Casa dos Contos Eróticos

Click to this video!

Contos da Uma Noite Chuvosa II

Autor: Vitor
Categoria: Heterossexual
Data: 10/07/2016 17:20:38
Nota 9.90
Ler comentários (7) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

É manhã de sábado e um homem acorda com um rosto de quem nem chegou a dormir, olha a janela de seu quarto, um comodo grande e com poucos móveis como se fosse um espaço planejado para muito mais do que ele possuía ou até precisava. Ele vê chuva.. escuta chuva. Permanecendo deitado fitando a janela, sente como se o mundo gira-se do outro lado daquela janela, enquanto seu quarto permanece inerte no tempo. Ali nada muda, nada passa, tudo permanece.

Enquanto isso do outro lado da cidade uma mulher, de idade consideravelmente inferior à do homem, encara um telefone abrigada da chuva em seu apartamento pequeno com todas as janelas fechadas.

"Eu tenho que levantar, tenho que comer algo, fazer algo, qualquer coisa" ele pensa, mas só olha a janela como quem olha uma tela de televisão. Lá fora, ele pensa, a vida é movimento. Ele permanece deitado, imóvel.

De volta do outro lado da cidade uma mulher segura o telefone nas mãos. Seu olhar está fixo ao aparelho, mas este não é foco de sua atenção. Tem um olhar reflexivo, é olhar que uns chamam de distante. Ela tem olhos negros e arredondados, que aparentam ter passado por muito na vida apesar da pouca idade.

O homem deitado escuta o telefone tocar. Ele reluta em levantar, mas o barulho insistente e estridente do aparelho o faz levantar da cama, caminhar ainda descalço pela cerâmica fria e atender o telefone.

-Alo?

Do outro lado da cidade a mulher finalmente fez sua ligação.

-Sinto a sua falta... me perdoa... em casa... pode vir?... agora... ta bom, tchau.

A mulher desliga o telefone

O homem desliga o telefone

A rua está vazia, poucos carros circulam. A chuva cai intensa e insistente, fazendo com que as gotas se choquem contra o metal do carro (era uma carro antigo, de lataria feita inteira de metal) e contra o vidro do para-brisa. Milhares de gostas formando um som uníssono que acalma e a mente confusa do motorista, vestido em uma camisa surrada e casaco parentado anos de uso, seu rosto é cansado, olhos vermelhos, cabelo bagunçado. Quando finalmente chega ao seu destino não tem dificuldade em achar vaga, desce do carro e vai em direção a uma pequena porta, quase que escondida, entre um loja de colchões e outra de móveis. Cumprimenta alguns vendedores e entra pela porta, já aberta, sobe algumas escadas toca a campainha. É atendido por uma mulher, jovem, pele morena, olhos escuros e furtivos. Ela veste nada mais que uma peça de roupa. Algo como uma camisa aberta, sem botões, verde e transparente, o tecido leve voa com a menor brisa. Poucas palavras são trocadas. A mulher o guia até o quarto, embora ela já saiba o caminho. Enquanto ela anda a sua frente ele observa seu caminhar através do tecido fino e transparente.

Alguns minutos já se passaram e ela agora está de quatro na beirada da cama. O Homem, também nu a segura pela cintura. Ela é de proporções bem menores do que a dele, que enche as mão em seu quadril enquanto a puxa de encontro a sua ereção. A penetração é vagarosa. Ele, então, sai de dentro dela, apoia o pé esquerdo na cama e segura firme o cabelo dela com a mão destra, enquanto a outra mão descaça ainda sobre o quadril. Fica um tempo assim, como que ameaçando a penetração, porém sem palavras. Ele pode ver a lubrificação dela surgir de sua buceta. Nenhuma palavra é dita. Quando finalmente a penetração volta a ocorrer, esta é rápida, como um golpe de misericórdia. Ouvi-se o estalo seco das coxas se encontrando e em seguida o gemido dela, curto e descontrolado, não é o tipo de gemido que se pretende fazer propositadamente e expressa mais do que só prazer, é a total falta de comando representado em som. As estocadas continuam, tão firmes e impiedosas quanto a primeira. Ela geme. Ele geme. As forças das estocas continua aumentando exponencialmente, e continuam e continuam e continuam. O ritmo é intenso, a mão esquerda comprime a nádega dela, a direta puxa o cabelo com força. O rosto dela é de prazer.

Ele subitamente e a joga contra a cama. Ela tenta virar, ficar de frente pra ele, mas ele não a deixa faze-lo. De relance ela ver o seu rosto, enquanto as mãos grandes daquele homem a viram novamente de costas sem nenhum carinho ou cuidado. O medo passa pela mente da garota. A forte combinação de elementos das expressões faciais do homem que agora a dominava diziam muito. Muito mais do que prazer, ali atrás daqueles olhos vermelhos, via-se muito, mas acima de tudo raiva. Apesar do medo que sentiu, o tesão não a deixou protestar. Ela no fundo gostou. O medo possa talvez ter siso confundido com uma leve insegurança, ela tenta se convencer. "Posso não ter visto direito" ela diz a si mesma. Uma forte estocada a faz sair do devaneio. Ele segura cabeça da mulher e a força contra o colchão. A come, intenso e indeferente. Aquilo a exita. Ela o sente cada vez mais fundo dentro dela, comida por trás, sentindo toda a extensão do corpo dele, com os movimentos limitados pelo seu peso. O gozo dela vem com o primeiro tapa, desferido em sua bunda. Ela ouve o estalo, sente a pele quente, goza. Ele continua impassível a ela, quase que a ignorando. continua a comendo na mesma intensidade, a ele, o gozo dela nada mudou. Ele continua a bater na parceira e se sente perder o controle. Lembranças o assolam. A rejeição passada. A indiferença que ele agora demonstrava já avia sido sua algoz outrora. Porém, não desta forma, não expressa em sexo e sim em um relacionamento frio e tratamento distante. Ele se lembra daquela mulher de pele morena e olhos escuros que um dia o rejeitou. Ele sente que está a beira de um colapso, sente que pode chegar a um ponto sem volta. Seu rosto fica vermelho, a raiva o domina em velocidade de galope. O senso de rejeição que um dia sentiu se transforma em desejo de causar reação. Ele quer ser notado por aquela que geme abaixo de seu corpo. Agora os tapas são mais fortes, a penetração mais funda, o cabelo é segurado pela raiz. Ele quer a ouvir gritar, como se o grito dela fosse a prova de sua existência no mundo, como se ele grita-se a todos que ele estava ali. E ela o faz.. Grita, geme e goza. Goza uma, duas, três.. nem sabe ao certo. Impossível saber. Como poderia? Como distinguir um orgasmo do outro? Poderia ser dezenas, poderia ser só um longo orgasmo, ela não saberia dizer. Ele sente que não é o suficiente. Imagina que se penetra-se aquela mulher analmente isso o faria ser além de notado, lembrado. Talvez ela nunca o esquecesse. "Se você é causador de algum nível de trauma, como pode não ser existir?", ele pensa. Tenta lutar, afastar o pensamento. É perigoso demais. E ela geme e geme. Ele abre suas nádegas, olha o anus da garota. Ela só geme. tira a mão do cabelo e e coloca no boca dela que o beija e lambe em uma tentativa desesperada de demostrar algum afeto naquele cenário animalesco. O dedo sai da boca e vai direto em seu ânus, rápido, sem cerimonia alguma. Ela geme e goza, com o dedo de seu dominador no cu, experimentando a sensação que lhe é nova. Ele sente as contrações dela em seu dedo e pênis, percebe o corpo dela desfalecer sob o seu, ela agora não geme mais, não goza mais, só está deitada imóvel e parada. Ele ao perceber que sua parceira se encontra sem capacidade de lhe oferecer qualquer tipo de reação, decide por fim a tudo. Retira o pau de dentro dela e vê o gozo da garota em sua camisinha. Retira e preservativo e começa a se masturbar em cima da já rendida e imóvel morena de corpo pequeno. Ele goza sobre as costas dela e se levanta. Ela está de olhos fechados, mas acordada.

- Seu dinheiro ta na comada.

ele diz ao pé do ouvido dela.

Ele veste suas roupas e coloca duas notas de cem no escrivaninha ao lado da cama e deixa o quarto. Embora o custe caro, ela foi a prostituta mais parecida daquela de pele morena, olhos que já viram de tudo e que reside do outro lado da cidade. Isso está bastando a ele por hora. Ela abre a porta e encara as escadas.

Do outro lado da cidade, a mulher que antes encarava o telefone agora chora na frente de seu atual namorado. Pede desculpas. diz que o ama, que sentiu sua falta.

Agora o homem já desceu todos os degraus. Começa a ouvir a chuva. E pensa naquela que insiste em lhe ignorar. "Será que ele ainda pensa em mim?"

No outro lado da cidade o mulher faz juras de amor a outro.

O homem passa pelos vendedores, todos sabem que tipo de negócios se passam naquele apartamento. Ele encara a chuva forte, os pingos caem com força em sua cabeça, entra no carro e da a partida. Ali, dentro do carro, abrigado e ouvindo a chuva bater a lataria, pensa consigo mesmo "Chove la fora, chove aqui dentro, tudo é chuva".

__________________________________________________

Obrigado por ler até o final. Eu estive na dúvida se postava ou não este conto, mas aqui está..

Gostaria muito que avaliassem e comentassem. É o que mais goto disso tudo.. as opiniões.

Eu decidi abandonar o pseudônimo, e incluir este conto a uma série junto ao anterior..

caso alguém queira contato:

[email protected]

Abraços, Vitor

Comentários

05/08/2017 09:47:47
Adorei seus contos, Vitor! Ótimos textos, que nos fazem refletir sobre quantas coisas estão acontecendo por aí em dias de chuva. Parabéns! Venha me conhecer lendo o meu. Um beijo!
01/06/2017 06:25:04
MUITO BOM.
23/04/2017 09:43:41
Excelente!!!! Belo texto, muito bem narrado. Em noites chuvosas, parece que os dramas afloram com mais intensidade. Parabéns. Leia o meu tb. Abs.
17/04/2017 09:23:02
Felizes os leitores que podem, de forma gratuita, saborear bons contos como este. Um dia chuvoso, tal como a madrugada insone é o cenário perfeito para as pessoas encararem seus dramas e frustrações. Nada é mais complexo do que o relacionamento humano. Explorou com maestria as agruras dos personagens, ela com outro pensando em se comunicar. E ele descarregando seu inconformismo no sexo pago. De forma animalesca e excitante até. Parabéns, Vitor.
12/04/2017 07:02:57
Olá. Relendo seus contos, Vitor. Maravilhosos e excitantes ao extremo. Deu pena da prostituta servindo como carne alheia. Se pudesse daria outro 10. Publiquei há pouco meu segundo relato. Bjus.
17/07/2016 11:55:52
Não entendi o porque da dúvida em postar este conto, Vitor. Noites chuvosas sempre complementa cenários bucólicos para vários dramas. Como narrado de forma brilhante neste texto. Ganhou uma fã. Beijos.
12/07/2016 20:05:02
Aqui também, neste momento, lá fora a chuva cai sem parar. Este ótimo conto me fez refletir que agorinha mesmo, em algum outro lugar, dramas e situações diversos estão ocorrendo neste mundo a girar. Gosto do teu estilo assim, narrado o sexo como algo natural e bonito, mesmo que o personagem aqui esteja amargurado. Beijos da Vanessa.

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.




Online porn video at mobile phone


contos erotico meu sogro mi arobou cm seu pau d elefantemeu corninho, fotossexo conhadas cozinha nua pau bizarro tesaoa minha mae obrigou meu padrasto tira a minha virgindadesexo anal sem compaixãobucetaazedinhabelo sexo dormindo de conchinha com a titiacontos eróticos meu irmão pediu pra mim conpra umas coisinhas pra elevideo porno padastro tomando cafe e entiada estidando pra prova de sainha mostrando a calcinha brancavideo de sexo magrinha tentou fugir mas fico imobilizado com o pau gigAnte no cuquero ver os de gravações de atrizes pornô que param de transar com dorpiriquita britadeira evangelicavideo de mae assustada com o tamanho do cassete do filhovideo de mae assustada com o tamanho do cassete do filhopopa.da.bundagozaporno sem casaminhasrelato erotico evangelica casada carente da buceta peluda greludacontos eroticos enxendo a crentinha de porraCaralhudos na bucetinha virgemver conto erotico sob faxineiros velhos tarado e pirocudocarolzinha santos com muito putaria trepanovir minha sogra toda sex e acabei pequerando e fiz sexo com sograadoro ser enrabada conto eroticojoelma da buceta enchada da o cu pro amigo do seu filho porno doidnegona dizendo no cu naoseja perguntei a vida de sexo de travesti pornô com a nossa prima de vozXvideo comeu o cu da sogra bu Cetoncontos eroticos seduzi professor na aula vaga e ele me chupousporno sobrinho vai dormi mais tia e fica de pau duro embaixo do lencouContos gays /fui estrupado por2 na escola e a diretora flagoucondominio traicao videos cuckoldContos eróticos minha mãe e os cubanos - parte IVnovinha dando pra velho rabuchentocontos eroticos namorada vendada pica irmãomulheres casadas sarando melando a bucetasposicao frango assado putaria brasileira pra salvar no celularfazendeiro me comeu montado no cavalo contos eroticosporno.doido so.mulhers ricas gostozonas dando na.borrachariarickcafajeste30.liberalina vadia casadaCharlene muito gostosa fode com negão dotadopau grosso devasando bucetaadestrador de escravasbucetaô. jgmpornô anal com mulheres dando rabão gostoso tesouro com perna tá tendo mais daqueles bem quente mesmovideos porno cuzao levando pauzao da cabeca enorme chapéu cogumelocache:http://zdorovsreda.ru/perfil/117617eu minha prima e.seu poni dirou meu cabaço contosmulher sendo mastrubada no honibos pro um estranhoporno pradrastro bebo fosando a em teada fode a fosacontos saunas velhos chubbys gaysanimopron.com lara umcavaloensopando o cuzinho com gelxvidio mulheris gostosas trocando obiquinho de banho no banheirofoto porno de babalu montada no cavalobuctao tod c gazandmulher engata com cachorro grande e nao consege desengata pornohomem nu vi fugindo de cachorro dentro de um quartos com uma mulher so com a vaginas do cu de fora aí eles fazem sexocomendo traveco na casa abandonadaela "abriu a porta" pelado meu pau banheiro "minha tia"Meu marido é um corno e viado do primo deleclarinhasafadinhavideos arrancando a virgindade da novinha sem piedade que deu por dinheirobixa porno pretinha no boquete devagarinhopai pegou eu e meu irmao gay no sexo e entrol no sexove videos porno de garotos de pau grandes tirando sangue do cu de molequessexo sexo de pica dura palco do batom pica dura pornôbotou a calçinha de lado e mostrou abuçetavideos de coroas homens procurando coroas de zendo taduedocontos eroticos de moreno perigosocasada santinho e seu corninhogozando.na.loirinha francymamada babentagravidas com picudos/contos atuaisporno secretaria aser estupprada no escritorio e gozada dentro da vagina sem ela quererporno abordado da égua rapazcontos eu e minha esposa demos carona a dois homem e meterao a pica nela..www.guarda costa da granfina porno