Casa dos Contos Eróticos

Click to this video!

Terminaram, rapazes?

Autor: Leo
Categoria: Heterossexual
Data: 31/08/2009 10:16:23
Nota 9.43

O mais gostoso do sexo é quando ele rola assim, sem planejar. E foi justo isso o que ocorreu comigo e com minha namorada, Clarisse, outro dia. Quem acompanha meus contos sabe que gosto de vê-la transando com outros, porém, sempre preparei a ocasião; e dessa vez não, a oportunidade veio até nós.

Eu e ela somos torcedores de um time aqui de São Paulo, e, sempre que possível, vamos aos jogos. Como ela tem alguns contatos com torcida organizada, fomos a um jogo fora de São Paulo, numa espécie de caravana. Passado o jogo, à noite, voltamos de carro, decorado com motivos do time e da torcida em questão, felizes. Quando, sem mais, somos parados por três policiais. Um negro alto, e forte, careca; um mulato, mais baixo, mas também forte, e um branco, franzino e mal encarado. Eles pedem para descermos do carro:

– O ônibus da torcida foi parado mais à frente. Acharam drogas lá. Como vocês tão aí com bandeiras deles, paramos... Só rotina...

Eles começaram a revirar o carro, sem maiores problemas, quando eu e Clarisse nos olhamos, lembrando de uma bolsa que um amigo nosso pediu para guardarmos; ele veio conosco, mas voltou em um dos ônibus. O policial que revistava o carro a achou:

– Que bolsa é essa?

Abrindo-a, sem ao menos pedir, ele encontra um papelote, bem fechado. Dá um sorriso, e cheira:

– É maconha!

Olhei para Clarisse, desesperado. Não sabíamos o que havia lá dentro, muito menos éramos usuários. No entanto, a bolsa estava no carro:

– Senhor, isso não é nosso... É de um amigo que deixou aqui... – eu disse

– Amigo é o caralho! – disse o mulato – Marginais! Encostem no carro!

Pronto. Fudeu, pensei. Até explicarmos que focinho de porco não é tomada...

Eles me revistaram, normal; porém, achei estranho os caras irem revistar Clarisse:

– Ow... Vocês não têm que esperar uma policial?

– Hahahaha! Se liga mané! É caso especial! – disse o negro.

Comecei a entender que os caras queriam abusar. Minha namorada – mulher de estilo, alta, bumbum grande, coxuda, pele bem branca – vestia mini saia jeans, salto, e um top com decote bem discreto. Estava calor. O negrão veio revistá-la:

– Encosta aí moça...

Encostando no carro, e de salto, naturalmente minha namorada empinou a bunda. Os policiais riram. O negro começou pelas pernas, apalpando-as; foi subindo, até chegar na cintura, que apertou com vontade, desceu, e passou a mão, suave, pela bunda. Terminou batendo as mãos até quase o ombro. Meu pau já estava duro. Olhei para Clarisse e a vi de olhos fechados; estava vermelha, envergonhada, mas gostando; eu a conheço. Nisso:

– Será que tu revistou direito? – disse o mulato – Acho que vou conferir...

– Cara, deixa quieto... – eu disse

– Cala a boca! – rebateu o branco

E lá foi o mulato, no mesmo ritual. Abusado, meteu as duas mãos na bunda dela, apertando com força. Clarisse deu um gritinho. Pediu para ela abrir as pernas, e foi subindo as mãos. Clarisse apertou os olhos, e mordeu os lábios:

– Haha! Ela tá molhada gente!

Todos racharam o bico. Ele continuou a tocá-la, e ela começou a gemer; empinou a bunda. Em pouco tempo, via-se o gozo escorrendo-lhe pelas pernas:

– Olha só... A safada gozou no meu dedo...

Era noite. Poucos carros passavam na estrada. O branco acendeu as luzes do carro de polícia. O mulato subiu sua mini-saia; ela já empinava a bunda com tudo. O negro sentou no capô do carro, com uma pica gigante para fora, grossa e veiuda. Pegou a cabeça dela:

– Chupa gostosa...

O mulato também tirou o pau pra fora, e abaixou a calcinha dela:

– Hoje tu vai saber o que é caralho...

Clarisse lambia a pica do negrão, passando a lingüinha com bastante carinho pela cabeça, descendo pelo membro (mais de 20cm), até chegar nas bolas; o negrão urrava. Sem aguentar, ele a pegou pela cabeça, e afundou toda a pica em sua boca. Era um belo contraste: a pele clarinha dela, a boca de contornos suaves, engolindo aquela pica preta e grossa. O mulato passava devagar a pica na entrada da xana dela, provocando. Até que Clarisse começou a rebolar. O policial não aguentou de tesão e enfiou, numa estocada forte, sua pica grande, pouco maior que a minha, mas cabeçuda. Clarisse quis gritar, mas o negro a segurou pela cabeça, atolando-lhe a rola na boca. Eles riram, rápido ela aquietou-se, e a foda, enfim, começou com tudo. O mulato a bombava com toda força, quase montando em cima, dando fortes tapas em suas ancas, enquanto o negrão não a deixava respirar, não tirava a pica da boca dela, forçando as chupadas com fortes movimentos de vai-e-vem:

– Isso vadia, chupa... Tu gosta do pau do negão, né...

– Porra, que xana gostosa... Tu gosta de engolir rola, né puta?

E Clarisse, num som alto de boquete molhado:

– Huhum... Huhummm...

A brincadeira durou mais de vinte minutos; sem aguentar, comecei a bater uma, de leve. O guarda branco também. O negrão começava a dar sinais de gozo. Por um segundo, ela parou de chupar e disse:

– Vai! Goza na cara da tua puta, goza!

Batendo a pica na cara dela, ele soltou o maior jato de porra que já vi até hoje, melando-a inteira do nariz para baixo. Não demorou muito, e o mulato:

– Também quero!

Ele a fez se ajoelhar no chão, e bater uma; rápido veio o gozo, farto, melando resto da cara. Para completar, ela ainda lambia a pica dele, de leve:

– Que mulher! – disse o mulato.

Nisso, o policial branco foi até a viatura, e, de lá, trouxe uma toalha e um pouco de água:

– Lava o rosto – ele disse para Clarisse. Lava o rosto que tem mais...

Olhei para Clarisse, e ela parecia estar bem:

– Amor, você quer alguma coisa?

– Não, nada... Daqui a pouco eles cansam – ela disse.

O policial branco, com truculência, chegou:

– Vamos parar de conversinha! Vamos parar, que o melhor da festa eu vou pegar... Haha...

Nisso, ele pegou Clarisse pelo braço, brutamente, e a levou para o fundo da viatura, local mais escondido da estrada. Abriu a parte de trás, que dava para aquele canto no qual levam bandidos, e disse:

– Ajoelha e chupa!

Se eu havia achado o negrão meio violento, é porque ainda não tinha visto esse homem. Ele enfiava a pica na boca dela com força, batia-lhe a rola na cara, dava fortes tapas:

– Vai, safada! Você gosta, não é? Puta! Galinha! Fala que gosta!

– Gosto! Gosto sim! – dizia, assustada, Clarisse

Quando ele fala:

– Vai, encosta no carro, virada para mim... Empina bem a bunda...

Já imaginava o que aconteceria. Ele deu uma lambida no cuzinho dela. Clarisse estremeceu. Apontando a pica para o cu, ele enfiou, seco, o pau inteiro:

– Ahhhhhhh! Que delícia... Que rabo lindo...

– Ai! Cuidado!

O pau dele não era descomunal, mas o jeito como ele metia era selvagem. Bombava no cu de Clarisse como quem tinha raiva. Ela parecia estar sofrendo. O carro se mexia intensamente:

– Vai com calma, cara – eu disse, preocupado.

Ele começou a enfiar os dedos na xana dela. Enfiou um, depois dois, enfim, três. Metia com força no cu e na xana. Clarisse ameaçou gritar, mas ele tapou a boca dela. Nisso, o mulato teve uma “ideia”:

– Calma, mano... Vou por um negócio na boca dela...

Entrando no carro, ele tirou o pau para fora, e a obrigou chupar:

– Vai, chupa!

Ela começou a chupar, sem outra opção. Passado um tempo, a vadia começou a gostar. Gemia no pau dos dois caras, apesar do jeito violento. Lambia o pau do mulato como uma louca, como se nunca tivesse visto pica antes, e já rebolava com a pica do branco no cu:

– Vai... me chama de puta, me chama...

O branco deu o sinal:

– Ahhh... vou gozar!

Ele subiu no carro, falou para o mulato dar espaço, e gozou muito no rosto de Clarisse:

– Ahhh, putinha barata... Vagabunda...

Nisso o mulato foi para trás, rindo, e com o pau em riste. Clarisse, entendendo, se ajeitou, arrebitando a bunda, e disse:

– Fode com força...

– Piranha... Vagabunda!

Ele cuspiu no pinto, apontou para o cuzinho dela, e enfiou de uma vez. Como o pau dele era maior, Clarisse soltou um gritinho, mas logo se recompôs. Começou a rebolar, e a ajudar na penetração, com movimentos de vai-e-vem:

– Ai, que pica gostosa... Fode, fode! Arregaça!

O mulato começou a bombar, de leve, montado, e com as mãos nos peitos dela, baforando no cangote. Ela adora isso, e ficou toda mole. O negrão não perdeu a chance: subiu no carro, e deu sua sucuri para ela chupar, o que ela fez sem pestanejar. Ela mamava com gosto! Estava enlouquecida já. Chupar aquele pau era como chupar uma tora, e ela o engolia, batia no rosto, chupava as bolas.

Depois de um tempo, o mulato começou a enfiar com mais força. O barulho do bate-estaca era alto. Clarisse começou a gemer, como quem está quase gozando:

– Você quer meu leite, putinha?

– Quero! Quero sim! Dá seu leitinho para mim, dá...

O mulato foi para trás, no carro, e fez o serviço: gozou no rosto dela, o deixando ainda mais melado. Ela esfregava a porra no rosto, e lambia os lábios.

Neste momento, ocorreu o que eu temia:

– Vou querer o cu também – disse o negro

Como minha namorada ia aguentar uma pica daquela? Ainda mais cansada, como parecia estar:

– Sempre quis sentir uma pica dessa em mim – ela disse. Vai lá...

Não podia acreditar que ela ia receber uma pica daquela no rabo; cabeçuda, grossa, gigante. O negro começou, e para entrar a cabeça ela já começou a gemer:

– Calma, piranha, calma...

Ele enfiava devagar, mas ela começou a gemer mais alto. Quando, de repente, ele disse:

– Olha, vamo do jeito fácil...

E enfiou tudo de uma vez... Clarisse soltou um grito assustador. Gritava feito um animal. Rebatendo-se, tentou se soltar, mas o negrão a carcou pelas ancas:

– Calma, calma... – ele disse

E começou a foder. Primeiro, lento, em movimentos espaçados. O cu dela, arrombado, dava para colocar uma mão inteira. Ela já mordia os lábios. Depois, ele começou a bombar forte; a cada bombada, Clarisse dava um gritinho de prazer. As bolas dele batiam na bunda dela. Aumentando a velocidade, ela começou a amolecer de tesão, com o corpo todo entregue ao negro. Ele a segurava. A xana dela escorria, encharcada:

– Que pau gostoso, nossa... Vai, mete no meu cu...

Num dado momento, ele tirou, com tudo... A pegou pelo cabelo, e, na frente de todos, gozou no rosto dela. Nunca vi tanto gozo sair dum pau:

– Isso! Me dá mais leite, me dá! Me enche de porra!

Os guardas riam. Quando, enfim, o negro terminou, ele guardou a jeba. O branco pegava um paninho para que ela se limpasse. Muito puta, ela disse:

– Terminaram, rapazes?

Os guardas riram de novo. No escuro, meio escondido, eu disse:

– Não, falta eu...

– Ah... Meu corninho... O que você quer?

Cheguei perto dela, batendo uma, e, também na cara, liberei todo o gozo guardado durante todos estes acontecimentos. Sem dúvida, o gozo mais louco, e longo, que tive.

Algum tempo depois, estávamos na estrada. Durante todo o percurso, ela dormiu, como um anjo, sem nenhuma culpa.

Comentários

02/02/2015 19:28:42
Maravilhoso!
15/10/2009 12:45:07
Maravilhosamente excitante. Nossa, que inveja da sua namorada ... Três rolas deliciosas, grandes e grossas não são pra qualquer um. Me deu até um calor agora. Alguém aí quer uma suruba tb?
01/09/2009 00:11:22
Simplesmente fantástico. Aproveite bem a fantástica fêmea que tens. Leia minhas aventuras e me adicione: [email protected] .Abraços.
31/08/2009 13:46:25
Rsrsrs... Éhh sonho de muita gente!
31/08/2009 11:33:44
adorei ^^
31/08/2009 11:18:53
Excelente.nota 1000

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.




Online porn video at mobile phone


cunhada ajuelha na frente do cunhado e engole rolavídeos porno braseiro putona brasileira lavado ropa no cintal e fude com seu cunhado bem dotadoMinha irma adolecente taradinha em conto eroticotomou comprimidos de tesao e ele tesou forte mulher pornox video mobili com mulher gostoza colocando chifre no marido com o amantecontos minha esposa e um andarilho picudopanuqueti gemendo e gosar no pau porno brasilquero ver vídeo de novinha mostrando a b***** patinho que rola patinho de rola b*****contos eroticos tia bucetuda no onibus e menino casetudoflagrei a novinha metendo no matinho e chantagiei contosrairodigoClaudia souta nua mostrando a bucetaconto porno perdi a virgindade com meu pai estrupador dotado passando pomadadeu o cuzinho pela primeira vez e pede poe devagar porque ta doendoconto erotico viado novinho arrombado por dois coroas dominadorescontos eróticos família roludoliberalina vadia traído foi filmadasou tarado rasgo cu zapcontos de tia que mexeu com sobrinho jovempequenos videos de porno brasileiro pais peludos de sunga que tira a virgindade da filha e goza dentro da vaginanovinhas lindas brincadeira incestoa de ciriricacontos provoquei papai pauzudoMinha mulher adora reparar na piroca dos machosquero ver filme pornô com mulher nunca troco fio jogo da Live Jaraguá colocar achei até chorarsadomasoquismo p*** relinchando analgostosa decha erick gozar em sua buceta pornodoidoContos erticos irmas gulosas mamando na pirocona dos seus irmaos em uma orgia na piscina de casaconto dei o cu pro meu tio emganto ele dormia gay 2017peguei meu sobrinho mas tenho uma chapuletada rola muito grandeconto de casada putaminha titia se gozando com meu cassetecondo o marido sai potrabalho pornoContos sogra safada e fogoza seduz e se apaixona por seu genro e trasa elepadrasto enteada falei de sexo brasileiroXapeleta grosa nucu da loira xvideovideos esposa gostando de ser bolinada corninhoTopes fotos de menianas dormindo de shortinho atololado e com um penis fincado no meioguri ñ aguentou pau grande, contostio comedo a sobirnha daconto crente com fogo na bucetacontos e videos de transando com as casadas com permissão do maridoporno xxvideos meninas sentodo o cu em cima do pau mostando a bucetaelicarlos2010contos erticos negão de pau gigante ragando cu de passivo sem domarido tranza com espoza no acampamento chega mais e tranza com ela contosXsvideos bem dotado masturbando no carrovideos de meninas llevando fortes choques de fios de luz na buceta pelada ate hritarcontos eroticos meu pai fez eu dar pro meu tioporno secretaria aser estupprada no escritorio e gozada dentro da vagina sem ela quererMeu irmao tirou minha virgindade da minha buceta no motel conto erotico de incesto de irma virgem e irmao no motelcanalha tirou sangue da bucetinha virgembaxinha dando baixinhopornodoidocontos eroticos A Dama e o Bruto xvedeo conto erotico a forca no onibustia gostosas foder com subtilver video de mulheres sentando e amaçando latinha x videoMULHERES GOZANDO COM FORTES MODISCADAS NA ROLA DO CARA DE MUITO TESAOdeixei minha mulher tranzar com negao megatomando piricada no rioxvideos paacas.com.peabusando sarrando a coroa velha contoberoticocontis eroticos incesto faxina em familiachupeicontosFotos d cdzinhas enrrabadasofereceu a filha pro caralhudo gigante xvideosContos eroticos sou obrigada a fazer nojerasAS CARIOCAS PORNO VIOLENTO 2009fotos de bucetas lusinhas brancas rosadasnabuceta vcaguentar amorjege tarado arromba tua dona apaixonado vidio pornoworttped.diegocampos.8519contos eriticos minha sogra levo ninha rola grandemeu padrasto me encochava contos eróticos de gayscontos eroticos usando camisola pro meu filhoirmão pauzudo fudendo a irmazinha mignon contos eroticos dei o cu pro aluno cadeirantfode violento o cu da vo gorda humilhandoconto gay meu amor psicopataLukinhas contos eróticos gayscontos fiquei com tesao flagano meu filho dano o cuO dia q virei cdzinhalactofilia com leite materno feticheporno brasileiras novinha da sua buceta e se arrepende e chora e chama palavrao nuacontos eroticos, isso chupa meu peito esfrega meu grelinho faz sua putinha gozartitia sacana estourando a fimose do sobrinhoajudinha da fucionaria do mercado xvideosfotos de mulher com pinto e buceta crudandospornota doendo gosa logojenivan porno gay xvideosbucetas de gravidas bem inxadas escorrendo gozoporbo doido escrava cega afoga na bundacontos filha rabuda ninfomaniaca Contos trai meu marido com encanador roludo