Casa dos Contos Eróticos

Click to this video!

O Professor do coral e eu

Autor: Valtinho
Categoria: Homossexual
Data: 19/05/2008 19:40:18
Nota 5.43
Assuntos: Homossexual, Gay

No início da puberdade eu participava de um coral na minha Igreja; tinha voz grave, firme, incomum à idade; o professor do coral me tratava super bem, chamando-me na frente de todos de “tenorzinho”; quando estávamos a sós ele caprichava: “tenorzinho adorado”, “voz de anjo”, etc. etc. Eu gostava muito desse tratamento, além de que vinha sempre acompanhado com carinhos no rosto, nas orelhas, abraços pela cintura; tudo me isso deixava arrepiado, o cuzinho virgem piscando, o pauzinho ficando duro dentro da cueca; eu sabia que era especial pra ele e ele assim me tratava; vez ou outra ele arriscava um toquezinho na minha bunda, que eu nunca tive coragem de evitar; até pelo contrário, quando podia, incentivava.

O coral ensaiava as 3as. e 5as. feiras nos fundos da Igreja, a tarde; ao final de um desses ensaios ele pediu-me para ficar após a saída dos outros sob a alegação de que precisávamos ajustar algumas notas; foi o que fizemos por algum tempo. Quando ele deu-se por satisfeito me abraçou efusivamente, ficando com um dos braços apoiado na minha bunda, e roçou os seus lábios no meu rosto e detendo-se ligeiramente sobre a minha boca; o arrepio foi geral; os mamilos pareciam que saltariam sob a camiseta; ele aproveitou-se da minha situação roçou as costas da mão nos mamilos dizendo --Você realmente é maravilhoso; está gostando ? Não pude resistir -- Muito professor; podes me explicar o por quê de tudo isso ? Os arrepios, o frio na minha espinha ? e isso ? apontando para o meu pauzinho duro sob as roupas. Ele respondeu-me simplesmente: -- É porque nós nascemos um para o outro. Abraçou-me novamente e deu-me outro beijo, mais demorado, mais dominador. Colocou a minha mão em seu pau duro como uma rocha; acariciei com capricho, suavemente; ele abriu a calça tirou aquela maravilhosa vara e me disse: -- È teu, somente teu. Ensinou-me a punhetá-lo; a sua respiração foi ficando irregular, a sua voz rouca; ele gemia de tesão, de desejo; pediu-me: -- Coloque na tua boca, como se fosse um sorvete de palito; obedeci-lhe prontamente; pela primeira vez senti o sabor de um pau de uma macho tesudo, que me desejava como nada na vida; lambi, chupei, mordisquei, matei toda a minha curiosidade; fiz naquele maravilhoso pau uma gulosa como poucas na vida; eu sabia que o que ele me pedisse eu faria naquele instante; no entanto, por puro azar, fomos interrompidos pela servente perguntando o que ele queria para o jantar; fui embora.

Hoje eu sei que a tesão me dominava, eu queria desfrutar daqueles carinhos sinceros, que ele me desejava sexualmente e que tinha medo de ultrapassar algum limite e me ofender. Mas naquele tempo eu sabia de uma outra coisa; eu estava louco por aquele professor.

O nosso coral foi convidado para uma competição contra corais de outras igrejas; o nosso professor passou a exigir demais nos ensaios, todos os dias o coral ficava após o horário caprichando para uma boa apresentação; com isso ficamos um pouco distantes.

O sábado à noite da apresentação chegou e o nosso desempenho foi fantástico; ofuscamos os alemãozinhos da Presbiteriana outrora sempre vencedores; fomos à glória. No domingo à noite fizemos apresentação especial na nossa Igreja; sucesso total.

Na 3ª. feira recebemos a notícia: o sucesso ultrapassou as fronteiras da nossa cidade e o nosso professor (o meu professor ...) recebeu um convite para assumir um cargo de direção em um Conservatório Musical; despediu-se de todos com lágrimas nos olhos, a voz rouca. Eu fiquei perdido. Dias, anos; o tempo passou. As lembranças eram sempre doloridas: que pau, que magnífico pau; porque ele não me comeu ? Por que eu não dei pra ele ? Continuei virgem, me masturbava feito louco imaginando aquele pau novamente na minha boca, na minha mão, penetrando o meu cuzinho pela primeira vez .....

No começo de um ano fui para a Capital fazer vestibulares; fique na casa da minha irmã durante duas semanas. Num final de semana ela levou-me para assistir a apresentação da sua filha em um festival de piano; fui para descansar dos exames, relaxar um pouco. Quando chego ao local quase perco o fôlego; o meu professor, ele, logo ele, participava das apresentações com seus alunos; quando me viu deu-me um abraço demorado, olhou-me do alto a baixo e disse: -- Você está do mesmo jeito que te deixei; apenas mais crescido, maduro. Segredei-lhe ao pé do ouvido: -- E ainda virgem .... Ele quase endoidou e mal conseguir falar: -- Assim que terminar esta apresentação eu te chamo. O meu cuzinho endoidou; parecia que queria falar: -- É hoje, tem que ser hoje. E assim foi; terminado a sua última turma levou-me para os fundos da escola; no caminho a sua mão já procurava a minha bunda, os meus mamilos, o meu rosto. Nos abraçamos, beijamo-nos suavemente e eu lhe disse: -- Vamos terminar o que começamos naquele dia. Ajoelhei-me e continue chupando aquele maravilhoso pau; grosso, duro, perfumado; a cabeça brilhava na pouca luz do recinto; ele pegou um creme hidrante em sua bolsa, virou-me, abaixou as minhas roupas, lambuzou o meu cuzinho com o creme, colocou o dedo médio, depois o indicador junto com o médio, massageou o anelzinho que pedia por carinhos, penetrou os seus dedos, deixou-me em ponto de loucura, apoiou-me num móvel, colocou aquele cabeça deliciosa na porta do cuzinho virgem e começou a forçar delicadamente, até que a cabeça passou pelas preguinhas; senti uma dor gostosa, pedi mais e ele colocou até a metade. Tirou o pau totalmente e perguntou-se se estava tudo bem: -- Está ótimo, foi a resposta. Aí ele colocou tudo. Senti aquele pau grosso, quente, divino ir até as profundidades do meu cuzinho; voltou, entrou, voltou, entrou. Uma locura só; deixou o pau na metade do cuzinho, bombou rapidamente e gozou, gozou, gozou. Senti jatos de esperma quente, espessa me inundando; que sensação de posse; aquele pau era só meu; o meu corpo, o meu amor, só dele, do meu professor.

Comentários

08/03/2010 00:58:40
"tenorzinho" com voz grave? Acho que você na~oentende muito de classificação vocal não. Ou então seu regente não estudava música.
08/03/2010 00:57:40
"Tenorzinho" com voz grave? você não entende muito de classificação vocal não né, meu filho? Ou seu regente nunca tinha estudado música?
22/05/2008 01:12:15
conto muito bom nota 8. UM DETALHE, ALEMÃO DIMINUTIVO ALEMÃEZINHOS
21/05/2008 17:34:44
gostei, continue escrevendo, que lerei todos seus contos, se puder leia alguns meus, vote e escreva um comentario =D. estou te esperando visse
20/05/2008 17:08:06
isso é nojento....

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.




Online porn video at mobile phone


pai tem pauzao descomunnal e soca tudo no cusiho da filha gostozinhamulher com bermudacurtinha paceando na ruacontos eroticos arretando novinha na hora da janta na meaaxevideo mulher dormido e rola entrandosexo com coroa ruiva baixinha gostosa peituda de buceta bem peluda fidendo xom bem dotadoContos jovem faz anal varios homens e cuzinho fica dilatado e dilaceradolugar onde o rio nasce xvidioContos eroticos seios mordedo fortevideo porno irmã bricano com seu imão e apiroca escurrega etrafotos de irmanzinhas mais novas provocando seus irmaos e levando pica durmoças todas cagadas e meladascontos eroticos gay x negao 40cmfizemos sexo bi com um estranho contocontos erotico papai vai caberfotos decasadinhas boqueteiras do corninhohomens passando o dedo na buceta das mulheres e elas alteradascorno e engulidor de rola contopornor doido batendo poleta na varanda sexorealizei minha fantasia com meu tio e seu amigo negâoconto erotico mendiga novinhafui arrombadojege tarado arromba tua dona apaixonado vidio pornodescobri que meu namorado da o cu yahhoabaixar porno gratis amor no cu nao amor vai doer eu vou botar so a metadexvideos cangáceiras eroticasrelato erotico evangelica casada carente da buceta peluda greludacontos eroticos traindo na enchenteXapeleta grosa nucu da loira xvideoyoutube tarado comeu novinhas mobilizado sexaul tirado a roupa nuasespiando sebastiana tomar banho contos eróticosContos erroticos pai brinca de casinha com filha e acaba fodedoComtos Eroticos filho de menor fodendo mae gostosonagozou muito na buceta da irmã nascendo peitinhos a buceta nem cabelo nasceu nadaxsvideo relatos com fotos e filmes tio taradao de 30cm de rola arrombando subrinha safadaarregasado a buceta com muita velocidadeEu e minha mãe no ônibus de excursão-contos-incesto-filho e mãe-incesto no onibuscontos evangelica quarentona goza gostosoO vizinho safado do 205anal violentto e profundo com gozo dentme comeram com meu irmao pauzudofilme meu irmao me deseja fuderconto erotico gay minha tia me transformou em meninaensinei meu filho de dez anos a bater punhetaporque tem mulheres que sentem prazer ao ser.penetrada com o.dedo no anusContos reais de sodomiaincesto encostando a rola no priquito da irmazinha de per no quardosexo conhadas cozinha nua pau bizarro tesaoeu perdi a minha virgindade com cara da pica de 40cmcasa do conto meu filho me encoxou de baby dollcavalo viou pau ate no urtero da novinhavidio do porno doido de lesbisca chupando a bucetavda outra ate ficar sem folego12 mulheres se gozando muito asseste videoxsvideo de porno casero itiada fudeno com padrasto armadoconto tudo começou quando minha sobrinha de dez anos sentou no meu colocorno eu confessoconto gay adoro ser esculachado por um machoCasa dos Contos Eróticos sogra gritou chorou e pegou na pica do genroContos meu pai me comeu com o consentimento da minha maecontos erot os y icver video de porno na facudade gosando forteconto erotico iniciando viadoContos eróticos de viados que apanharam para aguentarem as jebasputaria brasileira posicao papai e mamae pra salvar no celularcadelas bucerudas fudendo no cioContos novinha bolin d pel titia enquanto o tio dormerola gradi nocu danoviadelegada indo pega sua prisioneira pornodoidocontos mamae baby doll vermelho filha sem calcinhacontos eróticos de Lucy dando pro caseiro na frente do maridohistorias eroticas vi meu sobrinho bem dotado descabaçando o cu da minha mulhercontos eróticos eu e meu sobrinho