Casa dos Contos Eróticos

Click to this video!

O Melhor de Todos!

Autor: peristilo
Categoria: Heterossexual
Data: 13/06/2008 20:35:31
Última revisão: 13/01/2014 02:56:18
Nota 9.56
Ler comentários (18) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

O Melhor De Todos!

Eu tinha dezesseis e ela quinze. Namoradinha virgem e medrosa. Mas quente, pegando fogo. Nosso namoro já ia naquele estágio avançado de rolarmos nus na cama, beijando e acariciando um ao outro. Muita, muita paciência eu tinha. Ia avançando um pouco a cada dia, a cada beijo e carinho atrevido. A essa altura já não levava mais tantos beliscões nem tantas unhadas de sangrar como no início. Mas havia ainda coisas proibidas e não era bom avançar sem cautela, ou arriscava perder um pedaço de pele ou pior: ela ir embora zangada e só retornar dois dias depois. Mais eficiente era implorar, quase chorar:

- Deixa só um dedinho, vai?

- NÃO!

- E beijar ela, pode hoje?

- Se quiser, pode.

Ficava louca com isso, mas às vezes inventava que não queria. Impossível compreender.

- Hoje você vai deixar, não vai?

- Hoje, não.

- Quando então?

Respondia que quando quisesse. Ah! que coisa que me dava vê-la ali toda peladinha e não poder. Assim tinha hora que vinha vontade de atacar de qualquer jeito. Eu prendia os braços finos, montava em cima dela me defendendo das joelhadas nas bolas, mas era só soltar um dos braços pra conduzir o pênis duríssimo que recebia tapas e arranhões. E quando se livrava, furiosa, a cara toda vermelha dizia:

- Vou embora e nunca mais volto aqui!

Eu quase chorava pedindo desculpas. Sem dúvidas, era péssima idéia querer fazer à força. Mas ela sempre voltava. Quase todas as noites trancados em meu quarto, mamãe fazendo de conta que não sabia de nada. Só não podíamos era fazer barulho.

Havia noites que vinha parecendo decidida. Ficava quieta, calada, e não criava dificuldades.

- Me mostra?

Ela virava de bruços na cama, obediente, a bunda redonda toda nua. Ah! não havia coisa mais excitante! A xana com poucos pelinhos espremida entre as coxas, o buraquinho minúsculo mal aparecendo no meio da bunda. Nem dá pra descrever o que era ver tudo aquilo ali com a luz acesa! Eu ficava louco!

Ela só permitia enfiar a ponta do dedo. Mas eu sempre desobedecia e lutava contra a mãozinha chata, até o dedo não poder entrar mais, lá no fundo. Ela ficava se revirando, reclamando, mas acabava quieta, só resmungando com a cara escondida nas mãos, com vergonha. Mas não ficava assim por mais de uns segundos e se virava logo.

- Chega! seu nojento!

- Agora me chupa um pouco, vai!

- Deus me livre!

Pronto;isso não fazia mesmo! Não chupava, e dava desculpas infantis:

- Você diz pros seus amigos.

- Cê é louca?! Lá vou comentar isso com ninguém!

- Não, chupar, não!

Até parecia que já não tinha feito quase tudo.

Eu insistia, insistia, mas era teimosa e irritante. Como eu desejava sentir aquela boca bonita me sugando! Gozar nas coxas e na mão já não tinha tanta graça mais. Se não podia na boceta, era na boca pelo menos, já que na bunda eu nem tinha coragem de pedir. Certamente daria briga só em falar, eu imaginava.

Pra me distrair e me aliviar um pouco da pressão, veio com a idéia de me deixar gozar entre os peitos também. Durante algum tempo achei o máximo roçar o membro entre as maminhas rígidas e no fim vê-la cobrir o rosto com o travesseiro para não levar jatos de leite na cara. Morria de nojo quando o pescoço ficava todo lambuzado. Nessas horas, antes de gozar, eu tentava fazer com que me chupasse. Mas como, se nem colocava na boca?! Aqui também eu me descontrolava às vezes. Ia pra cima e o pênis se esfregava nos lábios fechados, a cabeça dela dizendo não, evitando-me. Acho que ela gostava quando eu fazia aquilo. Gostava, gostava, sim. Se não gostasse, não ficava só empurrando minha barriga sem força, quase sem lutar, como sabia fazer tão bem. Mas os lábios não se abriam.

- Um beijo na cabeça dele pelo menos, eu pedia.

- Sai! Pára!

- Quando vai me deixar meter, hein? eu perguntava, meu dedo roçando a fenda bem gostoso pra dar vontade nela.

Mas essa era uma pergunta que não me respondia nunca. Apenas enrolava, pedindo pra me masturbar. Minha paciência já estava chegando ao fim após tantas noites frustradas. E os aborrecimentos já eram maiores que os prazeres. Comecei a achar que jamais aconteceria entre nós. Aquelas coisas tão excitantes no início estavam aos poucos se transformando numa tortura pra mim. Desejos masculinos não se deixam enganar por muito tempo.

Meu aniversário de dezessete anos foi comemorado em minha casa. Mamãe gostava de festas e não deixava passar uma data especial sem comemoração animada. Era de noite, muita gente convidada, comida farta nas mesas espalhadas pelo jardim e no terraço amplo. No interior da casa, lá na sala, nossos amigos dançavam músicas lentas abraçados, num baile bem romântico. Ainda me lembro das notas tocantes de ”Love is Love” rolando por toda a sala semi-iluminada, os casais se beijando. Lá fora, os mais velhos preferiam conversar sentados nas rodas de cadeiras em volta das mesas já devoradas.

Ela veio toda excitada me procurar na cozinha enquanto eu falava com um garçom. Estava linda num vestido róseo curto. Toda pintada, pois era muito vaidosa, os lábios alegres e sensuais brilhando com o gloss. Disse que queria muito falar comigo e reclamou de haver gente por toda a casa, inclusive em meu quarto. Puxou-me pela mão conduzindo-me para o jardim lateral. Era o lugar mais tranqüilo que havia, e escondido também, pois a má iluminação e as plantas de mamãe formavam um esconderijo. Por entre samambaias dependuradas e pequenas palmeiras, só víamos as sombras dos convidados se movendo lá no jardim da frente.

- Vim te dar mais um presente. Adivinha o que é? ela me desafiou sorrindo.

- Sei não; cadê? perguntei inocentemente, sem ver presente algum.

- Fecha os olhos.

Fingi que fechava e a vi enfiar a mão no decote e retirar de lá uma minúscula calcinha azul de algodão. E me fez segurar a peça.

- Calcinha?! eu me admirei, sem entender nada.

Ela deu risadas.

- Você não gosta de cheirar minhas calcinhas? Então cheira essa; acabei de tirar lá no banheiro.

Fiquei sorrindo sem acreditar, olhando ora pra ela ora pra calcinha. Ela não parava de rir levando as mãos à boca, se divertindo com meu espanto.

- Você tomou ponche, não foi? perguntei, pois tinha jeito de estar alcoolizada.

- Um pouquinho só.

Levei a calcinha ao nariz e senti que estava fortemente impregnada com seu cheiro. Puxei a safada pra mim e comecei a beijá-la, meu pênis já endurecendo e entrando na barriga dela, a bunda gostosa e grande não cabia em minhas mãos. O gosto de álcool e de frutas passava de sua boca pra a minha. Nunca a tinha visto tão excitada, atacando-me com a virilha, os peitinhos duros em meu peito.

Levantei o vestido e constatei que estava mesmo nua por baixo. Minha mão se umedecia quando eu pegava na vulva, que estava um forno de quente. Ela mesma desabotoou minha calça e libertou meu pênis, e apertou-o com força. Gostava muito de ficar pegando e depois puxar a pele pra ver a cabeça sair da capa arregaçada.

Não brigou, como às vezes fazia, quando encostei um dedo no ânus e massageei a borda pregueada. Apenas me abraçou mais forte. Então sussurrou em meu ouvido:

- Quer ver se consegue meter aí?

- Atrás?!

- É...se não doer...

Então ela se virou, olhou assustada por entre as plantas pra se certificar de que ninguém nos via e levantou o vestido com uma das mãos, a outra se apoiando no muro.

- Fica olhando se ninguém vem, por favor, ela pediu, preocupada mais com nossa privacidade.

Eu só olhava pra baixo, via a bela bunda se oferecendo e não acreditava que ela fosse me deixar fazer aquilo mesmo.

- Aí, não! ela brigou quando meu dedo entrou um pouco na vagina.

- Eu sei; só pra molhar, expliquei.

O que ajudou mesmo foi a saliva que ela própria passou. Depois disso, só me lembro que eu me tremia todo sentindo o pênis entrando apertado entre as nádegas. Ela nada dizia, apenas soltava leves gemidos, porém deixando entrar cada vez mais, a bunda firme, me apertando, quente e gostosa.

- Vai com calma, ela me pedia quando eu já estava todo dentro.

Meu pênis latejava de prazer, atolado naquela fornalha de carne. Pelo modo como jogava a bunda pra trás, vi que estava gostando, sempre gemendo a cada estocada profunda que eu lhe dava. De vez em quando olhava em redor com medo de alguém aparecer. E quando o membro saltava pra fora, ela se ajeitava, empinando a bunda pra eu meter novamente.

- Não demora muito, tá?ela me pediu depois de algum tempo.

Eu me mexia, indo fundo e recuando, cada vez mais rápido. Segurava-a pela cintura e dava golpes violentos contra os montes da bunda.

Vi o braço dela se mexendo e notei que se acariciava na frente enquanto eu entrava atrás. Tive um gozo tão forte que meu pênis doeu com os jatos saindo.

- Pronto? ela me perguntou.

- Ainda não; espera, eu disse, continuando a me mexer, sem querer sair de dentro daquela maravilha, o pênis ainda bem duro.

- Você gozou e tá continuando, né?

- Espera, espera, eu pedia, sem querer largá-la.

- Ai! Já chega! quero ir no banheiro! ela reclamou.

- Já tá vindo, tá vindo!

- Hum, ai! não agüento mais! tá ardendo! ela choramingou e escapou baixando o vestido.

Foi sua mão que me ajudou a gozar pela segunda vez. Ficou com os dedos lambuzados e foi se lavar na torneira ali perto. Aos poucos voltei a ouvir a música, o som das risadas das pessoas e a voz de minha velha tia Amanda ali dentro do meu quarto, pertinho de nós:

- Onde está o aniversariante, gente?!

Esse foi o melhor presente de aniversário que já ganhei em toda minha vida.

Fim

Não esqueçam de comentar e votar. Obrigado.

Comentários

j.a
26/11/2014 21:55:05
nota dez
22/06/2014 08:23:38
Simplesmente maravilhoso! Cara, incrível a maneira que você consegue transformar coisas corriqueiras num magnífico conto. Me fez lembrar meu aniversário de 18 anos. Na época tinha uma namoradinha assim, com a qual, tinha conseguido só mamar nos peitinhos e feito ela segurar no meu ¨secretário¨. Ela ia me dar ¨O melhor de todos¨ naquele 5 de outubro, porém, levado por amigos da onça, enchi a cara e embriagado, não ganhei o prometido ¨presente¨. Logo depois, fui para a capital fazer faculdade. Ficou como uma daquelas (entre tantas): só na vontade. Nota máxima com todos os méritos!
20/06/2014 21:22:56
perfeito conto...suas palavras me fazem viajar na imaginação chegando a molhar as "ideias"!!...delícia!!! *--*
02/01/2014 11:37:03
Tão simples, tão inocente e tão safado ao mesmo tempo, tão gostoso de ler. Adorei, mais uma vez!
11/04/2009 00:58:18
Também sou recente nestes sites, mas esse conto de adolescentes levou me ao passado longinquo, às primeiras emoções e sentimentos, coisas gostosas, das descobertas e cumplicidades de ambos os envolvidos. Taí, um conto bonito! Nota MIR!
29/03/2009 01:57:39
Ótimo.
23/03/2009 20:19:45
MARAVILHOSO, PARABÉNS! SE TIVESSE UMA NOTA MAIOR QUE DEZ, SERIA SUA NESSE MOMENTO.
12/03/2009 19:30:09
como sempre....10
23/07/2008 11:10:50
"Nao tenho tudo o que quero mas é uma questão de tempo e paciencia..!"
25/06/2008 13:39:47
Olá Peristilo Confesso que descobri este lugar recentemente, e daí a ideia de me inscrever e publicar. Realmente sou Portuguesa. Andei um pouco a ler e vejo todo o tipo de escrita, alguma muito pouco cuidada, ao menos poderiam escrever no word e corrigir, é só uma opinião e mas vi por alguns comentários inclusivé nos teus textos, que nem todas as pessoas são receptivas a comentários mesmo com critica positiva. Este teu texto ér simplesmente espectacular. Gosto da tua escrita, muito correcta, sem uso de calão, fazendo uso de linguagem correcta e no entanto bastante erótica, fornando-se bastante fácil o desenvolvimento do nosso imaginário. Ri ao ler o texto, eu menina tinha atitudes muito semelhantes á heroina do conto. Um beijo
25/06/2008 08:27:07
Meu caro, sem comentários. É 10 com louvor.
21/06/2008 12:20:02
nossa..esse foi uma gracinha .rss ..aiai.. se eu tivesse um namoradinho com uma paciência dessas qdo era novinha..o sonho de toda garotinha.rsrs. abraços peristilo
17/06/2008 11:27:20
Valeu, Moreno! Mas "o melhor de todos" se refere ao presente de aniversário, claro.
17/06/2008 01:49:49
Realmente é desse jeito mesmo, muito realista seu conto, e também muito criativo, faz sentido se chamar "O melhor de Todos" muito bom mesmo. Parabéns. Abraço.
14/06/2008 19:34:17
[email protected], tenha vergonha! Esse conto é proibido pra moças!
14/06/2008 15:07:00
Ah que conto bonitinho... rs Ela presentiar dessa forma é de longe o presente mais legal, hein?!O namoradinho se deu bem!rs
13/06/2008 20:47:48
Cara voltei no tempo. mas foi bem contado vale realmente um 10
13/06/2008 20:37:17
Aconteceu mais ou menos assim.

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.




Online porn video at mobile phone


videos de sexo fodi ela de ladinho ela fechava as pernas e gemia muitobaixinha chupadora de espermaela cagou no meu pau conto eroticoporno.doido so.mulhers ricas gostozonas dando na.borrachariacontos eróticos minha mãe greludaconto lesbico a procura do amor cap25finha cendo bulinada por pai enquanto dorme no sono profundo xtubporno secretaria aser estupprada no escritorio e gozada dentro da vagina sem ela quererquitandeiro tarado pornoCleide a recatada contos eroticosconto erotico dei pro meu genrogostosas apimentadinha de tesaoPegou o pai de pinto duro quiz no cucunhada ajuelha na frente do cunhado e engole rolaWww. faveladas fazendo sexo na promiscuidadeContos eróticos teens pai vendo q a rola do filho estava bem grandinha conto gaycontos eroticos gays bombeiro sarado hetero me fudeu sem dosquirt alucinador pornpauzudo passando a vara no meninoBAIXA VIDEO PORNO APROFESSORA ELIZABETI DA ESCOLA NANDEJAmulher toma susto com rola bucetas moloumulher cagando enquanto dava a bucetaler conto erotico de deficienteContos eróticos comi a rosquinha da mulher e da filha gostosa do padeiro na padariacontos de sexo raspei minha bucetavidiopormo de mulier que noa aguenta pau no cu e bera naorapornor doido batendo poleta na varanda sexomachos da periferia marentos na punhetacontos eroticos fingir assalto pra comer meu amigo xxx vídeo Pai percebe qui sua filha ta virando mulher e sente vontade de comer -youtube -site:youtube.comconto de incesto mae mulata de babydollporno com novinha de saia curta limpando a casa e o irmao dela pousado na bunda delacoletania de pinto torto pra baixo gozandoirmao.ingravidando.irma.metendi.na.buseta.sem.camlsinhacontos incesto mae gtsnovilhas rebelados no pauveterina fode cachorraocontossogro casa dos.contosconto erotico meu padrasto sustentando minha buceta com leitinho desde novinhapatricinha do olho azul vai perder virgindade com irmao e fica cheia de frescura e chorando com dor video pornoconto viadinhovideos de sexo, lambeçao de barrigaBaixa filme porno aa panteras juliana tranzando na cozimhacontos eróticos putas da ruaxvideo negao no branquinho esfolopassando a mao na ninfetinha godtosa sem defesa pornogay raptou o vizinho para lhe chupar o paupono 2017perdendo a virgimdadeflagante de sexo com patricinha de carangolavideos onde maridos batem no grelo pelado com chineladas fortesporno do padre fudeno casada comfusaconto homem velho estrupa guri pequenopirocudo gozando dentropor tras da paredetia gostosa nova se masturbado para provocá o sóbrioEu e minha mãe no ônibus de excursão-contos-incesto-filho e mãe-incesto no onibusseminarista transa colega de quartomulher muito gostosa pedi varios para gozar no cuzinho muoto apetardocomendo a buceta da gostosa na barra de suco de limãoContos eróticos gay quatro guri arrombaram meu cuminha colega foi estuprada por tres piçudos e gozaram dentro delacontos eroticos comi a bundinha da menininha do baleporno clAsSico primeira vez de um molequekid bengala buraco na paredeVectra no pau de borracha bem grande na buceta no pau de borracha na bucetaleitinho do papai contosContos eroticos de viados maduros que foram deflorados na marraminha tia lig pra minha e pede pra mim dormi na sua casa eu comi sua bocetamorena sendo arombada por rola de40centimetros entra todinhamulher e obrigada a ser penetrada por gancho pornodoidoempregadinha conto