Casa dos Contos Eróticos

Click to this video!

Escritório, fim de período

Autor: LOBO
Categoria: Heterossexual
Data: 19/11/2009 12:04:53
Última revisão: 26/08/2011 12:01:57
Nota 9.83
Ler comentários (6) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Todos aqueles que te conhecem sabem que você é uma mulher séria. Atraente, culta, centrada, sempre muito discreta, até um tanto recatada.

Mas, quem diria? Olhando, talvez – algo que só um observador experiente consegue...- ninguém imagina que sob a pele dessa mulher discreta crepita tanto fogo...

Eu sei!

A tarde totalmente te seguiu tediosa, não fossem as lembranças.

Você me aguardava. Esperava que voltasse.

Mas nada. Há vários dias que não mando notícias. Nenhum telefonema, nenhum email. Sequer algum telegráfico torpedo no celular. Vozes ao teu ouvido só a de colegas te pedindo detalhes de serviço. Nenhuma te sussurrando, te falando naquela forma totalmente sem censuras aquele "venha, minha puta" com que você já estava se acostumando.

Pois é: justamente eu, que você, num desses raros acasos conheceu numa sala de bate papo da net, acabei detonando um processo. Claro que nada criei de novo. Apenas fui um catalizador, que fez com que uma outra você surgisse.

Uma outra mulher, que vivia escondida dentro da dama sempre discreta do cotidiano.

Essa discreta dama certamente se indignaria em ser chamada e tratada assim, de forma tão vulgar. Mas essa outra você que surgiu, sabe bem do que se trata. Sabe que entre quatro paredes as palavras se revestem de outro conteúdo. Sabe que aquela “puta” com que passei a te chamar, sempre que te deixo nua, é nada mais do que uma forma de venerar, sem censuras, toda a tua sensualidade. Vulcânica. Com direito a temperos muito especiais...

Emails, chats no MSN, conversas cada vez mais quentes no celular. Um encontro finalmente foi marcado. Seria um café, para uma conversa sem compromissos, para que nos conhecêssemos. Mas se o plano era esse, deu tudo errado...

Quase não nos falamos, exceto algumas amenidades. Mas os olhares trocaram faíscas. Terminamos aquela tarde num motel. E aí, TUDO aconteceu...

Depois,ainda na saída disse que viajava no dia seguinte, ficaria fora uma semana ou duas. Embora você já soubesse que provavelmente minha viagem aconteceria, foi como um certo balde água fria. Será mesmo que eu voltaria?

Não houve retorno.

Aí está você agora, só em tua sala de trabalho. Volta e meia parando para lembrar os momentos intensos vividos. As lembranças daquele encontro até te provocaram umidade. Mas só um ir e vir: o vazio, o silêncio, tudo isso rapidamente faz esse processo cessar. Aqui e ali, um flashback de uma cena picante rememorada faz de novo recomeçar. Logo de novo a insatisfação com a ausência freia tudo.

Lá fora o tempo muda. Venta muito forte nesse fim de tarde. Uma tempestade se anuncia. Mas isso lá é fora...Aqui na tua sala, reina apenas uma incomoda e frustrante calmaria.

Você perdeu muito tempo voando em teus devaneios eróticos. O trabalho atrasou. Pensa que vai ter que ficar até mais tarde para dar conta dos encargos que a chefia te passou. "Dar conta", você ri. Nos últimos tempos tem aprendido a ser mais ousada. Pensa consigo mesma, num humorismo meio amargo:

" ‘Dar’: o verbo certo na frase errada... E eu queria tanto...".

Conclui que decerto o velho filme passou-se de novo. Te seduzi, te usei e parti para outras aventuras, te deixando só. E nada mais vai acontecer...

Resolve esquecer e concentrar-se no trabalho. Todos foram embora, te deixando sozinha por lá.

Umas 8 da noite finalmente termina. Desliga o computador, apanha a bolsa, passa no banheiro para cumprir o ritual feminino de saída. Retoques na maquiagem etc...

Já partindo, guardando seu baton na bolsa quando ouve o ruído da porta sendo trancada. Alguém apaga luz. Uma mão te pega os cabelos acima da nuca e te puxa. A voz, que reconhece, te diz:

- Onde pensa que vai, sua puta?...

Mãos te dominam. Te fazem andar até se colocar frente a uma parede. Rosto contra ela, pegam tuas mãos, te fazendo apoiá-las na alvenaria, sobre a cabeça.

Atitude de rendição...

O zíper às costas de teu vestido é aberto. Cai ao chão. Teu soutien retirado. Duas mãos apanham as alças da tua calcinha e a arrancam, sem cerimônias.

Uma ordem:

- Contra a parede, vamos! Abre essas coxas...

Tua pele, principalmente a mais sensível de teus seios sofre com o contato frio dos azulejos.

A mão te puxa de novo pelos cabelos e alí na obscuridade te faz sentir que tua calcinha te é exibida. Teus devaneios secretos durante a tarde foram descobertos. A umidade da calcinha os denuncia.

- Ficou a tarde toda pensando em sexo, não é?

Outra mão te toca entre as coxas. Confirma tudo...

- Achando esse azulejo muito frio? Deixa que aqui vai um contraponto...

SPLASSSHHH!

Uma palmada vibra vigorosa na tua bunda.

E outra.

E mais outras...

Então param. A mão novamente se intromete entre tuas coxas. Dedos indicador e máximo penetram teu sexo. O polegar invade teu ânus.

Te dão movimento, te fazem rebolar.

A outra mão te regala mais algumas palmadinhas...

- Quer ou não quer, querida?

Pergunta desnecessária. Quer sim, não é? Quer muito.

Pede, suplica que seja tomada. Como a mais devassa da putas...

Pouco tempo resta. Logo, a segurança do prédio vai subir os andares e fechar tudo.

Então, sem perder tempo, é hora de celebrar a ousadia. Os dois dedos da frente, lubrificados... substituem o polegar em ânus, executando movimentos circulares.

Saem de repente. Algum silêncio na espera. Então, sente que um ferro em brasa te é cravado. A penetração se faz lenta e gradual. Mas você se abre, já aprendeu fazê-lo. Recebe todo, dentro de você, o intruso.

Um intruso que já conhece muito bem...

Os azulejos já se aqueceram. Você ferve. A penetração é cada vez mais forte e profunda. Outra mão te toma pela frente e te domina totalmente.

Você quer mais, quer tudo. Rebola, sente tudo lá dentro. Quase desfalece quando um orgasmo muito intenso te toma.

Coroado pela seiva que te inunda lá dentro, bem dentro de você...

Pois é: você se enganou, querida. Pensou que eu não voltaria mais?

Precisa ser menos modesta. Devia já ter aprendido que quem prova desse teu mel, sempre vai querer mais...

Boa noite!

Volto a semana que vem. Já estou providenciando tudo para a próxima cena que você me pediu...

LOBO

[email protected]

Texto Publicado.

Direitos autorais reservados.

Proibidas sua reprodução, total ou parcial, bem como sua cessão a terceiros,

exceto com autorização formal do autor.

Lei 5988 de 1973

Comentários

03/02/2010 09:30:10
Ousadia, charme, e muito tesão! Como sempre, magistral...
01/02/2010 13:08:34
O grande Lobo de sempre. Inventivo, sensual, profundamente erótico. Como as demais que te leram, estou molhadérrima!
28/01/2010 17:24:15
ótimo!
21/01/2010 09:56:30
"Na sociedade uma dama. Uma puta na cama." Boa escrita.
17/12/2009 15:45:44
sexsaional, incrivel, gozional
05/12/2009 21:46:41
Hummmm... Como eu queria que fosse eu...

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.




Online porn video at mobile phone


conto fudi minha sobrinha de onze nos gostosadoidoporno vrlho fudendo filha gozando dentroUm hétero machista e homofóbico apaixonado por um índio 4Prefeito Sandy crentinha s***** metendoX porno ceducindo vidraseirotava um tedio danado,resolvi dar a buceta pra ele,incesto contosmule butado dei dedo no cuMamilos deliciosos recebendo cocegas e axilasmorena com os pentelhos enroladinhos trepando gostosoTonhão transa com sua cadelaporno.com corninho faz surpresa pra sua gostosa deixando um jumento encher sua buceta de porraajudinha da fucionaria do mercado xvideosamigas segurando a amiga pa ser estrupada na despedida de solteiraporno ladrão forçando dona de casa a fazer anal forçadoContos eróticos de brasília comendo o cu da minha tiaEu tava em casa com meu amigo no sofá ai minha esposa saiu do quarto peladinha ai ela deu a buceta a nois dois casa dos contosqueria ver vídeo de sexo com lindas coroas chorando e gritando no pau do negão dos peitão e bundão ela g****** junto com negão e o negão g****** junto com ela no pau ela g****** nos corre na gala chorando e gritando de dorconto erótico homem castradovidros prno insetos fodendo mae emprensadacontos eroticos namorado de mamãe tem piça ggdeu o cuzinho pela primeira vez e pede poe devagar porque ta doendoprocurando várias fotos de menina da China de menor menina rasgando a vagina dela que sair sangue ela chora na Estrada da força e g****** uma mulher[email protected]fatima encarando um caralhaoSite porno de facio asseçomeu namorado botou o dedo minha vagina e sanfrei nao sou mas virgem videoporno corno paga dois homens de pau Grosso pra esyrupar sua mulher na frentedelecasada loira gaucha fode c pausudo que enche ela de porra e corno olhavideos porn daquelas mulheres enquanto fodem ela mete a mão na boca depois a mão que estava na boca vai a vagina no pornuhporno casa xeio de passarinhosvizinha lactante contosporno casada nao agreto oprimo domaridodei pro técnico pornobixa porno pretinha no boquete devagarinhopeões de obras para Dudu f****** v******* contos eróticos gaysfrecando a paciencia do brutoirmao.ingravidando.irma.metendi.na.buseta.sem.camlsinhacasa dos contos eroticos com sobrinhos chupador de bucetacunhada ajuelha na frente do cunhado e engole rolapornô vai consertar geladeira e ela transa com Letíciaxvidio ela mete muito ki abuceta.chega morder o casetepornodoido desmantelando a loira em cima da mesacontos eroticos alvinho e o padrevideos pono muha vumitano no paucrossdress betinha 4comendo sogra encuanto dorme porno loiraacarisiei a boceta da minha filhacontos veridico mulher pagando a divida do marido com homem pauzudao dotadoPorno contos incesto familia prazer total qualquer idadevidio de novinha bricano de saia curta com a molecadavideo de mulher 34anos nuA lavano a bucetapirulito do titio contos inocentennncontosclitoris vantajososSuper menininhas em contos eroticos 2017 da cidade de campinas gratisXVídeos gay com truculênciacuiada fudedo com xortiu de dormicasada com raiva do marido so querer ir para o bar sai e da a buceta para estranho no motelpornor doido batendo poleta na varanda sexofiz uma foda bisexual com meu filho minha filha minha esposa meu caseiro sua esposa e sua filha contosmeu aluno cacetudo contosminha mulher domestica comida pelo cacetudobunda sendo invadida pela primeira vez gayporno.com negao levanta a saia da gostosa casada enfia até o saco surpresa pra o corninhovídeo de sexo com matuto. na piscina de sucaContos encesto mae cu sangranocontos porno gay "meu novo amigo e eu"relatos eroticos Elen ReginaTravesti inceto desde pequenaXvideo vou contar como acabei transando com uma irma da minha igreja elaera casadabaxinha cochuda casada vingando xvideosconto erotico punheta raptoContos perdendo o cabaço com negao tripéconvenci minha irmã fuder comigo e gozei dentromulherer pediu mais piroca mais nao rinha mais e endiou a mao ate o corovelo pornonovinhobonitinho de quatro pede rola grossano cupinto muito mais muito grosso mulher nao aguenta epede aregobucetao de sotinho q capui de fucaconto erotico gay meu dono dei meu cu de presente de aniversariogozei na bucetinha da minha cunhadinha que ficou muito brabaA buceta da minha mãe sonia