Casa dos Contos Eróticos

Click to this video!

Comi minha sogra I

Autor: Judas
Categoria: Heterossexual
Data: 12/06/2008 00:06:26
Última revisão: 02/07/2008 23:30:15
Nota 8.83
Ler comentários (6) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Quando conheci minha segunda esposa eu tinha 28 anos e ela 16 aninhos eu já estava separado e já tinha dado entrada no divórcio mas não podia me casar de imediato.

O pai e a mãe da minha da minha namoradinha não aceitavam a situação, ver a filhinha com um homem bem mais velho e sem poder casar, mas diante da impossibilidade de nos separar aceitaram a idéia de que nós vivêssemos amasiados.

A casa do meu sogro era grande e tinha um quarto de hospedes que tinha uma saída para o quintal e para a área de serviço, foi ali que eu e a minha nova esposa começamos nossa vida de casal.

A menina era um tezão e eu metia dia e noite naquela bucetinha apertada e ela gemia e gritava feito uma puta no cio.

Os dias foram passando e eu estreitando os laços de amizade com os cunhados e cunhadas e com os sogros.

Minha sogra era uma coroa de uns 42 anos meia derrubadona mas comível, e eu passei a notar que o meu sogro já não dava muita atenção para a coroa, afinal muitos anos de casamento seis filhos, não tem paixão o tezão que resista a tanta pressão, e o relacionamento esfria.

Comecei a conversar muito com a coroa que tinha um bom papo, e começou a me confidenciar que era muito infeliz na relação e que tinha momentos em que tinha muita vontade abandonar tudo e ir embora, e que só não fazia isso por conta dos filhos.

Eu comecei a dar atenção e ouvir suas histórias, enfim quem não gosta de ser ouvido nos momentos de aflição. E foi assim que eu comecei a lhe apertar a mão e depois abraçar fraternalmente.

Mas essa estória de amizade entre sexo oposto é um barril de pólvora e não deu outra, logo comecei a avançar o sinal e ela consentiu.

Começamos com apertos de mãos demorados, olhos nos olhos, até que um dia abracei a coroa por traz enfie a mãos por dentro de sua blusa e depois por dentro do sutiã e apertei aqueles peitões caídos mas grandes, putz que tezão, meu pau latejava dentro da calça, fiquei acariciando aqueles mamilo durinho e ela gemia e suspirava.

Peguei a mão da coroa e forcei ate o meu pau por cima da calça, deu para ela sentir a ferramenta, ela gemia, e ofegante me pedia para parar.

Foi ai que eu desabotei sua calça abri o zíper e enfiei a mão por dentro da calcinha dela, e meus dedos atingiram a bucetona da coroa, que bucetão cabeludo.

Ambos estávamos ardendo de tezão, mas o bom senso falou mais alto e paramos por ali, afinal a qualquer hora poderia chegar alguém.

Naquela noite meti na filha imaginando a mãe e gozei fartamente inundei a bucetinha de porra quente.

Eu e a sogra continuamos a bolinação por um logo tempo, e na medida em que o tempo passava fomos aumentado a intimidade, de tempos em tempos batia o arrependimento na coroa e ela dizia que aquilo era errado que não podíamos prosseguir com aquela situação.

Eu dizia que não que estava tudo bem e que homens e mulheres se atraem, enfim as velhas lorotas de sempre.

Até que um dia eu tive uma idéia, até porque eu não agüentava mais de vontade de meter na coroa.

E o melhor horário seria na parte da manhã, logo cedo. Tracei o plano meticulosamente, meus cunhados saiam cedo para o trabalho minhas cunhadinhas iam para a escola e o sogro também pegava cedo no batente. Era a melhor hora para por meu plano em execução.

O problema era minha mulher que dormia até tarde, mais podia acordar mais cedo e nos flagrar, resolvi arriscar esperei todos saírem fui até a cozinha e disse para a coroa: Tire essa calça e vista uma saia, ela relutou e eu disse faça isso agora nós não temos muito tempo.

Ela entrou no quarto e logo saiu vestida com uma saia jeans, eu fechei as portas que davam acesso ao interior da casa, entrei no banheiro e abri o chuveiro, e disse a ela se sua filha acordar eu entro no banheiro e para todos os efeitos estarei tomando banho, ela me olhava espantada e sem entender nada.

Puxei ela até o quarto do meu cunhado sentei ela na cama de solteiro, empurrei a levemente de forma que ela ficou meio deitada, levantei a saia e fui puxando a calcinha, eu tremia de tezão e medo a adrenalina era muita,

Finalmente eu ia meter meu cacete naquela buceta, arranquei a calcinha da coroa, abri as pernas dela e comecei a beijar e chupar aquele bucetão, que delicia, ela se contorcia e gemia baixinho, sufocava o grito, ela estava molhadinha, desci minha calça até os joelhos e ela olhou para o meu pau que parecia uma bigorna de tão duro.

Ela ficou olhando parecia admirada, não perdi tempo coloquei a cabeça na entrada daquela buceta quente, fui empurrando devagar, para minha surpresa era bem apertada, para uma coroa que já tinha tido vários filhos e todos de parto normal.

No inicio meti devagar aproveitando o máximo cada segundo, dentro daquela buceta quente e macia.mas o tezão foi aumentando e comecei a bombar com força o cacete entra e sai num vai e vem frenético, ela gemia e me puxava, eu mordia e chupava os mamilos dela, até que atolei tudo e fiquei bombando e roçando o clitóris dela não demorou muito e ela gozou gostoso, gemia, quase chorava, e eu metia com força e rápido até que ela ficou quietinha.

Pedi para que ela ficasse de quatro, afinal agora era a minha vez, meu pau doía de tanto tezão, quando vi ela de quatro lembrei da filha era muita semelhança física entre mãe e filha, enfiei meu pau de uma vez, atolei tudo ela gemeu de dor e prazer, comecei a meter igual a um cavalo em cima de uma égua, atolava o cacete até o fim e retirava devagar e com força, fazendo movimentos alternados, logo gozei inundei a buceta da sogra, gozei fartamente, a porra escorria de dentro do bucetão cabeludo.

Nos recompomos e após o banho ela me confidenciou que nunca tinha sentido nada igual. Afinal ela havia se casado jovem e virgem, e sempre fora fiel ao marido e eu fui o segundo a penetrar naquela buceta rosada.

Depois disso repetimos varias vezes a proeza até que um dia eu resolvi comer aquele cuzão apertado...mas esta é uma outra estória.

Comentários

09/07/2011 16:02:12
Legal seu conto cara, eu adoro buceta cabeluda,
17/04/2009 22:34:40
Uau!!! fikei molhadinha e na expectativa o tempo todo...hummm Big conto!!!!
19/08/2008 17:56:33
bom seu conto,eita sogra boa,vou adorar ler a sequencia.seu conto não é mentiroso como os outros que todos são lindos e de pinto grande.
14/06/2008 16:24:56
cara me deu tesão... so faltou detalhar mais a historia nota 8 pra tu
14/06/2008 09:36:44
Nossa, mas afinal tem as horas de loucura Nota 8
12/06/2008 19:26:50
Conto de qualidade média, faltou alguns requisitos, mas vou dar 7

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.




Online porn video at mobile phone


contos.gozei como louca na pica do meu filhona cama o lençol manchado revela o fato consumado fizemos um amor gostoso transando sexo faladopassa manteiga no corpo e na busetaNegao esculachando com moleque gostosocontos eroticos gays virei putinha de varioszoofilia homem fode potra recém nascidaconto erotico gay branco dominador gosta de maltratar viado pretoninfeta de fio atolada no fundilputona sendo rasgado no cu pica gggmulher falando juramento de gemido vídeos pornôcomi a xana zeradaAmigas safadas e putas relatos eroticosdoidoporno vrlho fudendo filha gozando dentrocontos porno gay "meu novo amigo e eu"chego do serviço encontrar cunhado só de camisola e mete o paupelego pauzudo nupornô caseiro da Mayara do colégiove.avaca da minhas vizinhas tarada lindo bucetaongatadas anais zofilia contoscoroas de fio dental tão cheia de tesão Cheguei cheguei escorregando pela sua b*****demorou mas minha esposa aceitou e aproveitouporno olhei peguei chupeikuero.ve.lorinha.mahiha.nupornomulher centa na bengalacontos sexo duas meninas.me xuparam acampamentopirocudo gozando dentropor tras da paredevideos dr sexo com pau de40cm analo negão bem dotado comendo minha mãe contosvideo de velho tarado depois de tomar unas azulzinhascontos de surubas inesperadas com esposaadoro andar na rua c a cicinha enfiada rebolando contowww.relato erotico mulher cazada gemeu na pica glande.com.brdoce nanda contos eroticosquitandeiro tarado pornoComo se escreve “ manda video porno ” em inglesContos padrasto fode filha novinha enchenteporno e escondim uma camera e vim a putarinhawww sou enteada putinha e dou minha bucetinha pro meu padrasto que e tarado pelo meu corpo. comsamara tirando a virgindade da bucetaúltimos contos eróticos gayxvideos lavei.de porra a boca fs novinhaxvideos porno travesti batendo punheta com uma serpente enfiada no cuhistoria dos k fizeram zoofila pela primeira veztalam e pene trAsandoContoeroticonovinhosafadomeninas novinhas de mini saia e fio dentallindasconto erótico gay o riquinho e o favelado 30ir:ma virge fudendo com irmao do piru gigamtevidios pornnou que mae e filha tranza com o meismflagante de sexo com patricinha de carangoladoidoporno vrlho fudendo filha gozando dentropornor doido homem batendo poleta no banheiroso bucetao ebelas chupadas emuitas punhetassexporno so com as mulher corpudona e apertadinha bota chorachifruda voyeur cuckqueanmelhores vídeos porno de primos que reduziram seus primosrelato esposa cincoentona timida primeiro amantetefone fixo de coroa rica tarada pra transa 40Taradinha louca pra pega no pau do tiu contoscontos eroticos quando eu tinha doze anos viagei pra fazenda com meu paiVelho grisalho que gosta de comer um cuzinho em campos dos goitacazes pornô doido de cetona de mini saia sem calcinha sentando na rolacontorcionista dilataçao anal pornocontos eróticos publicados por testemunhas de Jeovábucetinha super apertada sendo destruída por negao super roludo até arregalou o olhocontos eróticos de padastro abusivopeguei meu amigo nu no quarto e batemos uma punhetaDormindo e pai comendoxx.comconto erotico casada crente no tremguia de como fuder cadelasatia muito malha torneada de bunda e pernad grosa fudeu com seu sobrinh negao do pau enorme e ela nao aguente e pede pra ele tirar porque ta doendo muitoelementarians casa dos contos eroticoszelador comeu minha mulher nA minha frenteForcei minha mae e ficar nua conto incesto