Casa dos Contos Eróticos

Click to this video!

Uma ninfeta caiu do céu

Autor: Sololupus
Categoria: Grupal
Data: 03/08/2011 15:42:32
Última revisão: 04/08/2011 09:36:50
Nota 10.00
Assuntos: homem maduro, jovem

A bem da verdade, sou um homem muito comum. Nascido há quarenta e nove anos em uma família tradicional e religiosa, sempre fui muito tímido. Cresci com a impressão de que as mulheres lindas e gostosas eram um bem maior a que muitos poucos tinham direito.

A minha primeira foda foi ao quatorze anos, com uma empregada de nossa casa. Até hoje ainda sinto a saliva abundante da Maria, o contato da pentelhada e o seu olhar risonho para o meu pinto mas, pela primeira vez gozei sem me masturbar.

Cresci sem ter muitos atrativos para o sexo oposto, tornei-me um homem incompleto, pois se quisesse sexo eu tinha que pagar para uma profissional. Foi assim que fiz amizade com uma prostituta.

Angelina tem um corpo muito bem feito, seios fartos, coxas grossas, lábios sensuais e rosto bonito. Sua pele morena e cabelos pretos lisos mostravam uma beleza bem brasileira. É muito educada, tem atitudes corretas no relacionamento comum e se veste de uma forma que nada nela faz lembrar uma prostituta. É completa: profissionalmente só não beija na boca, uma exceção que abre para mim, e, se não representa, goza muito gostoso.

Após o sexo, por vezes conversamos e nessas ocasiões o assunto acabava caindo sobre as minhas frustrações.

“Pinto grande, pinto médio ou pinto pequeno é tudo muito relativo Anselmo. Eu transo quase todos os dias, fico com a vagina relaxada, aí sim noto a diferença. Agora para quem fode lá uma vez ou outra e às vezes com o mesmo parceiro, a vagina se adapta ao tamanho. O gozo é o mesmo, apesar da fantasia do cacetão. Existe muita mulher que goza até mesmo na pontinha de um dedo e você sabe disto. O que mais vale é o carinho. O seu é um pinto de comer cú, pois é rara a mulher que tem prazer na foda anal com cacetão. Aquele cuzão arreganhado de filme pornô, mostrando até o intestino, não traz nenhum prazer para a mulher, por mais bundeira que ela seja”.

Numa bela manhã de Sábado, quando tentava dar um jeito na bagunça acumulada na semana, tive que atender à porta. Uma mulher com uns aparentes quarenta ou quarenta cinco anos, acompanhada por uma jovem . Queria saber se era normal faltar água no prédio a esta hora, pois mudara-se com a filha para o apartamento ao lado, no último final de semana e agora não havia “nem uma gota” nas torneiras. Pensei primeiro em chamar o síndico, mas não sei por que procurei e acabei por descobrir numa das passagens das tubulações um registro fechado. Tive o cuidado de deixar uma etiqueta < Já existe morador!!!>>.

Ela se desdobrou em agradecimentos. Fiquei sabendo que se separara do marido, que morava só com a filha, que viera para cidade, pois tinha familiares aqui e conseguira um emprego. O que me chamou a atenção mesmo foi a beleza angelical da garota. Rosto bem feito e mechas encaracoladas de cabelo loiro, encimadas por um prendedor, desciam até aos ombros. Os olhos tinham um azul profundo e a boca pequena com lábio inferior proeminente era muito sensual. Vestia-se com um vestidinho de pano leve, que não escondia formas deliciosas: seios médios, ancas ligeiramente largas, bundinha redonda. Seus pés estavam calçados com um par de sandálias que lhe davam uma aparência bem juvenil.

“Vamos Lívia”, disse a mãe depois de me agradecer mais uma vez.

Fiquei maravilhado com a garota. Voltando do trabalho às vezes eu a encontrava no saguão e procurava uma desculpa para puxar uma pontinha de conversa.

“Já se acostumou com a cidade?” Ela notou o meu olhar percorrendo pelo seu corpo e ficou pouco à vontade.

“Não senhor... sinto falta de muitas coisas, mas não sei explicar direito o que está faltando. O lugar é muito arrumado, tudo muito limpo, mas é tudo muito estranho”. Senti pena dela.

“Aqui no prédio não existem garotas da sua idade, mas na pracinha do condomínio você encontrará amizades. Você estuda?”

“Vou reiniciar o cursinho pré-vestibular”

Um dia resolvi convidá-la educadamente para entrar e tomar um suco de acerola.

“Não senhor muito obrigada” disse abaixando o olhar.

Angelina sempre aparecia. Uma vez resolvi conferir a excitação dela. Um amigo meu recomendou um produto veterinário para induzir o cio de vacas:

“Bastam duas gotas por litro e a mulher está fisgada, babando de tesão”.

“Não é tóxico?”...

“Não, mas é raríssimo e pouco natural. Uma mulher que não sente nada por você, acaba entrando no clima.

Armei direitinho, consegui o tal produto veterinário e comprei uma capa peniana cheia de chifrinhos para compensar a buceta relaxada da Angelina. Telefonei para ela convidando-a para passar à tarde de Domingo comigo. Caprichei na faxina do sábado, providenciei uns canapés e no domingo preparei um suco de polpa de frutas e nele adicionei cinco gotas do tal produto, pois segundo o meu amigo ele não tinha gosto.

Angelina chegou e estava uma delícia com um vestido branco de cintura alta e alça, no estilo “Hippie” e bem maquiada. Calçava uma sapatilha de pano listrado e uma bolsinha do mesmo pano dependurada à tiracolo. Suas coxas firmes e grossas marcavam o pano do vestido. Abraçou-me e deu um longo beijo na minha boca, colando-se ao meu corpo. Era uma puta de nível.

Liguei o som com uma música ambiente e mais do que depressa ofereci o tal suco para ela. Nisso a campainha toca. Era a Lívia. Estava mais linda ainda: Usava uma bermuda caqui, uma blusa azul claro solta, um par de tênis com meia. Os cabelos estavam parcialmente presos, fazendo com que uma mecha caísse de lado.

“Sr. Anselmo, por acaso a minha mãe deixou a chave do apartamento aqui?”

”Não Lívia... mas se você quiser, pode aguardá-la por aqui”

Olhando para dentro da sala de visitas ela viu a Angelina e animou-se...

“Tudo bem... ajuda a passar um pouco do tempo. Acredito que ela saiu em companhia de um amigo”.

Angelina adiantou-se para as apresentações e, fazendo as honras da casa, ofereceu um copo de suco bem cheio para a Lívia... Um calafrio percorria a minha espinha, enquanto a moça bebia o suco com muita vontade...

As duas conversaram animadamente. Angelina perguntou para Lívia se ela deixou namorado na outra cidade e ela disse que sim. Mais atrevida, ela perguntou se a garota já havia transado. Lívia olhou para mim corada, mas disse que sim e que não sentiu os prazeres anunciados, pois o namorado foi precipitado e doeu muito.

Lívia já estava visivelmente excitada. Abria e fechava as pernas e por vezes umedecia os lábios com a língua. Angelina também estava diferente. Os seus olhos estavam mais brilhantes e a voz mais lenta e rouca. Alisava os próprios cabelos, ao lado da Lívia no sofá grande, até que levou a mão na mecha de cabelos dela.

“Você tem uns cabelos lindos”

A mão subia e descia até que parou na nuca. Olhou fixamente nos olhos de Lívia e foi alisando o seu rosto. Encostou os seus lábios nos dela e Lívia não esboçou nenhuma reação, até que seus lábios começaram a corresponder. Angelina levantou-se e a empurrou de leve, fazendo-a recostar-se no sofá. Retirou as roupas da menina, deixando-a apenas com a calcinha de malha fina em algodão azul claro.

Posicionou os pés dela sobre o sofá, dobrando os joelhos e abrindo as pernas. Contornou o sofá, ficando por detrás, começou a beijar a nuca de Lívia e de lá me mandou uma piscadela convidativa, carregada de intenções de puta. Hesitei, mas aproximei-me do sofá e levei uma mão no seio de Lívia. Ela empurrou a minha mão e Angelina falou para ela sussurrando em seu ouvido:

“O que tem de mais meu anjo? Ele só quer lhe fazer carinhos. É muito bom”...

Lívia nada disse e, elevando a cabeça de lado, levou as duas mãos na nuca de Angelina, procurando os seus lábios.

Voltei à uma nova tentativa: Comecei a alisar as coxas da Lívia, pelas partes internas, levando a ponta do dedo até às bordas da calcinha. Ela não repeliu e abriu mais as pernas, facilitando o acesso. Fui levando o meu nariz até ao sulco deixado pela racha da buceta no pano da calcinha. Um cheiro almiscarado gostoso invadiu as minhas narinas. Vinha misturado com perfume de moça nova e xixi. Meu corpo estremeceu. Encostei o nariz e ela não reagiu.

Afastei com muito cuidado o fundilho da calcinha para o lado. Foi se descortinando uma bucetinha gordinha com os grandes lábios ligeiramente entreabertos de onde aparecia a pontinha da pele que cobre o grelo. Na rachinha apontava uma lista vertical de um líquido baboso transparente. Não resisti e fui abrindo caminho com a língua. Lívia soltou um gemido profundo e trancou a minha cabeça com as pernas. Afastei-me e vi que línguas delas entravam e saiam de suas bocas em ritmo acelerado, um fio de saliva escorria do canto boca de Lívia.

Tirei a calcinha dela e caí de língua para valer. Ela soltava ganidos violentos, parava de beijar Angelina e olhava para mim. Sua boca estava vermelha, as pupilas e as narinas dilatadas e o contorno dos olhos ficou azulado. Passei a lamber o grelinho, enquanto fodia a bucetinha linda com dois dedos.

“Me come!!! .... Me come!!!” suplicava ela.

Tirei a minha roupa e sentei-me ao lado de Lívia. Angelina conduziu o rosto da menina até ao meu pinto. Ela sem nenhum pudor foi logo cheirando o meu cassete “Ah! Que cheiro bom” depois caiu de boca com muita vontade. Quase gozei naquele mesmo instante.

Angelina com toda a sua experiência profissional, trabalhava a buceta da Lívia. Posicionou-se de quatro no sofá e pediu para Lívia vir lamber a sua. Para alcançar a buceta, o nariz dela afundou no rego da Angelina e também arrebitou a bucetinha linda e eu a invadi, sem dó e nem piedade. Os meus quadris entraram em um ritmo frenético. O corpo de Lívia entrou em espasmos. Ela soltou um grito e desfaleceu. Neste instante o meu pinto começou a jorrar rios de porra. Angelina caiu de boca, engolindo até a última gota. Nossas respirações foram se acalmando. Lívia ainda arfava.

“Está se sentindo bem Lívia?”

“Acho que sim...... vou me arrumar e esperar a minha mãe no saguão, senão ela vai desconfiar”

“Quando que você vai voltar? “

“Assim que a minha mãe sumir de novo, mas só volto se a sua namorada estiver aqui”.

Angelina olhou para mim e me deu um beijo.

“Não se preocupe, quando isto for acontecer me avisa antes e eu não cobro nada”.

O que aconteceu depois marcou a minha vida para sempre:

Naquela manhã de sábado, Lívia chegou até a minha porta com duas malinhas e uma mochila.

“Anselmo, me deixa morar com você. Eu já não agüento mais a minha mãe”.

Comentários

04/08/2011 12:15:59
Eu gostei muito do seu conto!!O lance do remédinho é verdade, pois eu já vendi pílulas de uso veterinário para esses fins!!Sobre a ninfetinha, eu também já passei por situações semelhantes.Me casei c/ ela e vivemos 12 anos juntos.Mas vc ainda tá c/ ela???Se precisar do remédinho é só falar q" eu dou um jeito pra vc!! [email protected] valeu!!!
03/08/2011 17:45:14
POW CARA NAUM SOU NENHUMA NINFETINHA DE 17 ANOS MAIS PRA SUA IDADE EU SOU UMA GAROTA AINDA TENHO SÓ 26 ANOS VC NUM GOSTARIADE ME COMER GOSTOSO COMO FEZ COM A LIVIA????? VC DEVE SER MÓ DELICIA BJAUMMMMMMMMMM
03/08/2011 16:31:59
Puxa,cara,que conto bom!eu quase nunca leio contos de relatados por homens,mas de repente resolvi ler,apesar do título não ser nada convidativo a isso...Mas quanto a história,não da pra imaginar lendo de inicio como será o final,conto bom é assim,com suspense!apesar de muita gente achar estanho esse tal produto no suco,o q importa é q foi muito bem escrito o detalhamento dos fatos.

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.




Online porn video at mobile phone


novinha dando pra velho rabuchentocontos eroticos arrombaram minhaPenis flacido castrar contosconto erotico/gay asistindo percy jacksonconto eroticos palmada comi egua nova contocontos eróticos muleconamanual de corno manso gatobomsexo forsado com shortinho jeansxv novinha querendfo centin um piru na bucetab de cachrroclarinhasafadinhaconto erótico muitos orgasmos com lsdtortura porno linguada no clitorisvideos porno velhor comedor da cabeça do pau rombudaas buceta sussurranteporn xxx mulher paga divida e corno vendo ela chorar de dorconto gay o Doce nas suas veias capítulo 2COROA japonesa FOI PARADA NA RUA E ACEITOU FUDERporno esposa de short curtinha na cozinhaFlagrei minha filha de dez anos se masturbando fiquei espantada mas espliquei a ela o que estava acontecendo e encinei a se masturbar so qiue ela quere que eu faça direto agora contos incesto mae gtsxvideos nao resisti ao padrasto dotado q fode sem do ela gemendo muitocontos de machos dominando cornos submissosQuero assistir filme pornô brasileiro das Panteras a mãe com shortinho bem curtinho e para o banheiro mijar e o filme vai ficar beijando a testa da porta de homem com calcinha fio dentalContos eroticos irmã gêmeacontos eróticos meu namorado me amarroue vendou e chamo os amigoscontos eróticos treinador dominador come viado na academiamoreno sarado de sunga de bombeirofiho nervozo desconta na mae putariabrasileiraNovinha excitidavideo cooelho mamano no homemm zoofiliacontos eróticos sogra pediu pra ver minha rolapaguei para tranzar com a noivinha evangelica contoscenas de filme porno que mulher goza como nunca se viu nna vd na bc de um travistidotado roludo malvado comm novinha com bucetinha muito apertadacontos bunduda do corno no pagode no sitiocontos sexo minha esposa nossa vizinhaporno e escondim uma camera e vim a putarinhaContos erótico brinquei de esconde esconde e arrombarao meu cuela gozou mas eu nao parei de chupar a buceta delamarisa cm sede de pica grande chamo um negao para foder gostoso em conto o marido trabalhainiciando um viadinho contocadelas bucerudas fudendo no cioincesto com meu vô contoscontos de novinhas iniciada na webnovinhas lindas brincadeira incestoa de ciriricafilhaabre as pernas qie vou te fider gostosoconversa com coroa carente cellPorno mulher gritando muito na pica do jumento e o. Jumento encaxou até o talo. video amador gozando dentro gratiscontos de cornos com tio velho pauzudo e comedor super canalha rmulheres casadas sarando melando a bucetascontos de corno que deram o cucontos eróticos paifinge dormundo fudendo filho e filha. virgemcontos eroticos gay x negao 40cmcontos de crentes caretesContos sexo bondage entiadashistorias de madrasta safadas com enteadocadelas bucerudas fudendo no ciopersonal treiner encinando mulher fazer abdominal chupando pornosexocunetenegona sendo arrombado por negao tonato video porno grátisrelatos eroticosgosto de ser traidoporno gay com vendedor de porte e portadois viadinhos e uma mulher contos eroticoscontos anal casal que gosta fazer anal cagandoAutor do padre. Não é. Homem contos. Eróticoscadelas graudas no cio em zoo.casadoscontossenas com carinho massagem beijos abraço pegadas palavras romanticas casal apaixonado e sexocontos levei minha mulher pra fuder com o kid bengaladoce nanda parte IV contos eroticoscontos/arrebentei meu cabacoconto erotico de irmao do meu colegar saradao mim comeu brutalmente gayNegrinho do cabelo ruim bem pretinha metendo muito com muito fogo na periquita no pornô brasileiromulher bonbando sua buceta ate seu grilo ficar grande e homem fica louco x videomorena anda na rua de vestido branco ai himen vai ate la e fode elafaminta engole a piroca do padrastofotos de buceta de mulutacontos eroticos minha esposa no forrocontos eroticos novinha fui bem fodida que até choreiwww.pornodoido meninas no beijo na boucacontos de incestos surubas com irma em casa nuscontos chantagiei a filha do pastorconto erotico nora carenti fudendo cm sogra pirocudonegão socando a rola no c* da neguinha fazendo ela arregala o olhofilha fodendo com pai na excursaocomendo a mileninha gostosinhaCovidei meu amigo pra toma uma cerveja em casa depois comemos minha esposa casa dos contosmulheres bostas scatver videos d incestos baianinha gozano dentro da bucetachupando a rola do primo devagarindoDesabafo real de uma mae contos ero cap,IXlevando a cunhada para tomar injeção no bumbumgozei na boca no caminhaofudendo morena fofinha na mata caseiros coletânea