Casa dos Contos Eróticos


Click to this video!

Claudia humilhada, nua na frente de todos e usada no nordeste

Um conto erótico de Claudia_Japonesa
Categoria: Grupal
Data: 14/04/2014 10:38:25
Última revisão: 07/06/2014 10:20:14
Nota 9.65

Passaram alguns meses do ultimo conto o que relatei. Eu oriental, agora com 21 anos, olhos negros, cabelo também negro na altura da cintura, seios e bumbum pequeno e pele bem clarinha.

Meu pai é empresário, conquistou tudo a partir do zero, quando veio do Japão para o Brasil

Ele é um homem muito orgulho, pois é descende de samurais.

Como homem de posses, ele tem casas em toda a parte do Brasil.

Eu estava entrando de férias da faculdade e estava tendo problemas com meu namorado. Acabamos pedindo um tempo (isso mesmo, apesar do ocorrido no outro conto, ainda estávamos juntos).

Meu pai me viu chateada e disse: “ Filha, por que não viaja? Escolha uma das nossas casas”.

Adorei a idéia, estava louca para pegar um sol e ficar um tempo tranqüila longe do pessoal.

Então escolhi minha cidade e fui passar o mês lá.

Peguei o vôo em Guarulhos, levou mesmo de 3 horas para chegar lá.

Que delícia, que som maravilhoso, gastarei vários tubos de protetor na pele.

Fui pegar minhas malas e pegar um táxi até o chácara do meu pai (tive que pagar um extra, pois a estrada é de terra e pedras, um local de acesso muito complicado para carros). Achei que seria muito bom curtir a cachoeira e andar a cavalo. Votaria uma japonesa bem morena.

Cheguei lá no local e fui recebida pelo Sr. Francisco, um homem moreno, entre 50 e 60 anos que cuidava do lugar junto com o seu primo Sebastião, um Cearense bem típico, que cuidava das hortas e cavalos, ele tinha em torno da mesma idade do seu Francisco.

Eu disse: “Oi pessoal, a quanto tempo’.

Seu Sebastião disse apenas “Bom dia”, enquanto o seu Francisco disse: “ Bom dia Claudia, faz tempo, da ultima vez que lhe vi, você tinha 14 anos, se não me engano”.

Eu disse: “ Isso mesmo”

Antigamente costumávamos ir em todas as férias escolares para lá, seu Francisco praticamente me viu crescer

Reparei que ambos estavam com as roupas de trabalho, suadas, sujas e rasgadas.

Falei com o seu Francisco que iria me trocar e queria ver os cavalos.

Ele falou que me aguardaria.

Tomei banho e sai de mini-saia e blusinha, estava um calor terrível.

Seu Francisco me mostrou tudo, mas estava com uma cara muito séria.

Enquanto eu estava fazendo carinho no cavalo, ele disse que eu precisar ir agora ver uma mensagem que chegou no e-mail dele. Estranhei, mas fui.

Chegando lá estava o notebook ligado no skyp, e para minha surpresa, na tela estava o Carlos (ver no outro conto).

Ele disse: “ Oi Claudinha, como está a minha japa patricinha preferida, adorei saber que seu pai gastou o maior dinheiro para levar acesso rápido de internet ai na sua chácara, mas isso é fácil, com o salário que paga para os caseiros, ele salário mixurúca.”

Eu disse: “O que você quer?”

Eu quero mostrar umas fotos e vídeos para você, pode ficar perto da tela, os seus caseiros já viram”

Então ali estava eu nua, dando para o Carlos e Guilherme. O desgraçado tinha deixado uma filmadora escondida. Com parte das filmagens ele criou alguns arquivos de fotos.

Ele tinha passado todos os arquivos para o meu caseiro e disse:

“ Então minha putinha, você vai ter que compensar o sofrimento que seu pai e você fizeram a esses dois homens passaram, Eles me contaram como você faria eles de cavalinhos e que sempre que parava a brincadeira você procurava um lugar para lavar as mãos. Sentia nojo dos cavalos? E quando acabava com a noite deles fazendo pedidos ridículos? Bom minha japa, agora você fará tudo que eles desejem, senão as fotos e vídeos irão para os amigos do seu pai”

Perguntei: “Por quê?”

Ele respondeu “ Porque você sempre gostou de humilhar os outros, você pagou o que me fez em Peruibe, mas não o que sua família fez para esses pobres homens.

Então Faça tudo o que eles queiram viu. Ah! Contei os detalhes sobre você também.

Até”

Eu não acreditava, fiquei numa situação muito pior que a de Peruibe. O que vai acontecer... então escutei. “Vira sua vaca branquela”.

Virei e vi aquela cara de desdém do seu Francisco e Sebastião.

Seu Francisco disse: “ Então, você agora é a nossa empregadinha...hummm”, vai aprender a cuidar da fazenda e outras coisas.”

“Por favor, eu nã... .”

Levai um tapa na cara e ouvi: “ Você só fala quando eu autorizar, ok?” comecei a chorar e fiz ok com a cabeça.

Então Claudia, quero ver a filha do “Samurai de peladinha agora”

“Por favor. Eu”.

“Agora sua porra!!!!”

Tive que tirar, tudo. A blusinha, a saia, depois e depois minha calcinha.

Eu não conseguia sentir tesão da situação, não eram jovens me olhando e sim dois velhos matutos.

Eles mandaram eu pegar as minhas roupas e jogar na fogueira.

Comecei a chorar muito mais, eu adorava aquelas roupas, não imaginava a raiva deles contra mim e meu pai.

Seu Severino disse:“Vai até o curral vaca”

E comecei a andar, mas logo fui empurrada e cai no chão.

Seu Severino disse: “ Vaca anda de quatro, sua vaca idiota”

Então comecei a andar de quatro, com os dois andando atrás.

Então ouvi: Francisco, o que acha dessa bundinha de vaca, parece a bunda da mãe não é ? hehehe”

Severino, isso é filha de Samurai, mais respeito. Hehehe. Empina mais e deixa mais aberta sua desgraçada.

“Anda mais rápido vaca.” Então seu Severino foi na frente e começou a puxar meu cabelo. Como doía, eu tive que andar mais rápido para ele não arrancar, enquanto seu Francisco ria muito.

Então chegamos ao curral.

Seu Sebastião disse: “ Quero um balde de lei, ordenha a vaca sua vaca”

Me deram um banquinho minúsculo, que quando sentei fiquei o meu cuzinho todo arreganhado para os dois. Queria por o banquinho mais para frente, mas não me deixaram, tive que por o banquinho mais longe, pois assim eu ficava numa posição mais humilhante. Abaixada de bunda bem aberta no banquinho.

Não conseguia ordenha, não sabia, tinha medo da vaca.

Então ouvi: “ Se não consegue com as mãos, usa a boca”

Não queria, mas me seguraram os braços e forçaram minha cabeça nas tetas.

“Se não chupar as tetas, vai chupar o pinto do cavalo ali, aquele mesmo que seu pai gosta de montar.”

Não tive escolha, comecei a mamar e tirar leite com a minha boca.

O cheio das mamas da vaca eram fortes, tive muito trabalho para não passar mal e encher o equivalente a um copo.

Após, eles me largaram e riam muito.

Seu Francisco disse: “Queria que seu pai lhe visse agora, sua japonesa desgraçada, queria ver o orgulho dele agora”, vou acabar com o seu também sua puta.”

O seu Severino falou: “Vou enterrar todas as suas roupas, e só no ultimo dia vou dizer onde está e lhe dar uma pá.”

O Seu Francisco disse: “ Você vai levar uma encomenda para seu Barnabé, ele mora 5 minutos de cavalo, se lembra dele?”.

Eu disse: “ Espera, estou nua”

“Não me importa, você se lembra da casa”

“Sim....”

“Então se for rápido, ninguém além dele irá lhe ver”

Não acreditava, estava tendo que montar em um cavalo, nua para levar uma encomenda para o vizinho.

“ Peguei o pacote e fui montei no cavalo.”

“Eles adoraram o movimento de perna que fiz, disseram que eu tinha uma bocetinha igual da minha mãe”

“Mandaram eu dar uma voltinha, antes de ir” Adoraram ver uma japonesinha de 21 anos nuazinha em cima de um cavalo.”

Então fui. Cheguei lá em 15 minutos, não conseguia andar direito em um cavalo nua na estrada, por isso tentei andar no meio do mato o quanto pude.

Então cheguei lá, era uma casa velha, madeira surrada, muito pobre.

Desci do cavalo e fui bater na porta. Estava muito assustada, pois não sabia quem estava lá além do seu Barnabé.

Bati a porta, esperei, esperei e esperei.

Não podia voltar sem entregar a encomenda.

Depois de um tempo a porta abre.

Lá estava ele, um homem de barba e cabelos brancos branca, com cachimbo, com certeza já tinha passado dos setenta anos.

Oi, então você é a filha do seu “Nome do meu pai”, humm. Você cresceu...entre.

Entrei na casa dele, sem ter certeza do que iria acontecer.

O velho disse: “ Claudinha, não tenho mais idade para poder me satisfazer com o seu corpo, você está aqui para fazer as tarefas da casa, por isso, quero que limpe minha casa, ali está a vassoura e pá.“

Não acreditava, tinha virada escrava de limpeza de um velho. Limpei tudo, foi um serviço do cão. Tive depois que pegar os ovos ( nunca levei tantas bicadas), dar alimentos aos animais, toda nuazinha.”

Quando terminei seu Barnabé disse: “ Minha linda, terei que colocar uma coisa no seu botão de rosa para provar que você veio.”

Não acreditava, eu tinha que abrir meu cuzinho para um velho, e deixar ele colocar algo para provar que fiz as tarefas.

O negócio estava no pacote que entreguei, era uma pepino.

Como foi horrível, tive que me mostrar, para um senhor que cheguei a chamar de vo. Agora estava de bunda empinada para receber um pepino dela.

Tive que ficar com uma mão na minha bunda para que ele não caísse.

Então ele disse: “ Pode ir minha neta”

Quando sai, cadê o cavalo?

Seu Barnabé disse: “ O Francisco falou para soltar o cavalo assim que você chegasse, mas não se preocupe, é rapidinho para você voltar e já está anoitecendo, vai ser mais difícil de um tarado pegar você”

Então comecei o meu caminho no meio do mato.

Como sofri, cheguei até a me perder, pois vi um grupo de jovens jogando bola e eles me viram. Comecei a correr e escutei-os correndo e falando: ela ta pelada.

Eu fique escondida num matinho e ouvi um deles falando. “ vou comer ela primeiro”

Eles sumiram depois de uns 10 minutos.

Estava ficando de noite, e não encontrava o caminho para a chácara.

Estava com medo de ter meu vídeos e fotos enviadas para os amigos do meu pai, então não tinha jeito, vi a estrada e segui.

Apareceu um carro e o passageiro disse: “ Precisa de carona ? humm”.

Eram dois rapazes numa caminhonete.

Não acreditava, mas precisava chegar rápido então disse sim.

Entrei e eles foram perguntando por que estava nua.

Disse que roubaram minha roupas enquanto eu estava nadando.

“Tadinha”

“Pois é, aposto que está com frio, mas por que está carregando esse pepino sujo na mão?”

Disse que não podia dizer, então o motorista disse: ‘desce”

Não havia argumento, então eu disse: “ Preciso chegar em um lugar com esse pepino no meu cu”.

Eles riram muito e falavam que iriam me levar no lugar depois de brincar, eu falei que não dava tempo, tinha gente me esperando.

Um deles pegou um cartão e disse que daqui uns 300 metros tinha um orelhão.

Aceitei e liguei, expliquei para o seu Francisco o ocorrido e ele disse: “ Tudo bem, mas eles te comem aqui na fazenda.”. E não esqueça de quando descer engatinha e beijar o meus pés pedindo perdão na frente deles”

Não tinha jeito, falei com os caras e eles toparam. Não queria que eles soubessem quem eu era, mas não tinha jeito.

5 minutos depois lá estava eu chegando. Quando desci, fiz o que seu Francisco disse, fui engatinhando de quatro beijei os pés dele e pedi perdão.

Tirei o pepino do meu cú, e entreguei deixei na frente do seu Francisco

Os caras adoraram.

Então seu Francisco e seu Sebastião se sentaram e assistiram tudo.

Faça como no vídeo, disse seu Sebastião.

Comecei a rebolar, dançar, abaixar e provocar muito. Não sabia quanto o vídeo mostrava, mas tinha que fazer o que os meninos mais gostavam.

Então fui de quatro perto dos rapazes que me deram carona e comecei a chupar os dois”

Fazia carinho no saco com a minha língua, chupa uma bola de cada vez, beijava a cabeça rosa dos dois.

Chupava só a cabecinha no começo e depois engolia tudo. Eles gemiam e adoravam.

Quando fui ver, cadê seu Sebastião? Tudo bem, continuei chupando até que um deles explodiu na minha boca, engoli tudo, era um leite quentinho. O segundo que era mais velho, eu fiz ele deitar e subi na rola que estava muito dura. Eu subia e descia em uma velocidade que só o treino da academia podia explicar. Depois de um tempo ele me puxou pelos cabelos e me colocou na frente do seu Francisco de quatro, guspiu no meu cú e começou a comer com uma fome que nunca vi. Fiquei abaixada olhando o rosto do seu Francisco na minha frente. Uma hora ele pediu e segurou uma das minhas mãos enquanto eu era enrabada. Ele dizia: “ Igual a mãe”.

Eu não entendia porquê ele falava isso da minha mãe, o que ela fez o que ele sabia?

Então o rapaz que estava me comendo, segurou com muita força minha cintura, aumentou o ritmo até que explodiu. Encheu meu cuzinho com muita porra.

Caí exausta,tinha andado, me machucado e dado que nem uma louca na frente dos velhos.

Eles foram embora e disseram: “ Seus tios são legais, uma hora a gente se vê novamente”.

Eu queria uma cama para dormir, mas o seu Sebastião apareceu e me chamou: “ Vem de quatro vaca, entra aqui nessa casa” Fui andando de quatro até a casa, seu Francisco vinha atrás de mim e às vezes ele me empurrava colocando o pé dele em cima da minha bunda e empurrando.

Chegando lá vi, a humilhação total, a raiva que tinham da minha família. Era necessário acabar com a minha honra.

Lá estavam todas as fotos da minha família ao redor de uma cama.

Meu pai, mãe, avós, irmãos, tios, bisas etc.

O que ele queria era me humilhar na frente deles.

Mas antes o seu Francisco disse: “ Ela precisa de um banho primeiro, vamos dar um banho”. Seu Severino mandou eu acompanhar até uma cachoeira que fica a 15 minutos de casa.

Não queria, entrar, naquela hora a cachoeira era muito gelada, não agüentaria.

Não teve jeito, me seguraram pelos braços e me puseram lá embaixo. Não consegui praticamente ouvir nada, apenas um pouco da risada dos dois.

Quando me tiraram eu estava gélida,

Perguntou seu Severino: “ quer dar para o velho ou mais um banho”

‘Quero dar, quero dar!!!!”

“Cadê o sorriso? Cadê o senhor? Falta de educação”

Então sorri, e disse “ Quero dar para o senhor”

Vamos vaquinha.

Então lá fui eu para a casa novamente.

Seu Severino mandou eu tirar toda a roupa dele, mas não sem antes pedir benção para cada uma da foto e dizendo seu nome e o que eu era.

“Benção mãe, sou uma puta, Benção pai, sou uma puta, Benção irmã, sou uma puta” e assim por diante.

Então comecei a fazer a minha tarefa. Seu Severino mandou eu pedir benção e agradecer o seu Francisco pela oportunidade de ser tratada como puta. Fui lá e fiz isso.

A vergonha era enorme, eles me conheceram quando eu era criança, e agora estavam descontando toda a frustração em mim.

Então seu Severino me Chamou e antes de me comer disse: “ chupa e faz tudo melhor do que fez com os moleques lá fora.”

Mandaram eu esfregar meus seios, bunda e buceta no quatro do meu pai.

Seu Severino sacou o pau para fora. Era enorme, não imaginava que fosse assim.

Então comecei a chupar, ia começar pela cabecinha, mas ele me emburro com força e senti o pau batendo bem lá no fundo.

Ele começou a comer minha boca como se fosse a minha buceta. Eu babava, pois não tinha oportunidade de engolir a saliva.

Quando finalmente ele tirou o pau, ele começou a bater o cacete no meu rosto.

E disse: “ Sua mãe adora esse cacete e você?”

Eu odiava eles falarem da minha mãe, não sabia o que era verdade ou provocação, mas tive que falar “ Estou adorando seu cacete”

“Fica de quatro vaca e pega a foto da sua irmã”

Eu peguei, fiquei de quatro, Seu Francisco forçou minha cabeça para baixa, assim eu fique de cara no chão com minha bunda bem empinada. Ele disse: “ Beija e lambe a foto enquanto ele te come.”

Que humilhante, beijando e lambendo a foto da minha irmã, enquanto um velho olhava e ria e o outro começou a me comer.

Seu Severino me segurou pela cintura, ele tinha uma mão grande e áspera, ele como se fosse uma lixa. Era muito diferente dos outros caras que eu tinha dado.

Eu sentia o pau dele batendo no meu útero nunca tinha sentindo uma selvageria e fome assim.

Ele batia na minha bunda, estava deixando ela toda vermelha e dolorida.

Depois de 10 minutos sendo socada por dentro ele tirou o pau, puxou meus cabelos e enviou o cacete na minha boca.

“ Engole tudo sua puta, faz como sua mãe”

Nunca vi sair tanta porra como a dele. Nunca engoli tanto em minha vida.

Estava esbudegada, cansada, mas não tinha acabado, eles me levaram para a cozinha e disseram: “ Prepara a janta”.

“Mas estou cansada”

“Para você não tinha hora de comer, se lembra”

Então fui na cozinha peladinha, arrombada cozinhar.

Preparei o que sabia,e levei para eles.

Seu Francisco mandou eu ficar de quatro e não me mexer, pois eu seria a mesa dele, ele disse que adorou me ver como mesa nas fotos.

Seu Severino estava em outra poltrona com o prato no colo. Às vezes ele esticava o dedão do pé e encostava no meu cuzinho.

Quando fui ver estava me matando para ser a mesa do seu Francisco, pois o Severino começou a enviar o dedão no meu cú.

Depois que eles comeram, mandaram eu preparar o banho deles, pois iriam sair.

Preparei, fiquei lavando seu Severino, seu Francisco disse que hoje eu ainda não veria o pau dele.

Eles estavam arrumados e pensei “ Vou poder dormir”, mas ouvi, você vai no bar com a gente.

“Mas”

“Nada de mais”

“Por favor”

“Eu quero ouvir, vou sim senhor, outra resposta e vou enviar as fotos agora”

Então. “ Sim senhor, irei com vocês no bar”

Eu ia entrar na caminhonete, mas fui empurada e ouvi.

“Você vai do lado de fora”

“Por quê?”

“Quando pedi dinheiro para comprar uma calça nova, seu pai disse para andar pelado, então isso se aplica para você”

Então fui na parte aberta do caminhão, amarrada, e coberta com uma lona.

“Segura com os dentes, pois não vou colocar em cima de você de volta.”

Nossa, como minha boca doía, eu tinha um medo absurdo daquele negócio escapar. Mesmo no meu outro conto quando andei de carro, eu não era exposta para qualquer um da rua.

Chegamos na parte de trás do bar. Então alguém puxou a lona.

Lá estava o seu Francisco e Severino e um terceiro homem.

O homem disse: “È ela?”

“Sim”

“Então vamos entrando, hoje o show será especial”

Descobri que o cara é o dono do bar.

Ele disse: “ Seu pai veio muito aqui, nunca imaginei que um dia a filha do “ Nome do meu “ seria minha garçonete.

Então era isso, eu seria a garçonete naquela noite, pensei, que bom, irei ganhar alguma roupa.

Então me foi entregue apenas uma máscara.

“Mas o que que é isso.”

“Você vai trabalhar apenas de máscara”

“Lembre-se, eles podem lhe tocar, pedir para você sentar no colo e até lhe dar beijos, mas você irá dar apenas com minha autorização”

“Senhor, não poderia...”

“Minhas regras, ou sem máscara, e tem muitos amigos do seu pai lá.”

Então lá estava eu entrando na sala com uma bandeja, com cerveja e copos, nuazinha e escutando os gritos e urros do pessoal do bar.

Estava usando uma mascara que de vaquinha, ela cobria apenas os meus olhos e parte da cabeça.

Como o dono do bar disso,: "Sempre sorrindo",

Então lá estava eu, sorrindo e sempre sentindo uma mão encostando em mim. Não sei quantos tapas levei na bunda, achei várias vezes que acabaria derrubando as bebidas da bandeja.

Tinha em torno de 20 pessoas no bar, todos homens da roça, com a pele bem morena por trabalhar no sol.

Quando estava entregando uma bandeja com salgados em uma mesa, um dos homens que estava lá disse.:" Você derrubou alguns salgados no meu colo, limpa vaquinha".

Fui usar um pano, mas ele segurou minha mão e disse: " Usa sua bunda".

Eu tinha entendido, então fiquei com a bunda voltada para o moço da mesa e comecei a rebolar e esfregar minha bundinha onde tinha caído os salgados.

Comecei a sentir o pau daquele homem ficar enorme. Teve uma hora que ele me segurou pela cintura e começou a esfregar o pau, mesmo estando dentro da calça em minha bundinha.

Apareceu o dono do bar e disse: " Ainda não é o momento, espere o sorteio".

Sorteio??? o que está para acontecer? Pensei.

Continuei trabalhando. Muitas vezes o pessoal derrubava os salgados no chão, pois o dono me deu apenas um paninho, o que me obrigava a abaixar e ficar de bunda levantada para eles.

Teve um deste momentos que um dos homens aproveitou para enviar o dedo na minha bucetinha.

Gritei: "Hummmmm!!!", que vergonha, tinha gostado daquele dedo na bucetinha.

Então chegou a hora do sorteio.

O dono do bar falou dos prêmios, e o melhor ele disse, era eu.

Um homem de aproximadamente 40 anos gritou, "Ganhei!!!"

"Muito bem meu senhor, faça o que quiser com ela".

"Vem putinha, chupa o meu pau enquanto estou bebendo"

Comecei a chupar o cara na frente de todos enquanto ele bebia, não achei estranho ele não ter vergonha, pois já havia bebido muito.

Teve uma hora que ele falou "Bebe o leite vaquinha".

Ele liberou um jato enorme de porra na minha boca, engoli sem deixar cair uma gota.

Alguns homens pediam para eu abrir a boca, pois duvidavam. diziam:" As mulheres daqui não fazem isso, olha coisa boa, aposto que é do sul".

Quando o bar estava fechando eu ficava na porta sorrindo e agradecendo a presença de todos.

Quando voltei o seu Francisco estava conversando com o dono do bar e ouvi.: " Francisco, os serviços da menina pagaram sua dívida"

Eu fui perguntar o que estava acontecendo e o dono do bar me explicou que o meu serviços foram para quitar a dívida do seu Francisco no bar. O salário que meu pai pagava não estava dando para ele quitar todas as dívidas, então eu fui usada como moeda de troca.

Me senti como uma prostituta.

O dono do bar me segurou pelo braço e disse. Vem comigo. Fui até o fundo do bar com ele onde havia uma cama bem velha e suja e ele disse: "Agora é minha vez."

Sabia que não tinha jeito. estava cansada, mas precisava fazer tudo o que mandar.

Fui tirando a roupa do dono do bar, com muito cuidado, pois não queria ter problemas.

Ele mandou eu tirar a mascara, pois queria ver o rosto da filha do maior crápula que passou naquelas bandas chupando o pau dele.

Tirei a mascara e comecei a massagear o pau. Não era grande muito grande, mas estava muito duro. Comecei a chupar a cabecinha, mordia, beijava, lambia. as vezes esfregava nos meus seios, depois comecei a chupar o seu saco peludo enquanto batia uma punheta para ele.

Teve uma hora que ele me pegou com força pelos cabelos e olhou meu rosto.

disse: " Você é linda como a sua mãe, você chupa como ele"

Fiquei irada por ele falar da minha mãe, mas quando fui retrucar, ele me deu um tapa e disse: " Falo o que quiser da sua maldita família, você não é mais puta que sua mãe, você é apenas uma vaquinha da cidade, agora empina a bunda que vou lhe comer, e tudo que eu mandar dizer, será o que você dirá".

Para não levar mais nenhum tapa fiz tudo o que mandou.

Empinei minha bundinha e senti aquele pau quente e dura entrar nela. Enquanto ele me comia devagarzinho, ele enfiava o dedo no meu cuzinho massageando.

Depois de dois minutos foi o meu cú que ele queria comer. Ele tinha um frasco de manteiga de garrafa e usou como lubrificante.

Achei que seria carinhoso como foi na minha bucetinha, mas me enganei.

Ele me comeu o cú com uma violência que nunca vi antes, só não sofri porque meu cú já é bem larguinho.

Enquanto ele me comia ele disse: " Sabia que seu pai conheceu sua mãe aqui?, aquele corno gostou da minha antiga funcionária, ela fazia o serviço que você fez hoje e muito mais"

"Diz para mim que tu é uma puta como sua mãe"

"Eu...Eu... sou uma puta...como minha... mãe"

Era muito humilhante ouvir isso, disse que era mentira. então ele disse: " E a pinta que ela tem perto da virilha, aquela que lembra meio coração?"

Calei a boca na hora....isso foi pior que a bofetada.

Minha família tinha uma história muito mais suja do que imaginava, mas nunca imaginei minha mãe no meio dela.

Depois de algum tempo o dono do bar começou a urrar e gozou no meu cuzinho.

Senti aquela porra quente me preenchendo, o dono do bar não tirou o pau na hora.

Ele caiu em cima das minhas costas e deixou o pau amolecer e sair sozinho.

Então ele disse: " Eu amava sua mãe, o desgraçado do seu pai me tirou ela"

Depois disso ele me mandou sair do bar.

Estava tão cansada e confusa que não me importei de sair pelada de lá.

Lá fora estava o seu Francisco me esperando.

Ele me levou desta vez dentro do carro, parecia mais amistoso.

Ele disse: "Sinto minha menina, as vezes os filhos tem que pagar pelos pecados dos pais"

Eu perguntei sobre a minha mãe, se era verdade e ele disse: No seu ultimo dia eu conto a história.

Voltamos para a chácara. Lá fui mandada para o curral, seria lá que eu iria dormir.

Não protestei, queria apenas descansar.

Desmaiei. Fiquei sonhando com picas, bares, dando no campinho dos muleques que me seguiram. Quando acordei com um balde de água fria do seu Sebastião.

"Por quê?"

"Porque você adorava fazer isso com os bichinhos"

Então levantei e acompanhei o seu Severino.

Ele me levou até a casa do seu Francisco.

Chegando lá vi aquela mesa farta, e pensei que eu iria comer, mas não ainda.

Tinha que fazer o ultimo serviço para o seu Francisco.

Seu Francisco ainda não tinha descarregado sua energia de homem em mim.

Então ele tirou sua roupa e mandou eu vir de quatro até ele. Ele estava sentando na mesa da cozinha.

Comecei a chupar o pau dele, com muita força, não sei direito o motivo, mas estava querendo sentir a porra dele, talvez seja a fome ou a confusão que passei, pois o que tinha passado no conto anterior não tinha sido tão forte.

Depois de chupar muito aquele cacete o seu Francisco falou: " Quer que eu lhe coma?" Eu disse: " Sim".

Acho que a forma carinhosa que ele estava me tratando estava me controlando. Fui tão maltratada, que a mudança da forma de ser tratada por ele estava afetando meu psicológico.

Sentei no colo dele e comecei a calvagar bem gostoso. Ele chupava os meus peitos com muito carrinho, e depois com uma gula formidável. Quando fui ver, estava beijando a boca daquele homem. Ele tinha me mostrado algo que havia no meu "Eu" que não sabia, algo que estava realmente mudando minha forma de pensar e sentir o sexo. Não seria mais normal a partir de hoje.

Eu precisava ser de todos.

Depois de um tempo o seu Francisco gozou. Ele tinha tirado o pau e gozado na minha bundinha.

Comi o café da manhã junto deles e depois tomei um banho de chuveiro.

Nos outros dias eu estava diferente. Adorava dizer bom dia e me oferecer para ajudar nas tarefas.

Como tinha perdido meu orgulho, estava me tornando uma pessoa melhor.

Aprendi a amar a situação, amar ver as pessoas felizes.

Fiz amor com aqueles homens durante minha estadia toda.

Descobri que adorava me exibir, por isso muitas vezes eu passava perto daquele campinho montada a cavalo para os meninos me verem.

Cheguei até a bater um papo com eles (isso é história para outro conto).

Sei que voltei uma pessoa melhor, aumentei meu número de amigos, pois como sempre andava de nariz empinado não via as pessoas maravilhosas ao meu lado.

Estava pensando em terminar com meu namorado, pois reparei que para o sexo, eu preciso no mínimo de mais alguém me olhando e tocando.

Preciso de locais perigosos, pessoas desconhecidas.

Então hoje eu sou assim, uma mulher que não em mais neuras em busca do prazer.

Bjs meus lindos.

Caso queiram conversar comigo, deixem seus e-mails

Claudia

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
16/08/2018 22:24:51
Obrigada pelo comentário. Adoro esse tipo de desejo. bjs
15/08/2018 14:47:59
Adorei mais este conto...morro de desejo de foder uma japonesa e vc seria perfeita...bjs
09/06/2017 00:28:07
Você é um putinha de primeira Cláudia. Eu e minha namorada estamos loucos para te estuprar. Me chama no email
15/04/2017 08:10:10
Vc escreve muito bem além de ser uma cadela de primeira. Parabéns!
16/02/2016 10:54:59
05/12/2015 15:52:26
Conto Nota 10
05/12/2015 00:43:35
Olá, Cláudia! Parabéns pelos seus contos! Muito talentosa e criativa. Sou escritor e quem sabe não fazemos uma parceria literária, publicando um livro? Meu nome é David e meu email é
11/10/2015 19:39:13
Vc ñ disse se aquilo da sua mãe era verdade
18/06/2015 09:52:06
Adorei seu conto
02/10/2014 08:02:19
Muito bom seu conto.. gostei mesmo.. quero conhecer e conversar com vc.. tenho 17 anos.. whats
09/08/2014 00:21:11
Isso é verídico?
16/07/2014 21:49:29
Adoro demais seus contos...a submissão, a "transformação", o fetiche...tudo isso com um enredo excelente, uma história bem narrada...detalhes na medida...não se torna cansativa, ao contrário, vai em um crescendo até atingir o ápice. Se quiser corresponder...seria muito estimulante conversar com a pessoa de tanta inspiração erótica.
12/07/2014 16:53:19
Adorei seu conto meu contato é
12/07/2014 16:51:58
.
03/05/2014 01:03:07
Claudinha!!! Que delícia de conto!!! Adoraria poder estar em contato com você!!! AMEI SEUS CONTOS!!! 10!!!
25/04/2014 00:25:47
Adorei o conto!Sou também japonês e gostaria de conversar com você.
18/04/2014 19:15:14
seus contos são perfeitos demais, é impossível não sentir um enorme tesão lendo-os..
17/04/2014 17:11:43
Espero que você faça mais contos, os dois são ótimos
14/04/2014 22:20:02
Oi rbsm. Obrigada pelo comentário. Foi falta de atenção minha sempre confundo o nome das praias, mas já corrigi. Vc não é o primeiro a querer saber a história da minha mãe. Pretendo futuramente escrever um relato e postar na página. Será um relato pequeno, pois a informação vem de terceiros. bjs
14/04/2014 16:18:27
Oi adorei o conto só tem dois probleminhas Ubatuba onde entra nesse teu novo conto o anterior era em Peruíbe, e a historia da tua mãe? meu contato




Online porn video at mobile phone


xvideo.com esfregando o pau na buceta lizinha e com um gemidinho sexo massagem na buceta com carinhomeu amigo me punehtouconto de sexo porno com meu cachorro pastor alrmao fui por racaonovinho cabaco de 15 menino sendo pego pelo tiozaotirei.o.cabaco.da.minha.irma.dormindodeu o cuzinho pela primeira vez e pede poe devagar porque ta doendocoxas descoloridas fazendo sexovideo porno irmã bricano com seu imão e apiroca escurrega etramenina ponha na bucetinha dedinho cheio de pregashistoria porno gay paguei um boquete pro anivesariantevídeo pono tento fugi do negao mais se treme toda de tanto gozáminha esposa aninha novinha e meu tio roludo setima parte contos eoticos contos eroticos dei o cu pro aluno cadeirantmae gostosona chora na pica grossa cabecuda do filhoxx videos menina pedro agilidade notado abertaContos eróticos de viados que apanharam para aguentarem as jebasvideo. pono mulheres guichado porra de tezaopeituda ri ao ver pinto mole do cara mais aproveita quando ta duraoporno caseiro no vestiario da loja de.roupas da loja uma estranha olha muito pra o.meu.pauconto erotico comendo o cu de minha mulher com neutroxcontos casada seduzida pelo caseiro picudocontos erodicos de primos sendo extrupado pelo lekQuero ler contos escravos roludos macho alfa familia realhomem nu da cu padres e semináristasconto sou crente casada carente provocando os pedreirocontoprimeirafodacontos eróticos de homens que gostam que suas esposas transem com outroscontos eroticos de santinhasmulher casada d vicosa mg d calca apertada na bucetajege tarado arromba tua dona apaixonado vidio pornovideo belmiro o caseiro caralhudoflagrei meu irmao comendo nossa mãecontos eroticos cheguei casa escorrendo porra cornossafadezas com meu cunhadinhoContofeminino de dara xana pra caesmulher revivesse monstro xvideocorno ve a mulher metendo comtrinta machosaudades faze sexo com a minhia esposaContos perdendo o cabaço com negao tripéconto erotico crente casada carente fica deslumbrada com tamanho rola de outrominha cunhada punheteira contos reaiscumadre magra de bermudinha sexoconto comi a tia coroa peidorreiraeu já perguntei onde tu tava ontem Live sexo vídeo pornô deixa que eu adoro vai bater igual a Shakiratexto lindo pro namorado que patessa que foi eu que fizconto erótico de mega pauzudo tirando a virgindade da crentizinha novinhagemeas identicas dando a bucetinha pra um taradinhoboa foda mastubando com coisasdiferentepadrasto enganou novinha rachando no meio das pernas dele por empurrou a p***** todinha e gozou dentroMassagem acaba em fio terra ea mulher flagacontos eróticos a irmã de minha espoza bunduda e coxudafotos cazeira bucetas escapando pelo vestidocontos de sexo depilando a sograPornor sobrinho passando ferias na fazenda da tia viuvavideo porno denovinha enfrento pau grandeevangelica ainda nao tinha dado o cucontos meu tio pauzaoporno secretaria aser estupprada no escritorio e gozada dentro da vagina sem ela querersexo entre.lutadores perdeu auta da ocuzinho pro vencedor ver pornoMulher andando de fildental arredor do homem ai depois o homem aranca no dente e gosa na buceta delax videos curraincestovideo baixou a blusa e mamou nos seiosmulheres de corno manso sem o biquininhocontos eróticos comendoler varios contos de lesbicas e eterosmoças todas cagadas e meladasconto tudo começou quando minha sobrinha de dez anos sentou no meu colomulher evangélica sendo comida a força por 2negros super bem dotadovideo porno novinhas sendo lanbusada pelos velinhos que o pau nao sobe maiscontos eroticos minha mae com aminesia