Casa dos Contos Eróticos

Click to this video!

Ativo e Passivo – O Urso e o Bombom (Capítulo Extra)

Autor: Braz
Categoria: Homossexual
Data: 04/10/2016 23:29:06
Última revisão: 04/10/2016 23:57:29
Nota 10.00
Ler comentários (11) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Neste capítulo extra, Braz conta como foi seu rápido affair com Carlinho, o bombonzinho doce, apimentado, sensual e misterioso. Espero que achem gostoso esse capítulo, misturei duas coisas deliciosas, sexo e chocolate, abraços, J.

************************************

Cá estou eu, Braz Joaquim, a expor um pouco de minha vida.

Desde meus vinte e três anos eu decidi assumir que me agradava muito mais da companhia masculina do que a feminina no que se refere a sexo. Nunca tive problemas em ter quem eu quisesse em meus braços, pois na maioria das vezes eu era a caça, o sonho de consumo, o objetivo de conquistas o que foi me tirando completamente o prazer de ter um caso. Com tudo isso, eu passei a focar em pessoas que fossem mais que um bom corpo e que fizessem mais do que me agradar o tempo inteiro.

Descrevo-me aqui mui rapidamente, tenho 1,95 de altura, moreno que pega fácil uma cor, olhos castanhos escuros, sobrancelhas largas, rosto comum e atraente, procuro me valorizar e me vestir bem. Quanto ao corpo, o Túlio já descreveu varias vezes, sou seu macho peludo, sem mais.

Se eu sou gay? Sou gay, veado, puto, homem, ser humano, cidadão de bem, contribuinte, sou o que eu bem entender e foda-se quem não gosta, porque a última coisa que pretendo fazer em minha vida é fingir para agradar alguém.

Nos dias atuais, estou novamente em meu relacionamento com meu contador, meu amado Túlio. Se não contarmos as vezes que terminamos e voltamos são seis anos juntos, onde nada foi fácil.

Neste, irei narrar uma curta aventura que tive com um jovem rapaz. Seu nome: Carlinho.

Isso foi antes de conhecer o Túlio, claro. Será aconteceu algo depois que eu estava com ele? Tem que esperar ele mesmo contar.

Alguns fornecedores precisam passar por minha aprovação antes de introduzirem seus produtos no mix de minhas lojas e assim, certa vez, recebi um fabricante de bombons finos, que mais tarde abriu pequenas franquias de seus chocolates por algumas cidades.

Jessica me anuncia o Carlinho que está as risadas e conversas em alto volume com ela. Entra em minha sala um rapaz, moreno escuro, perfumado em excesso, muito bem vestido e bonito pra caramba. Gostei de praticamente tudo naquele gajo, até mesmo de seu jeito exageradamente afeminado.

Nessa época eu andava meio desanimado com os últimos casos que tive, estava sozinho e aquele moreninho que não devia ter mais que 1,70 de altura de alguma forma, me deixou excitado.

- Ai, seu Braz que legal que gostou dos meus bombonzinhos, eu até trouxe outros, esse tem traços de café... – Ele me oferece um. Simplesmente divino. Textura e sabor.

- Perfeito! Eu adoro café. – Digo olhando bem safado para ele, sendo o mais direto possível.

- É o seu preferido? - Ele me pergunta e eu concordo. – Eu já amo essa pequena trufa com limão.

Ele morde lambuzando o lábio muito carnudo e me oferece a outra metade colocando-a em minha boca.

- Hum... – Termino de lamber seu dedo e elogio com honestidade. – Fiquei em dúvida agora. E esse o que tem dentro?

Abro a outra trufa onde li maracujá, me fazendo de besta. Realmente estou diante de um produto que me agrada e o chocolate dele é algo de qualidade. Mordo a trufinha sempre encarando aquele jovem que está com os olhos semicerrados numa expressão de pura luxuria, depois levo a outra metade a seus lábios e ele chega fechar os olhos para chupar meu dedo.

- Melhor que esse, só o de limão. – Ele me diz.

- Gostei de todos. - Inclusive do vendedor, penso comigo.

Ele tem um sorriso pequeno, dentes bonitos e brancos e uma boca que já me faz pensar besteira.

- Gosta de pão de mel, tem esse pãozinho com cobertura de chocolate meio amargo, sente o aroma.

- Maravilhoso... Mas não gosto de mel.

- Todo urso gosta... Eu amo ursos sabia?

- Sua cor é deliciosa como seus bombons, sabia?

- Nunca ganhei colinho de um urso tão grandão.

- Nunca mordi um bombonzinho que fala.

Ridículo, eu sei, mas nós dois estávamos meio no desespero pelo que notei.

Eu estava com o cacete a rasgar a calça social e aquele putinho me provocando. Como tinha outro fornecedor precisei dispensá-lo, mas não sem combinarmos algo para mais tarde.

Cheguei na hora combinada no apartamento bem localizado em um prédio bonito do centro. Interfono e ele me atende com uma voz cheia de dengo dizendo que ainda não estava pronto.

Odeio esperar seja o que for. Tem que ser algo magnânimo para merecer minha paciência. O foda da situação, é que eu estava com um tesão animal e meu pau não ia baixar sozinho.

Estando no terceiro andar a frente da porta, aperto sua campainha ele vem me atender, completamente pelado.

- Ah, oi seu Braz, entra. Nem tive tempo de por a roupa ainda. Senta, quer uma bebida?

- Sim, aceito.

Pelado, Carlinho anda até o belíssimo barzinho me oferecendo a visão privilegiada de uma bunda redonda empinada que me deixa de pau duro de vez. Quando vem em minha direção tento que analisar aquele excesso de informação a minha frente. Dois mamilos marrons bem escuros com aréolas não muito pequenas que lembram duas almofadinhas, cintura fina, barriguinha sarada, todo depiladinho, lisinho mesmo, com seu membro molinho balançando quando ele anda.

Devo estar molhado embaixo. Ele se aproxima e entrega-me a bebida.

Carlinho é muito magrinho e ao mesmo tempo curvilíneo e provoca-me ainda mais ao por as mãos na cintura, a minha frente, como se estivesse vestido.

Não tem como eu manter qualquer discrição, meu pau está completamente ereto tornando-se muito aparente e é claro que ele percebe. Acosto-me confortavelmente a sua poltrona e ele comenta de cara.

- Que mala enorme seu Braz, só de olhar isso? – Ele lambe um dedo e circula seu mamilo. – Ou essa bundinha aqui?

Ele dá aquela voltinha para me presentear com a visão completa de sua nudez.

Ele não é tímido, muito menos eu sou. Levanto e resolvo que vou comer aquele bombom delicioso ali mesmo na sala com as persianas escancaradas.

- Seu vou degustar algo, deve ser no local adequado, menino. Deite-se a mesa.

Ele anda rebolando como mulher alguma rebola e sobe na longa mesa de madeira, deitando-se de costas, empinando o peito de rapaz cujos mamilos são muito exóticos e que pretendo mamar até dobrar seu tamanho.

- Quer meu peitinho, urso?

Caio de boca como resposta. Minha língua circula a protuberância macia com pequenas saliências que todo mamilo tem, ele geme baixinho ainda com seus braços paradinhos do lado do corpo. Fecho os lábio em seu bico apetitoso e mamo-lhe fazendo o membro escuro eriçar completamente e chicotear o ar.

- Meu outro biquinho, mama. – Ele oferece seu peito que chupo com mais brutalidade e de forma ruidosa que o faz se contorcer.

- Vira bombonzinho, mostra o rabinho para o urso.

Ele vira e empina vulgarmente a bunda, abrindo muito as pernas, implorando sem palavras, que quer ser comido. Naquela posição oferecida, me dá acesso completo ao seu rabo tão depilado quanto o púbis e o saco. Seu buraquinho é escurinho e liso, que permite minha língua entrar com facilidade bem como dois dedos em vez de um.

Coisa que me deixa louco é estapear uma bunda bonita e firme como aquela. Dou-lhe um tapa sem muita força, mas que estala fazendo ele se retrair.

- Ai, seu urso malvado. – Aquela voz quase feminina me transforma num devasso de vez. Meto o terceiro e o quarto dedo naquele buraco preparado enquanto ele geme mais alto ainda.

- Machinho do cuzinho guloso, você... Mostra se essa boca pequena é gulosa também... – Aproveito para me livrar da camisa enquanto ele muda de posição.

Carlinho põe-se de quatro na mesa alcançando minha pica, dando-me uma mamada exageradamente gulosa como imaginava. Aproveito para foder-lhe a boca, sem nunca ouvir uma reclamação sua, demonstrando o quanto gosta de chupar uma vara.

Não satisfeito, ele passa a cabeça do meu caralho em sua cara, beija-o apaixonado. Reclama manhoso quando tiro ele de cima da mesa e o puxo pela mão para se ajoelhar ente minhas pernas ao acomodar-me no sofá.

- Não tira o doce da minha boquinha, assim. – Ele é por demais, dengoso.

- Vem que o papai te dá mais. – Levanto minha pica, nada modesta, com a mão e vejo minha glande sumir na boca desesperada dele. – Ahhhh, que bombonzinho gostoso, mama com fome, vai, putinho sem vergonha.

Como se precisasse pedir.

- Ai, urso... você é muito peludão, mmm. – Ele volta com a chupada forte e aquele tom meio infantilizado o qual nenhum amante usou antes e que estranhamente me dá tesão. – Seu bombom gosta de leitinho na boquinha, sabia?

Porra, esse cara sabe chupar um saco. O meu é volumoso com duas bolas que são grandonas e peludas, em resumo tenho um aparato de respeito entre as pernas que não deixa ninguém passando vontade. Carlinho não reclama quando tira os meus pentelhos da língua e novamente se põe a mamar faminto cada um dos ovos, muito lentamente. Que visão tesuda, ter ajoelhado entre minhas coxas, aquele mignonzinho, moreninho, de boca pequena e bem carnuda chupando meu pau grosso que lhe dá trabalho, fazendo-o parar para descansar e me olhar pidão, querendo ainda mais. Sua mão macia passa a me punhetar, levando a pele do meu prepúcio a encobrir totalmente a glande, podendo brincar de puxar essa pele do meu cacete com seus lábios. Aquilo me leva a um gemido.

Ele termina de tirar minha calça e cueca, mete um preservativo e fica masturbando-me mais um pouco.

Carlinho larga finalmente minha rola, monta em meu colo e esfrega seu peito lisinho no meu, reclamando manhoso.

- Meu rabinho está piscando e ardendo... Mete a cabecinha, urso. – Esse garoto parece uma gata no cio. Gemendo e esfregando-se, encaixando meu caralho em seu rego, levando a mão para trás para ajuda-lo a entrar no seu túnel quente.

Carlinho domina bem a arte de morder um caralho com seu cú, sinto como se ele me sugasse...

- Ahhh, porra, faz de novo. – Peço cheio de tesão e ele me obedece rindo.

- Gostou do meu cuzinho mordendo a pica grande do papai? Humm?

- Faz... – Peço àquele bandidinho que usa seu esfíncter para me deixar maluco. Levanto-me com ele montado em minha cintura sem a menor dificuldade. - Monta no papai, meu putinho safado. Isso cavalga ahhh.

Ele cavalga com violência, o que leva meu cacete a sair totalmente de seu rabo e entrar até o fundo. Damos um belo espetáculo ao apartamento de outro prédio, no qual se acumulam pessoas para nos observar fodendo no meio da sala.

- Onde é seu quarto?

- Gosto de fazer aqui e me mostrar, fico cheio de tesão quando me exibo.

- Mas eu não. – Respondo, saindo do campo de visão dos espectadores com Carlinho encaixado em minha pica para me encaminhar ao seu quarto onde o atiro na cama.

Ele se coloca de quatro e diz:

- Bate na minha bunda, dá castigo nesse menino safado, urso.

Dou-lhe um tapa estalado e uma mordida forte que o faz gemer.

- Me maltrata mais. – Dou-lhe tapas alternando as nádegas morenas, aperto-lhe para sentir o quanto é firme aquela bunda. Seu buraco já está prontinho para levar uma sova de pau.

- Caralho, bombonzinho que cuzão guloso... – Seu cú me recebe por inteiro em uma única metida profunda, sem lamento algum, apenas um gemido escandaloso.

Entro e saio dele, adorando os sons que ele faz quando entra ar... repito algumas vezes, então cheio de maldade, estoco com força. Dessa vez ele grita e isso me empolga. Meto então com toda força, meu quadril choca-se com sua bunda com violência e ele fica ainda mais manhoso... Nessa hora sinto que ele também joga seu quadril para trás. Ele é incansável, eu sou pior. Meu objetivo é fazer ele gozar antes, então aumento a força e velocidade. Meu corpo peludo fica completamente molhado de suor, devido ao vigor da foda.

- Ahhh, urso, me fode, mais... aaahhh. – Ele se masturba e geme alto tendo um forte orgasmo que leva seu cú as contrações repetidas e o resto do corpo arrepiado a espasmos violentos. Logo em seguida ele tenta se desprender e eu seguro pelo quadril mostrando que não acabou nossa fodinha.

- Já cansou?

- Meu cuzinho já tá doendo.

Sem dó, mando-o virar de costas para a cama e abrir as pernas o que ele obedece arreganhando-as e me puxando para tentar um beijo que não permito. Minha boca quer apenas aqueles mamilos marrons escuros e pontudos como jamais os vi em outro macho. Chupo como se eu fosse um filhote a mamar em tetas secas de onde já se sorveu todo o leite e agora o bico em sua boca lhe causa apenas prazer.

Carlinho geme muito, seu gemido é feminino, mas me enlouquece.

- Mama o peitinho da sua putinha, mama, ahhhh. Urso... Quero leite na carinha.

Saio de dentro dele, pois estou acabado e ele todo obediente deita-se perto do meu pau pedindo que eu esporre em sua face. Arranco o preservativo e numa punheta rápida dou-lhe meu esperma denso e abundante que lambuzam o queixo, pescoço e respinga em seu peito.

Carlinho se lambuza com minha porra e espalhando pelo peito como se fosse um hidratante e depois chupa alguns dedos. Eu mesmo tiro uma quantidade de seu queixo e lambuzo um mamilo para cair de boca nele até sumir meu sabor daquele local...

- Posso encher a banheira para nós dois?

- Desculpe-me, bombonzinho, mas não posso ficar. Outro dia talvez. – Vou até a sala para catar minhas roupas e cair fora, pois não tenho intenção nenhuma de me amarrar. Para mim foi apenas uma ótima foda, mas quero mais que isso.

Depois disso tive mais uns encontros com ele no mesmo estilo, confesso que até estava gostando um pouco do seu jeito sempre tão amoroso e suas loucuras para me prender a cama, que variavam muito. Certa vez deitou no meu colo e pediu para bater na bunda dele e fodê-lo com os dedos, outra vez usou uns prendedores de mamilo em si, me fez usar vela derretida em seu corpo, pediu-me na última vez para mijar nele. Com delicadeza eu falei que não me agradava esse tipo de coisa e desta vez achei melhor cair fora. Nunca nos beijamos, sempre deixei claro que não teríamos nada mais que sexo, ele respeitou isso e continuou a me atender no escritório como se nunca tivéssemos nada.

Quase um mês depois do último encontro, recebi a visita de um jovem contador que mexeu de verdade comigo, mas no meio da primeira reunião com este, recebi uma ligação do Carlinho. Acabei tratando ele muito bem por telefone, mas estava farto daquela “pegação” no meu pé, foi o que me fez tomar uma decisão naquela noite mesmo.

Enquanto conversava percebi que dois olhos muito verdes me olhavam curiosos e meio assustados. Precisava ver ele novamente... Reagendei a reunião para o dia seguinte, sem haver necessidade, pois eu sabia muito bem o que o escritório precisava, sendo apenas uma desculpa esfarrapada para apreciar mais um pouco aquele macho que me deixou louco.

Cheguei a seu apartamento onde tinha a intenção de apenas conversar e sou recebido por sua costumeira nudez e exibicionismo, algo que já me excitou, mas na ocasião não fez efeito algum.

- Vá por alguma roupa, por favor.

- Ah, Braz... Porque?

- Porque já deixei claro na última vez que era a última vez e, você me liga o tempo inteiro, lembra? Vá por uma roupa, ou estou saindo.

Mas ele cruza os braços e me lança um olhar diferente de qualquer outro olhar seu apaixonado de antes. Fico cabreiro com aquele olhar.

- Vai. Como você diz: é só sexo.

Vou para casa meio encucado, mas depois até me esqueço.

Lembro apenas de um par de olhos claros de um jovem atraente que esteve em minha sala a tarde e me sinto estranho, sinto que virei escravo daquele olhar e não queria minha liberdade nunca mais. Tento afasta-lo dos pensamentos, pois uma aliança de ouro na mão esquerda é lembrete o suficiente de que ele é proibido para mim. Meu contador, meu Túlio.

***********************************************************************************************

Ahhh, Voltei, hoje quis meter um suspense, um Cine Privê (nasci em 79, a gente curtia isso nos anos 90, tá).

Vou apanhar agora... Curto muito contos com ativos machões e passivos bem delicados. Tesão na certa. Gosto é gosto.

O próximo capítulo tá bom... mas como tem uns problemas de sempre com concordâncias, vou ler mais umas vezes e deixar mais “bunito”. Esse mela cueca de hoje também eu li umas seis vezes e todas as vezes achei um erro. 227 tipo de nojo me deu. Mas enfim, semana de ICMS a gente fica mais tenso e as ideias não são muito boas...

Agradeço com carinho especial cada comentário, sempre feitos de forma tão gentil, muito carinho ao pessoal que apenas o lê também.

Perdão que hoje nem lhes respondi nesse, as respostas dos comentário estão prontas no finalzinho do próximo capítulo (o número dez).

***********************************************************************

Um Abraço mui carinhoso e uma quarta-feira excelente a todos!! =D

Comentários

15/11/2016 21:28:33
Oi, Jota, moço lindo que escreve delícias! Hoje, quem vai comentar sou eu, Sofia, muito sua fã. Então, o que o Carlinho tem de afeminado, ele tem mais ainda de machão, quando o assunto é fazer um anal sem medo e sem frescura! E o Braz? O Braz é o poder! Sua combinação de sexo e chocolate lacrou. Ficamos querendo mais e por isso, vamos continuar lendo, enquanto o Abner pula, kkkkkkk. Beijo, beijo, beijo!
07/10/2016 11:31:40
Argggg...bombomsinho. aff
05/10/2016 12:52:43
Parabéns por esse conto excelente
05/10/2016 09:48:45
O Braz <3 que foda maravilhosa J! Fiquei super tesudo aqui, meu velho. Quero ver agora o que o Carlinho vai fazer pra separar os dois pq certeza que ele não vai deixar o Braz ir de graça assim... mas vamo que vamo. Abraço!
05/10/2016 08:17:50
Muito excitante este capítulo. Que descrição de foda! Contudo, espero uma foda tão maravilhosa assim com o Túlio. Um abraço carinhoso, Plutão
05/10/2016 07:40:36
Legal
05/10/2016 06:15:01
A parte do "Ai seu urso malvado",me arrancou risos..Seis anos de relacionamento?Imagino a barra que foi...Principalmente p Tulio que nao sabe de entrava no barco ou ficava na praia..Bom...de...maiss..
05/10/2016 03:57:49
Que capítulo excitante.
05/10/2016 01:52:34
MUITO BOM.
05/10/2016 00:48:04
Uia, gzuis toma conta hahahhahahhahh babado forte hein, tadinho do Tulio, sou bem mais o contador ;)
04/10/2016 23:43:59
Adoro!

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.




Online porn video at mobile phone


Contos eroticos tia tirou afinidade do sobrinho pornodoido sogra da cugrade a genro e filha na salaconto eróticos padrasto chupa a estiada de 8 anosseja perguntei a vida de sexo de travesti pornô com a nossa prima de vozcontos heroticos cuzinho da japinhainara puta dando pro sogroconto gay meu colega aceitou da o cuxvídeos 10 mamae fas cudoce mae efilhozoofilia homem fode potra recém nascidaporno coeiconto viadinho gosta de ser fudidonossa to preocupado comeu a mulher do meu amigo e ela ingravidou vidio pornoFoto picudo estotando a bucetinha da casadasobrinha contobucetas de gravidas bem inxadas escorrendo gozogts de fio dentau mostrando ha bucetinha na webicontos de machos dominando cornos submissospornô grátis só contos eróticos sogra cozinhaHOMENS BOMBADAO COM PENIS ACAVALADOS GOZANDO NA BOCA DE LOIRAS PORNOfreira da a buceta pra pintudo no azilo contos.contoseroticos encochando minha noraporn xxx mulher paga divida e corno vendo ela chorar de dorNoca vi pau grosso filio vei mifuder na sala estoriafui na urologista e acabei comendo seu cu xvideoporno novinha no malabarismo com duas rolaswww.brincandodaquilo.com vídeos pornomulher com rabão maior filme pesavam gostosocontos de homem que puxa e mama os mamilos enrijecidoscontos eróticos mamãe deixa novinha com padrastoAonde tu não me debruço no tapete XVídeostransando cm amigo do namorado sem na morado peeceber sexo pornogordinha bem feitinha abrindo a buceta pra o namorado chupar Xsvideos artista pintando macho nugemendo e gozando gostosas espirrar esperma longe. porno atitudicaralhos gigantes e cabeçudos de héteros no pornodoidoXVídeos vídeo nacional e caseiro mulher dormindo sendo acariciada por saisvídeo pornô que a gostosafala ai para,seu pau e muito grandecirleia bucetudaContos levei um tora preta gozou dentro meu marido adorousexobrasileirocavaloMeu voyer filhoas navia perdebi cabacoPorhb vovo porfavor nao fasa iso eu ainda sou mocinha eu nao quero contos eroticosQuero assistir filme pornô brasileiro das Panteras a mãe com shortinho bem curtinho e para o banheiro mijar e o filme vai ficar beijando a testa da porta de homem com calcinha fio dentalprofessora para niguei botar defeito tao gostoza pelada linda buceta greludacontos-esfregando na bundinha da netinhaContos picantes ainda virgem fui abusada por um entregador velhoConto pau mendigo punhetacasadas sirrricaspornosacana traindo o marido com entregadoremtiada.rabuda loulinha dolecente espiada pega foca sexocontos de sexo depilando a sogracontos eroticos mulher casada bi sonia e suas amigaspono coxada mulher tera cacinha dela metro so saia 2017machostesudobuceta de carla visgando xvideosvideos curtos de cunhado fudendo gostoso o cu de cunhada negra brasileiraa bucetinha depilada da minha mãe contosarrumei um macho bem r***** pra f**** o c****** do meu marido contos gaycontoseroticoss xvideos5mulher estava fazendo hidrataçao de pele na cara nao percebeu o homem sexo pornocontos eroticos dei para um vizinho de iptingapornô grátis cu de viado dando falta de pão de mel recheado no pote`conto erotico` Gabrielcontos eróticos encesto mae de 35 anos fodendo com seu jovem filho e gozando muitopeões de obras para Dudu f****** v******* contos eróticos gaysbaxinha cochuda casada vingando xvideosolhar a buceta das julhersmenino de treze anos gostoso bundinha e cuzinho jeitoso contos eroticosesposa novinha timida gostosa e o sogro roludo contos eroticosfilme pornô de Cibelle encravado em 2017ponto não. quebrau. cabaso da vigebotei meu dedo na buceta da mulher do amigoconto gemo muito ai ai dando cu para outro na frente do meu corno ele fica com tesaõ