Casa dos Contos Eróticos


Click to this video!

Carícias loucas por baixo da mesa

Um conto erótico de Portuguesinha
Categoria: Heterossexual
Data: 02/10/2010 11:18:05
Última revisão: 05/08/2011 19:13:41
Nota 9.65

Há uns anos atrás, tinha eu 25 anos, fui sair com a minha amiga Cris para ir às compras, só nós as duas. Depois de uma tarde a entrar e sair das lojas, sentámo-nos numa esplanada a beber um sumo de laranja fresco, para refrescar, pois o dia estava demasiado quente. Estávamos sentadas há um bocado, quando ouço ela chamar alguém. Um casal jovem e atraente aproximou-se de nós. A Cris apresentou-os como sendo um casal que ela tinha conhecido há pouco tempo, que estavam em Lisboa a trabalho, mas eram do norte do país. A rapariga chamava-se Carolina, era loura, magra e muito atraente. O namorado chamava-se Rui, era moreno, cabelo preto, alto e com um corpo forte, mas sem ser gordo. Tinha um sorriso lindo, capaz de derreter qualquer mulher. Quando nos cumprimentamos com dois beijinhos e o seu rosto tocou no meu, senti um arrepio de excitação percorrendo o meu corpo todo. Ele deu um sorriso de lado, como se tivesse percebido a minha inquietação repentina. Eles sentaram-se ao pé de nós e ficamos na conversa durante um bocado. Como a minha amiga ia fazer um churrasco em casa dela no fim-de-semana, convidou-os a aparecerem por lá, já que iam regressar a casa na próxima semana. Demos mais dois beijinhos na despedida, não sei se foi impressão minha, mas os seus lábios tocaram no canto da minha boca desta vez, fazendo-me estremecer novamente. Os meus seios são volumosos e os biquinhos quando estão excitados ficam bastante grandes, o que às vezes me provoca algum embaraço. Neste dia, estava com um top justo e fiquei com os bicos bem marcados. O Rui olhou para eles e passou a língua pelos lábios, disfarçadamente. Senti a humidade escorrer da minha coninha, ensopando as cuequinhas fio dental que eu trazia vestidas. Tentei disfarçar para a Cris não perceber o meu estado. Eu estava sem namorado na época, devia ser por isso que estava mais sensível. Voltamos para casa, despedi-me da Cris e fui directa para o chuveiro, para refrescar o meu corpo encalorado. Lancei o jacto de água fria em cima de mim, mas o calor que tinha dentro de mim era tanto, que não refrescou nada. Como era possível um homem que nunca tinha visto, me afectar assim? Fechei os olhos e imaginei o Rui ali comigo, fui deslizando as mãos ao longo do meu corpo, fazendo carícias em cada ponto que percorria. Agarrei os meus seios, afagando-os levemente até os bicos ficarem empinados ao máximo. Apertei-os entre os dedos, lançando um gemido fundo, imaginado que eram outras mãos que me percorriam. Sentia choques eléctricos percorrendo o meu corpo, até chegar ao clitóris, que já estava bem saliente de tanto tesão. Baixei a cabeça e fui lambendo os mamilos, um de cada vez, trincando-os levemente com os dentes. A vantagem de ter seios grandes é essa, dá para pôr a boca neles. Desci uma mão até à minha ratinha depilada, afastei os lábios carnudos dela para os lados e enfiei um dedo dentro da rachinha que já estava mais do que lubrificada. Gemi alto, completamente alucinada, aquele homem tinha mexido comigo e agora eu estava naquele estado. Enfiei outro dedo e empurrei até ao fundo, ao mesmo tempo que esfregava o meu botãozinho do prazer com a outra mão. Os meus gemidos aumentavam de intensidade, assim como o meu prazer. Coloquei outro dedo dentro de mim e acelerei o movimento, ao mesmo tempo que espremia o clitóris entre dois dedos. Os meus gritos ecoaram pela casa de banho, ao mesmo tempo que eu sentia um orgasmo percorrer-me o corpo todo. Deixei-me cair e fiquei ali desfalecida a pensar naquele homem que me tinha deixado naquele estado.

O sábado chegou e eu já não aguentava mais esperar para ver o Rui novamente. Era loucura, eu sei, ele tinha namorada, não podia haver nada entre nós, mas o meu corpo não se importava com isso. Tomei um banho, depilei os pelinhos que já estavam a apontar, hidratei o meu corpo todo com um creme perfumado e coloquei um soutien preto de rendas, que me favorecia o peito, com uma cuequinha fio dental a condizer. Vesti um vestido preto solto, que disfarça o volume das minhas ancas e me fica muito bem. Penteei-me, deixando o cabelo solto, com os caracóis moldados à volta do rosto, perfumei-me e maquilhei-me ligeiramente, ficando pronta para seguir para casa da Cris. Quando lá cheguei, o Rui já lá estava com a namorada. Cumprimentei-os, disfarçando a minha excitação, enquanto ele me segurava pela cintura e me dava dois beijinhos no rosto. Cheirava maravilhosamente bem, a perfume e a homem. Os seus olhos percorreram todo o meu corpo, como uma carícia. Com a namorada ao pé, magra e elegante, nunca pensei que eu o atraísse, mas o seu olhar dizia que sim, que eu o atraía e muito. Enquanto a Cris servia os salgados, fui até uma mesa preparar as bebidas para o pessoal. Éramos cerca de 20 pessoas, a maioria minhas conhecidas. Estava distraída no meu serviço, quando me inclino para apanhar um cubo de gelo que caíra no chão e sinto algo a roçar nas minhas nádegas. Levantei-me e dei de caras com o Rui, com um sorriso maroto ao meu lado e com um volume bastante grande entre as pernas, que me fez ficar com água na boca.

-Então, tudo bem por aqui? Precisas de ajuda com alguma coisa?

Eu senti o meu rosto corar e fiquei ligeiramente atrapalhada, não estava nada à espera daquela investida.

-Não obrigado. Está tudo controlado!

-Estás muito bonita hoje, esse vestido fica-te muito bem! Adoro mulheres com curvas, assim como tu.

O meu coração começou a bombear cada vez com mais força, quase saltando do peito. Ele estava a elogiar-me! Nisto, a namorada chamou-o, ele piscou-me o olho e seguiu até onde ela estava. Ou ele estava a gozar comigo, ou também se sentia atraído por mim. Durante o resto da tarde e início da noite, sentia o seu olhar a percorrer-me, cada vez que me cruzava com ele. Sentia uma tensão dentro de mim, que parece que ia explodir. Alguns casais foram embora mais cedo, até que ficou um pequeno grupinho: Eu, a Cris e o namorado, o Rui e a Carol e outros dois casais amigos. A Cris sugeriu irmos até um bar muito giro que tinha aberto há pouco tempo e o pessoal concordou. Para não levarmos os carros todos, dividimo-nos por dois carros e por sorte, ou por azar, eu fui no banco de trás do carro da Cris, onde já estavam a Carol e o Rui. O carro era pequeno, era impossível não me encostar nele. Mal me sentei senti o calor das suas coxas atravessar o tecido fino do meu vestido, deixando-me com mais calor ainda do que já tinha. O seu olhar cruzou o meu e não consegui desviar o rosto, ficando hipnotizada. A Cris começou a conversar com a Carol e esta inclinou-se para a frente para poder ouvir melhor. A mão do Rui ficou apoiada no seu colo e eu vi um volume bastante acentuado, que ele tentava disfarçar com o casaco. Ele olhou para mim e deixou a mão descair lentamente até tocar na beira do meu vestido. Levantou-o um pouco e tocou na pele arrepiada da minha coxa, acariciando-a levemente, enquanto segurava o casaco por cima, para disfarçar. Fez-me uma série de carícias, que me deixaram arrepiada, até que chegamos ao bar. Eu saí disparada do carro, toda corada, sem acreditar naquilo. Que descaramento, com a namorada ao pé! Ao mesmo tempo, o meu corpo inquieto pedia mais e mais carícias. Entramos no bar e fomos para uma mesa que ficava no fundo. As mesas eram compridas e com toalhas até ao chão e o ambiente era um pouco escuro. Eu fiquei ao lado da Cris e do namorado e de frente para o objecto do meu desejo. Pedimos as bebidas e o pessoal foi conversando animadamente. Ao fim de um bocado, sinto algo na minha perna e dei um pulo na cadeira, com o susto. Olhei em frente e o Rui olhava-me com um sorriso, fazendo sinal com o dedo para eu não dizer nada. O seu pé, descalço, percorria a minha perna, acariciando-a e subindo lentamente pela coxa. Eu senti falta de ar, não acreditava naquilo. Fiquei sem reação, enquanto o seu pé subia lentamente até encostar nas minhas cuequinhas ensopadas. De certeza que ele notava a humidade que escorria dela. Olhei para o lado a ver se alguém estava a aperceber-se do que estava a acontecer, mas estavam todos na conversa. O Rui ia conversando com eles, enquanto o seu pé roçava a minha ratinha em fogo. A sua mão empurrou um guardanapo de papel na minha direcção, discretamente. Abri-o e tinha escrito:

-Tira as cuequinhas, disfarçadamente! Vou apagar esse teu fogo!

Eu respirei fundo e olhei para ele, que acenava com a cabeça e empurrava com o pé. Eu estava tão fora de mim, que já nem sabia o que fazia. Fiz o que ele pediu, movimentando-me lentamente, enquanto os outros conversavam animadamente. Coloquei as cuequinhas na mala e ajeitei-me no banco. Logo senti o seu pé forçando-me a abrir as pernas e passando ao longo de toda a minha rachinha, para trás e para a frente, sem pressa. Eu agarrei no guardanapo e levei-o à boca, para disfarçar o meu esgar de desejo. O seu polegar encontrou o meu clitóris saliente e começou a brincar com ele, esfregando-o. Eu estava a enlouquecer com aquelas carícias e só tinha medo que alguém se apercebesse. Ele encostou o seu dedo na minha abertura e começou a furar a entrada, colocando-o dentro de mim. Ainda bem que a música estava alta, para poder disfarçar os meus gemidos abafados, que eu tentava controlar, mas não conseguia totalmente. Começou a penetrar-me com o dedo, para dentro e para fora, deixando-me louca. Ele olhava-me nos olhos e fazia sinal para eu não fazer barulho. Eu sentia um poderoso orgasmo a aproximar-se, sem o conseguir evitar. Tentei tirar o seu pé, mas ele não deixou e encontrando novamente o meu botãozinho, começou a apertá-lo entre dois dedos, esfregando-o, enquanto eu delirava e explodia num dos melhores orgasmos da minha vida, tapando a boca para não gritar. Espasmos poderosos invadiam o meu corpo, que se convulsionava contra aqueles dedos habilidosos. Parecia que nunca mais parava de gozar. Ele enfiou novamente o dedo, para absorver um pouco do meu suco, que escorria para fora em grande quantidade. A Cris fez-me uma pergunta e nem sei como consegui responder, mas disfarcei. Ele tirou o pé, eu arranjei-me ligeiramente e olhei nos olhos dele. Ele estava afogueado, com os olhos turvos de desejo. Aquilo tinha mexido com ele, também. A sua mão foi até debaixo da mesa e voltou e vi-o colocar dois dedos húmidos na boca, chupando-os, enquanto olhava para mim. Eu não acreditava naquilo, tinha tirado um pouco do meu gozo do seu pé e chupava-o, deliciado, enquanto olhava para mim.

-As bebidas aqui são deliciosas, não achas? Nunca provei nada tão bom nos bares de Lisboa!

Eu fiquei sem fala. Ele era atrevido demais! Só me apetecia fazê-lo pagar na mesma moeda. Tirei a sandália, estiquei o pé e coloquei-o directamente em cima do seu pénis. Ele estava a beber um gole da bebida e engasgou-se com ela. A namorada ficou preocupada enquanto ele tossia sem parar. Eu ri-me baixinho, por essa ele não estava à esperava. Comecei a percorrer o seu mastro inchado com o pé, enquanto o via engolir em seco com o meu atrevimento. Esfreguei-o assim durante um bocado, olhando-o no rosto contorcido de desejo. Então tive uma ideia e falei:

-Acho que vou passar para esse lado da mesa. Sinto uma ligeira corrente de ar aqui e tenho medo de me constipar.

O pessoal chegou-se mais para o lado e sentei-me na ponta da mesa, ao lado do Rui. A seguir a esse lado da mesa, tinha uma placa divisória, por isso ninguém conseguia ver nada do que eu fizesse. Inclinei-me sobre a mesa e fui conversando com os meus amigos, enquanto a minha mão descia para o fecho das suas calças, abrindo-o lentamente. Enfiei a mão dentro e puxei aquele pénis intumescido de desejo para fora, aconchegando a toalha por cima, para ninguém ver o que se passava. Não era muito grande, mas mesmo assim enchia a minha mão. Estava quente e pulsante e uma humidade escorria na cabeça inchada. Acariciei a cabeça, apertando-a entre os dedos e senti o tremor do seu corpo. A namorada virou-se para ele e eu continuei a acariciá-lo. Ele gaguejou um bocadinho, enquanto respondia. A namorada olhou para ele:

-Estás suado! Ficaste com o rosto corado quando te engasgaste! Coitadinho do meu menino.

Ela deu-lhe um beijinho na boca e continuou a conversar com os outros. Eu olhei para ele e não contive um sorriso maroto, mal ela imaginava o que se passava por baixo da mesa! A minha mão desceu para as suas bolinhas e acariciou-as à vez, enchendo-as de leitinho. Agarrei o seu pau com força e comecei a esfregá-lo com mais pressão, para a frente e para trás, enquanto ele levava a bebida a boca para disfarçar o rosto que se contorcia de desejo. Acelerei os movimentos, enquanto ele tentava tirar a minha mão de cima dele. O sofrimento do seu rosto metia dó, estava quase a gozar e tinha medo que alguém desse por isso. Passei-lhe um guardanapo para a mão e apontei para baixo. Ele entendeu, colocando a mão com o guardanapo, por cima do pénis. O seu membro enrijeceu mais ainda, acelerei os movimentos, apertando-o cada vez mais dentro da minha mão, até que senti os jactos de esperma a jorrarem com força. Ele segurou o que conseguiu com o guardanapo, tentando não sujar as calças. Ele olhou para mim, com a boca aberta, com um grito mudo e apertou mais a minha mão contra ele, estremecendo de prazer. Estava a ter um orgasmo poderoso, eu conseguia senti-lo na maneira como o seu membro ainda pulsava contra a minha mão. Deixei-o acalmar os espasmos e retirei a mão, suja do seu esperma. Levei-a à boca, chupando o seu néctar. Tinha um sabor delicioso! Os seus lábios mexeram-se de modo que só eu entendi:

-Louca!

Eu estava louca mesmo. Já estava toda molhada novamente e sem pudor, agarrei na sua mão e coloquei-a directamente em cima da minha rachinha. Ele não se fez de rogado e enfiou dois dedos de uma vez, tirando-me a respiração. Foi fazendo um movimento de rotação esfregando as paredes da minha vagina. Aprisionei-lhe a mão, apertando-a com as coxas. Ele ia conversando com os outros e dava beijinhos no pescoço da namorada, enquanto os seus dedos faziam magia dentro de mim. Ele encontrou o meu ponto G e foi esfregando-o sem parar, ao mesmo tempo que o seu polegar esfregava o meu clítoris, enquanto eu virava a cara para o lado, para ninguém perceber o meu rosto contorcido de gozo. Mais uma vez, senti um orgasmo a aproximar-se e deixei-me ir, apenas tapando a boca para não deixar sair os gritos. Apetecia-me gritar bem alto, aquele homem sabia bem o que fazia. Apertei a sua mão contra mim e desfaleci contra os seus dedos mágicos, em espasmos contínuos. O meu orgasmo prolongava-se cada vez mais, enquanto ele continuava a mexer os dedos, sem parar. Eu vinha-me e vinha-me sem conseguir controlar-me. Acho que tive uns três orgasmos seguidos, sem ele tirar os dedos para fora de mim. O meu mel escorria pelas coxas abaixo e eu sentia o cheiro forte de sexo a invadir-me as narinas. Finalmente, desfaleci contra o banco, já sem forças. Bebi o resto da minha bebida de um trago e pedi outra. Ele levou a mão ao nariz e cheirou, fechando os olhos. Colocou os dois dedos que saíram de dentro de mim e chupou-os olhando-me nos olhos. Ao fim de um bocado, o pessoal resolveu ir embora para casa e terminou a nossa noite. Chegando a casa atirei-me para cima da cama, revivendo cada momento daquela noite louca e pensando naquele homem fantástico, que me deu prazer como poucos, apenas com as mãos e os pés.

Endereço de dois blogs, onde faço postagens, dêem uma olhada:

http://pontoerotyco.blogspot.com/

http://dinhoeamigos.blogspot.com/

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
02/02/2018 00:14:34
DENTRE MAIS DE CENTO E TRINTA MIL CONTOS, ESTE ESTÁ ENTRE OS 110 MAIS COMENTADOS DO SITE, COM 97 VOTOS. Bem escrito, merece a nota máxima!
13/06/2016 14:37:21
Estou lendo vc direto...Ontem li o Paulo pegando a Ana no elevador e fiz isso em voz alta com minha mulher do lado...O que vc perguntou? Se trepamos freneticamente:? A resposta é sim...Hoje tem mais e em todos os seus contos vai ter uma supertrepada....
02/04/2016 04:07:46
São autoras como você que fazem valer a pena vir aqui escrever, aonde você estava nos meus quase 3 anos de CDC eu me pergunto...
04/03/2015 13:40:40
Narrativa deliciosa e excitante!
11/02/2014 16:34:09
sou nova na casa então estou conhecendo aos poucos mas esse conto e ma-ra-vi-lho-so espero um dia escrever como vc hihihi um dia quem sabe nota10
11/02/2014 16:31:57
nossa adorei fiquei animadinha rss nota 10
06/02/2014 10:58:08
Ola adorei os teus contos. Gostava muito de teclar contigo. És a primeira portuguesa que encontro por aqui. pensava que era so eu que lia em portugal. Sera que podemos teclar nos sekyp ou por emeil ficu a tua ispera. Nunexfsp
21/01/2014 21:52:16
um dos melhores que li aqui, parabens
21/01/2014 11:29:29
Para quem quiser ler este conto, com fotos a ilustar, deixo aqui o link http://pontoerotyco.blogspot.pt/caricias-loucas-por-debaixo-da-mesa.html
17/01/2014 21:03:50
Quem disse que precisa de ter muita penetraçao para um conto ser bom? Amei, seu jeito de narrar é algo mágico. Por sorte vi que tem muitos contos postados, para me deliciar.
27/12/2013 21:12:18
Excitante, envolvente, me senti ali no seu lugar, vivendo esses momentos de prazer. Deliciaaa
27/12/2013 12:09:06
Uau seu conto é.. Perfeito, vou ler todos. (rss) Abraços
26/12/2013 21:34:11
Que escrita perfeita! Vc tem o dom de nos levar para dentro do conto e vivermos tudo o que relata aqui. Impressionante. Nem precisei de penetrar vc para gozar gostoso. So essas caricias me deixaram louco
23/12/2013 11:56:00
Portuguesinha amada, sua escrita é inspiradora. Não se cobre se dizendo insegura porque seu conto mostra uma pessoa muito segura, conquistando espaço no que te excita. Beijo de novo, minha amada. Vou aproveitar e ler seu conto de novo. (risos)
23/12/2013 11:10:22
Obrigado meus lindos, bom ver que este meu primeiro conto continua a ser tão lido e comentado, conto que escrevi faz tanto tempo, quando eu era ainda uma mulher tímida e medrosa, com receio de não agradar...parece que passaram anos desde esse dia. Beijocas para vocês. Embora nos empurrem para «o fundo», nós sempre resistimos à queda.
21/12/2013 23:22:03
Muiito booommm!!!! Pena que esses paneleiros invejosos afastem escritores talentosos como tu. Bjs deste velho português.
17/12/2013 13:24:35
Cara, este seu primeiro conto é ótimo, com mais ação e detalhes, apesar e longo narra bem a perspectiva da autora quanto a sexo. Única critica: os parágrafos ficaram longos para formatação da CDC. O conto não perdeu seu valor com isto. Foi uma ótima estreia, novamente obrigado pela visita.
16/12/2013 18:09:26
O que posso dizer Portuguesinha, simplesmente devorei cada linha! Adoro essas situações, essas brincadeiras e vc soube, como ninguém, descreve-las com maestria. Parabéns!!! Vou ler todos os seus contos, já virei seu fã (ja tinha lido alguns na Fantasy Island) ... Mas agora quero ler todos em sequencia, com parcimônia, um a um, degustando cada história bem contada! Bjs!!!
12/12/2013 21:04:25
Merecidamente na lista dos melhor. Isto sim, é um conto bem escrito, de fazer gozar até a alma
10/12/2013 20:08:59
Vi seu conto na lista dos 80 mais comentados aqui neste site, e vim ler. Texto maravilhoso, sensual, excitante. Adorei, fiquei excitada, me imaginando ali, e gozei muito gostoso.




Online porn video at mobile phone


videos esposa convida a comadre pra fazer suruba com maridonegona dizendo no cu naotio por favor coma meu cuzinho a sobrinha improrando para o tio ele nao resiste contoscontos de sinhazinha lesbica abusando de escravaconto erotico gay branco dominador gosta de maltratar viado pretoVideos de sexo brasileiro nem naceu cabelo na bucetinha virgem e ja ta metendo com pauzaoconto mulher sede a chantagem de garoto tranzarentregei uma pizza e mepagou com boquetecontos eroticos namorado de mamãe tem piça ggcontos sogro e noracontos eroticos enxendo a crentinha de porraComi o rabo sujo de bosta do Lukinha contos eróticos gaysofereceu a filha pro caralhudo gigante xvideosSuper menininhas em contos eroticos 2017 da cidade de campinas gratisvidio page novinha tomando banho gostoso na fasendaConto no interior vi mamae pelada ela disse vou te capa cacetudobundas maciinhaslactofilia com leite materno fetichedoce nanda parte cinco contos eroticosNinfetas mamando rola no cinema contoseroticosvideos porno a namorada trail ele e ele estrupou ela com forcaSexoloucoanimalvideo porno vovô descobre que a netinha tem o clitoris grandevídeo de sexo com matuto. na piscina de sucavideo porno pega secretaria bricando ca xoxota na livrariamas o porquê que não me permitam baixar videos da zoofilia?descobrindo o amor 74 dr romântico zoogay 2016insesto de filho beijando aboca da mae e fode elaTirei o himen da buceta da esposa do meu amigo sua buceta sangrou conto eroticoconto erotico gay meu pai vendeu meu cu por 100 reais pro seu/amigorelato quenquinha velha travesri pau 40centrimo fode amigojogando video game pelado conto eroticoQuadrinhos cabeludos de uma gangue de monstros tarada por mulheres gostosas! HQs lotadas de criaturas horripilantes que vão te dar medo e prazer!sadomasoquismo p*** relinchando analContos erroticos de empragada chinezabaixa xvideo coroa venhia nao gueto pica dconto erótico de mendingocontos eróticos paifinge dormundo fudendo filho e filha. virgemxxx vídeos novinhas aproveitando que a sua mãe saiu no pornô iradocontos eroticos entre jovens irmaos gemeosPauzundo entrando ate talo na buceta contoscontos de machos roludos dominando cornos das esposashomem fudendo oltro homem enprensando na parede fudendo pornocomedor enrabando professora virgemnaugr sexo69 no sofávídeo porno da tia gostosa dando pra sobrinha saida agua do olhoconto erotico caseirotia e sua sobrinha fica sozinha em casa e a sobrinha passou a mae na buceta da tia e a tia deixar emfiar a mao detro do storvideo porno denovinha enfrento pau grandeConto erotico comi a dentista no consultoriopor favor senhor eu nunca fiz sexo anal porno@nubianinfa.comRelatos de zoofilia cao estrupadormindo de bruço acordando pro anal pornosogro casa dos.contosanythingpornô zueira homem safadinho para botar a cabecinha empurrou tudo no rabo da donaconto porno minha mulher e sua amiga enfio o dedo no meu cuContos eróticos gay iniciação sexual na infânciaexperimentar sexo anal mesmo sendo heterossexual pode ser perigosocomendo minha cunhada que veio morar com agente aspanterasvideo de sexo tia batendo uma descabacando sobrinhoxvideos. com as gostsona no rnPorno contos maes lesbicas ensinam masturbacao as bem novinhas iniciacaonovinha bonziado n picaapertatinhas lidasContos eróticos gay meninos maldososconto eroticos transformando a santinha em depravadacontos eróticos minha mãe greludamulher secura na pica do negao quando encosta no cuXvideos barulhos q a chochota fas na hora do sexocolc mao buceta obesa pornowww.xvideos- gaysinho gosta de chupar seu peniz comprido e mole chupa para passar o tempo chupando seu penis igual um bambu gigante.comContos eróticos de sogro e noraMulher auto e gosano gostosofilha fodendo com pai na excursaocoroas. de shortinho mostrando os. beicinhos. da chanaponto não. quebrau. cabaso da vige