Casa dos Contos Eróticos


Click to this video!

Tímido

Um conto erótico de Princesa Putinha
Categoria: Heterossexual
Data: 05/03/2012 18:22:44
Nota 9.75

O Gabriel eu conheci num ambiente em que eu não esperava conhecer ninguém razoavelmente interessante. Foi numa discoteca. Possivelmente levaram-no amarrado. Eu observava de longe, sentada no bar. Ele parecia ser diferente de todos os outros. Até parecia tentar agradar, mas não se encaixava no ambiente. Levaram-no para a pista, mas ele não sabia dançar, e voltou para a mesa quando notou que estaria sendo ridículo. Olhava muitas vezes para o relógio. Dois dos seus amigos voltaram para a mesa com mais duas miúdas. Beijavam-nas e apalpavam-lhes os rabos, na sua frente, e eu via que ele ficava constrangido. Três dos outros rapazes ainda estavam na pista de dança, à caça. Um deles aproximou-se de mim, e começou a lançar conversa. Qual o seu nome? Sua idade? Onde moras? Vens sempre aqui?... Ele bombardeou-me de perguntas, até dizer que eu era muito bonita e que gostaria de me dar uns beijos. “Na verdade…” – eu comecei. “Estou interessada num amigo seu.” Ele ficou parado, chocado, e quis logo perguntar qual deles. “Daqui a pouco vou até a sua mesa e te mostro.” – eu disse. Ele foi para a pista, e começou a falar com os amigos e a apontar para mim. Todos foram para a mesa. Acabei de beber o meu drink. Levantei-me e fui até lá. Sentei-me do lado do menino tímido e disse, abraçando minha mão no seu ombro: “É esse que eu quero.” Vi várias bocas abrirem na minha frente. Convidei-o para beber no balcão comigo. Ele ficou confuso, mas foi, talvez porque qualquer coisa seria melhor do que estar junto daquele montão de marmanjos, que só queriam intimidá-lo.

- Por que você me chamou aqui? – ele perguntou-me depois de um longo silêncio.

- Porque gostei de ti.

- Foi meus amigos que te pediram para me pregar uma peça, não foi? Pois se foi…

- Ei… - eu interrompi. – Seus amigos não têm nada a ver com isso. Nem os conheço, nem quero conhecer. Gostei de ti, e é você que eu quero.

- Mas por quê? – ele corou.

- Porque gosto de homens tímidos.

Ele deu um gole no whisky fazendo careta. Tinha 26 anos, mas não parecia nada experiente. Todo aquele ambiente parecia contrastar com a sua postura reservada, quase acanhada.

A música mudava, e só víamos pessoas a balançar a cabeça no meio da pista. Alguns já bêbados, pareciam tocar guitarras e baterias invisíveis.

- Vamos sair daqui. – eu disse-lhe.

- Para onde?

- Importa?

Levei-o para a minha casa. Sentei-me no sofá e indiquei que se sentasse, e estive a observar o seu silêncio.

Descalcei as botas, e estive a brincar com os meus pés nas suas pernas. Ele parecia tremer.

- Tens medo de mim?

- Não, não é isso.

- Então é o quê?

- Na verdade… nunca imaginei que estaria com uma mulher como você.

- Então não imagina nada… Deixa acontecer…

- Não sei o que fazer.

- Não precisa… Deixa que eu faço tudo.

Sentei-me no seu colo. Tirei minha roupa de cima e fiquei com meus dois seios nus, bem à frente dos seus olhos. Parecia que ele estaria vendo uns seios, ao vivo, pela primeira vez na vida. Peguei nas suas mãos e coloquei em cima deles, devagar.

- Vês? Pode tocar…

Ele tocava, apertava, como se experimentasse pela primeira vez, como se fosse comprovar que eles eram mesmo reais. Meus biquinhos rosados ficavam excitados, como se estivessem com frio.

- Também podes colocá-los na sua boca… - eu sugeri, já chegando os meus peitos bem perto dos seus lábios.

Ele chupou, como um bezerro desmamado. Eu tirava uma mama e colocava a outra, bem devagarinho. Ele foi ganhando o jeito, e chupando uma enquanto acariciava a outra com a mão.

Senti o seu cacete crescer, bem debaixo da minha xotinha. Minha xota parecia ferver, de tanto desejo.

Tirei sua camisa. e encostei meus seios, rijos, quentes e molhados pela sua saliva, no seu.

- Gostas? – perguntei.

- Muito. – ele respondeu, quase a gaguejar.

Desencostei-me e saí do seu colo. Abaixei e tirei seus sapatos. Continuei de joelhos e abri o zíper da sua calça. Senti suas pernas contraírem. Deixei que ele continuasse de calça, mas coloquei o seu pau para fora. Senti que ele tinha vergonha de expor o seu membro para uma quase desconhecida, e eu disse para que não tivesse medo, pois seria muito bom. Acariciei seu pau com as minhas mãos, ágeis e delicadas.

Abandonei seu mastro, e sentei bem ao seu lado no sofá, lançando-lhe um olhar sedutor, ameaçador, traiçoeiro e misterioso. Tirei a meia calça, e depois, bem devagar, fui arrancando minha cueca. Continuei com a saia. Sentei em cima do seu instrumento, sem meter, apenas para que ele sentisse o calor da minha xota. Depois virei de posição, sentando com o rabo no seu pênis, deixando-o bem no meio do meu rego, e deitando minhas costas no seu tronco nu. Peguei nas suas mãos e coloquei novamente nos meus seios. Estive a rebolar por cima dele, seguindo os movimentos circulares das suas mãos. Coloquei uma das suas mãos na minha xotinha, por baixo da saia, para que ele sentisse com os dedos o que sentiria com o pênis, metido dentro dela, alguns minutos depois. Enfiei um dedinho dele na minha bucetinha, e ele conseguiu notar o quanto já estava molhada.

Tirei seu dedinho e levantei-me novamente. Nesse instante ele já se sentia um bonequinho, que não sabia o que eu faria a seguir. Pus-me de joelhos, e coloquei o seu pau na minha boca. Coloquei-o todo lá dentro, e ia subindo e descendo. Ele começou a gemer. Parei de chupar, começando a dar beijinhos no seu cacete, e a lambê-lo com a ponta da língua. Passei a língua nas laterais e depois enfiei-o todo na minha boca, novamente, num golpe de misericórdia. Levantei-me e abri o zíper da minha saia, deixando-a cair. Arranquei-lhe a calça e a cueca. Peguei um preservativo na minha bolsa, e ensinei-o a colocar. Sentei no seu colo, mirando o seu pau no meu buraquinho. Fui descendo bem devagar, de modo a sentir cada centímetro a entrar. “Vamos brincar de elevador…” – eu disse, marota. Quando eu cheguei no fundo, ele gemeu. Continuei rebolando, subindo e descendo.

- Está bom? – perguntei.

- Muito. Muito.

- O que sentes?

- É quente. úmida. Apertada.

- Gostas de me foder?

- Gosto, gosto muito. É muito bom…

Suspiramos, gememos, e depois que eu gritei, ele se sentiu à vontade para gritar também. Aumentei o ritmo. Ele começou a abrir as pernas e a pular com o rabo no sofá. Joguei minhas costas para trás, apoiando minhas mãos na mesinha de centro. Ele meteu mais.

- Goza comigo… - eu disse.

- Estou quase…

- Continua… continua… continua…

Ele gozou. Senti o preservativo encher-se dentro de mim, e seu pau a latejar. Suas pernas tremiam. Ele parecia até soluçar.

- Eu… eu era virgem. – ele disse.

- Eu sei. – respondi.

Abraçamo-nos, suados, e ficamos a dar longos e demorados beijos na boca. Autorizei que se vestisse e disse que já poderia ir embora, mas, quem saía por aquela porta, agora, não era o mesmo homem que entrou.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
15/06/2012 14:15:24
Uauh! adorei!
07/03/2012 00:22:26
Muito bom. Estou reavaliando meu conceito sobre a qualidade dos contos achados na internet.. Otimo1 continue a nos deliciar.
05/03/2012 20:46:56
Bons tempos que não voltam mais !!! Muito bom o conto... (http://contosdahora.sites.uol.com.br)
05/03/2012 20:33:07
nota 10.. mto real e original
05/03/2012 20:24:55
Certamente a primeira vez desse sujeito foi inesquecível. Adorei o conto.
05/03/2012 19:23:38
Mim fez lembrar d minha 1° vez com 18 anos.




Online porn video at mobile phone


depositando esperma na buceta a forçacontos de corno minha namorada virou puta de um traficantecontos casada encoxada no ônibusNinfetas mamando rola no cinema contoseroticosComi meu tio macho virgem no motel contos com fotosfamilia favela pinto de borrachaxvidio ela mete muito ki abuceta.chega morder o caseteeu e meu esposo somos crentes e ele pediu para eu dar o cu para outro,contoscontos de rasguei o cuzinho da minha avóimcesto com papai ele meteu sua pica grande tudo na minha bucetinha novinhatinha pocos pelosirma com tesão no quarto do irmão1minuto xvideosdei o cuzinho meladinho contoscarolzinha santos com muito putaria trepanogarotimha aprendendo bate punheta no papaiContos eróticos flaguei o pastor arrombando minha linda noiva santinhaFotos de marcelinho carioca nu pirocudoSo video de 5 minutos porno buceta e rolas de 16centimetroconto porno provoquei meu filhoxvidios outros purai favoritosdepravadacaosocaaa com força malandrocontos de filha crenteeu quero ver homens e mulheres se beijando pelado e como colocou o piru na no bumbum da minha ficou salgado se beijando peladossurfistas de rola duranaugr sexo69 no sofáSou tarado por beijar pezinhos com rasteirinhasxvidio fagar a gostosa na praiacontos eroticos ele esfolou meu rabinhoContos eróticos de sogro e noraContos gays /fui estrupado por2 na escola e a diretora flagoucontos pequenina e punheteiraO vizinho safado do 205estrupo de vuneravel pornoVidio policial afuder na permaneciamulherer pediu mais piroca mais nao rinha mais e endiou a mao ate o corovelo pornobucetas inchcadas na calcinhasvideos onde maridos batem no grelo pelado com chineladas fortesconto deram tesao de vaca pra minha esposacontos incesto xota enrabadaconto comi uma eguapirocudo gozando dentropor tras da paredeContos eroticos .meu filho vive me encoxando sinto seu peniscontos eroticos gay dei a bunda dentro do cemitériovirgens+perdendo+o+cabacao+da+buceta+e+do+cu++virgensContos eroticos incestos a forca netinhasscontos eroticos a bunda da minha esposacontos eroticos cu arrombadovideo omem fragado botando arola pra levantando as saia das muulhres dentro do onibunscontos eroticos fizeram minha noiva e minha mae de putaenfiando o dedo na cabacinha delamarido e mulher tomando banho na praia mulher veio um negão bem dotado e sai Escondidinho para dar uma com negãoler conto erotico de deficientehistória e foto de tia gostosa que gosta de fazer macarrão com sobrinho novinho e g****** na mão delaporno.com negao levanta a saia da gostosa casada enfia até o saco surpresa pra o corninhoContos eroticos flaguei minha mae dando pro caseiro e tambem quizquero ver 100 foto de morena cavala e coroa deitada na cama pelada com as perna aberta e segurando ho calcanharlouras peludas taradas fudedoras malucas chamando palavraocalça legui caladinha na casada xvideoconto erotico gay negao pirocudo maltrata viado brancocontos de tia que mexeu com sobrinho jovemmulherez de anjinho capetinha e de calcinha vermelhaconto tudo começou quando minha sobrinha de dez anos sentou no meu coloconto comendo cu na marra da santistamolhes pela porno vida de meninas de 19 anos mostrando buceta po amigo pater uma xvidiosexo taboo com toda a família contos ineditos mães e filhos online contos de incesto sexo ruiva nu riuconto sexo anal piracaiametendo na salgadeira bundudaanythingrelato erotico padrasto pauzudo