Casa dos Contos Eróticos

Click to this video!

Como tudo começou

Categoria: Grupal
Data: 23/12/2009 18:36:40
Nota 9.18
Ler comentários (11) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

A Carol tem 50 anos, eu 55, somos um casal de classe média paulistana, ambos professores universtários, temos filhos que estudam fora do Brasil hà uns 3 anos, somos discretos, muito reservados, um casal aparentemente normal, como tantos outros de São Paulo. Nossos hábitos são os tradicionais: comer de vez em quando uma pizza, levar nossas mães para um almoço num domingo, fazer compras nos shoppings, etc. Moramos num prédio há muitos anos e temos um relacionamento de amizade e respeito com os nossos vizinhos. Até aqui tudo normal, entretanto, sob essa vidinha pacata, existe uma segunda vida, secreta, que não partilhamos com nenhum conhecido. Nessa outra vida, como num teatro, ou num filme, vivemos os personagens que nos dão prazer e realizamos nossas fantasias. Gostamos de ser a esposa safada e o mardinho corno manso. Agora, depois de tantos anos, resolvemos partilhar com outras pessoas, anonimamente, nossas aventuras e prazeres e desde esse primeiro relato temos sentido um prazer especial, pois, se recordar é viver, repassando nossas experiencias nessa segunda vida para poder narrá-las temos nos excitado muito e de certo modo nos inspirado para viver novas aventuras. E naturalmente, nessa primeira narração, contaremos COMO TUDO COMEÇOU.

Depois de uns 8 anos de casados, quando estavamos na faixa dos 30 anos, ja tinhamos nossos filhos e nossa vida tinha se estabilizado, nossas carreiras de professores, pesquisadores na Universidade ia bem, nossos títulos de mestres nas nossas especialidades nos davam segurança e certeza de um futuro tranquilo, não ficariamos ricos, mas poderíamos ter um bom padrão de vida.

Nossa vida sexual sempre foi muito prazeirosa e nos permitamos fantasiar algumas situações que nos excitavam mais ainda, e claro que ainda, de modo tímido, podemos dizer. A Carol gostava de me contar como, as vezes, era paquerada, falava de um ou outro aluno que a atraiam, algumas vezes que saíamos sozinhos ela se vestia de modo mais sensual e por varias vezes era chamava a atenção dos homens que até mesmo chegavam paquera-la, mesmo estando ao meu lado. Levavamos tudo na brincadeira, sempre fomos como duas crianças na nossa intimidade, mas tudo isso acabava nos excitando muito. Quando chegavamos em casa desses passeios transavamos loucamente. Apesar das crianças pequenas sempre tinhamos oportunidades, pois as crianças ficavam sempre com os avós, tanto meus pais, quanto os pais dela.

Aos poucos adquirimos o hábito de nas sextas feiras a noite sairmos para nossas "brincadeiras" era um momento de descontração depois da semana de trabalho e dos cuidados com a casa e os filhos. E assim, fomos ficando, cada vez mais ousados, mas ainda, conservando uma certa ingenuidade, pois, estava muito longe de nós idéias de ir mais longe.

Mas, dizem que a ocasião faz o ladrão. Eu tive um convite para dar um curso em Recife e teria que ficar uma semana por lá. Aproveitamos a oportunidade, arranjamos com a universidade para a Carol tambem fazer uma visita aos seus colegas de Recife e esticando no fim de semana poderiamos conhecer as praias maravilhosas da região.

Eu tinha atividades durante a manhã e a tarde, mas Carol tinha compromissos de visitas só pela manha, de modo que a tarde ela ficava no hotel, obviament aproveitando a piscina.

Chegamos na segunda pela manha, e ela só teria compromissos na terça pela manha, de modo que quando fui para o curso a tarde, ela ficou na piscina.

Ao final da tarde quando cheguei, encontrei-a ainda na piscina, estava quase escurecendo, mas a calor ainda convidava a um mergulho e fui logo me juntar a ela.

Ela tinha tomado muito cuidado para não se queimar, alem dos cremes protetores tinha ficado boa parte do tempo no guarda sol, mas assim mesmo tinha conseguido as sensuais marquinhas de biquini. Ela usava um biquini normal, nunca foi de se exibir, afinal, ela era uma doutora, professora universitária, sempre mantinhamos nosso comportamento reservado.

Depois de um mergulho sentei ao seu lado e pedimos algo para beber. Não prestado atenção nas outras poucas pessoas que estavam na piscina, mas foi ela que, discretamente me apontou uma pessoa de uns 45 anos, muito atraente fisicamente, tambem muito sério, que tinha chegado pouco antes de mim. Ela me falou que ele, antes de eu chegar, não tinha tirado os olhos dela. Eu resisti para não olhar para ele de imediato, mas foi impossivel, e quando olhei para ele, percebi que ele desviara o olhar de nos, fingindo concentrar-se na leitura do livro que trazia.

Naquela época essas situações, de simples paquera, nos excitavam muito e não pude controlar uma ereção, ainda que leve.

Eu perguntei a ela.

- Essa paquera mexeu com Vc? (mexeu era um jeito de dizer - te excitou?)

- E claro que sim, Voce sabe que gosto disso.

Assim ficamos um tempo a mais, eu ia para a piscina sozinho, e a deixava livre para uma troca de olhares cada vez mais intensa entre eles. Mas quando eu voltava ele disfarçava.

Nosso tesão foi crescendo com aquela simples paquera, meu pau ja estava duro e tinha dificuldades de me controlar. E Carol ja dava claros sinais da sua excitação, pois, mesmo eu estando ao seu lado ela começou a olhar para ele, e ele, percebendo, começou a olhar tambem.

Foi a primeira vez que isso acontecia de modo tão declarado e eu pude sentir como isso me excitava e perdi meu controle e num momento que percebi eles se olhando, olhei para ele e sorri. Foi, como dizem, meio sem querer querendo. E aí se estabeleceu a triangulação de olhares que tanto excita aos maridos, esposas e aqueles que gostam de casais.

Animado, o agora, nosso paquera, veio até nós, parecia fazer questão de mostrar sob sua sunga o seu cacete duro, ja havia escurecido e só um casal estava do outro lado da piscina.

Ele pediu licença e sem mesmo dizer seu nome disse a mim, olhando nos olhos da Carol:

- Sua esposa e muito bonita, parabens.

Sua desinbição nos assustou, nunca alguem tinha dito isso a mim, tão diretamente. Eu respondi, de modo tímido, como hoje sei que convem a um corno.

- Obrigado.

Enquanto eu respondia ele rapidamente pegou puxou uma cadeira e sentou em nossa frente, estavamos em duas espreguiçadeiras, lado a lado,

Assim sentado bem em frente em nos, num plano mais alto, ele parecia nos dominar, e ainda sem tirar os olhos da Carol, disse.

- Eu gostei muito de Voces e quero jantar com Voces hoje.

Carol ainda estava paralisada, ela não tinha dito nada ainda, naturalmente olhamos um para o outro, e jamais esquecerei do sorriso cheio de malicia e tesão, que eu não conheia até entao, que estava estampado em seu rosto.

- Vamos aceitar, querido, assim teremos companhia para essa noite.

- É claro que podems eu concordei.

Mesmo atordoado, eu tive consciencia da expressão que ela usou, companhia para essa noite.

Depois de muitos anos, quando resolvemos escrever este relato, não foi dificil lembrarmos de cada detalhe daquele fim de tarde. Dizem que situações que vivemos sob forte emoção jamais esquecemos.

Depois de ter nos, intimado a jantar com ele, ele se apresentou como um auditor que estava fazendo um trabalho numa grande empresa e que estava praticamente morando no hotel ha 15 dias. Ficamos mais tranquilos quando disse que era de Belo Horizonte e que atuava principalmente na região Norte e Nordeste.

Nós nos apresentamos como professores universitarios de São Paulo, revelamos a universiade, mas não nossas especialidades e explicamos que estavamos la a semana para o curso e as visitas da Carol.

A conversa agora fluiu mais, socialmente digamos, mas a troca de olhares entre nós era reveladora dos desejos que tinham possuido nossos corpos e almas.

Um mergulho dos tres na piscina foi inevitável e e claro, ficamos proximos e pela primeira vez, vi outro homem acariciar, abraçar e beijar minha esposa. Aqueles maridos que curtem como eu, ser cornos, podem avaliar a minha excitação.

Carol, para minha surpresa e prazer, esta mais solta do que eu podia esperar e parece que tinha assumido, mais rapidamente do que eu, a personagem que tem vivido em nossa, segunda vida, desde entao.

Ela tinha sido seduzida principalmente pela atitude impositiva e dominadora do Osvaldo, a seu lado femea cedia ao macho alfa, tendo ao lado o seu marido numa posição de submissão que cabe aos machos beta.

A carinha de safada que até então ela fazia só quando fantasiavamos, agora ela mostrava ao, a partir de então, seu macho, seu amante e a cada cada beijo, cada caricia mais ousada ela ia se entregando mais e mais.

E claro que naquele momento estvamos só nós tres no ambiente todo da piscina, mas quando olhei para cima, vi que numa janela de um dos apartamentos mais baixos, alguem nos observava. Eu não comentei nada, e desejei que ele tivesse acompanhado tudo desde o inicio e percebido que eu era o corno na estoria. Repentinamente, ao passar na minha cabeça esse desejo eu me excitei ainda mais.

Percebendo que a coisa estava ficando mais séria, foi o próprio Osvaldo que disse para sairmos um pouco. Sem esconder nossos cacetes duros sob as sungas e ela sem mesmo se preocupar em ajeitar a calcinha do biquini que agora estava enterrada deixando suas nadegas a mostra, sentamos nas cadeiras, na mesma posicao anterior.

Osvaldo então perguntou se ja tinhamos tido experiencia de estar com outra pessoa. E dissemos que não. Ele, num tom professoral, de quem ja era muito experiente, perguntou se estavamos certos de que queriamos essa experiencia e se não era só uma fantasia.

Carol, tomando minha frente, disse que sempre tinhamos fantasiado isso e talvez agora tinha chegado o momento. A sua iniciativa me deixou na posição que eu estava me acostumando, de corno que simplesmente concorda com a esposa e o amante.

Osvaldo então disse, ainda num tom impositivo e professoral, acho que Voces tem muito a conversar até a hora do jantar. Eu espero Voces as 9 horas, naquele momento eram 7 horas.

- Quero que saibam de uma coisa, eu saberei entender e respeitar a decisão de Voces. Se não quiserem ir em frente com tudo que começou aqui, eu saberei entender. Mas, por favor, não deem continuidade se não estiverem seguros.

A sua atitude, era de um mestre que aconselha seus discipulos.

- Nós vamos conversar e de qualquer modo, iremos jantar com Voce.

- É claro. Completou Carol.

Ao sair do ambiente da piscina, como artista que saem de cena, retomamos nossos papeis tradicionair. Tomamos o elevador dos banhiistas e descobrimos que ele estava no mesmo andar que a gente, do outro lado do hall dos elevadores.

A despedida foi formal, nem mesmo sem ver ninguem no corredor, mantivemos as aparencias.

O que aconteceu no nosso apartamento assim que entramos, a conversa que tivemos e a decisão que tomamos, vamos relatar numa outra oportunidade.

Esperamos que Voces queiram continuar sabendo.

Agradecemos desde ja, quem puder comentar nosso relato. Isso vai permitir conhecer pessoas e trocar ideias e experiencias e quem sabe alguma coisa a mais.

Nosso email [email protected] - criado especialmente para esta finalidade.

Carol e Carlos

Comentários

16/10/2017 09:23:12
Estou gostando do relato.
03/01/2010 03:46:01
Estou adorando
02/01/2010 21:30:51
Gostei muito desse inicio... até porque conheço bem rs.parabens
02/01/2010 16:47:45
estou adorando amigos e fantastico adoraria conhece-los
30/12/2009 07:43:43
COMO ESCREVE BEM. DA PRAZER EM LER. FANTASTICO.
29/12/2009 18:33:23
MUITO BOM, E O FINAL COMO FOI
27/12/2009 22:19:04
BELO CONTO GOSTARIA DE SABER O FINAL
24/12/2009 12:32:23
gostei do incio da historia e quero saber o final. me adicionem no msn: [email protected] será um prazer manter contato
24/12/2009 10:17:41
Adorei. Espero que comente o restante do acorrido no hotel, pois também tenho muitas fantasias. Abraços... [email protected]
23/12/2009 23:52:42
ótimo.. vamos combinar?
23/12/2009 22:24:41
sensacional

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.




Online porn video at mobile phone


meu amante haitiano tem pau muito grosso e gostosoxvidio confio no amigocontos bunduda do corno no pagode no sitioContos na pescaria com tios e amigos me fazen d bixinha delesde chortinho pensando no namorado porndepravadacaolesbica fode a outra com dildo entroduzido na buceta e sentada na cadeirasconto erótico menina timida mas cai de boca no pau tão novinha e peitudavideos latifa comendo merdavídeo pornô novinha chupando p***** grande peituda gostosa patriciane nome delagostosa se masturbando com pinto de borracha solta p**** falsacontoseroticos mulher lactante amamentandovídeo da vizinha ela é pornô chama o marido da outra novela saindofotos de vestidos colados que acentue a bundaTa tarada roludo vendo novinhas com cálcinhas melecada subrinha olhando seu tiu nuFazendeiras e seus contos eroticos picantesbucetas inchcadas na calcinhasContos eroticos de mamae e filhas gulosas mamando nos pauzao grandao grossao dos cinco filhos numa suruba em casafudeno cadela de frango asado zoo filiacomadre milhadinha dando pra ocumpadre porno"mostra o seu que eu mostro o meu" vídeo pornonovinha tem no muito o garmo na siririca xega a gritar xota molhada escutando o barulho do tesaoMinha esposa perdeu a virgindade do cuzinho com 2 negros picudos contos e relatos eroticosflagrei a novinha metendo no matinho e chantagiei contosvideo porno de homens de sunga e cueca tirando a virgindade da mulher depois gozam em sua vagina filme porno classico brasileiroxvideos incesto tia provoca garoto de. roupa transparente simplesmente nua por baixovįdeos porno com prętas atraves da paredemenininhas fazendobrincadeiras de mostrar a xoxotinhas pras outrascadela lambendo o meu cacete e fudendo conmigo videonovinhas so gost de negraopornoxvidio ela mete muito ki abuceta.chega morder o casetex videos mulheres sendo chapuletadacontos velho bruto poe no cu sem avisarXVIII minha mulher com negaopornô caseiro da Mayara do colégioconto gay o Doce nas suas veias capítulo 2morri de pornô com a Gretchen chupando uma pista de um homem no vídeo pornônao resiste as investidas do meu genro contoconto corno obrigadovideos porno mulher tentando escapa. do pau do outro na frente do marido mas nao comsegue e corno dechaporno-fodas no quarto e o vinnho malb******** cabeluda gemendo e chorandoVIDIOPOMO DI PAULISTA liberalina vadia casadacontos eroticos barbeiro cortando cabelo de mulhercontos eroticos titio flacou eu e meu primo na infanciacarolzinha santos com muito putaria trepanopau grande e grosso porno so com novinhas sendo cruelmente aregacadanaugr sexo69 no sofánovinhas de bayby doll e com a mao na bucetavídeo de morcinha fudemosexo porno fui no meu ginecologista ao abri a perna ele me chupou todinha deliciacontos eróticos gay fui transformado em putinha e fizeram dupla penetração no meu cuzinho e me arrombaramcomendo a sogra gostosa mttezaofelipe e guilherme - amor em londres 4conto erotico meu primo me enganou e comeu meu cuvideos porno marido viciado em comer a fezes da esposameu amante haitiano tem pau muito grosso e gostosoassistir vídeo pornô anal de sogra com genro gravado em Ribeirão preto d*********Mulher fasendo croche e dano cu pornobaixar vídeo pornô pai pega filha comendo o c* dela ela grita de dor pede que não iria estoque o c***** delacontos socando ate o talo na cunhadinha novinha super gostosamulequinhos olhando a surubamulher beijando a mulher na boca pelada no titubearmuler m as calcinhas lancesda xoxotaseu quero mulher tem pinto comendo viado que amanhece a tempinho comendo vi antes vídeo pornô vídeopadrasto sodomitairmalouca pra perdero cabaco pro irmarmulheres que fuma charuto e souta fumassa na rola do cara ate goza asseste videocasada só engole a porra do amante e nunca do marido traindo porno vídeoContos eroticos.Sou casada provoquei um velho cacetudocontos eroticosdei meu bucetao para um pauzudosamara tirando a virgindade da bucetaO verdadeiro marido Corno . . . Simplemente adora lamber o clitoris da esposa . . . Enquanto o amante dela enche sua buceta de Porraabrir vídeo de pornô de negão mongolóide metendo