Casa dos Contos Eróticos

Click to this video!

Valéria CD e o Macho Alfa Dominador - servindo novamente

Depois daquele primeiro encontro maravilhoso (o início do adestramento, procure nos meus contos), quando conheci o Sr. A., começamos a nos corresponder por e-mail. Escrevi dizendo o quanto tinha adorado o nosso primeiro encontro, ele respondeu dizendo que eu tinha muito o que aprender com um Macho disciplinador, sentindo o cheiro do meu Macho, o poder, a superioridade e a força dele. Aquela frase me atingiu lá no fundo, nos meus desejos submissos mais íntimos. Fiquei num estado de ansiedade e desejo enormes querendo servi-lo novamente.

Até que chegou o dia do segundo encontro, quinze dias depois da primeira sessão. Ele marcou comigo de manhã, às 10h, próximo à academia onde ele malhava. Dizia nos e-mails que malhava pra poder surrar melhor e com mais vigor os seus escravos e putas. Ele me contou depois que praticava uma luta marcial.

Cheguei atrasada uns quinze minutos e preocupada com a hora que o Macho disciplinador teria disponível para me usar. Caminhei olhando para os pés dele desde uma distancia razoável conforme ele havia mandado no primeiro encontro. Perto dele é que olhei no rosto. Ele já estava me esperando com cara de quem não gostou do meu atraso. Seguimos em direção ao seu apartamento, sempre andando um pouco atrás como ele havia ordenado. Ele me disse no caminho que eu apanharia pelo meu desleixo. Meu coração disparou com tanta adrenalina, medo e tesão, ouvindo as reprimendas daquele Macho que mexia com os meus sentidos.

Chegamos ao apartamento dele, me ofereceu um copo d'água e ele bebeu muito mais água que eu. Em seguida, rispidamente, me deu ordem para tirar a roupa. Eu, obedientemente, tirei a minha roupa e fiquei esperando por ele, em pé, de cabeça baixa, com as mãos juntas na frente. Ele se aproximou e me elogiou:

- Calcinha fio dental branca... hummm... está uma puta gostosa, mas só serve mesmo pra servir os Machos que gostam de usar viadinho puta!

Me humilhou e xingou muito dizendo que se eu quisesse ter um Macho, que eu devesse ser mais pontual, mais obediente, que deveria estar à disposição do Macho na hora que ele tivesse marcado. Me senti mínima diante daquelas palavras ditas com tanta autoridade e imposição. Tive vontade de cair aos pés dele e me penitenciar pelo erro inconsequente cometido. Neste ínterim, me deu duas palmadas fortes na bunda que ecoaram pelo apartamento. Em seguida, ordenou:

- De joelhos, viado...

Imediatamente eu me ajoelhei diante dele com a cabeça baixa e fiquei aguardando. Me puxando pelos cabelos de trás da cabeça, levantou a minha cara, deu duas cusparadas e dois tapas que estalaram nas minhas bochechas. Tapas fortes, como nunca havia levado antes...

- Puta, é isso que você é...

Ouvindo aquilo, fiquei com medo na hora, mas me mantive decidida, pronta para servi-lo. Queria ver como seria naquela segunda vez, apesar do medo, pois ainda não o conhecia bem e queria me sentir segura para continuar a servi-lo.

Me deu uns quatro chutes no traseiro com o peito do pé, sentou no sofá da sala e me mandou ir de 4 até ele para tirar-lhe o tênis. Fui engatinhando de quatro, com a bundinha arrebitada, humilhada diante daquele Macho que só me inspirava o desejo de ser usada como sua escrava.

De joelhos na frente dele, quando tirei o primeiro tênis, mandou que eu cheirasse o pé dele, cheirasse o tênis e retirasse a meia do seu pé. O cheiro do seu suor impregnava as meias e os tênis, me fazendo delirar. O mesmo ritual se repetiu no outro pé. Em seguida, me mandou massageá-lo nos pés, o que fiz com toda a dedicação que deve ser dispensado a um Macho superior como aquele. Depois da massagem, caprichada por mim, ouvi a sua voz:

- Vá até o quarto, de quatro, e traga as sandálias havaianas brancas, com os dentes, feito uma cadela submissa... vá!!!

Fui engatinhando e quando cheguei ao pé da cama, havia várias sandálias, procurei o par que o disciplinador maravilhoso ordenara, peguei com os dentes e voltei à sala engatinhando de quatro. Ao mesmo tempo que me sentia humilhado, sentia um prazer enorme em ser bem usada como escrava e cadela submissa. Depositei as sandálias no chão aos pés dele e fui repreendida com um tapa forte na bunda...

- É na mão do seu Macho que você tem que entregar, cadela, entendeu?

Peguei novamente as sandálias com os dentes e me ergui e entreguei a ele. Ele tomou as sandálias e me mandou virar o traseiro pra ele. Tomei umas cinco chineladas fortes e ouvi sua voz novamente:

- Lambe os meus pés!!!

Me virei atônita e excitada, sem saber por qual pé começar. Eram pés bem cuidados, bem tratados, maravilhosos. Caprichei lambendo e chupando-lhe os dedos, lambendo toda a extensão dos pés, deixando a sola molhada com a minha saliva. Enquanto lambia, beijava um pé e ele descansava o outro sobre os meus ombros. Em seguida, ele me mandou lamber as sandálias nas tiras e no lugar onde ele calçaria... e me mandou calçar no pé direito e, repetindo o mesmo com o pé esquerdo.

Pelo visto tinha gostado da minha submissão porque ele se ergueu, ficando em pé, e com o pau duro bem visível no short da academia, me mandou esfregar o rosto na sua pica, dentro do short... quase enlouqueci com aquilo. Como uma viadinha faminta por pica, esfreguei o meu rosto naquela protuberância erótica, naquele falo que me fazia ficar como que encantada pelo que via e sentia. Era uma pica inesquecível. Fiz o melhor que podia fazer para agradar àquele Macho maravilhoso, superior e autoritário.

Despiu o seu short, que tirei pelos seus pés, dobrei e coloquei sobre o braço do sofá. Ainda havia a sunga de praia que ele usava por baixo e me mandou continuar a excitá-lo com a boca e o rosto, massageando sua pica dura. Não tive coragem de olhar para o rosto dele, com medo de levar mais um tapa, mas não consegui aguentar de curiosidade e com o canto do olho, numa das indas e vindas na sua pica por dentro da sunga, pude olhar e ver como ele me olhava. Era um olhar sacana, cafajeste, com um sorriso bem safado... ele me disse:

- É uma puta mesmo! Olha só como adora um caralho de Macho... só serve pra isso, pra agradar ao Macho, obedecer, ser bem usada, fodida, fazer o Macho gozar e ser dispensada!

Sentindo-me extremamente humilhada, mas excitada, dei um gemido, pois não aguentei a excitação que tomava conta do meu corpo e da minha mente. Parecia que o mundo acabaria ali... Era maravilhoso sentir o cheiro daquele Macho que me dominava, naquela sunga suada com aquela pica em riste, que me punha no meu lugar de escrava puta. Eu não via a hora de poder romper com aquela barreira de lycra que se interpunha entre a minha boca, o meu nariz, a minha pele e o falo precioso do Macho a quem eu me submetia. Estava sendo uma tortura ficar ali, de joelhos, sem poder tocar sua pica de verdade, mas ousei pousar as minhas mãos nas suas coxas grossas e rígidas. Era o desejo, misturado com a impotência de qualquer decisão da minha parte.

Depois de um tempo me torturando de desejo e muito tesão, me ordenou:

- Abaixa a sunga e mama...

Como uma cadela faminta, abaixei com todo carinho a sunga, tirei-a pelos pés, dobrei e coloquei junto do short, e voltei os meus olhos para a sua virilha, que ostentava aquele pau duro delicioso na minha frente. Meu coração disparou mais uma vez e coloquei os meus lábios na cabeça daquele pau que eu tenho verdadeira veneração até hoje. Mamei, lambi, suguei, brinquei com os lábios, com a língua, traduzi todo o meu tesão e desejo de submissão nos movimentos da minha boca. Lambia o saco, voltava com a língua escorregando até a cabecinha e voltava aos meus movimentos com lábios, língua e músculos da boca... Depois de oferecer a ele toda a minha experiência de boqueteira, ouvi uma nova ordem:

- Vamos para o quarto para receber o castigo pelo atraso... viado escroto!!

A voz grossa e viril daquele Macho me deixava incapaz de raciocinar, o desejo era só de servi-lo, sem questioná-lo. Fiz menção de me levantar, porque a ordem não fora muito explícita, e senti estalar um novo tapa forte no meu traseiro:

- De quatro, cadela... fiquei na posição ordenada imediatamente, e, em seguida, um chute na minha bunda empinada... e fui de quatro para o quarto receber o castigo que merecia.

No quarto, nova ordem:

- De bruços, com o tronco sobre a cama e empina a bunda porque agora você vai pagar por me deixar te esperando na rua por causa do seu atraso!!

Me sentia a pior das criaturas por ter feito o Sr. A. se aborrecer. Fiquei na posição ordenada e ouvi sua voz de novo:

- A surra vai começar com o cinto de couro... contando em voz alta, ouviu? É o cinto que vai te ensinar a me respeitar.

- Sim, senhor... respondi com a voz quase embargada pela emoção em estar servindo àquele Macho dominador novamente.

Fui sentindo as doze lambadas e contando em voz alta. Da oitava em diante ele foi aumentando a intensidade do couro batendo no meu lombo. Ardia e parecia que entranhava na carne, nos músculos, a força do meu delicioso e cruel algoz.

Terminada a sequencia, sentou-se à cama e me mandou mamar mais uma vez, e disse;

- Está aprendendo a como servir a um Macho de verdade, não a esses frouxos que se dizem dominadores...

As palavras dele tinham o poder de me fazer cada vez mais humilde, obediente, subserviente e submissa. O meu prazer masoquista há tanto tempo apagado, ressurgia com uma força interna que me imobilizava.

Depois de repetir a dose de excitá-lo ao máximo com a minha mamada, me ordenou voltar à posição inicial na cama.

- Agora é a vez da chibata estalar nesse lombo de puta...

E começou uma nova surra, só que, desta vez, eu estava morrendo de medo, porque a chibata dói muito mais. E foram mais doze, que não fui ordenada a contar em voz alta, mas o meu desejo servil me fazia contar mentalmente. Gemendo a partir da décima e me contorcendo, ele parou e disse:

- Agora está com bunda quente, vermelha... e passou a mão, sadicamente, no lugar das marcas das lambadas, como que conferindo a minha sensibilidade e as minhas reações.

Me ordenou a voltar a mamá-lo e ainda houve mais duas sequencias do cinto e da chibata, intercalando com as mamadas. Em seguida, nova ordem;

- Deitado no chão com a barriga pra cima...

Imediatamente cumpri a sua ordem me posicionando perto da cama deitada no chão, com os braços ao longo do corpo e fiquei esperando o que iria acontecer comigo. Excitada, temerosa, com a adrenalina a mil, e, ao mesmo tempo, adorando estar ali, olhava aquele Macho de um ângulo que me dava muito prazer, me colocando no lugar em que tenho prazer de estar, sempre abaixo dele.

Ele sentou na cama e colocou os pés em cima de mim, me pisando na barriga e no peito, me usando, humilhantemente, como seu capacho. Esfregava um dos pés, descalços, na minha cara, na minha boca e mandava lamber-lhe um pé, depois o outro, os dois juntos. Cada momento que eu passava na presença daquele Macho, era uma surpresa nova que me despertava os sentimentos mais submissos que já tinha tido. Procurava me empenhar ao máximo para agradá-lo e satisfazê-lo. Eram momentos sublimes de entrega e submissão que me faziam desejar que nunca terminasse.

Eu lambia os seus pés, perdida nos meus pensamentos e desejos, quando ouvi sua voz máscula me dizendo:

- De joelhos, puta, vem mamar a pica do seu Macho...

Rapidamente me posicionei de quatro no meio das suas pernas e comecei a mamá-lo vorazmente, como se eu nunca mais tivesse uma pica pra mamar na vida.

- Empina a bunda, viado... rebola, porra, você está servindo a um Macho que adora meter em viado escravo e em puta...

Claro que obedeci, era o que eu mais gostava, o clima de erotismo misturado com a dominação e disciplina.

- Continua de quatro... ele se levantou e posicionou-se atrás de mim e esfregava o pau na minha bunda... depois sentou-se no meu lombo e me mandava rebolar mais. Eu sentia o peso dele no meu lombo e delirava com as imagens que só podiam passar pela minha imaginação, porque não podia olhar pra trás, só senti-las. Não pude conter os meus gemidos de prazer e parecia que ele adorava quando eu gemia. Só sentia o saco dele esfregando em mim e a mão dele punhetando aquela piroca deliciosa, grande e grossa, sentindo a minha bunda rebolar pra ele.

- Sobe na cama, de quatro com a bunda empinada...

Como cadelinha obediente subi imediatamente na cama, abri as pernas pro Macho e me posicionei pra ser usada. O Macho alisou a minha bunda e me deu mais umas chineladas... foi tirando para o lado a calcinha fio dental branco que eu usava, me deixando com o cu totalmente exposto... passava o dedo no meu cuzinho, que eu correspondia piscando e gemendo nos seus dedos.

- Vai buscar a camisinha e o ky que você trouxe pro seu Macho, anda, vai... não quero usar as minhas camisinhas com puta imunda!

Me sentindo humilhada, me levantei e fui rapidinho à sala e peguei a sacolinha com o kit do prazer. Voltei, e nova ordem me foi dada:

- Mama o seu Macho e põe a camisinha...

Fiz tudo como ordenado, submissamente, me preparando para dar prazer ao meu Macho. Passei o ky com medo de ser estuprada, não sei por que sempre espero isso dele, e fiquei com a bunda bem empinada e aberta para ser penetrada pelo pau que eu tenho verdadeira adoração.

Posicionou na portinha e foi introduzindo aquela verga dura, viril no meu interior e eu respondia, como uma cadela, com gemidos e sussurros. Aquela pica entrava e saía devagar me dando as sensações de arrombamento mais depravadas que podia sentir. Me sentia como se fosse um buraco para o Macho, uma puta que se oferecia a qualquer Macho, apesar de não dar pra qualquer um, mas ele me fazia sentir como se eu fosse assim mesmo. Eu era a puta dele, pra ele usar, abusar, fazer de mim o que bem entendesse.

- Tá sentindo a pica do seu Macho... puta serve pra isso, pra fazer o Macho gozar... se gozar antes de mim, apanha, entendeu, viado?

- Sim, senhor, vou me controlar pra não gozar...

- Acho bom!! E me deu mais duas palmadas...

Eu sabia que não ia gozar, porque só o preparo de me encontrar com ele, iniciado desde a véspera, me fez me masturbar umas duas ou três vezes. Além do tesão e da ansiedade incontidos, também era uma precaução para não desagradar ao Macho e me preservar de mais surras, apesar de gostar de apanhar dele.

Ele passou a meter vigorosamente, me fodia como se fosse uma máquina, com força, depois com suavidade, deitava o seu corpo em cima do meu sobre a cama, mas eu sempre mantinha a bunda empinada para dar maior profundidade às estocadas que ele dava. Me sentia como uma vagabunda, escrava dos prazeres daquele Macho que me tirava a noção de tudo. Eu gemia e gania, enfiava a cara no colchão e gritava... rebolava e jogava a bunda pra trás, fazendo aquela piroca entrar o mais fundo que podia... Estava extremamente excitada e sentindo o meu Macho todo dentro de mim. Aaaiii, que sensação maravilhosa... indescritível!!! Era o inefável sendo atingido pelo prazer carnal da subserviência e delícia em sentir o poder do Macho sobre o meu corpo, dominando os meus sentidos...

Em um momento de total tesão, carinhosamente, ele me beijou as costas e me fez sentir arrepios que percorriam as minhas costas, as minhas pernas, o meu corpo todo, me fazendo sentir a essência do prazer. Doses certas de dominação, erotismo e prazer me faziam delirar nas mãos deste Macho perfeito.

Depois de me foder por quase meia hora, ele tirou sua pica de dentro de mim, em seguida tirou a camisinha e comentou que estava limpinha. Eu me senti orgulhosa de ouvir aquilo porque sempre me preparo antes e, em seguida me mandou mamá-lo novamente. Voltei a fazê-lo com gosto, mas preferia que a sua pica ainda estivesse dentro de mim, me estocando as entranhas, mas, obedientemente, procurei dar o maior prazer que podia oferecê-lo.

- Bate uma punheta gostosa com as mãos e com a boca, vadia.... e o fiz com todos os meus esforços, usando minhas mãos macias e os meus lábios molhados por vários minutos, me deixando com os músculos dos braços doídos do esforço, até que anunciou:

- Fica de joelhos...

Fiquei na posição ordenada, ao lado da cama. Ele se posicionou atrás de mim e esguichou aquele líquido precioso no meu ombro esquerdo... o gozo veio grosso, quente, escorrendo pelos meus ombros e peito, me dando um banho da mais pura essência do Macho. Aiii, como era bom sentir o leite dele escorrendo em mim!!!

Em seguida me mandou ir para o box do banheiro, me ordenou a ficar de joelhos e despejou um rio de mijo, me dando um banho quente e perfumado da urina daquele Macho adorado.

- Pode gozar agora, puta, toda mijada e esporrada pelo seu Macho... e saiu do banheiro.

Afastei a calcinha e com a pontinha dos dedos, masturbei o meu sininho feito uma louca, porque tinha perdido a noção, eu era um nervo exposto de tanto tesão. Gozei nas minhas mãos e misturei a minha porra com a dele. A sensação foi maravilhosa... Em seguida ele ligou o aquecedor e me mandou tomar banho e me jogou a sunga dele por cima do box para lavar, o que agradeci.

Depois do meu banho ele tomou o banho dele e sentamos para conversar como duas pessoas civilizadas no sofá da sala. Me perguntou algumas coisas sobre a minha experiência em servir e me disse que eu estava começando bem como puta submissa dele. Aquilo foi música para os meus ouvidos!!!

Este relato se passou no Rio de Janeiro, agora moro em Brasília. Sou uma viadinha cdzinha totalmente passivinha, submissa, quarentona, branquinha, carinhosa, meiga, dengosa, mas bem safadinha, 1,74m, 80kg, quase toda depiladinha (menos os braços, mas uso luvas) e adoro ser tratada como fêmea. Adoro me sentir uma fêmea, com comportamento bem feminino, cabeça de fêmea e alma de puta. Tenho vida dupla, por isso discrição e sigilo são fundamentais, pois só me monto somente entre 4 paredes. Se você é homem, MACHO TOTALMENTE ATIVO, acima dos 30 anos, com boas intenções, que saiba valorizar uma alma feminina aprisionada em outro corpo, ou seja, que saiba do que uma femeazinha gosta e precisa, e gostou do meu conto/relato, entre em contato, tá? Lambidas molhadinhas nas picas dos Machos!!!

[email protected]

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.




Online porn video at mobile phone


XVídeos caseiro eu te empurro com fosse eu não aguenteitarado alisando e pasando a mao e metendo o dedo na xoxota da filhota novinha timida depois empurra o pau devagar ate gozar dentroMeu vampiro romance gay capitulo 21botando na buceta pela beradinha do shorteRelatos de zoofilia cao estrupaConto sexo anal casada estrupadaContos picantes ainda virgem fui abusada por um entregador velhocasada com raiva do marido so querer ir para o bar sai e da a buceta para estranho no motelporno levantado a saiao pauzao preto fortenando ta duendo nando ai minha buceta nando ceta poinhndo tudoxvd irma bati punheta para o irmao e nao rezisti e da pra ele2 parte de eu minha amiga e o pai dela conto herotico helena e renatavirei mulher na cama contos wFamília Sacana Tufos -comendo as irmãs safadinhassou mulher vou confesa que que dormia com meu primo e dei pra ele quando senti que ele tava de pau duro e eu logo mi exciteicoroa pelada toda melada de margarinavideos de zoofilia mulher tarada por um jumento desmarcadomulher entupida forçando para cagar sexocontos tatuape primeira bucetaenfianp atr o talo no cunovinha magrinha mija na pica grandedoce nanda parte cinco contos eroticosxivideo homem cumendo veaesposa novinha do bundão grandão nua despeitocasa do contos eróticos publicadosjumento racudo comendo xota da mulher zoofiliaconto comendo cu na marra da santistaas novas novia cenus estrupada pediu virgindadenalvinha fudendo com homem mas velhorconto erotico gay negao pirocudo maltrata viado brancoContos eróticos esposa e Sografilme porno das pantera meu tio foi passar um fim de cemana na minha casacuiada provoca cuiado d xortiu de dormivadia casada dano d quatro q bagunca todo cabelo safada xvideosxv novinha brinca com cachorro e fica agarrda na picacontos de sexo depilando a sograconto eróticos de minha namorada deixa sua calcinha xeia de sebo na pia do banheiroquero ver novınha que sao empregada fudendoSacaniha reboado nos pauzaovi meu genro transando contocontos eroticos os gang bang entre irmasnovinhas grupalweb cam xvideosjogando video game pelado conto eroticovideos porno varias duas amigas cagando juntas fala meu fioAmo beijar os pezinhos dela principalmente usando rasteirinhas contosmeu filho me sondava deu cu do eu comtos eroticoscontos eroticos d maridos q levam homen pirocudo pra comer sua mulher em ksaEsposa putinha mostrando abcta pela boca d shortiXVídeo pornô a mulher se masturbando na rua andando no meio da rua Rosada molhadinha nenhuma Bruno metrô de todo canto g***** molhadinhaporno mulheres q bota sainhas curtinha para pega onibus lotado sopara ser fufidabuceta vigui na netpirulito do titio contos inocentecontos eroticos de uma sirica bem batida aos gritossexo tesao caricia exitante gemido passadas de maos nos seiso na bucetaconto erotico soquei um pau de borracha na minha esposa sem ela percebervideos porno cuzao levando pauzao da cabeca enorme chapéu cogumeloReta do Pedreiro Hétero Peladoagarrou e comeu gostoso kookcontos de sexo depilando a sograAE cristal de futibol Amador de Cristalinacontos e videos casada cavala fudendo com dois negaocarine patricinha casa dos contosporno caseiro no vestiario da loja de.roupas da loja uma estranha olha muito pra o.meu.paupornô doido comadre entre pica grande negãofiadinho dano o cu gritano de dor pra um ttraveste palzudo pormo brasileiro gratesleitinho do padrinho contos gaywww.xvideos- gaysinho gosta de chupar seu peniz comprido e mole chupa para passar o tempo chupando seu penis igual um bambu gigante.comconto com onze anos eu trepei com meu tio foi muito gostoso mais doeuarromba meu c* que é para quando o c**** chegar em casa meu c* tá toda arrumadinha XVídeosNem respondi e fui metendo naquela bucetinha encharcada, até sentir meu pau tocar o fundo, quando ela soltou um gemido alto e gostoso.contos eróticos a irmã de minha espoza bunduda e coxuda[email protected]porno sacana mao na bucetta no cu nojento ao vivosexo homens gozando e.falandopalavroespornô zueira homem safadinho para botar a cabecinha empurrou tudo no rabo da dona