Casa dos Contos Eróticos

Click to this video!

Humilhada pela empregada V

Autor: Tudo
Categoria: Sadomasoquismo
Data: 19/01/2017 03:39:46
Nota 10.00
Assuntos: Sadomasoquismo
Ler comentários (6) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Olá, estou de volta para comentar a ultima parte do que vem acontecendo comigo, antes quero agradecer as pessoas que curtiram e comentaram, agradeço todas as pessoas que foram legais.

Bom, continuando, eu estava lá deitada toda choramingona no colo da Dora, enquanto ela assistia TV na sala, a mesma sala que foi palco das maiores humilhações que eu nem em sonho poderia imaginar que fosse passar na minha vida. Dora, não parecia surpresa e ficou lá até que como eu disse nem me toquei, estava só com a blusinha rasgada por Dora, que cobria metade dos meus seios, ou seja, nua da cintura para baixo, não me vesti por respeito como falei por ela, pois ela tirou minha fraldinha na sala depois das palmadas.

Ela se levantou e levei um susto, foi calada até a cozinha e disse para mim toda fria sem falar nada a mais.Vai para a cozinha e limpa o que eu e as meninas comemos e na sua panelinha de cadela, que está no chão, está o resto da comida que é o seu jantar. Depois para o quarto dormir entendeu? E eu falei sim senhora toda de cabecinha baixa.

Fui lá e lavei tudo como se fosse a coisa mais natural limpar a cozinha quando ela é a empregada, mas agora sei que a empregada sou eu, quando estiver só eu e ela em casa. Terminei e fui comer de quatro sabendo que ela não me olhava, mas fiz dessa forma, pois me sentia dominada. Comi de 4 o resto do lanche dos pratos das minhas amigas e dela, depois fui para o meu novo quarto e deitei sem sono pois eram 8 horas da noite e eu pelo nervosismo das humilhações já tinha dormido e estava sem sono algum. Como ela me mandou fiquei calada e estou agora no quarto deitadinha e muda, o quarto apagado e eu as vezes escutava carros e pessoas do condomínio passando na rua da frente da minha casa e eu lá submissa me lembrando que antes nessa hora eu estaria tomando banho e me arrumando para sair com minhas amigas e agora tinha que ficar lá quietinha como submissa.

Novamente me senti estranha e lá sozinha seminua, deitada, sem sono e ansiosa.Imaginei minhas amigas indo para a festa que eu adoro ir, pois sempre tem pessoas legais e garotos lindos e eu lá pensando no que elas me fizeram e mesmo elas falando que não contariam eu sempre nervosa com medo e vergonha delas falarem para outras pessoas esse vexame que eu vivia. Quanto mais me lembrava delas, quem sabe numa roda e contando tudo e todas minhas outras amigas e amigos escutando de boca aberta e rindo, quanto mais pensava no dia de ontem e principalmente no de hoje me vinha será que elas estão falando? Não, são 8:00 horas ainda, mas será que vão falar ? Nossa que angustia esses momentos lá deitada no quarto. Mas me segurei e comecei a me masturbar, meus dois dedinho da mão esquerda pois eu estava deitadinha de lado na pequena cama na parede e de frente para a porta do quarto. Me toquei com meus dedinhos e sim estava toda molhada, dessa vez não pensei o por que e sim na situação. Me masturbei com nada de sexo mas sim, imaginei na festa elas na roda rindo e todo mundo falando, rindo e falando contem mais, contem mais da Amanda e imaginei comentários. Nossa quase gritei me tocando e gozei, aaahhh, gemi muito esticando minhas pernas no lençol simples da cama e rolei sem tirar meus dedos e gozando.

Quando paro volto a mim, que isso? O que fiz? Não! Não posso fazer isso, mas o que esta me acontecendo se elas falarem estarei mais perdida, perdi minha moral com elas e se elas contarem e se isso cair em casa nem poderei ir mais na aula e nem sair de casa, não, por que me masturbei de novo? Fiquei em pé no pequeno quarto de um lado para outro só imaginando isso que fiz e o que poderia me acontecer.

Nossa essa foi a pior noite para mim, rolei na cama e não dormia e me masturbei mais uma vez, acho que duas horas depois e gozei e nem sei como consegui dormir. Foram pesadelos das minhas amigas e Dora, em minha cabeça a noite toda.

Acordei e fui ao banheiro fazer xixi e escovar meus dentes e tomei um banho de verdade no banheiro da empregada, sai e só com a blusinha até os seios, fui até o meu quarto e topei com Dora, na escada, levo um susto e ela, bom dia cadela, hummm, tomou banho é? Sim senhora dona Dora, ela me deu um tapa na cara e cuspiu na minha cara e gritou, quem mandou hein? Nossa eu e ela no meio da escada de casa, eu tremia toda e ela me pegou pelo cabelo e me levou na cozinha e falou. _Piranha folgada, quem é tua dona hein? E eu chorando, _a senhora, dona Dora, a senhora dona Dora, _e quem mandou tomar banho? Desculpa,desculpa. Nossa, ela puxou meu cabelo e eu chorando cai nos pés dela e ela,_lambe, eu lambi como se lambe sorvete, até a sola, os dedos e de 4 chorando. Ela saiu de perto, sentou e falou, _faz meu belo café putinha e eu estava lá fazendo do modo que ela passou a gostar, café da manhã completo e eu servia com carinha de choro.

Depois de algumas coisas e eu sempre procurando algo para limpar na casa, Dora me da um recado que tremi toda, seus pais ligaram ontem a noite dizendo que vão ficar mais 3 dias fora. Hum a bebezinha ficará mais 3 dias de bebezinha, com hoje e amanhã são 5 dias a mais e riu da minha cara e eu em pé, seminua de cabeça baixa e calada. Eu pensei, não, mas o pior que era verdade, foi ontem e eu estava no quarto e ela disse que eu estava me comportando e para eu não sair, eu obedeci, minha mãe adorou e ela com isso crescia mais no conceito de casa.

Depois do almoço eu sempre fazendo as tarefas. Dora fala para eu pegar o telefone, pois minhas amigas ontem antes de irem embora combinaram não sei o que com ela e eu sem saber o que fazer peguei, ela falou sai daqui que quero falar com a Paulinha, vai, vai e eu sai de perto tremendo toda, pensei. Não, de novo aquilo não, fui para o cozinha nervosa e tremendo sem poder escutar ela falando,só escutava os risos.

Dora sabia me deixar tensa, ela passava por mim com risinho e eu limpando a cozinha sem saber de nada, ela foi à piscina e almoçou e eu como antes, sempre prestativa a tudo.

Uma hora eu na sala limpando vejo Dora, com um vestido caro meu e ela liga para um táxi, pegou meu dinheiro e eu quando olhei não entendia nada, ela falou: _Putinha vem aqui, eu fui como domesticada até ela. _Estou saindo, volto amanhã, vou ver meu namorado não aguento mais ficar aqui vendo sua cara de putinha, mas tem uma coisa, pega o telefone, eu peguei quase sorrindo imaginando vou ficar com folga e tudo mais, mas era pior quando ela disse aquelas palavras que agora me vem a cabeça. Para a bebezinha putinha não ficar sozinha suas amiguinhas adoraram a ideia de cuidarem de você e sabe cadelinha, ela riu antes de complementar bem devagar. _Sua imagem está linda perante elas, disse com o dedo polegar para baixo e gargalhou na minha frente. Eu desesperada falei: _Dora, por favor o que está fazendo? Não por favor, eu faço tudo que quiser, mas por favor elas aqui novamente não. Ela falou: _Abre a boca puta. Eu chorando, falando por favor, abri e ela cuspiu muito na minha boca e me fez engolir tudo e falou fica quietinha aqui, bom não falei, estávamos eu e Dora, em pé na pequena salinha de saída de casa perto da porta da rua, a porta tem nas laterais pequenas janelas e a claridade entrava e eu em pé tremendo e ela ligando, Paulinha? Oi, Dorinha, oi, sim, sim, isso, é, bom estou saindo Paulinha, a bebezinha está aqui fazendo birra, isso, isso, é, as meninas também claro, isso, pode sim, pode, pode, ta beijo, manda beijo para as meninas, tchau. Eu escutei isso e paralisada de vergonha e medo quando ela falava o pode, o que seria? Tive medo de perguntar e ela falou: _Puta, sei que suas amigas viram até seu buraquinho, e ela falava e ria, mas vai receber elas assim, sem nada e com tudo de fora? Elas estão chegando em 15 minutos, tem mais, Dora segurando meu queixo falou: _Você e minha entendeu? E eu faço o que quiser com você putinha loira, suas amigas vem aqui e se comporte, faça o que elas mandarem.

Nessa hora volto a mim e subo as escadas e me visto rapidinha, coloco uma calcinha e visto meu sutiã e coloco uma calça jeans e uma blusa, visto minhas sandálias, depois de um bom tempo eu estava vestida e me senti aliviada, sem saber o que aconteceria fui beber água e peguei o copo tremendo toda quando escuto a porta batendo, fico paralisada e vou lá, pensando, são elas, tranquei a porta, o que faço? Elas rindo lá fora e batendo na porta já que a campainha é fora da garagem e em seguida elas batiam com a mão na porta e lentamente fui lá abrir quando quase me empurram abrindo a porta e vão entrando, Paulinha, Claudinha e Aninha.

Pô, a bebezinha está dose mesmo, mas que demora o que estava aprontando bebezinha, fez arte? Olha que vamos descobrir, risos, elas falando, me olhando e eu novamente como tonta, muda e paralisada em pé e elas entram como se fossem as donas da minha casa.

Elas me olhavam e Aninha foi falando, mas o que a menininha esta fazendo vestida assim? Claudinha disse: É mesmo mocinha, nada disso, Dorinha falou para a gente cuidar de você menina levada, Paulinha disse: meninas, vamos lá vamos tirar essa roupinha da Amandinha, elas riam demais e eu tentei argumentar para parar com aquilo que eu não queria mais saber daquilo e que a Dora foi sacana e me humilhou, fui falando e todas escutando em pé, minha voz saia como voz de menina chorona e sem convencer, parei de falar e todas em coro gargalhando e eu tremi muito com os risos, Paulinha sempre a mais sacana falou: _Olha aqui Amanda, sua moral foi para a lama, nunca poderíamos pensar que você fosse ser assim, e fique sabendo que você sempre se achou perante a gente, eu balançava a cabeça de não, e ela, Calada bebezinha, estamos sabendo que seus pais te tratam assim e Dora pediu ajuda e acho bom você ficar bonitinha se não já sabe. Claudinha complementou, hummm, imagina todo mundo sabendo que a Amandinha, toma banho e a empregada lava ela e da palmadinhas nela.

Escutei isso e fiquei de cabeça baixa, humilhada pelas minhas melhores amigas que se mostraram não ser mais amigas agora me humilhavam. Paralisada elas me pegam pelos braços e eu com carinha de dominada e humilhada paradinha e elas tirando minhas roupas. Tiram minha blusinha, sempre elas rindo por eu estar caladinha e submissa e lagrimas nos meus olhos, abrem minha calça e ela vai sendo abaixada e Claudinha diz hum de calcinha hein? Minha calça cai e é retirada junto com as sandalinhas, elas comentando da minha carinha de envergonhada e tiram meu sutiã e por fim minha calcinha foi retirada, todas param na minha frente e eu sem onde olhar toda nua e elas rindo da minha cara.

Elas falam: _Vamos, vamos menina colocar a fraldinha, menina bonita não pode ficar pelada. E gargalhadas. Enquanto duas me levavam para cima, Aninha pegava as coisas onde Dora já tinha falado onde estavam e eu subindo nua e elas atrás rindo de verem minha bundinha exposta, chego no meu quarto e elas me deitam na cama, eu sabia o que aconteceria e eu não sei por que mas agora sem Dora, que seria tipo uma protetora lá, não sei como dizer isso já que ela começou tudo, mas eram minhas amigas apenas e eu estava totalmente vermelha e insegura tamanha a vergonha. Elas começaram me jogando talquinho e eu com as pernas levantadas, me viraram e jogaram na minha bundinha e falaram do meu cuzinho, quando sem aguentar sai da cama chorando e falei para parar com isso.Elas me pegaram e fui jogada na cama e presa pelos braços de bunda para cima e elas falando que eu era uma menininha má e seria castigada, Paulinha que eu nunca poderia imaginar começou com o celular a tirar fotos da minha bundinha e eu sem conseguir me soltar das outras me debatia, depois falou: _Agora vou filmar. Chegaram a abrir minhas bundinha e senti o celular encostar na minha bundinha aberta e ela rindo falando: _Opa, tô filmando tudo. Eu queria sumir do mundo, minha maior vergonha assim exposta e sendo fotografada e filmada.

Daí elas me viram novamente de barriga para cima e começam a fazer o trabalho de colocar minha fraldinha e eu toda com lagrimas, prendem minha fraldinha e colocam agora um tipo de babador e prendem no meu pescoço e com estampa de bichinho que nem chega a esconder meus seios, me deram a chupetinha e eu toda de bebezinha deitadinha na minha cama de casal e as 3 olham rindo do trabalho bem feito. Paulinha diz: _meninas e se a Amandinha sujar a fraldinha quem vai limpar ela? Eu mesma não queria acordar tamanha as humilhações que vivia e as outras duas riam sem responder.

Elas gritavam e riam muito, quando escuto a campainha me desespero mais e Ana desce correndo, eu presa escuto a Paulinha, vixe agora quero ver Cláudia, nossa agora quero ver, e ria. Claudinha falou: _menina tô me segurando aqui, eu escutando, chorando, me debatendo escuto vozes de outras meninas lá em baixo e risos. A chupetinha sai da minha boca e tento falar para me soltarem, que isso não, fui falando coisas e nada, elas me seguravam deitadinha na cama.

Com a porta do meu quarto aberto reconheço as vozes das meninas que chegaram, eram elas e meu coração queria sair pela boca, sim eram elas, Thais e Lucia, duas garotas que não me topavam e eu nunca estava com elas, elas morriam de inveja de mim e eu também delas, ou seja, éramos inimigas. E elas estavam em minha casa, minhas amigas topavam elas, mas eu não e não acreditava, elas falaram e convidaram essas duas para minha casa e o pior de tudo, eu estava de bebezinha e elas em um segundo chegariam lá onde eu estava dessa forma humilhante.

Me debati de todas as formas mas não me soltava e os segundos eram tortura até que ouço risos mais alto e as vozes chegando, olho na porta e pronto as 3 entrando e agora eram 5 meninas me humilhando e elas entram no quarto, me olham deitada de bebezinha e em segundo os gritos. Que isso? Gargalhadas, foram as mais demoradas, riam e riam de mim e se aproximavam da cama e em seguidas as 5 todas rindo da situação de vexame que eu me encontrava.

Debati-me enquanto Thais falava: _Gente o é que isso? Não acredito Amanda!!! E gargalhadas, eu estava toda paralisada e voltei a me mexer querendo esconder meu rosto. Me mexi tanto que a fraldinha soltou e apareceu uma pequena parte da minha bucetinha, Claudinha me deu bronca, bebezinha para com isso, olha só, soltou a fraldinha, vamos ter que fazer tudo de novo, ela tirou tudo e claro, nua e depiladinha e como sou clarinha e com meus 19 aninhos minha bucetinha toda lisa e branquinha estava mesmo parecendo uma menininha de 5 anos, elas riam muito e a Thais e a Lucia, que não tinham me visto nua antes, falaram, nossa olha isso, o que é isso, tá carequinha a xaninha dela, torcia as pernas mas nada, estava exposta mesmo.

Colocaram-me a fralda e me levaram para a sala, agora 5 meninas e o pior, duas que me matavam de tanta vergonha, desmoralizada pela minha empregada e pela empregada da vizinha, minhas melhores amigas e agora pelas minhas inimigas que não sei como elas não tiveram um troço pois riam muito e me humilhavam com palavras tipo, cadela, putinha, vadia, safada e riam a cada vez que falavam coisas do passado como eu era metida e que todo mundo tinha que saber e eu muda, dominada de nervosa, de vergonha. Na sala fazem como a Dora, me dão a mamadeira e todas vendo eu tomando bonitinha, por dentro eu chorava muito e sem aguentar chorei na frente delas e todas em coro, com voz de deboche, a bebezinha ta chorando gente, todinha dela, que bonitinha e me consolavam mas tudo no deboche.

Foi horrível aquele momento, fui humilhada por elas e elas falando coisas de mim, não reconhecia minhas amigas, nunca esperava certos comentários e todas me fotografaram com celulares eu desesperada tentava sair correndo para meu quarto, mas elas me pegaram bem antes de chegar nas escadas e minha fralda cai e todas rindo, tento me tapar, mas presa ficam todas me vendo de bunda de fora de buceta depilada, seios de fora pois o babador não chegava até os meus seios.

Fui duramente humilhada com palavras e chorando elas ameaçaram a mostrar as fotos dos celulares e que eu teria que fazer o que elas mandassem.

De volta ao meu quarto fizeram ficar na cama de quatro de bunda empinada, elas fizeram fila atrás sempre rindo, iriam me castigar com chineladas, pegaram minha sandalinhas, cada uma um pé e me batiam umas 10 vezes cada, depois a que me batia voltava para o fim da fila, chorei muito mas tinha que ficar lá com minha bundinha toda vermelha.

Falaram que eu era putinha, biscatinha, metida, vadia, piranha, todos os nomes e eu sabia que pelo menos duas estavam filmando com os celulares ou batendo fotos.

Cai na cama chorando e toda de bundinha ardendo que queimava como fogo.

Fui humilhada a tarde toda, tive que fazer igual a cadelinha de 4 e coleira, forçada a dançar nua na frente delas na sala onde tive que rebolar e todas tomando coca rindo de mim.

Eu relutei muito, mas deitada no tapete branco super fofo, elas sentadas nos dois sofás fui obrigada a me masturbar na frente delas, apanhei nas pernas com todas bravas me obrigando a fazer e depois de muito tempo fiz e elas riam, gozei não sei como, tentei segurar os gemidos mas fechei os olhos e fiz na frente delas e quando terminei elas estavam aplaudindo e gritando: _Putinha, putinha, putinha, quando volto a mim estava roxa de vergonha, me virei de cara no tapete e elas rindo por muito tempo.

De noite elas ainda lá em casa me fizeram algo terrível, Thaís estava com o carro do pai dela e me fizeram entrar no carro, totalmente nua éramos 4 atrás e duas na frente, eu chorava implorando que não, mas fui quase arrastada na garagem e se alguém passasse a pé caminhando ou de carro em frente de casa certamente me viria nua. Eram só 8h da noite e dentro do carro me encolhida e tremendo toda, pois o carro andava pelo condomínio e todas rindo. Rodamos pelo condomínio todo e saímos, eu implorava e nada, era som alto e risos. Toda encolhida para o homem da segurança não me ver nua e elas de janelas todas abertas.

Fomos para perto de um ponto de ônibus na área externa de Alphaville, onde tinha dois garotos que deveriam ser trabalhadores indo para casa, pararam o carro e rindo que nem doidas falam com eles, eles com cara de riso sem me notarem ainda quando na janela da frente do passageiro Paulinha diz, querem ver uma menina nua? Eles rindo dizem sim, e ela fala olha aqui atrás, eles, mano não acredito a loira ta pelada, o outro, caraca, que delicia e risos e eu chorando desesperada, com certeza viram meus seios e bucetinha, éramos 4 atrás e todas exprimidas mas dava para ver. Eles foram ficando mais abusadinhos quando Thaís arrancou com o carro.

Voltamos depois delas falarem muito das caras deles e eu com as mãos no rosto inclinada nas minhas pernas sem conseguir levantar a cabeça tamanha a vergonha. Entramos no condomínio e pararam em frente de casa me obrigaram a sair pelada e corri para a porta, mas não me toquei elas trancaram a porta e jogaram a chave perto da rua, foram embora rindo e eu corri para pegar a chave quando um senhor de uns 60 anos passa caminhando, era um vizinho mas eu não conhecia ele, será que ele me conhecia? Me viu nua correndo e pegando as chaves, nem consegui olhar corri e tentando achar a chave certa da porta, mas sabia ele estava pardo me vendo, via minha bundinha toda e a luz da garagem ligada eu estava lá nuazinha e quando consegui abrir a porta ele rindo vendo algo que nunca poderia imaginar que viria na caminhada.

Pensei minha nossa ele agora sabe da minha casa e me viu sem nada e certamente viu que estava depilada, deve achar que minhas amigas fizeram uma brincadeira e que somos jovens loucas e ele ria quando fechava a porta de casa.

Elas foram embora rindo e cansadas de tanto rirem da minha cara de humilhada, chorei muito depois e pela primeira vez depois disso tudo estava sozinha a noite em casa, antes de dormir elas ligavam me xingando, ameaçando e rindo toda hora e eu obrigada a escutar e desligavam na minha cara.

Sentei na sala e chorei muito do inferno e de tantas coisas que nem eu me lembrava que passei, desde o começo até esse ponto que cheguei.

Fui dormir não sei o por que mas dormi no quarto da empregada, peladinha e toda triste e me sentindo sozinha eu estava mesmo abandonada a minha sorte, pensei na faculdade e tudo mais, família, amigos e outras pessoas. Cada vez mais me afundava e as pessoas que me humilhavam não tinham limites.

Depois de um tempo, com raiva de mim mesma, me toquei, me masturbei muito, gozei e dormi.

Quando Dora, voltou, soube de tudo, ela falou que as garotas abusaram e não era para ser assim, em nenhum momento me pediu desculpas, falou que conversaria com elas novamente e ela fez isso, ela parecia uma protetora e por incrível que fosse, foi na Dora, que senti confiança, a pessoa que me fez tudo isso até agora era a única que podia me ajudar e ela fez isso. Depois de um tempo ela volta em casa. Eu pelada lavando a cozinha com rodo e balde, ela me fala que acredita que as meninas não vão passar isso adiante e que poderia dar problemas para todas e etc...

Claro independente disso eu já estava toda desmoralizada.

Depois Dora, senta no sofá, acho que ela sabia dos exageros das minhas amigas e o risco que tudo poderia dar, e ela me chama e com voz doce pela primeira vez disse: _deita aqui minha putinha e eu deitei, da mesma forma quando ela me deu a mamadeira, ela acariciou meus cabelos e me falou que eu seria o brinquedinho dela, mas que ela cuidaria de mim, que eu seria dela mesmo e me perguntou vai ser isso putinha? Vai ser minha? Eu no colinho dela deitada no sofá balancei a cabecinha em sinal de sim, não acreditava que fazia aquilo, que concordava com ela depois de ter vivido as piores humilhações que uma garota poderia passar, mas fiz sim com a cabeça e ela acreditou em mim.

Ela sem eu esperar afastou a blusa que era minha e super cara que tem um v na frente e ela estava sem sutiã com o seio direito dela exposto e pertinho do meu rosto ela disse: _Quer mamar bebezinha? Eu olhei o seu seio negro com um bico muito duro e pontudo e escuro e abri minha boca e comecei a chupar como se fosse mesmo uma bebezinha, fechei meus olhos e fiquei lá enquanto ela passava a mão no meu cabelo.

Mamei ela e depois ela me colocou na cama e nem eu e acho nem ela esperava, mas a gente transou, ela sempre dominadora, mas transei com ela e ela me fez gozar muito. A gente dormiu a tarde toda juntinhas e eu que chupei ela e a Tulia, obrigada e chorando, dessa vez eu tinha feito não sei como mas com vontade, quanto mais eu passava minha língua na bucetinha dela mas eu me excitava.

Ela fez o mesmo em mim e depois como disse a gente dormiu a tarde toda coladinha.

Minha vida mudou me afastei das minhas amigas e depois de muito Dora falar elas me deixaram em paz, nunca mais fui convidada para festa alguma, me isolava pela vergonha que vivia e me isolei mesmo, minha família pergunta até hoje das minhas amigas e eu falo que quero estudar e por isso elas são isso ou aquilo e mesmo assim desconfiados me apóiam achando que falo a verdade que o que importa é estudar.

Quando meus pais estão em casa eu e Dora damos no máximo uns beijinhos ou chupo ela rapidinho, mas sempre isso acontece do lado submissa e ela dominadora, as vezes ela me cospe e da tapa mas quando estamos só eu e ela ela me humilha de verdade, me domina e mesmo super nervosa e constrangida, mas depois de tudo que já passei eu gozo muito com minha dominadora negra não sei como terminar isso mas eu passei a amar ela, aprendi da forma mais humilhante a ser uma submissa, passei as piores vergonhas da vida, coisas que ninguém passou mas foi aos poucos isso em mim vivendo esse drama que aos poucos minha mente me dominou depois dos maiores vexames e humilhações que passei a amar ela e hoje amo minha empregada e falo com ela isso. Dora, eu te amo muito e ela retribui dizendo abre a boquinha, eu abro e ela cospe e eu engulo e ela diz: _Boa cadelinha. E eu, obrigada minha senhora.

Comentários

29/01/2017 05:26:22
Amei tudo nota 10 Dora cuspi na tua boca deu maior tesão!!!!
28/01/2017 00:39:08
Ameii
23/01/2017 17:08:56
Noã tem mais? Não pode ser!!!!!!!!!!!!!!!!! Agora que estava a ficar quente acaba!?!?! Não pode ser!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
20/01/2017 14:59:59
Meus parabéns, dou 10 pk nao tem mais.... Será que acabou :O !!!!!!!!!!!!!!!!!!
19/01/2017 09:41:18
Muito boa sua historia, essa é daquelas que a gente lê e não quer que acabe nunca. Adorei nota mil. Parabéns e se puder continue.
19/01/2017 09:39:34

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.




Online porn video at mobile phone


contos eroticos anal ensinando a pilotar motocontos eroticos minha namorada virgem e meu amigo pauzudocontos eroticos chorando com o pau enterrado no cu e o macho arrancando bostamulher tapa os olhos do marido e entrega para o empregado fuder video pornocontos louco por cunhada rabuda casada "evangelica"meu filho pintudo contovizinha lactante contosestrupoanal abusopornofamilha sacana . filha querendo mamaconto erotico nora carenti fudendo cm sogra pirocudovídeo porno brasileiro de gostosa morena dando o cu pra estranho que come o maridotambémxvideo negao no branquinho esfoloxxxxxvideo mulher gosando wue nem louca e estralando a bucertafilme porno gay papis negao abusa de jovem mundo bichadei meu leite materno para ele contos eroticos.videos latifa comendo merdacoletania de negao socando ate o saco nas esposas gringas com vestidos pornocú do neltinho arrombadodois homens a baterem punheta fantaziando ate gozarContos eróticos gay meninos maldososbucetao contoscalcinha atirando de lado e mostrando abucetagarotinho loirinho de treze anos se descobrindo que e gay e tranza com seu irmãozinhomulher cagando enquanto dava a bucetamulheres casadas sarando melando a bucetasporno do padre fudeno casada comfusaContos novinha cuzinho depósitovarias imagens de bucetas e cu aregaadosminha filhinha na punheta contossogras com genrosbucetasputinha gostosa de blusinha regatinha e shortinho socado na ruameninos irmaos gay gostosos sarados pelados batendo punheta na cam e na escolapprno padrasto saradao escuta entiada gemendocabeção cantando xeretandocontos de incesto mãe pede a filho que depois a Cona e o greloquero ver filme pornô com mulher nunca troco fio jogo da Live Jaraguá colocar achei até chorarminha prima contoxvídéo homem agarrar a mulher com outro homem e pegar o cu deleporno dento da pestinha contos eroticos meu pai fez eu dar pro meu tiocontos nao resisti vi a buçeta da minha mae bebadamelhoor jeito para chupar um cuzinho pornobelo sexo dormindo de conchinha com a tia so de calsinhaenfiano anter o cotovelo no travestisquero ver mais linda buceta bem gostosa que adora você tinha até meu marido matou na buceta gostosa no grelo bem ponto de ir para lambe chupa bem gostosinho passo a pontinha da língua nesse grelinhoContos chantagiei minha irmazinhaContos eroticos comendo cu da mamae com o papaiminha mae me iniciou na zoofiliamete essa piroca noeu cu mim arba porno doidoconto erótico meu pai abuso de mim quando eu tinha cincoanosmeu tio comeu minha bucetinha virgem parte 2 contos eroticospor favor senhor eu nunca fiz sexo anal pornobaixar grátis vídeos pornô lésbicas gemendo grostoso e esfregando buceta com buceta molhadinhas até gosarcontos eroticos corno deixa o proprio filho foder a mulherirma com tesão no quarto do irmão1minuto xvideospai pono 15 etopo filiacontos de sexo no carro com um cara aiii metiii maisnovos Contos erodicos de tulacontos Fudidos De machucamento vaginal meu sobrinhoContos eróticos: Rabetao da minha sobrinha sarrando na minha picacarolzinha santos e suas amigas trepano no churrascocontos eróticos fiz sexo por acaso com minha tiaapaixonado por um hetero cap 19pornota doendo gosa logocontos sexo anal concunhado concunhadavideo de um homen chupano a buceta da mulher a te dar istraloscontos eróticos, fatos veridicos com bem dotadocontos de crossdresser forçadofotos de adélia que postam suas bucetas no mensagens@nubianinfa.comContos eroticos seduzi a mae do meu amigo uma coroa bem recatada e dona de casaxvideo muilher surpresa nxvideo sexo u buracuvídeo pornô ginecologista idoso não resiste a bucetinha apertadinha da paciente e a estrupa força