Casa dos Contos Eróticos

Click to this video!

Viciei minha empregada no sexo anal

Autor: Papabrico
Categoria: Heterossexual
Data: 27/05/2009 19:54:04
Última revisão: 12/12/2013 08:12:16
Nota 9.24

Ontem foi dia de faxina aqui em casa e olhando a empregada que minha mulher arranjou, me deu saudade do tempo que eu morava sozinho e escolhia as minhas ‘secretárias do lar. Eu não sei como ela consegue, mas quando penso que não pode piorar, ela se supera... Agora arrumou uma que faz a bruxa retratada no conto da Branca de Neve parecer uma gatinha.

De todas as secretárias que eu tive, me veio à mente uma em especial... Creonice. É com erre mesmo. Tá bom, eu concordo, o nome deixa a desejar, mas o resto era de primeira.

Não vou chegar a dizer que era linda, mas também não era feia. Filha de índia com negro, ela tinha os cabelos negros e lisos e a cor do chocolate. Tinha as feições finas, nariz pequeno, lábios grossos, mas não era beiçuda, e a dentição parecia de propaganda de creme dental. A pele tinha com um brilho acetinado e parecia que tinha sido retocada com photoshop, nenhuma espinha, estria ou marca, e macia como veludo, apesar do trabalho pesado que fazia.

Sem peitão ou bundão, ela tinha um conjunto harmônico. Seus seios pareciam duas peras, suas auréolas eram estufadas, mas ao menor toque ou por um pensamento mais erótico, se retraiam e liberavam os bicos ansiosos para serem sugados. Corpo definido sem ser marombado, pernas bem torneadas e o ponto alto... a bundinha...

Porra, aquilo não era uma bunda...era um templo dedicado a Afrodite ou a Vênus, deusas do amor, da beleza corporal e do sexo da mitologia grega e da romana, respectivamente. Como era linda aquela bundinha. Redondinha, durinha. Uma tentação.

Creonice, na época tinha vinte e poucos anos e normalmente trabalhava de short, bem comportado para os padrões de hoje, mas que dava bem noção do que estava por baixo.

Ela já trabalhava para mim há mais de cinco meses e nunca havia rolado nada. Ela me foi indicada por uma amiga e era tida como mulher séria. Aparentemente era mesmo, pois nunca espaço para uma aproximação de sondagem. Mas eu sempre de olho naquela bunda.

Porém, um certo dia cheguei mais cedo do trabalho e após tomar meu banho fiquei na sala admirando o meu objeto de desejo, enquanto ela terminava o trabalho.

Eu estava tão absorto despindo-a em minha mente que a Creonice notou e perguntou, sem parar com o serviço:

- O que foi seu Carlos, está tudo bem? O Sr. parece distante.

- Sim está. É... Eu estava pensando como o seu marido é um cara de sorte...

- Sorte? Por que? Ela perguntou curiosa.

- Por ter casado com uma mulher com uma bundinha tão maravilhosa. Ele deve se fartar.

- Que isso seu Carlos? Me respeite viu, pois sou mulher casada. E, além disso, meu marido nunca chegou aqui perto. Aliás, nem ele e nem ninguém.

O rumo da conversa já estava me deixando em ponto de bala e depois da revelação de que aquele anelzinho era intocado, virgem, meu pau latejava, fiquei maluco de desejo.

- Ahhhh. Desculpe-me, mas não consigo acreditar que ele nunca tentou penetrar nessas carnes. Com certeza ele tem algum problema.

-Não tem problema nenhum não. Ele só nunca tentou. E eu também não sei se ia deixar, pois deve doer muito...

Opa, opa, opa... ela disse -“não sei se ia deixar...” Essa frase era promissora, pois demonstrava que havia dúvida e portando, talvez uma boa catequese seria fundamental para ela rever sua posição. E não perdi tempo para começar.

- Sim pode ser doloroso, mas dói se o cara não souber fazer, for muito apressado e não dar carinho. Posso garantir que se for bem feito, depois que você provar vai pedir bis. Vai a passar a dar com prazer.

- Sr. Carlos, e um lugar tão apertado, não cabe a ...os senhor sabe o que quero dizer. Imagine se alguém pode sentir prazer dessa forma, sendo arrom...

Antes que ela terminasse a frase, eu já a estava encostando o meu pau duro na bundinha dela, pois ela estava de costas para mim limpando a mesa. E sem agarrá-la, dei um beijo no seu pescoço, para ver qual era a reação dela.

Ela estremeceu e se arrepiou, mas se afastou rapidamente e perguntou:

- Que é isso, seu Carlos? Ai que vergonha...Sou casada... O que o Sr. pretende fazer? Falou quase chorando.

Não era a reação que eu esperava. Pedi desculpas, que isso não iria acontecer novamente, e se ela não quisesse mais trabalhar para mim, eu iria entender. Ela respondeu que iria pensar. Não nos falamos mais nesse dia. Ela terminou o serviço e foi embora.

Na semana seguinte ela estava de volta e não tocamos mais no assunto. Continuou fazendo seu serviço normalmente. Passadas algumas semanas, cheguei novamente mais cedo e ela estava mais deliciosa do que nunca. Lá estava eu admirando aquele rabinho balançando, enquanto ela limpava as janelas, quando ela puxa conversa.

- Sr. Carlos, o Sr. lembra daquele assunto...

- Assunto? Qual? digo me fazendo de bobo.

- O do bumbum!

- Sim, eu lembro. Você ainda está aborrecida comigo, né?

- Não. Pensando, bem a gente acaba até ficando vaidosa por ser desejada por uma pessoa tão distinta como o senho, mas fiquei meio curiosa.

- Com o que?

- O bumbum não foi feito para isso, certo? Então como pode o senhor dizer que dá prazer. Minha prima diz que dói muito...

Já te falei, só dói se o cara não souber fazer. Trás sua prima aqui que dou um trato nela e provo que não dói.

- Vê se tem graça nisso...chamar minha prima para dar a bunda para o senhor. Que ideia.

- Mas se você nunca sentiu vontade de experimentar, eu ia te provar com ela...

-Para falar a verdade, a gente acaba ficando curiosa... Mas tenho medo... Eu e meu marido estávamos vendo um filme erótico e teve cena de sexo anal e perguntei se ele já tinha feito aquilo e ele disse que não, pois acha sujo, pecado.

- Vai me desculpar, mas seu marido é um mané. Acidentes acontecem, mas lavou tá novo e o prazer proporcionado é insuperável.

- Sei não... minha prima dá há muito tempo pra todo mundo e diz que...

- Já te falei, só dói se o cara não souber fazer. Se você experimentar vai gostar. Pode ter certeza...

- Mas meu marido nem quer tentar.

- Bem... Assim fica mais difícil, mas se você quiser tentar, eu ficaria honrado em ministrar uma aula e te introduzir nessa modalidade de prazer.

- Nem pensar, sr Carlos... Sou casada, amo meu marido e não quero traí-lo.

- Mas isso não seria uma traição. Seria apenas uma aula...

- Uma aula? Humam, sei não. Pode até ser uma aula, mas acho que continua sendo uma traição, isso sim...

- Não seja boba. Para ser traição você teria que estar me desejando, mas isso não está ocorrendo. Você não está apenas curiosa em conhecer a sensação de ter o anelzinho penetrado, que seu marido lhe está negando?

- Bem, lá isso é verdade. Estou morrendo de curiosidade, mas não acho certo.

- Façamos o seguinte, você vai para casa, tenta outra vez com o seu marido. Se não conseguir que ele te atenda o pedido, você decide se vai querer a aula ou não. Eu só quero ajudar, nada mais.

- Tá, sr. Carlos, eu vou fazer isso.

Essa resposta já me dá quase certeza que vou carimbar aquele cuzinho. Agora é só torcer pro babaca do marido não me sacanear e resolver comer a bunda dela logo agora, porque ai já era.

A semana passa lentamente e finalmente chega o dia da faxina. Estou tão ansioso para chegar em casa e saber o que aconteceu com Creusa e o marido, que dou uma desculpa no trabalho e saio mais cedo. Chego à casa por volta das 16 horas, abro a porta e vejo Creusa em cima da escada, limpando a janela. Ela está usando uma camiseta amarrada na cintura e um shortinho branco, bem menor do que o costume, realçando ainda mais a bundinha. Quando fecho a porta, ela percebe que cheguei e me lança um largo sorriso.

- Boa tarde, sr. Carlos. Estava tão distraída que não ouvi o sr. abrir a porta. Não o estava esperando a essa hora.

- É, eu estava em serviço externo e hoje tá muito quente, por isso resolvi vir para casa mais cedo e tomar um bom banho para relaxar.

Creusa desce da escada e passa por mim em direção a cozinha, o leve balançar dos seios e os bicos espetados na camiseta indica que ela está sem soutien. Noto ainda que está maquiada e que fez a sobrancelha. Meu pau percebe logo a diferença e ensaia uma ereção. Vou para o banheiro e tomo uma chuveirada rápida e volto para sala, peço uma cerveja e digo para ela pegar uma para ela também para se refrescar. Na realidade eu queria deixá-la mais relaxada. Ela vem com as cervejas, começamos a beber e pergunto.

- E ai, Creonice, como foi com o seu marido? Ele atendeu ao seu pedido?

Não, sr Carlos e ainda por cima, ele disse que aquilo que eu tava querendo não era coisa de mulher decente. Era coisa de puta. Tô com tanta raiva dele.

Quando ouço que ela está com raiva, meu coração dispara e meu pau lateja já em alegria. É hoje, pensei. Aproveito para jogar mais lenha na fogueira.

- Caraca Creonice, logo você que o respeita tanto. E fazer sexo anal é a coisa mais comum entre casais. Esse teu marido, me desculpe, é um babaca. É uma pena, mas você não vai matar sua curiosidade. Não é justo

- Pois é, sr. Carlos, eu pensei isso mesmo...não é justo. Que custava ele me atender. Então, eu pensei em aceitar aquela aula que o sr me ofereceu, se a oferta estiver de pé.

- Claro minha querida, claro que está de pé. A essa altura meu pau ganhando vida dentro do meu short.

- Se você quiser, posso te dar aula hoje mesmo, já que está bem cedo e não vai atrapalhar sua volta para casa.

- Eu ficaria grata, mas... jura que não vai me machucar?

- Tem a minha palavra!

- Então me dê a aula, mas só um pouquinho para eu experimentar e matar a curiosidade.

- Certo. Como é o nome do seu marido?

- Geraldo, por que?

- Porque o Carlos não está mais aqui, quem está agora aqui é o Geraldo. Não fale mais meu nome, fale o dele, assim fica mais fácil para você. Mas fala a verdade pro seu maridão aqui... Você realmente nunca sentiu uma pica entrando no rabo?

- Não, nunca, nunca mesmo...Geraldo.

- Então vou tratar minha mulherzinha com muuuiiiito carinho.

Meu pau duro que nem rocha, lateja. Levantei-me e fui em sua direção. Levei-a pela mão para o banheiro, a despi lentamente. Tirei sua camiseta, deixando um belo par de seios, suas aréolas eram de cor bem escura, grandes e estufadas, mas quando passo a língua, se contraem deixando a mostra o bico do seio quase do tamanho da falange do meu dedo mindinho. Mordisco os bicos e ela geme.

Tiro-lhe o short e por fim a calcinha e começo o banho. Lavei cada pedacinho daquele corpo maravilhoso, dando atenção especial ao anelzinho, que já dava sinais de excitação, piscando, quase que mordendo meu dedo, enquanto eu passava o sabão. Viro-a de costas para mim e encaixo meu pau duro entre as bochechas da bunda, pressionando meu corpo contra o dela. Meu pau fica apoiado sobre o cu e a xoxota dela, com a cabeça apontada para baixo. Abraço-a com força e ela suspira. Com uma mão aperto seios seios e com a outra percorro seu corpo até alcançar a buceta. Meu dedo invade sua racha e localiza o clitóris.

- Minha esposa querida quer que seu Geraldo toque uma siririca?

- Sim, Geraldo...responde com voz tremula.

Começo a dedilhar o grelinho, lentamente inicialmente, depois aumento a velocidade. Alterno entre rápido e lento, enquanto a aperto ainda mais contra meu corpo. Ela geme baixinho, o som parecia de um cachorrinho chorando. De repente, ela começa a gemer mais alto e arfar.

- Aaaaiiiiiiiiii!!!!!!!!! suas penas dobram. Ela está gozando. Meu pau lateja ainda mais, só não gozei por não estar me movimentando. Espero ela se recuperar um pouco, enxágua e a conduzo até a cama. Coloquei-a de quatro na beira da cama, fazendo com que ela apoia-se a bundinha sobre os calcanhares. Peço que ela coloque o rosto no travesseiro e com as mãos abra as duas metades daquela maravilha. Nessa posição ela ficou a minha mercê, deixando a xana e o anelzinho a minha disposição. Acariciei seu corpo desde o pescoço até a bunda. Sua pele se arrepia, beijo-lhe as bochechas da bunda.

De joelhos, passei a chupar-lhe a xana e com meu dedão comecei a brincar com o redondo, ora passando o dedo de leve, ora fazendo um pouco de pressão. Quando ela já estava no ponto, coloquei um pouco de lidocaína no meu dedo indicador e o passei em suas pregas. Continuo a chupá-la, enquanto espero a pomada surtir o efeito anestésico leve, para então colocar um pouco mais, desta vez coloquei, delicadamente, lá dentro.

- O que você colocou aí? Tá uma sensação diferente. Senti o dedo entrar, mas não doeu.

- É uma pomadinha mágica para ajudar a você relaxar. Quando eu botar meu dedo mais grosso, vai ser a mesma sensação.

Então, levantei-me e meti-lhe a pica na xana para ver se ela já estava realmente no ponto.

A dúvida se dissipou na hora. O pau saiu encharcado, chegando a pingar.

-Ai não! Geraldo. Ela reclamou...

-Calma! Só estou lubrificando o meu pau. Já vou chegar lá.

Para não correr risco de machucá-la, passei bastante lubrificante e encostei a cabeça do pau na portinha. Ela estremeceu. Sinto que ela se contraiu.

- Relaxa! Tem que relaxar.

Alisei, novamente, suas costas. Exerci um pouco de pressão e a cabeça foi entrando até a metade.

Os esfíncteres já estavam dominados. Fiquei alguns segundos ainda só com a cabeça meia cabeça dentro do cu, para ela se acostumar ao intruso.

Empurrei um pouco mais, a cabeça entrou toda, sendo totalmente abraçada pelas pregas do cu. Seu aperto é gostoso. Avancei um pouco mais e enfiei o pau até a metade, lentamente, na bunda.

- aaaaiiiiiiiiii!!!!!! Ela gemeu.

Já ia perguntar se tinha doído, quando ela completou:

- Que sensação maravilhosa!!!! Nunca senti nada igual! Vai, não para, me faz gozar... Me bate...Me enche de leite, Geraldo!!!

Então lhe agarrei pelos cabelos, dei-lhe algumas palmadas e comecei a dar estocadas um pouco mais rápidas.

Ela que estava até então mais ou menos estática, começou a mexer os quadris e a vir em minha direção fazendo com que eu entrasse cada vez mais fundo. Ela grunhia, gritava, falava coisas sem nexo, tudo abafado pelo travesseiro no qual ela enfiou o rosto.

Quando eu ia passar o braço por baixo de seu corpo para brincar com o grelinho, ela gozou. Ela arfava, tremia sem controle e se contraia apertando meu pau que latejava dentro dela e por fim gozei também.

Tirei o pau e em fração de segundo, suas pregas voltaram a se fechar, enquanto o meu leite escorria para fora. Um creampie clássico, como diriam os americanos.

- E então, a minha esposa querida ... doeu?

- Uau!! Nunca tinha gozado dessa maneira. Parece que tomei um choque.

- E agora, vai tentar de novo com o outro Geraldo?

- É ruim, hein! Aquele mané, como você disse, nunca quis e não vai ser agora que vai ter.

Fui tomar banho e ela permaneceu deitada na cama, me observando. Quando saio do banheiro, ela olhando fixo para minha pica em repouso, então ela fala:

- seu pau é tão diferente do pau do meu marido. O pau do Geraldo é um pouco maior que o seu, mas é muito feio...é torto, fino e com umas veias horrorosas, parecem varizes. O seu tem a cabeça mais grossa, rosada, lisinha e não tem as varizes.

- Cada um, é cada um. São parecidos, mas certamente não tem um pau igual a outro.

- Posso pegar nele. Aproximo-me e ela passa o dedo na cabeça e meu pau pula com o toque.

- rsrsrs. Hiiii, tá crescendo...que legal!!!

Parecia uma criança com um brinquedo novo. Ela agora alisava carinhosamente, toda a extensão do meu pau e meu saco. Eu já estava duro de novo. Ela olha maravilhada.

- Até parece que nunca viu um pau.

- E nunca vi desse jeito, acompanhando ele crescer. O Geraldo já chega de pau duro, me bolinando, mete, goza e vai dormir.

- Veja então de mais perto. Puxo sua cabeça em direção ao meu pau. Ela olha para mim, com olhos gulosos, mas então diz:

- Não, a aula acabou, não posso...

- Pode sim, eu ainda sou o Geraldo e boquete não é traição. Lembra do Presidente americano e a estagiária, a mulher dele não se importou.

- Foi? Com os olhos fixos no meu pau, ela passa a língua em seus lábios. Meu pau está a milímetros de sua boca. Ela fecha os olhos, encosto a cabeça do pau nos lábios dela, sem forçar a entrada. Então, ela lentamente abre a boca, sua língua percorre a cabeça do meu pau, passa pelo freio e começa a por meu pau para dentro de sua boca. A medida que avança vai sugando-o. Sua língua aperta-o contra o céu da boca. Meu pau desaparece dentro da boca, seu nariz roça meus pentelhos. Ela engasga um pouco e olha para mim, seus olhos estão marejados de lágrimas. Ela continua a chupar e começa a movimentar a cabeça, num vai e vem, suave mas constante. Aliso seus cabelos negros e sedosos, deixo-a a vontade para fazer do jeito que quiser, não a conduzo, apenas dou carinho. Com sua mão direita, ela acaricia meu saco e a esquerda está perdida entre suas pernas. Ela continua a me chupar, até que estremeço e finalmente encho sua boca com minha porra. Enquanto ela engole meus jatos de porra, ela continua a se masturbar e acaba gozando também. Tiro meu pau de sua boca, ela me olha, contrai os lábios enquanto engole o resto que está em sua boca e sorri carinhosamente. Eu sorrio de volta. Nisso tenho um espasmo tardio, um pouco de porra brota na cabeça do meu pau, ela vê e então faz algo que ainda não tinham feito comigo...ela com os dedos indicador e o dedão aperta suavemente a base do meu pau, encosta os lábios na fenda da cabeça e enquando o suga como se fosse um canudo, desliza os dedos em direção a cabeça do pau, expulsando o resto de porra que ainda tinha dentro do pau.

- Pronto...agora tá limpinho. Não falei que o seu é diferente...seu leite é docinho, adorei o gosto. O do outro Geraldo não. O dele eu cuspo na pia.

- Puxa, foi o melhor boquete da minha vida. Eu já havia dito isso algumas vezes para outras mulheres, mas desta vez era verdade. Foi fantástico.

- Obrigada, por me deixar fazer do meu jeito, sem me forçar. Fiz do jeito que sempre imaginei, mas nunca consegui. Suas palavras são ditas com sinceridade.

Depois daquela tarde, ela que costumava a chegar para fazer a faxina semanal depois de eu ter saído para o trabalho, passou a chegar às 7 horas, para continuar com as “aulas” .

Como eu deixava uma chave de reserva escondida no corredor do andar, ela a pegava, entrava e na maioria das vezes, eu acordava com ela nua me fazendo um boquete, aproveitando a minha ereção matinal, pois afinal...boquete não era traição e ela fazia divinamente.

Quanto ao anal, ela passou a comandar o show. Virou exímia amazonas, cavalgando o meu pau com maestria.

Depois de algumas vezes, ela já não quis mais a “pomada mágica”, bastava o lubrificante.

Com o passar do tempo, nem do lubrificante ela precisava. Ela enfiava os dedos na xana molhada e lubrificava minha pica. Isso já era o suficiente para ela.

Viciou... Minha culpa.

E ela só me dava a bundinha. Posso dizer que ela era uma esposa fiel ... Nunca me deixou comer a xota, pois era só do marido.

E assim foi durante dois anos, até eu ser transferido para outro estado. Que saudades...

Espero que tenham gostado.

[email protected]

Comentários

23/12/2015 14:34:26
Quase todas as auxiliares do lar tem o prazer de ser acordada por patrões e até filhos loucos para aproveita muito bom
08/08/2014 12:17:50
Justificando minha nota: 1) Você trocou o nome da sua empregada no decorrer da história; 2) Achei algumas das falas da Creonice (ou Creusa?) bastante inverossímeis; 3) Você querer que ela te chamasse pelo nome do marido, numa situação daquelas, onde, além de poder gerar culpa nela, ela também estar com raiva dele, me pareceu algo que nenhum homem no teu lugar faria. Isso tirou um pouco mais a "realidade" do conto. Mas, fora estes pontos, teu texto foi muito bem escrito, viu? Parabéns! Um beijo, Suzanna (também viciada em sexo anal! rs)
08/08/2014 12:09:53
Nota 8!
04/05/2014 09:21:33
Obrigado pela visita de vcs, Amor fashion e Hendden
19/02/2014 09:03:26
Obrigado Val ! Valeu o incentivo.
16/02/2014 19:53:40
Voltei prá me deliciar com outros de seus contos. Fico feliz por poder e ter que lhe dar a nota máxima. - val - [email protected]
12/08/2010 15:16:34
este conto e 10
30/12/2009 21:40:50
hahahahhahaahaha!!!! Muito massa!!!
21/11/2009 02:05:58
Nossa, muito bom.
21/11/2009 01:37:01
Me acabei na siririca
20/11/2009 21:05:39
Muito bom meu amigo...a garota de 18 q cuidava de meu filho faltou pouco.o mal é q a minha mulher viu q ella tava indo cuidar da criançacom um shortinho muito pequeno. nota 10
10/11/2009 19:55:29
É a empregada dos meus sonhos
29/10/2009 13:30:27
Estou a precisar de uma empregada assim ;)
06/10/2009 13:53:31
muito bom!!
18/09/2009 18:30:32
REALMENTE QUE CÚ É ESSE???NOTA 10 MEU CARO!!!
15/09/2009 13:38:48
ESTOU COM O CU NO PONTO,SE VC PASSAR POR PERTO ELE " CU " TE DEVORA, CONFEÇO QUE ESTOU TODA MOLHADINHA...
06/09/2009 15:50:10
Brincadeira essa empregada, viu? Conto delicioso, me excitou muito. Outro dez para sua coleção.
30/08/2009 19:02:39
Hummmmm......já estou com o redondo piscando.... Quer ser meu patrão?...Só não sou empregada doméstica.....
30/08/2009 19:01:36
UUUUiiiii.....show de bola xuxu....já estou com o anel piscando!!!!
16/08/2009 19:50:28
to gozando
16/08/2009 19:00:49
mem anda essa empregada
14/07/2009 23:28:03
muito bom...gostei
14/07/2009 23:26:51
muito bom__gostei muito
09/07/2009 01:01:35
e isu ai se a mina da boka seca tem qe come mesmo por qe se voce nao come vem outro e come
08/07/2009 22:50:40
nossa queriaestar em seu lugar!!!!! nota 1000
08/07/2009 21:35:19
Bom gostar eu gostei,mas,achei que vc podia ter dado um pouco mais de emoção.Afinal meu querido,vc está relatando a história de um descabaço anal.Mas foi legal.nota 10.
08/07/2009 16:48:15
muito bom uma modalidade nova, gaia so de anel bordado kkkkk
08/07/2009 16:36:56
Médio.
08/07/2009 16:02:44
bom conto
12/06/2009 00:38:22
Queridinho vou te falar, li quase todos os seus contos e esse foi um dos mais fraquinhos, nada de muita graça nele... até muito comum, percebi que e mentira, mas muito bem escrito... sem erros... parabens
09/06/2009 23:33:57
É como sempre digo... Amor de pica bate e fica. Muiitooo boomm!!
09/06/2009 22:29:53
conto muito bom gostei
04/06/2009 00:43:20
grande texto
30/05/2009 08:27:39
brochei
28/05/2009 09:43:10
Muito bom...
vig
28/05/2009 08:28:29
nossa o que me deixou impressionado é como ela é dificil kkkkkkk bastou pedir 2 vezes e uma mulher casada vai liberando o anel kkkkk vou sair por ai pedindo.
27/05/2009 20:05:26
bom
27/05/2009 20:01:47
heheheh muito bom, nota 10

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.




Online porn video at mobile phone


contos de sexo com minha tia vaiiii tiaaamolhe de bucetona do beici viradotirei a camisinha e enchi a buceta da mulher.do meu amigoxvidio mulher com dedo na buceta chamando jairocuiadia fudedo de xortiu curtojenivan porno gay xvideosContos sexo bondage entiadasBUCETINHA QUENTINHA, protegendo com sua BUNDA MARAVILHOSAamigos fodem o casal bi que arranham na rua pornocontos eroticos comi a filha da minha inquilinaDesabafo de uma mae cap Vconto erotico gay negao pirocudo maltrata viado brancoum homem totlmente nucontos casada chantageada pelo porteirochegando da balada bêbada e fazemos insetoContos eroticos incestos bato todos dias punhetas para minha filha paulaporno com vizinha que chega de.mudança coroameu sogro e um cavalo pornovou te arregaçar vagabunda, grita vadia, tô te arrombando cadelasexo minha mulher me dando minha sogra de presenteamenina do cu arrobado pelo negrao e gritandoFiz minha sobrinha trair seu noivo no motel. Comigo comi seu cu conto eroticoacompanhando que Rominho ligoupornô irado mulher no supermercado se masturbando enquanto os outros passamcomo daesem doer a bucetaenteada dorme de conchinha com padrasto e e penetrada.porno incesto com muita seducaoevangelicas na zoofilia com cachorroXVídeos as novinhas de calça folgado na fila do mercadoEroticoscontos.com /casadas 23cm dupla contos erocos apenasanalcagandosograPorno contos incesto mamaes com tesao iniciam suas meninas ensinando siririca..masturbaçao..chupar e punhetar papaisler contos eróticos primo com prima gordinha gostosa d********* para o primo bem dotado história realcontos eroticos padre nao e homem o substitutoxxvideo enviando abraço na buceta eu sempre brincava com as coleguinhas de mimha irmã, e prdia para eles baterem punheta para mimxxvideo n paguei tive dar cu eterogayconto me tornei corno calcinha do macho negro delaquero ver vidio de homen caralhudo se depilando o sacoadolecente chorando no picao cuzinho virgem incestoalexandres putos poa de calcinhavontade dechuar bucetacontos eróticos publicadosmulher cagando enquanto dava a bucetacomeram minha buceta no carnavalzoofilia baixo saiamulher estava fazendo hidrataçao de pele na cara nao percebeu o homem sexo pornotrazei com minha vizinha d camizola na cozinha dela ponopornô anal com mulheres dando rabão gostoso tesouro com perna tá tendo mais daqueles bem quente mesmopornota doendo gosa logorelatos de traveco que colocou silicone enorme no peito e deu pro roludo mamarcontos eróticos gay o tratador de cavalofranco e belinha zoofiliacontos eroticos seduzi professor na aula vaga e ele me chupousduas lebiaca se beijando devangarcontos sinhozinho mamou meu grelinhoposicao frango assado putaria brasileira pra salvar no celularsou casada mas sinto vontade de meter com um negao pissudopornô mãe usina puheta mãocontos eróticos de homens que gostam que suas esposas transem com outrosfilme pornô rasgando a vacina novinhasexo novos banho conhadas nuasvídeos porno caseros esposinha fazendo suruba com 3homcasada corno.dirigindo ela aprontou contosguri ñ aguentou pau grande, contostufos videovideo porno de morena com blusa laranhadavideos de cunhada se esfregando no marido da irmaconto gay o Doce nas suas veias capítulo 2a cinquentona gritava não ia aguentarcâmeras escondidas que estragaram Anitta dando a bucetacomi minha cadelacontos de sexo depilada na praiacontos de incesto cumadreporno comendo em dois e explodindo cu ea buceta da novinha atéh ela cagarmeu sogro isasiavel comtoVelho grisalho que gosta de comer um cuzinho em campos dos goitacazes surpresa+no+banheiro+pornodotado se a mão no cu da vagabunda tá depositei o pintoContos erótico brinquei de esconde esconde e arrombarao meu cuvirei mulher na cama contos wnovinha brasileira encara pau enorme e chora ponodoidoirmas safadas relatosmenos viciada novinha molhada cracudos pornôzoio filme antigo erótico animalescoxvideos roleudo comodo sanquefiz uma foda bisexual com meu filho minha filha minha esposa meu caseiro sua esposa e sua filha contospeso d porrta gatinhaconto erotico meu padrasto sustentando minha buceta com leitinho desde novinhafrecando a paciencia do brutocontos de incesto irmao assistindo tv com a irma novinha e comendo ela abracado por trasesposa descaderada pelo negãovideo de homemmorde vaginaPenis flacido castrar contos