Casa dos Contos Eróticos

Click to this video!

Domingo de Carnaval

Autor: Edu
Categoria: Heterossexual
Data: 26/02/2017 20:07:24
Última revisão: 26/02/2017 20:13:54
Nota 8.86
Ler comentários (7) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

O meu domingo de carnaval começou bem.

Alugamos uma casa no litoral e chegamos na manhã do sábado. Como combinado, a caseira nos esperava já com tudo pronto, inclusive o almoço. Éramos somente eu, meu irmão mais novo e os meus pais. Contando com a caseira e sua filha, seis pessoas ao todo na casa.

A filha da caseira chama-se Ritinha. É de uma beleza comum, mas nem por isso menos bela. Tem cabelos loiros cacheados e a pele acobreada, já de tanta exposição ao sol. Quinze anos, peitinhos médios, coxas grossas e uma bunda redondinha. Suas feições são suaves, normais, a não ser pelo nariz um pouco adunco e os olhos claros, sempre sorridentes.

A moça é muito simpática. Deu-se rapidamente conosco. Gostou do meu irmãozinho de quatro anos e pôs-se a fazer-lhe companhia, deixando minha mãe mais livre para aproveitar. Só aí já caiu nas graças.

Passei a observá-la, pondo-me atento para conseguir pescar qualquer chance de poder me dar bem. E nesse processo de observação, percebi que ela também me lançava alguns olhares de vez em quando, mesmo com as pessoas à nossa volta. Quando me livrei da camisa e exibi meu corpo sarado, notei que ela ficou toda empolgada. Talvez tenha de alguma forma retribuído, quando resolveu pegar um solzinho e tirou a blusa, deixando as tetas durinhas bem à mostra, cobertas só pela parte de cima do biquíni.

Mas ficamos só nisso, até a hora em que ela e a mãe foram embora. Ao fim do dia, só o que me restou foi descontar no banho.

Então, veio o dia seguinte. Os meus pais saíram com o meu irmãozinho direto para a praia, um pouco antes das oito da manhã. Me acordaram para que eu fosse junto, mas acabei decidindo que era mais interessante ficar e poder dormir mais um pouco. Havia exagerado na noite anterior, pendurado ao celular.

Bem, acabou que não consegui. Pouco depois de todos saírem, a caseira chegou chamando. Me obrigou a levantar, para abrir o portão. Veio com a filha Ritinha, que dessa vez optara por já vir usando somente um shortinho de malha minúsculo e o biquíni, o corpinho de ninfeta exibido para quem quisesse ver. Me cumprimentou com um sorrisinho, ao passar.

Deixei as duas entrarem e as segui casa adentro, a Ritinha na frente e eu secando a sua bundinha gostosa. A visão da danadinha rebolando estava espetacular. Mas, no meio do caminho, elas foram para a cozinha e eu precisei desviar para o quarto, para tomar banho.

Tirei as peças de roupa que havia usado para dormir, joguei-as sobre a cama, e fui para o chuveiro. Não me preocupei em fechar nenhuma das portas. Só encostei um pouco a do banheiro.

Eu já ia entrar no box, mas aí lembrei da gostosa da Ritinha, e de pronto já senti meu pinto dando sinal de vida. Nada melhor do que uma boa punhetinha matinal, para começar bem o dia.

Sentei no vaso e comecei a me tocar, pensando em todo o tipo de sacanagem que eu podia fazer com aquela menina provocante. A punheta estava boa e eu não demoraria a chegar ao auge, não fosse o barulho de passos que veio do quarto, que tirou totalmente a minha concentração.

Devagar, me levantei e pus somente a cabeça pelo espaço da porta entreaberta, e eis que dei de cara com a própria novinha das minhas fantasias. Estivera recolhendo a minha roupa usada, e tomou um baita susto ao me ver.

Já foi logo pedindo uma enxurrada de desculpas por entrar sem avisar.

Que nada!

Na hora, o tesão tomou conta, amigos. Nem cheguei a pensar. Saí de dentro do banheiro nu em pelo, com a pica em riste, louco para mostrar para a Ritinha o que a estava esperando se ela desse mole.

Coitada. Ficou vermelha da cabeça aos pés. Pela cara, não sabia se gritava ou se corria. O susto foi tanto, que deixou as roupas caírem de suas mãos.

- Pera aí! Espera um pouco! – Falei num tom baixo, dando sinal com as mãos para que ela não se alterasse. – Calma. –

Ritinha dei uma olhadinha rápida para a minha ereção, e dela direito para a porta, de onde a sua mãe poderia surgir a qualquer momento. Balançou a cabeça, fazendo sinal de que não estava entendendo absolutamente nada.

- Gostou? – Perguntei, me exibindo todo.

Ela não respondeu. Fez-se de difícil. Limitou-se a não olhar para onde eu queria.

- Dá uma pegadinha, vai. – Pedi para ela, usando a minha própria mão para demonstrar a maneira como eu queria que ela me acariciasse. – Vai lá. Eu sei que você gosta. –

- Tá doido? Eu não. – Ritinha rebateu, mas sem fazer escândalo. Mas, ainda assim, dividia grande parte da sua atenção para a porta escancarada do quarto. Afinal, se alguém entrasse e nos encontrasse naquela situação, estaríamos bem ferrados. E ela mais do que eu, certamente.

- Só um pouquinho, vai. Pega nele. – Segui incentivando. – Olha só como ele tá duro. Todinho por sua causa. –

Ritinha balançou a cabeça, tentando parecer impassível.

O que fiz foi começar uma punhetinha lenta, aproveitando a situação excitante na qual estávamos.

- Vai fazer cú doce, é? – Provoquei. – Eu já sei qual é a sua, menina. Tá escrito na sua testa que você adora uma pica bem grande e bem dura pra chupar inteirinha. – Nossa, só naquilo eu provavelmente já gozaria rapidinho. – Olha essa aqui, bem gostosa, só pra você. Vem dar uma pegadinha, vem. –

De repente, me ocorreu uma ideia.

- Te dou vinte reais, se você der uma pegadinha nela. – Propus, apontando com um maneio de cabeça para a minha carteira, sobre a cômoda do quarto. – Rápido, antes que alguém chegue. –

Puta é puta, não tem jeito. Só de falar em dinheiro, a cadelinha mudou completamente de atitude.

- Vinte? Só pra pegar? –

Resolvi aproveitar que ela havia mordido a isca, e diminui a generosidade.

- É. E bater uma punhetinha rapidinho, até eu gozar. –

- Você tinha falado que era só pra pegar um pouquinho. – Ritinha protestou, pondo as mãos na cintura. Seus lábios não conseguiam evitar de se abrir em um sorrisinho safado.

- Topa ou não? - Finquei posição. – Se não quiser, pode sair. –

- Quero cinquenta. – A safada tentou barganhar.

- Trinta e mais nada. – Encerrei o assunto.

Ritinha dessa vez não se fez de rogada. Foi até a porta, olhou pelo corredor, e depois já voltou direto para mim. Agarrou a minha pica com sua mãozinha pequena e começou a bater uma punhetinha para mim. Seu rosto ficou a poucos centímetros do meu, sendo que eu pude encará-la e aproveitar todas as reações que passaram pelo seu rostinho de vadia. Do sorriso debochado até a boquinha levemente aberta, mais do que sugestiva.

- Cospe, pra facilitar. –

Orientei e ela prontamente atendeu. Mostrou que não era nem um pouco amadora. Usou a saliva para lubrificar, e foi quando a coisa ficou muito mais gostosa. Ela pôs-se naquele movimento de vai e vem, de vez em quando intercalando com uma espécie de massagem com o polegar e o indicador, direto na glande.

Não perdi tempo e ocupei minhas duas mãos, uma apertando a bundinha dela e a outra as suas tetinhas. No que ela não esboçou reclamação, aproveitei para sentir por inteiro o seu corpo gostoso de novinha, enquanto curtia o seu toque no meu falo.

Ainda pedi por um boquete, mas aí a Ritinha não concedeu. Balançou a cabeça em sinal negativo e intensificou o ritmo da masturbação, até que não aguentei mais e jorrei três jatos grossos de porra, lambuzando a barriga, o short e as coxas da putinha.

Ela ainda deu um pulo para trás, mas não a tempo de conseguir se proteger do banho de leitinho.

- E agora, caralho? Me melou toda. – Falou irritada, de braços abertos, para que eu visse sua situação. – O que é que eu faço agora? -

- Se quiser, pode vir tomar um banho aqui, comigo. – Me diverti fazendo pouco caso. Fui na minha carteira, tirei uma nota de vinte e outra de dez, e joguei-as na cama.

- Vai se fuder. – Foi a resposta que ela vociferou, me mostrando o seu dedinho médio.

- Então não é problema meu. – Desencanei e voltei para o banheiro. Momentaneamente satisfeito, dessa vez fechei a porta e já fui direito para baixo da água.

Não ouvi quando a Ritinha saiu e nem sei o que ela fez para se limpar. Só sei que a mãe dela agiu naturalmente comigo, e ela também se esforçou para fazer o mesmo, para não levantar suspeitas sobre o que havia acabado de acontecer entre nós.

Agora estou em um impasse, porque lógico que quero que role muito mais entre essa putinha safada e eu. Vai ser um carnaval memorável, se isso acontecer. Mas, amanhã chegam os meus dois tios e suas famílias, e a casa vai ficar bem lotada. Não haverá mais essa privacidade que possibilitou a experiência deliciosa que acabei de contar para vocês.

Dizem que quem quer, sempre arruma um jeito. Vamos ver se é mesmo assim.

Desejem-me sorte.

Comentários

26/08/2017 09:13:37
Meu caro escritor vc é danado ein, vai mesmo pra cima. Na proxima vez, que tal eu para cuidar da casa na praia? Rs. Gostei e dou nota 10. Te convido a ler os meus. Desde já agradeço. Bezitos.
26/03/2017 10:16:27
Putz!... Viajei no tesão, mas aquilo que eu esperava meeessmo, não aconteceu. Quem sabe nos dias seguintes de carnaval essa Ritinha resolva ceder. Se fosse a Ci aqui, já tinha acontecido. Dez pra você... Bjs=-)
19/03/2017 16:35:13
muito bom esse conto.....mais poderia melhorar mais...
02/03/2017 21:24:49
Muito bom, querido. Insistiu e conseguiu alguns favores com essa menina danadinha. Foi bem sexy, sedutor...excitante, tentando ela com seu jeito persuasivo. Escrevi há pouco meu segundo conto aqui. Visite-me novamente quando puder! Bjs babados.
uem
27/02/2017 23:16:33
muito bom
27/02/2017 06:04:49
Maravilhoso se alguma gata quiser tc chama no whats ONZE.NOVE, SEIS, NOVE, NOVE, SETE, TRÊS, SEIS, NOVE,NOVE MARCOS BJS NAS PEPECAS....
26/02/2017 22:28:20
Show de conto, Edu. Essa Ritinha tem todo jeito que faz e gosta da coisa. O pior é que percebeu que pode render o vil metal. A coisa pelo jeito vai ficar bem interessante. Conte logo como terminou. Bjs, Val.

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.




Online porn video at mobile phone


pegei miha esposa transando com nosso cachorrotira A roupa vou te estrupar no pornocasada foi pra oficina dar pros mecanicoscontos erotigos desenhos comendo a fazedeira do bumdaoviu a fofinha dormindo pelada e arrombou ela pornojuju fudedoconto crente com fogo na bucetaminha cunhada punheteira contos reaisporno xoxota loucas surpresamulher beijando a mulher na boca pelada no titubearvideo de homemmorde vaginavideo porno lanbidas na boceta noivas e incestobaixa lourinha cafungada com o negaofilha. acorda. sentindo apica do seu pai toda na. sua. bucetinha ..filhinha provocando o pai e mostrando a piriquitinha só de calcinhaksalswing2011conhado se aproveitando da conhada porreconto erotico mendiga novinhacasa dos contos eroticos com sobrinhos chupador de bucetaguris metendoO vizinho safado do 205Busca por contos de marido traindox videos curraincestosexo soumenti com corno chupando porra de macho na buceta da esposaFotos de mocinha empinando o cu para o negao de pau mandigoVer contos de ciume do diario de um guei (sobre alam e biel).historia-erotica de entiado bem dotado fudendo a entiadahomens balancando as bolas pornomulheres na cama peladas uma ensima da outra peladas apertando a bumda da outracontos eróticos curtosde gay dando o cu pro cachorrãoicvidiopornoEsfreegando a pica na maninha inocenti contos eroticcosconto mulher sede a chantagem de garoto tranzarsexo soumenti com corno chupando porra de macho na buceta da esposaBabá velha finge dormir e e emrrabada pelo novinho contos eróticoscasa dos contos de nick malconcontos cuzinho da Robertavídeos de veias tirando a caucinha dando o cu pra velhofilme porno americano onde objeto exotico liberava o tesao dos personagensesfregou e gosou na xeca da amiga uhhhtrabalhadora chote curto pornobucetamelecacontos eroticos diaristacontoseróticos invasão anal 3contos coroa implorando por uma picaloira e judiada levando com forca na boca e na bussetavideos porno meu vizinho é louco por minha bundaMinha namorada seduzida pelo papo do pagodeiro contos de mulheresminha cunhada punheteira contos reaisgta v a minha secretaria ta dando mole fizemos sexo no escritoriohomem empurra na vara na jumenta até gozaro vizinho safado do 205contos eróticos​, praia de nudismocadelas graudas no cio em zoo.casadoscontosContos de caseiros negros idoso bem dotado comendo cu de patroas brancasXVídeos coletânea de mulher sendo agarrada no serviçoconto incesto sempre que vejp minha irmã fico de pau duro e ela cheia de tezaoincesto/imaginaçoes com a maecontos erotico meu pai tem o pau iguau d um cavalo e mi fudeuvadia adoro dar o cuzinho pro gigolo foder com vontade o cuzinho delaxvidio louco desejo vestidinhotravesti super roluda pega a mulher casada que goza so de ver o tamanho ahhhhsexo taboo com toda a família contos ineditos mães e filhos online contos de incesto Fui inciada pelo amigo do meu pai contos eroticosMeu padrasto bella&alexCorniei em cabine eroticaContoeroticonovinhosafadocontoserot/mamae pegou eu e meu irmao brincando de medicocontos gay me apaixonei pelo meu cunhado novinho hetero que me humilhavavideo pornor espetacular com mulheres ki sao loucas por homem de pica gigantenovinha que derao boceta e firmarãobaixando GTA tomando banho no banheiro tocando siririca eu não aguentei e ajudei ela comendo elafoda insana com cunhadacontos erotico cm irmaContos perdendo o cabaço com negao tripéporno inventei um assalto para o comer minha mulherpatroa pega peao comendo egua e fica toda excitada pornoXvideos as filinhas lerinhaWww.mulheresemaridoscornos/porno porno no cinema cine operacolokando o pau na boca da irmanzinhq dormindo