Casa dos Contos Eróticos

Click to this video!

Sem Saída (por Peristilo)

Autor: peristilo
Categoria: Heterossexual
Data: 30/06/2014 01:55:21
Última revisão: 30/06/2014 02:06:59
Nota 10.00
Ler comentários (7) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Só quando entrei no elevador e me virei foi que me dei conta de que era Maria a pessoa detrás de mim.

- Professor! ela gritou de alegria ao me ver.

Apenas esperei o pulo sobre meu pescoço e o abraço. Ela era uma jovem extremamente alegre e agitada, cheia de exageros teatrais. Fui laçado por seus braços com a força de quem sentiu uma enorme saudade. Apesar de não ser muito brilhante em sala de aula, coitada, era uma simpatia de moça! E tão gostosinha de se ficar olhando! Mais ainda nos vestidinhos curtos que frequentemente usava. Cheguei até a lhe presentear com notas que não merecia. Talvez por isso mesmo, por minha generosidade, é que me dava um abração toda vez que me encontrava por acaso em algum lugar. Jogava os peitões em cima de mim e me amarrotava todo. Me apertava tanto que me tirava o fôlego. E eu já nem tinha mais idade para aqueles abraços violentos que quase me desmontavam inteiro.

A Maria demonstrava uma verdadeira adoração por mim. Acontece que eu nunca lhe dera muitos motivos para tanta amizade. Era um encanto de moça, mas eu apreciava mais o respeito e a reputação de que gozava na faculdade como professor respeitável. Intimidades com alunas deslumbradas estava fora de questão, principalmente com alunas carinhosas e atraentes como aquela Maria. Eu a considerava um verdadeiro perigo.

A porta do elevador fechou. Ninguém mais havia entrado. Começamos a subir. Meu destino era a biblioteca no último andar do bloco. Pesquisava para um trabalho importante que deveria terminar antes das férias.

- Maria! Calma! eu lhe pedi, sorrindo sem jeito, soltando minha pasta no chão e tentando fazer com que largasse meu pescoço.

Ela me soltou e afastou-se um pouco para me olhar com um sorrisão bonito no rosto muito jovem. Que morena interessante! Mas um fruto proibido para um velho professor na minha situação.

- Ah! Professorzinho! O senhor voltou! falou entusiasmada, e me abraçou de novo, dessa vez apenas passando um braço em torno da minha cintura.

- Não, não se anime. Não estou de volta ainda.

- Ah! quando o senhor retorna? O que faz por aqui?

Eu ia lhe responder, falar da minha pesquisa, quando aconteceu o inesperado. As luzes piscaram e se apagaram. Ao mesmo tempo, o elevador deu um tranco e parou.

- Que foi isso? ouvi a voz da garota perguntar no escuro, assustada.

- Queda de energia...

- Mais outro apagão daqueles?

- Deus queira que não!

- Aposto que sim... estamos presos?

Estávamos. E não havia muito o que fazer. Era mantermos a calma até a energia ser reestabelecida.

Com o susto, Maria procurara minha mão e agora a apertava nervosamente.

- Fique calma, eu disse, mas eu mesmo me sentia apreensivo.

Quanto tempo poderíamos ficar encaixotados ali? Encontrar-se preso num elevador é uma experiência bastante desagradável. Sabe-se que mais cedo ou mais tarde a porta vai se abrir, mas mesmo assim a sensação é a de quem foi esquecido pelo resto do mundo. É quase como ser enterrado vivo. Só quem passou por tal terror sabe, e no escuro então... é horrível!

Alguns minutos depois ainda estávamos na mesma dificuldade, presos, sufocados pela escuridão, e já fazendo especulações pessimistas.

- Professor?

- Sim...

- É arriscado demorar horas... estou com medo!

Maria Naturalmente acabou me abraçando. Acolhi-a. E assim permanecemos, aguardando algum tipo de socorro ou a simples recuperação da força elétrica.

Aquelas circunstâncias ruins foram tomando um sentido mais agradável na minha mente perversa. Preso num elevador com uma mocinha vulnerável, assustada, e tudo isso num escuro de não se ver nada. E como ela cheirava bem! Assim tão próxima, seu calor irradiando pro meu corpo, o contato com a maciez dos seios... tive uma ereção.

- É apagão mesmo... está demorando, ela resmungou, ainda toda enroscada em mim, como uma gatinha assustada.

O perfume dos seus cabelos misturado a algum odor de suor subia quente e atiçava minhas narinas. Quanto mais eu sentia o cheiro de fêmea jovem, mais eu queria cheirá-la.

Ela se aninhou ainda mais no meu peito e choramingou algumas lamentações. A pretexto de consolá-la, beijei-lhe os cabelos, bem no centro de sua cabeça. Fiz isso uma, duas, três, várias vezes, já quase perdendo o auto-controle.

Quando me dei conta, era eu que passava os braços em volta de sua cintura. Puxava-a contra mim, fazendo o pé de sua barriga roçar no zíper da minha calça.

Quanto tempo já presos ali?

Uns dez minutos? Poderia ser uma espera de horas. Mas ao menos tinha o prazer de ficar apertando o corpo da menina sem precisar temer um escândalo.

Meu pênis endurecera em demasia. Começou a latejar. Uma tortura não poder lhe dar o alívio desejado!

Pensei no vestidinho que Maria estava usando, o qual eu não podia ver no momento, mas antes notara que era de malha preta, curtinho... Como era boa de bunda a minha ex-aluninha!

- Está demorando demais! ela voltou a reclamar.

- Paciência e calma, minha filha! Não podemos fazer muito. Só esperar.

- Eu consigo gritar bem alto... alguém pode vir ajudar.

Ela disse isso bem no instante em que eu descia a mão por suas costas e intencionava apalpar seu traseiro.

- Não grite! Não poderão fazer nada sem a energia.

- O senhor tem razão, ela concordou, encostando a cabeça no meu peito outra vez, dengosa.

Não resisti! Apertei-lhe uma das nádegas.

- Hum!!! professor?! ela gemeu assustada, mas era tarde demais.

Que gostosura de bunda! Foi só levantar um pouco o tecido do vestidinho sem-vergonha e ter acesso à fartura de carnes. Apalpei-a com fúria, quase rasgando a tirinha de tecido enfiada entre as nádegas. Fui empurrado por suas mãos, de leve. Ouvi um grunidinho que dizia “não, não”.

Procurei beijá-la. Ela sacudiu a cabeça de um lado pro outro.

- É só um beijo, minha filha! Deixa, deixa...

Encontrei uma frágil resistência de mãos contra meu peito. Talvez ela não gostasse de beijar coroas, tão novinha ainda! Mas apertei-a com força, dominando-a. Ela amoleceu quando acertei o alvo. Chupei seus lábios. Que saborosa boca! Arranquei-lhe uns beijos desajeitados e ela enfim cedeu. Me oferecia a língua, entregando-se toda, finalmente. Depois precisei ser rude apenas para vencer suas mãos e puxar a calcinha para baixo. Ela me pediu calma. Mas eu tinha uma urgência de tesão descontrolado. Suspendi o vestido, que ficou enrolado na cintura. Desabotoei-me e desci o zíper.

- Me dá umas chupadas antes! eu lhe pedi.

Ela não entendeu ou se fez de desentendida. Obriguei-a a se agachar forçando sua cabeça para baixo.

Então guiei sua cabeça com as duas mãos. Esfreguei o membro teso em seu rosto. Nem um pio ela deu! Tomou a iniciativa e eu só ouvi os estalinhos da língua, lambendo. Depois engoliu meu pau de boa vontade. Embora mal soubesse chupar, mordendo demais e me babando todo, possuía uma delícia de boca que não me fez gozar por pouco.

Após umas poucas mamadas, ordenei que parasse e ficasse de pé.

- Vou te chupar! avisei, e me ajoelhei apressado a sua frente.

Completamente cego do escuro, precisava tatear seu corpo para me guiar melhor. Segurei-a pelas polpas da bunda. Encaixei o queixo entre suas coxas e abocanhei uma buceta gorda e peluda, com pelos ásperos e cheirosos, cheiro morno de virilhas de menina. Como lambi aquela bucetinha, fazendo força com a língua para abrir sua fenda e lamber mais fundo. Ela dava gemidinhos de tesão, e suas mãos puxavam meu cabelo com força.

- Ui! ui! Não! não! pára, professor! ui!

Uma buceta saborosa como eu nunca havia provado!

- Vira esse cu! eu pedi, fazendo-a girar e ficar com a bunda colada na minha cara.

O cuzinho estava meio fedido mas não me importei. Lambi toda aquela deliciosa rodela de pregas.

Depois de muito lamber seu cu e quase morrer de tesão com os gritinhos que ela soltava, fiquei de pé novamente, por trás dela ainda. Tateei entre suas coxas e encontrei a vulva. Conduzi o pênis para o local e, sem mais delongas, penetrei-a. Escorreguei até a fundo, ouvindo os gemidinhos:

- Hã! hã!

De tão molhada, achei que estivesse mijando em mim. Mas não era mijo, era só desejo vazando da vulva.

Ela se apoiou com as mãos na parede do elevador e se manteve firme contra os empurrões da minha virilha no seu traseiro. Não me contentei em não poder mergulhar mais e mais, senti-la inteira por dentro, devassar seu útero. No meio da violenta foda, ela começou a beliscar minha glande lá no fundo. Gemeu mais alto. Teve umas tremidinhas nas ancas. Senti que me apertava com a buceta mais do que o normal, como se quisesse me prender lá dentro. Retardei meu próprio orgasmo para permitir que ela gozasse o quanto pudesse.

Contudo não resisti por muito tempo. Meu membro oscilou sem controle, latejando forte. Urrei alto e cai sobre suas costas enquanto a segurava firme pelos peitos. Com a força jovem que possuía, sustentou meu peso até eu terminar. Cada jato que explodia no fundo da vagina era um tranco forte que eu dava nas suas costas. Depois quase desfaleci.

Quanto tempo se passara?

- Muito tempo, hein! Acha que alguém vem ajudar?

- Num sei, Professor, ouvi sua voz me responder um pouco tristinha, ou seria envergonhada?

Estávamos sentados no chão do elevador agora, recostados numa parede, exaustos.

Finalmente as luzes se acenderam. Pousemo-nos de pé rapidamente. Maria me sorriu desconcertada e ajeitou o vestidinho e a calcinha entre as nádegas. Vi o quanto nossas roupas estavam suadas e Maria descabelada, o rosto em brasa, vermelho de calor e talvez do vexame daquele momento. Mas não demorou para ela voltar a sorrir naturalmente.

Consertou apressada os cabelos com as mãos. Quando o elevador voltava a subir, ela ainda teve o cuidado de umedecer um dedo com saliva e passar em torno da minha boca, limpando o borrado do seu batom. Imaginem o escândalo se alguém desconfiasse do que tínhamos acabado de fazer naquele elevador!

A porta não demorou a abrir. Saímos aliviados.

Quando minhas férias chegaram ao fim e eu retornei à faculdade, lá estava Maria! E ao me ver de longe, correu sorrindo em minha direção. Ai! Meu Deus...lá íamos nós de novo!

Fim

nota: Escrevi este conto como um desafio proposto por uma amiga. Deixo aqui meus agradecimentos a ela pelo estímulo que tem me dado. Obrigado, querida!

Comentários

28/06/2015 19:29:56
Desconfio que alguém aqui tem uma tara por professor(a)/aluno(a), hehe... Mais uma vez parabéns pelo texto bem escrito, bem conduzido. Estou gostando cada vez mais de tuas narrativas sedutoras e excitantes.
19/05/2015 18:41:55
Peristilo Otimo conto....nota dez!!!! voltei a publicar, gostaria de saber sua opinião!!! abs. Maximus
01/10/2014 23:01:29
Uma delicinha de conto, vc escreve ótimos contos, cada um que leio gosto mais que o outro. Parabéns e espero que logo nos presenteie com mais uma história deliciosa como essas que vc escreve.
24/07/2014 14:04:18
Professor safadinho esse. Com certeza, quando se viu sozinho com a Maria no elevador, apertou o botão ¨desliga¨. Rss. Excelente conto, bem dentro da atmosfera marca Peristilo. Só fiquei curiosa em saber quem foi a amiga que propôs esse desafio. Será alguém aqui do site? Bjs.
10/07/2014 08:10:19
Muito bom, bem no estilo peristilístico. Criado bem a atmosfera, fazendo com que este ¨japanisis brasiliensis taradus¨, phd em sacanagemlogia fosse o professor preso no elevador com a gostosa da Maria. Parabéns!
30/06/2014 22:12:04
Que conto gostoso!!!...tesudo demais minha nossa!!!... tão bem contado... tão intensa a sensação que tive em viajar na sua história que molhei a calcinha!!!...uma delicia!! *---*
30/06/2014 16:14:20
Como sempre um conto maravilhoso, e mais uma vez agradeço por tê-lo escrito.

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.




Online porn video at mobile phone


arrombando.o cu da deisy a forçanegão caralhudo fudendo loira cinquentona de todo jeitogarotinhas bem novinhas descubrino otezaocontos eroticos o costureiromeninas tirando a Virgindade aeh doiincesto padrasto bolinando enteada de sete anos no banheirotexto amor quando você for me fuder,eu quero que você me trate como uma puta, como aquelas atrises de pornovideo de porno .que nuher mão quanta que.cagacasadas sirrricascontos eróticos as amiguinhasPorno.doidsexopornoantigonovinha.comfotos ato da novela a gata pauzudo picudoscontos lactofiliaxvidio casada chupano o amigo do filho escondidofamilia suruba tufoscontos eroticos alvinho e o padremulher falando juramento de gemido vídeos pornôsarra novinha da b***** bem bonitinha pornôbaxinha cochuda casada vingando xvideoscaete na porca pornover vidio padrasto da pica muito loga comendo a itiada virger vai terque da pontovideo. pono mulheres guichado porra de tezaocontos de sexo com senhores Safadãocomedo novınha a forcaBaixar Videos Porno Mulheres Bem Gostosas da Bunda Grande Querondo rola e Loca de Tesao Baixarjorjao roludo porno video flaguei meu irmao comendo minha mae e entrei na festaContos erodicos homem velho mamando e mordendo e puxando o peitocache:PjjgrxSVmoYJ:zdorovsreda.ru/texto/2013011214 vou te arregaçar vagabunda, grita vadia, tô te arrombando cadelabdsm humilhaçao extrema contofoto pai fudendo com filha filho fudendo com mae e irma todas meladinhas com bastante punhetada e gozada na caraincesto tirando virgindade de garota de oito anos no semáforobuceta gozano nepicaCacetes gossosesposa fica brava amate gosa dentro xvidioflagrei esposa socando vibrador no cu do vizinho novinho contospegei miha esposa transando com nosso cachorrocontos eroticos com padrasto estupro gosteiCasa dos contos eroticos paguei pra deflorara filha do caseiro So grafida sendo encochada no trem xvideo comConto erotico: o playboy e o malandroorgia com minha irma contonovinha panhando o cachorrinho pra lammber sua bucetinhaConto dando sonifero enteadaFutebol dos Heteros ? OU Nao ? cap 28macho cheira pica homem ensebadanovınha transando com ırmaobelo sexo dormindo de conchinha com a titiaconto gemo muito ai ai dando cu para outro na frente do meu corno ele fica com tesaõcomo fazer alguem te pedir dxclpa a distanciacontos eróticos o dedinho da urologistaeu sempre brincava com as coleguinhas de mimha irmã, e prdia para eles baterem punheta para mimfotos da bucetas da sadinamulher querendo fazer zoofilia no Rio de Janeiroconto cracudo noiado gay contoirmalouca pra perdero cabaco pro irmarporno penis grotesco baixar video curtoPaguei para deflorar a filha do caseiro conto eroticopaola olivera de xote curto pornohtts:you.comtube ponodoidobonitinha de 18anos quadril grande e largo bunda durinha comeu.xxxbuceta de pombagiracontos eroticos a amiga da minha irma rabudaEu Queria arranjar uma queria que passasse um filme para mim né e mulher pelada para mim entendeufilme potnou vide matevideosxxx minha esposa comportada servindo es amigostia perucas carinha de anjo nua peladacontos eroticos feminino ajudei o porteiro negro a fuder eu e minha irma juntonora safadas descobri que sogro tem a pica enormeContos erotico gozando dentro tendo aidsnó parquinho perdi o cabacinho contosler contos erodicos fui abuzada antes da sirugiaConto erótico bricadeiras eradas com o paiTa tarada roludo vendo novinhas com cálcinhas melecada contos eroticos de damon salvatoresexo forsado com shortinho jeansloirinha perguntava se fodia gostoso xvideosvi minlha irma crenye no banlhero porrno safadochupei lambi os pés da minha prima mais nova dormindosó no cu HD pau grosso e leitemenino de treze anos gostoso bundinha e cuzinho jeitoso contos eroticosfotos. de pirocasde cavaloSo fotos de picas de 20 centímetros enfiado na bucetaquero dois paus me fodendo corninhofiume porno brasilerogostósinhas pornocomo e bom ter um comedor sólido e um marido viadonovinha dando.uma segirada na piroca do primo no quartode sirgir blog comda sikis indircontos eroticos feminizaçao do garotinho maenovinha que derao boceta e firmarãoa infidelidade da irmã resolve dar a buceta ao irmão mais novorevista private relatosela tamava banho quando foi surpreendia pelo roludo que tirou sua virgindadecontos eróticos sou gostosa e acabei seduzindo meu irmao gostoso e acabamos no sexorelato meu prazer analatrevida gozando com o cunhado