a ser presenteado com um beijo na boca. Um beijo que me embriagou e me fez entrar em êxtase. Quando me sentei quis olhá-la nos olhos e obriguei-a a fixar-me, como se assim procurasse um porto de abrigo onde pudesse sentir-me seguro, no meio daquele turbilhão de sentimentos e sensações, quase como se tivesse atingido o estado de transe.

Su levantou a mão direita, afagou-me a face e, como se adivinhasse os meus pensamentos, disse:

- Que queres que te diga? Esta é uma loucura sadia, que só os humanos são capazes de fazer, assim, com destemor e ousadia. Não temas! Não te incomodes! Verás que no fim sentirás orgulho na nossa decisão. Sim! Querido, a decisão é tanto tua como minha, tanto minha como tua! É nossa... Vá... Baixa a guarda e vamos à luta! Não disseste que me querias como sobremesa? Estou à espera!

Meti a chave na ignição, rodei e iniciei a marcha. Conduzi em direcção à Arrábida, rodando pela estrada junto à marginal, avistando do outro lado os blocos de cimento de Troia. Su ia em silêncio, mas rapidamente se ajeitou no banco, chegou-se para o meu lado, lançou a mão e começou a massajar por cima das calças. O tronco estava já,duro e rijo. Ela sabia-o e deu-se ao trabalho de continuar a tarefa até que chegámos a uma zona alta, na estrada que passa junto às antigas instalações militares. Parei o carro num espaço de estacionamento, que servia de miradouro aos passeantes e saí para o exterior. Eram quase onze horas da noite. Ao largo viam-se as luzes ténues dos barquitos de pesca, o clarão forte e sequencial do farol que orientava a navegação no estuário do Sado e entrada da barra, e a iluminação de Setúbal à esquerda e de Troia em frente. Respirei fundo, como se inalasse o soro da vida, e com o caralho inchado e besuntado, entre pernas, dispus-me a “saborear” o momento, como se ganhasse folgo para enfrentar o tempo que estava prestes a chegar. Su saiu de seguida e veio aninhar-se nos meus braços, olhando em frente, em silêncio. Volvidos breves momentos voltou-se de frente para mim e encaixou no meu o seu corpo de sereia, fazendo com que os nossos sexos se esfregassem um no outro. Com uma cadência demoníaca foi-me submetendo à sua tesão, esmagando-se positivamente na minha verga dura e obrigando-me a apertá-la com rudeza, para sentir as suas carnes macias e perfumadas, dum odor que anestesiava.

Sem qualquer capacidade de controlo sobre a situação, que nos tornava cada vez mais animais no cio, entrelaçamos nossas línguas num beijo com sabor a desespero e, como se quiséssemos cavalgar o outro perdemos os nossos corpos num jogo de prazer que só podia levar à explosão.

Cada um de nós já não via, já não ouvia, já não conseguia dizer fosse o que fosse. O sexo devastador e desenfreado campeava naquele promontório da serra e só a sensação de alucinado prazer era lei naquele momento.

Sem olhar à situação em que nos encontrávamos, sujeitos a ser apanhados em flagrante, Su soltou-se do beijo que nos unia e lançando a mão à minha braguilha, abriu o fecho, e puxou para fora o meu membro batendo com vigor uma punheta que me levou ao estertor em dois minutos. Quando estava para me vir urrei como lobo no cume da serra bravia e a loba esfaimada que era minha parceira baixou-se com rapidez de felina e abocanhou a carne incandescente, mamando da tora rude todo o leite que me obrigou a derramar.

O tempo pareceu ter parado. As luzes tremeram no horizonte. O céu ficou lilás e laranja. Eu pura e simplesmente entrei em órbita, tendo a meus pés, com a boca cheia do meu cacete, a mulher que parecia ter vindo da terra do nunca.

Breves momentos depois, Su ergueu-se limpou os lábios ao lenço que eu tinha no bolso, pegou na minha mão e levou-me com ela, até junto duma pedra que protegia os incautos de mergulharem na ravina que ali existia. Fui submisso e satisfeito! Junto à pedra ela olhou para mim e pediu:

- Come-me! Eu quero ser a tua sobremesa predilecta, como tu mesmo disseste. Vem e come a minha cona e o meu grelo!

Fiquei sem palavras, perdido entre o sim e o não, e, olhando em redor, quis dizer:

- Mas aqui... E se...

Su não quis saber das minha dúvidas e sentou-se na pedra escancarando as pernas macias e, mostrando a cueca preta de rendas, entregou-se:

- Faz o que tem de ser feito! Dá-me o que eu estou a pedir que dês. O resto que se foda! Vem...

Não tinha como argumentar. Baixei-me e de joelhos no chão duro, fui beijar as carnes quentes da fêmea que ali se entregava. Com sofreguidão fui lenta e suavemente cobrindo de beijos e lambidas as coxas gostosas, até que cheguei ao botão ainda coberto da vulva de Su. O odor que emanava da sua gruta era ao mesmo tempo doce e almiscarado, provocando em mim arrepios de demência e desejo. Ela gemia e massajava a minha cabeça enquanto eu a beijava e lambia.

De seguida, com um dedo, afastei o elástico da cueca e levei a ponta da língua à borda daquela coninha, que fervia de tesão. Lambi e senti os sumos quentes e doces que inundavam toda a entrada do túnel. Ela deu sinal, meneando as ancas e gemeu profundamente.

Embora perdido de tesão, contive-me e fiz por “castigar” aquela fêmea ordinária que tanto me havia feito sofrer, retardando o mais possível o meu ataque directo à coninha que se oferecia. Ora levantando um lado ora outro do reduzido pano que cobria o seu sexo escancarado, fui provocando nela uma tesão sem limite, lambendo e manipulando o seu clitóris inchado. Ela grunhia, como presa que sofre o ataque do predador, gemendo de prazer e excitação. Agitava o corpo e meneava as ancas, levantando os quadris, enquanto eu me deliciava sorvendo e lambendo aqueles sumos quentes e adocicados, com os quais me inebriava até à exaustão.

Quando já nada podia suster a minha investida de animal enjaulado numa tesão atroz, levantei-me, desabotoei as calças, que baixei até aos sapatos, puxei-a para cima com brusquidão e ordenei-lhe com voz louca de desejo:

- Volta a tua peida para mim que te quero espetar o caralho e foder essa cona comilona!

Com um brilho fulminante no olhar, Su voltou-se e de imediato, de forma brusca, arranquei-lhe as cuecas e segurando-lhe as ancas com força apontei a vara de forma rude à buraca esparramada, metendo nela todo o talo grosso, de uma só vez.

Su urrou como leoa ferida, quando o cacete lhe inundou a greta e se atolou até aos colhões na racha completamente encharcada. A partir daquele momento espetei nela com toda a força, consecutivamente, sem dó. E quando a noite parecia um mar de estrelas penduradas no azul celeste, eu, que me afadigava a foder a minha fêmea, como se ela fosse a puta que eu tornara puta, as minhas entranhas entraram em ebulição, todo o meu ser entrou num estertor, num espasmo de luxuria e, lançando um grito estridente, que deve ter sido ouvido a quilómetros dali, anunciei o supremo gozo do orgasmo:

- Vá vagabunda, toma o meu leite! Estou a vir-me, ordinária. Sua puta do caralho, estou a encher-te a coninha de esporra.... Oooohhhhh!!!! Que foda, caralho! Foda-se, putéfia! Mama-me o leitinho... Chupa-me a verga com essa parracha, fodilhona! Oooohhhh!!!!

Su gemia pendurada do meu bacamarte, continuando a socar o seu corpo contra a minha vara, fazendo por aproveitar toda a minha nata viscosa. Assim engatada em mim, com a saia por cima das costas e as cuecas por terra, voltou-se para trás e perguntou:

- Então, cavalão, que tal te soube a foda? A sobremesa estava a teu gosto? Seu fodilhão do caralho! Com que então estavas com medo... Viu-se! O teu grito deve ter-se ouvido em Setúbal, meu fodedor mor. Queres repetir a sobremesa? É só dizeres!

Cansado, mas satisfeito, dei-lhe uma palmada suave nas nádegas apetitosas e tirei a piroca, que já começava a murchar. Maravilhada Su virou-se e baixou-se na minha frente pronta para me lamber o cacete até que ficasse limpo, o que fez com gosto, provando a mistura dos seus líquidos com os meus. Depois, sentámo-nos na pedra abraçados. Ela de cona ao léu; eu de caralho pendente e satisfeito. Do lado esquerdo do horizonte o quarto crescente da lua insinuava-se e ao longe um rasto de luz subia da terra em direcção ao infinito. Seria um potente holofote! No estuário, algures, os golfinhos do Sado andariam à caça, nas águas reluzentes do estuário. Nós, amantes do acaso, tínhamos o céu, as estrelas e aquela pedra por testemunhas. E o tempo escoava-se lenta, mas inexoravelmente. Quando olhei o relógio eram onze e quarenta da noite! Já era tarde!

Tomei a iniciativa e levantei-me. As nossas imagens pareciam surreais; um e outro semi nus, com os sexos à mostra. Olhámo-nos de forma natural e desatámos a rir, como se um visse no outro uma situação cómica. Abraçámo-nos e compusemos as roupas. Entrámos no carro e seguimos viagem em direcção a minha casa.

No caminho, ainda na serra, Su perguntou:

- Gonçalo... O que vamos fazer a seguir? Vais deixar-me a casa, certo?

Propositadamente fiz um compasso de espera, para criar algum suspense. Su parecia inquieta, como se depois do amor esperasse a guerra. Eu sentia-me agora dono da situação e, depois de ter comido a mulher do meu estimado amigo e devedor, queria poder fazer todos os cálculos que me pudessem tornar, dali em diante, mais do que credor, o dominador da contabilidade, garantindo o saldo a meu favor, de todas as formas possíveis.

Pressentindo a inquietude, encostei o carro à berma, parei, baixei os faróis para mínimos, coloquei os intermitentes e voltei-me para ela. Os seus olhos vivos pareciam dois faróis na noite escura e ainda assim, com a pouca luz do habitáculo, transparecia das suas faces um fulgor e uma alegria que não vira antes. Mas havia uma tensão na sua postura. Estendi as mãos, tomei as suas, acariciei as coxas nuas, que a mini sai não cobriam, e com carinho disse:

- Su... Que é para ti o futuro? Melhor: que futuro queres tu? O que desejas de facto? Porquê essa preocupação sobre o que vamos fazer a seguir? O que aconteceu hoje aconteceu sem que o programássemos. Porque não damos uma chance ao acaso e esperamos o que possa acontecer amanhã?

A mulher que eu acabara de possuir, aquela mesmo que me possuíra, baixou o olhar, pensou breves segundos e encarando-me com decisão apertou-me as mãos como se quisesse dizer “obrigado” e ripostou:

- Sim! Tens razão, vamos dar uma oportunidade ao acaso! Sem compromissos ou sem recriminações. O que tiver que acontecer acontecerá. Saboreemos o agora! O depois é o que veremos! – e beijou-me as mãos, como se selasse um pacto.

Assim enlevados num compromisso que o não era, seguimos em direcção a minha casa e quando chegámos, após estacionar, voltei-me para Susana e disse, com delicada firmeza:

- Hoje vais ser minha convidada! E para uma convidada guardamos sempre uma surpresa agradável! Aceitas o desafio?

Su concordou com a cabeça, sorrindo um sorriso lindo. Subimos até ao meu quinto andar e no elevador selámos a visita com um beijo doce, mas suave. O odor a sexo percebia-se na boca de ambos. O sabor era inebriante!

Fiz de cicerone e mostrei a casa à visita. Acomodámo-nos no sofá da sala e liguei a televisão, escolhendo um canal de filmes. Juntinhos e abraçados, fomos vendo o filme. Em poucos minutos o calor dos nossos corpos fez acender a paixão e os beijos, que começaram por ser leves e suaves, acabaram por tornar-se quentes e desenfreados. Em breve a minha piroca já estava em ponto de rebuçado e Su estava entretida a massajá-la numa punheta deliciosa. Cheio de tesão, pedi:

- Mama, querida, mama-me a pichota e lambe-me os colhões.

Susana não se fez rogada e enquanto me fazia um broche estonteante, eu massajava as suas maminhas duras e a sua coninha esquentada e lubrificada. Não querendo gozar, interrompi a mamada e pedi-lhe que abrisse as pernas para que fosse eu agora a lamber o seu grelo e a sugar os suminhos da sua cona. Deitada no sofá, Su esparramou o corpo, oferendo-me todo o seu sexo, onde finalmente pude ver toda a sua vulva, os seus lábios gulosos, a sua gruta do prazer, apreciando as carnes macias e quentes daquela fêmea, desfrutando da visão suprema daquele monte de vénus, encimado por um pequeno tapete triangular de pentelhos devidamente aparados. Que visão magnífica!

Caí de cabeça e afundei no meio das suas pernas a minha boca, de língua em riste, passando a lamber de alto a baixo todo o espaço que ia do clitóris ao ânus. Su relinchava como égua pronta para ser montada, incitando-me mais e mais, para que não parasse e lhe fizesse um minete que a fizesse vir-se. Ao mesmo tempo que a lambia, punheteava de manso o meu mastro, que escorria os líquidos pré ejaculatórios de lubrificação, o que me deixava completamente em êxtase. O sabor e o odor daquela cona era sublime e deixava-me zonzo de prazer. E ela demostrava que a sua satisfação era extrema e aproximava-se cada vez mais do gozo.

Quando Su estava prestes a atingir o clímax o seu telemóvel começou a tocar e, instintivamente, ela soltou-se do meu minete e correu para o aparelho. Olhou e, com o olhar suspenso e demonstrando pânico, voltou-se para mim que estava de pau em riste e boca completamente lambuzada, e disse:

- É o meu marido! Que faço... Que faço agora, Gustavo?

Com a calma que me foi possível, olhei-a fixamente, aproximei-me dela e respondi:

- Atende fofinha, atende! Fala normalmente e vê o que ele quer. É normal ele telefonar tão tarde?

Ela acenou com a cabeça, confirmando e eu, quase sem reacção, com o pau a começar a ceder, fiz sinal para que atendesse. De pé, visivelmente incomodada, Su carregou na tecla verde do seu Nokia e, a tremer, atendeu:

- Estou! Fofinho... Olá! Que surpresa, não esperava um telefonema hoje! Está tudo bem?

Do outro lado devem ter respondido as trivialidades dos casais afastados e à minha frente a esposa assustada, que era também a amante fogosa, foi respondendo com as trivialidades das esposas sozinhas:

- Oh, querido, estou cheia de saudades! Quando vens para casa? Sempre vens depois de amanhã? Estou a precisar de ti!

Nesse instante puxei Su para junto do sofá. Ela obedeceu sem resistência. Peguei na sua perna direita e coloquei-a sobre a almofada, o que deixava a sua vagina aberta e disponível. Peguei na sua mão livre e levei-a a pegar-me no caralho pendente, o que provocou em ambos um calafrio simultâneo. Ela percebeu a intenção e, enquanto ia dando conversa ao chifrudo do seu marido, foi tratando de fazer-me uma punheta que em segundos me provocou uma erecção sem limites. Quando o meu cacete já estava pronto para o ataque, baixei-me, coloquei-me em posição de poder fazer-lhe um minete suave mas convincente e comecei a mamar e lamber a sua coninha doce e sumarenta, sugando com deleite o seu grelo duro. Su continuava a conversa, agora de forma mais aberta, impulsionada pelo meu minete e pela punheta que acabara de fazer-me. A sua linguagem era agora ordinária, como se a sessão de sexo a que estava a sujeitar-se estivesse em vias de acontecer com o marido. Eu estava louco de tesão; ela estava prestes a esporrar-se e dizia isso mesmo ao cabrão que estava do outro lado da linha, pois a conversa havia sido encaminhada para o desejo de foder com ele, de lhe mamar o caralho, de ser fodida e de ser lambida. Su gemia da minha mamada, mas disfarçava dizendo que estava a masturbar-se, por estar esfomeada e cheia de tesão.

Quando já não aguentava mais, Su apertou a minha cabeça contra a sua coninha em chamas, onde o gozo escorria encharcando a minha boca e a minha cara, e gritou sem freio enquanto se vinha. Ao mesmo tempo grunhia, dizendo:

- Oh, querido! Que bom! Estou toda esporrada! E tu? Também bateste uma punheta, fofinho? Estava cheia de tesão, docinho! Vem logo, vem... Quero ser fodida por essa tua pichota grossa e dura!

Agora era eu quem batia uma, cheio de desejo e excitação, assistindo aquela cena de vagabundagem. Su desligou a chamada e veio arrancar-me um beijo guloso, enrolando a sua na minha língua. De seguida e até que o cansaço não nos venceu, a sala foi o nosso local de batalha.

No dia seguinte, eram onze e meia quando ambos acordámos. O meu emprego naquele dia foi para o espaço. Tomámos o pequeno almoço como dois verdadeiros amantes enlevados na paixão que nos dominava e, quando nos preparávamos para sair, afim de deixar Su em casa, tomei-lhe a mão e sentámo-nos na sala. Havia um assunto a esclarecer e clarificar. Eu sabia qual, mas Su estava no desconhecimento total.

- Sabes porque estamos aqui, Susana! – inquiri eu sério e compenetrado.

- Sei... – disse ela segura de si – estamos aqui porque eu me fiz a ti e te convidei para jantar, com intenção de foder contigo!

- Não... – respondi eu ainda sério – Estamos aqui porque eu acabei de cobrar uma dívida e tu fostes o pagamento.

Su olhou-me com um misto de incredulidade e interrogação. Eu expliquei tudo, sem omitir nada. Su apenas me olhava com serenidade. No final levantou-se, veio sentar-se no meu colo, depositou um beijo na minha face e disse sorrindo, linda como só ela, com os olhos marejados:

- Esquece! Eu não sou pagamento de dívida nenhuma! O corno do meu marido é que vai pagar bem paga essa dívida! Depois verás como...

Dali em diante, Su passou a ser a minha amante de todas as horas, de dia e de noite, com o marido por perto ou com ele fora; na sua casa e na minha.

Passaram dois anos e, actualmente, Su está ali na sala a ver um filme de acção, enquanto eu escrevo este relato.

O meu estimado amigo e devedor já foi. A dívida, em boa verdade, continua por saldar, mas um dia, quando entre eu e Su já havíamos decidido que ela se iria separar do cabrão que foi seu marido durante quatro anos, de combinação com ela liguei-lhe e, depois de me identificar, disse-lhe com todas as letras:

- Sabes Rolando... Não precisas pagar a dívida, eu considero a conta saldada! Mas sabes o que vai servir de acerto de contas? Não sabes, pois não! A tua querida Susana, que desde há dois anos é minha amante e a partir de hoje será minha mulher. Sabes o que estava ela a fazer quando lhe telefonaste há dois anos, quase há uma da manhã, e tu estavas no Norte: estava a ser lambida naquela coninha que tu não soubeste cuidar e alimentar. Estavas a ser corneado, seu paspalho! E como ela é boa de foda! Mas tu não sabes como é... Tu és boi! Adeus

Hoje, Su e eu somos um casal e nada se interpõe entre os nossos desejos e tesão e a nossa capacidade de realizar as fantasias.

Su, a Susana que me magnetizou quando eu quis cobrar uma dívida, e soube ser a mulher dos meus sonhos de macho é hoje a deusa do meu encantamento. Continua bela e fogosa. E tem uns olhos verdes felinos, que hipnotizam. Além de um corpo que assusta de tão sensual.

O resto, basta que saibam sonhar! Nos sonhos tudo é possível! Até obter um resultado positivo numa operação cujo resto há-de ser sempre a soma do deve e do haver numa conta corrente sem parcelas, mas onde as pessoas contam. E muito...

Comentários

23/07/2008 11:50:18
E assim se fazem excelentes contos! cornudos caloteiros é o que deve faltar para aí! *

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.




Online porn video at mobile phone


sexo gay contos valentãobiquine mulher cazada safada.e asim na praiafilha adotiva safada com mae e pai contosempregada safadinha Fátimaconto crente com fogo na bucetabuctao tod c gazandporno com mãe e filha bucetudas de guaianazesmenina ponha na bucetinha dedinho cheio de pregassanporno irma louca pra da o cu pro irmao provoca ele ate ele come cu delanegona sendo arrombado por negao tonato video porno grátisporno xxvideos meninas sentodo o cu em cima do pau mostando a bucetaesposa vadia de shortinho curtinho batendo punheta p outro ba frente do cornofiadinho dano o cu gritano de dor pra um ttraveste palzudo pormo brasileiro gratessexo expkicito gratis exibindo cacetaocasada loira gaucha fode c pausudo que enche ela de porra e corno olhaPriscila soca vibrado na bucetaContos sou casada e chupei dois caralhos ao mesmo tempopilates sacana com minha esposa contoContos eroticos irmas gulosas mamando no pauzao grosso do irmao e de mais cinco amigos pauzudos dele na piscina de casaxxvideo mobile de mulher chupando seios de outra em lactacaofudendo morena fofinha na mata caseiros coletâneaver vidios porno da xvidio mulher veste marido com langeri e deixa ele para o amante fudervideo novinha diz tio deixa eu chupar teu pirulito cabeçudotia pasa de camisola perto do sobrinho e ele fica com tesaocontos de putaria sou puta meu irmao um jumento fudeu o cu da minha amiga e eu ajudeiO que comete fodendo uma mexidinhaconto de como come meu maridovideos novinhas fazendo sequioso e gozandocanalha tirou sangue da bucetinha virgemContos meu pai me comeu com o consentimento da minha maecontos eroticos de menias q deu seu cabaçinho bem novinhas por que sua obrigou a trepa com seu companheiro taradoConto erotico gay traficante funkencoxada casa dos contoscontos eroticos de menias q deu seu cabaçinho bem novinhas por que sua obrigou a trepa com seu companheiro taradoesposa novinha do bundão grandão nua despeitoContos picantes ainda virgem fui abusada por um entregador velhoconto erotico/gay asistindo percy jacksonpeso d porrta gatinhacontoseróticos invasão anal 3arrombadimhas ponoquero ver um filme pornô a mãe transando com filho e a mãe forçando para transar com ele pedindo para o fiscal na b***** dela que ela tá lindaTaradinha louca pra pega no pau do tiu contostarado estorando boi no mato xvidio.comcasada fodechamando o nome do comedor porno portuguêscontovporno com fotos reletos de chifrescontos eroticos feminizaçao do garotinho maeelicarlos2010Busetinha lizinhax vidio comtos eroticos flaguei minha irmã avódois pauzudo fodendo duas vadias das beradas grosa de cabeça para baixomorena anda na rua de vestido branco ai himen vai ate la e fode elaencoxada bem arroxadacontos eroticos dormindo com primomulher revivesse monstro xvideovideos porno mulher tentando escapa. do pau do outro na frente do marido mas nao comsegue e corno dechaliberalina vadia traído foi filmadaxvideo guardondo o pau nacuecaPorno doido hosexualimocache:rw4Jl7xcm9QJ:https://zdorovsreda.ru/tema/pezinho eu sempre brincava com as coleguinhas de mimha irmã, e prdia para eles baterem punheta para mimXvideos grandes pauzudos enrrolaados na toalhas pernas abertascontos eroticos desejo de uma mulher tomar porra de negros na frente do parceirocontos eróticos garotinha 7aninhos boquetera e so no cugostosa chifrando corno com seguranças na festa contos eroticoscomendo a buceta da gostosa na barra de suco de limãogarotocabelos grandes blusa pretanovinha louca pra mamar um cacete do coroa bebadocontos eroticos nupcias blogspotcontos corno manso ineditoContos de gang bang com dotados novinhaa chamada cadela incestomulheres que sentem desejo sexual por cavalo zoofiliacoletane de cobtos eroticos de travesti bem dotado ativo