Casa dos Contos Eróticos

Click to this video!

Sacanagem em família VI

Autor: Pedro
Categoria: Homossexual
Data: 26/06/2016 09:51:16
Nota 9.94
Ler comentários (12) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Depois desse dia, as coisas pareceram desandar um pouco entre mim e Carlos.

Na segunda-feira acabei acordando bem cedo. Pude ouvir minha mãe se arrumando para sair do trabalho, tomando o café até o barulho do carro saindo da garagem. Carlos, por outro lado, não demonstrou sinal de estar em casa – embora eu soubesse, quase com certeza, que ele estava.

Saí do quarto quando ouvi o som do chuveiro abrindo. Passei pela porta, esperando ela estivesse aberta mas, para minha surpresa, não estava. O quarto do casal, por outro lado, estava com a porta entreaberta, as cortinas fechadas e o notebook ligado. Entrei sem nem pensar duas vezes e corri para a tele do note. Haviam três abas abertas. Uma no PornHub,um vídeo de um garoto que ia até a casa do amigo e era recebido pelo pai dele, só de toalha. Eles vão para a a cozinha, o pai lhe oferece leite e biscoitos, sai e volta com uma bermuda dessas de futsal de barraca armada. Ele senta na ilha da cozinha, sem bermuda, e o menino começa a chupar a pica dele.

As duas outras abas, por outro lado, eram de um bate papo da cidade vizinha, um pouco maior que a nossa. O apelido de Carlos era “H 40 ROLUDO X VIADO” e, obviamente, muitas conversas tinha sido abertas, a maioria de nicks como “garoto que pai”, “passivo submisso”, “17 a hxh”, enfim. Uma em especial, “garoto quer macho”, parecia ter rendido mais que as outras. Rodando pela conversa, tinham marcado de se encontrar dali 1h.

Fiquei bastante confuso. Não sabia o que pensar, nem o que dizer, muito menos se tinha algo para ser dito. Por um lado, ele era marido da minha mãe. Por outro, isso não tinha impedido de que eu transasse com ele. Eu, por outro lado, fizera questão de provocá-lo. Será mesmo que eu fora tão ingênuo acreditando que iria conseguir manipular e dominar um homem daqueles? Chateado era pouco. Saí do quarto e fui para o meu, entrei, tranquei a porta e deitei na cama, esperando.

Nada. O chuveiro se fechou, Carlos andou para lá, para cá, até ouvir a porta da sala trancando, o carro ligando e meu padrasto saindo para comer outro cara. Bom, que seja. Corri para o computador e busquei o site da empresa de ônibus. Arrumei minhas coisas, uma sunga, uma cueca, uma bermuda, uma camiseta, chinelos e me vesti. Saí de casa e liguei para o táxi. Em menos de vinte minutos eu estava no terminal rodoviário embarcando na linha que ia até a área mais rural da cidade. Se meu padrasto podia me ignorar e sair para foder um viado qualquer, pois bem. Mesmo que eu não pudesse entrar no bate papo e arranjar alguém, assim, podia contar com algumas cartas na manga – ou melhor, algumas rolas na cueca. Julio era uma delas.

O ônibus parava à beira da rodovia. Julio e a família dele moravam uns três km para baixo, seguindo por uma estrada bastante irregular em meio a uma plantação de eucalipto. Só não corri para não fazer papel de idiota caso cruzasse com alguém pelo caminho. Não cruzei com ninguém. O máximo que ouvi foi um barulho de carro mas não soube identificar por onde passou.

O sítio não era extraordinário mas era bom. A casa de alvenaria cercada por uma varanda, uns galpões de maquinário e um curral com alguns porcos e uns dois, três cavalos. Não havia piscina mas uma represa um pouco para baixo da casa. Em volta de tudo, algumas árvores nativas e um pomar bastante extenso de laranjas. Bati à porta mas parecia não ter ninguém em casa. Merda. Só essa que me faltava. Deixei minha mochila perto da porta e resolvi andar pelo sítio ver se encontrava alguém.

Dei a volta na casa, fui perto da represa e então até o pomar. Andei a esmo, meio perdido, prestando atenção ao som de alguém. Ouvi um barulho de água caindo e olhei para o lado. Quase infartei.

O marido da minha tia, João Paulo, parado de perfil mirando seu mijo em um pé de laranja. Ele sorria – poucas vezes eu o vira sorrindo – enquanto olhava para mim e o pau endurecia na sua mão fechada.

- Opa, Pedro. Parece que a gente só se encontra nessas situações hein – e riu.

Ele sacudiu a rola antes de guardar na calça jeans apertada. Além dela, vestia uma camiseta branca e uma bota. A rola duraça ficou saltada em um volume gigantesco perna abaixo. João Paulo se aproximou e – a cada hora mais surpreso – me deu um abraço, roçando o corpo no meu. Eu já estava com a rola estourando dentro da cueca e pude sentir que ele percebeu.

- E aí, o que veio fazer aqui?

Optei pela verdade. Tinha pouco a perder.

- Vim atrás do Julio, ele tá por aí?

- Po, não tá Pedro. Acabou de sair com uns amigos para a cidade.

Merda.

Ah, que pena… hum, então vou indo…

- Ah, capaz – ele disse, enrolando o braço no meu pescoço e me conduzindo de volta à casa – todo esse trabalho, fica aí um pouco, almoça, depois você vai.

Eu estava sacando a dele. Enquanto falava isso não parava de coçar a rola na calça.

- Ah, não, não quero dar trabalho pra tia – soltei.

O sorriso dele pareceu se alongar.

- Capaz, ela nem volta hoje, tá cuidando da sua avó.

Puts. Não podia ser verdade, era muita sorte a minha…

- E você, não trabalha hoje não?

- Ah, não, tô de licença. Hein, você me ajuda a da um banho num potro que acabou de chegar pra mim? Só que vai ter de trocar essa roupa aí, haha.

- Ajudo, claro. Mas não trouxe roupa – ele veria depois que, sim, eu havia trazido. Mas só depois…

- Poxa, pena hein – ele disse, chegando na baia, sem desmontar o sorriso – a não ser que fique só de cueca.

Ele disse e me deu as costas, entrando na baia e começando a prender o cavalo para poder levá-lo para fora. Quando terminou e chegou na frente do galpão, eu estava encostado de cueca na parede, o balde, a escova e a mangueira – principalmente ela – à postos.

- Puta que pariu – ele exclamou baixo e o pau dele deu uma bombada na calça. Bom, acho que não é justo você assim e eu todo vestido. Tirou as botas, as meias e a calça jeans. Estava pelado por baixo dela, a rola saltando para fora, dura, 20cm, cabeçuda, grossa, veiuda. Cheguei a salivar.

Começamos a dar banho no cavalo. Não demorou muito e João Paulo começou a chegar mais perto de mim, encostar a rola na minha perna, me encoxar. Não aguentei mais. Abaixei sobre o pretexto de pegar o balde e ele chegou bem perto, a rola a centímetros do meu rosto. Abocanhei aquele caralho.

- Ui, vai Pedrinho, chupa a rola do tio Paulo.

CONTINUA

P.S. A relação com o padrasto não acabou ainda. Só estou introduzindo novos personagens... MUITA coisa ainda está por vir. Revelações. Reviravoltas. Quem sabe um pouco de romance? A putaria, porém, tende a só aumentar.

P.S.2. Aos que não concordaram com o sexo grupal, bom, esse cap., acredito, só fez a diminuir o padrasto no conceito de alguns de vocês rs. Mas aguardem.

Comentários

27/06/2016 19:30:32
Muito bom, virei fã. Só fiquei um pouco perdido porque li tudo e não sei qual a versão final kkk
27/06/2016 13:36:44
tá muito bom cara tipo dms e espero q tenha mais putaria sim pf kkk
27/06/2016 10:41:29
muito bom cont
26/06/2016 22:33:02
Li todos os contos e não vi a parte que Pedro deu pro padrasto pela primeira vez, nem o padrasto dando pra ele. Acho que tem alguma parte faltando.
26/06/2016 18:54:07
Não me encanei com a suruba de machos, foi bastante excitante. Conmcordo com o Pedro que o Carlos poderia tê-lo prevenido no caminho. Quanto ao ciúme de tesão porque o Carlos foi comer o viado na outra cidade, o Pedro se deu bem com o tio. Aguardo a continuação.Um abraço carinhoso, Plutão
26/06/2016 18:09:52
nao demora a postar n o conto ta muito bom^^
26/06/2016 15:28:23
Mto bom msm!! Aguardo ansioso pela continuação!!
26/06/2016 13:23:46
Excelente! Estou encantado com seu texto. Continua logo !
26/06/2016 13:02:10
Padrasto cretino. Mas eu amei essa versão! Tio gostoso.
26/06/2016 12:44:52
DELÍCIA.
26/06/2016 11:00:29
Muito bom
26/06/2016 10:49:55
No demora por favor hahahah

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.




Online porn video at mobile phone


contos eróticos com marido bêbado e desconcentração bem dotadovideo porno papai leu a filha que estava de férias pro sitio e fudeo novinhavideo de sexo de mulher fazendo sexo afussa com outra mulhercontos de marido bem dotado querendo ver a mulher com duas picas no cu e bucetannncontosclarinhasafadinhaflagrei mamae com irmaoquero baixar pornô novinha sentada no sofá completando campainhavidio mulher casada com roupa fodendo enfrente o marido ate escorrer porrsentrou gosada chanabuceta tao grande ce edtufo a calcinha coroafilha minha femea contoXXVIDIO.COMEU.ASUACUNHADAcontos real de incesto demaes fudendo com filho menor de dezesseis anosXVídeos real amador verdadeiro marido chega em casa mais cedo ovo gemido da esposa e grava escondidocontos gay Mandou eu esperar vestido de putinhaflaguei meu irmao comendo minha mae e entrei na festavídeo pornô homem t***** possuído chupa b***** da mulher e filhos dele até virar uma chupetaver video de mulheres sentando e amaçando latinha x videopadrasto enteada falei de sexo brasileirocontos erotico de zoofilia mulher estrupada por boisb***** com mais de um palmo de largura no XVídeoscontos eróticos chantagiei minha comadre e gozei na boca delachifruda voyeur cuckqueanpegei minha tia no banho buseta carnudacontos de scatvidios de contos errotics pai arregaça a boceta da filhadescabaça. abuceta com udedo. ou naoconto de casada putaCármen e a patroa contos eróticosbucetamelecaContos eroticos dormindo,visitando sogro doente sexo quenteenfioo seu pirocao no cu do viado no chuveiromeu filho adora analcontos eróticos de loirinha dp interracialporno engoliu a porra e catinou mamanoabaixar porno gratis amor no cu nao amor vai doer eu vou botar so a metadecontos de incesto mãe ensinando filha a da bucetinha na infânciaVelho grisalho que gosta de comer um cuzinho em campos dos goitacazes xv.ogenrro.cl.endo.asograContos com fotos velhos fudedores chupadoresxvideos gay cu rasgadaibaiano chupando clitori e falando besteirasvidioporno ae menias que xoro no pouesposa levantando o vestido para o pedreiro comer lá em casa reforma vídeo pornô doidopersonal treiner encinando mulher fazer abdominal chupando pornonegras lesbicas fazendo tribadismo cabeca vs cabeca c clitorissubornei meu primo gay pra comer elecomendo sogra encuanto dorme porno loiraEsposa putinha mostrando abcta pela boca d shortiwwwxxvideo filhinha meche o bumbumPorno contos maes lesbicas ensinam masturbacao as bem novinhas iniciacaonovinha bebada faz se. xoi anal n quartdoce nanda contos eroticosPorno contos familia incestuosas ninfetinhas comecando cedoAguentei a rola enorme do papai contos eróticosComtos namoradas fodidas por velhosconto relatando como nao resisti ao pausud e fez sexorelato erotico padrasto pauzudoconto erotico viado novinho vira escravo do coroa dominadorporno vai fechar a janela fica prezarponodoido meu pai e minha babacontos de sexo depilando a sogramulher crente dando o cu pra dois pedreiro pauzudovídeo porno da tia gostosa dando pra sobrinha saida agua do olhocasada fiel tentando não trair,mais não resistiu quando viu a pica dura enormecorno porra ordenhA taca contopadrasto e intendenda gostosoquero ver lindas travestis entrando em enormes rolas ate gozarem nelas videos boas fidascomo fazer um sexo anal sem dor e sem sujar e a posição idealconto de insetos de rasgando o cu apertadoeu qero asistir videos porno os caras do pau grande regaçado as mulheris e elas gritado sen aquetarmostrando abuçeta pedindo para alguém comervidio mulher casada com roupa fodendo enfrente o marido ate escorrer porrsContos lambendo chule