Casa dos Contos Eróticos

Click to this video!

Meu marido me viu chegar sem calcinha em casa

Meu marido me viu chegar sem calcinha em casa

Começo esse relato dizendo que sou uma mulher casada e feliz, e essa é apenas uma pequena introdução de uma estória que rendeu e rende problemas até hoje, não é uma estória aborrecida, mas realmente tem momento em que preferia não ter vivido a mesma. Me chamo Dolores e essa é minha estória.

Como disse anteriormente sou casada com um homem que amo, respeito e necessito. Sou dona de casa, não tenho corpo de modelo, ao contrário tenho alguns quilos a mais, não muito, mas estou acima de meu peso. Em meus quarenta anos de vida, tive dois filhos sendo a mais velha atualmente com dezenove anos e o mais novo com dezoito. Meu marido é um homem muito quente, tanto que me procura várias vezes na semana e sempre estou disposta a deitar com ele e termos uma relação da qual desfruto enormemente. Mantemos relação pelo menos durante três ou quatro dias na semana. As vezes estou cansada de minha rotina diária, mas sou uma mulher submissa, a típica dona de casa que aprendeu a atender os caprichos do marido e cujos desejos são ordens a não serem discutidas. Sou sua esposa e aceito suas propostas sem discutir, afinal de contas fui criada de forma que a mulher deve se submeter a seu marido e a seus caprichos, não tendo que questionar as ordens emanadas dele, pois é o homem e o provedor da casa. Sempre aceitei que os homens têm a força e a ferramenta para subjugar as mulheres. Nós somos aquelas que somos abertas e os homens aqueles que nos abrem. Essa foi minha criação e a forma que sempre enxerguei o mundo dos homens e mulheres.

Algumas pessoas vão me criticar por isso, mas eu cresci assim e para mim, agora, é muito difícil mudar, reaprender as coisas da modernidade. Fui criada para ser esposa, mãe e submissa ao marido.

Durante vinte e dois anos de casada e até o ano passado, somente uma vez tinha sido infiel a meu esposo e já haviam passado quase vinte anos desse ocorrido. Eu trabalhava como atendente em uma clínica, antes de me formar enfermeira. Mas essa é outra estória que retomarei em breve.

No ano passado voltei a enganar meu marido e dessa vez ele ficou sabendo e bem, recebi a primeira surra de minha vida. Não posso aceitar que um homem agrida a uma mulher, mas compreendi seus sentimentos. Um homem como ele, um macho alfa, dominante, deve ter-se sentido muito mal ao descobrir que sua esposa voltava da rua após ser duramente trepada e metida.

Era inicio de primavera no ano de 2006 quando em uma manhã sem qualquer motivo, a não ser uma ação diabólica, vi minha vida ser virada de cabeça para baixo, após ir no sacolão do bairro onde resido para fazer uma compra, como havia feito, centenas de vezes antes.

Pelo menos três vezes por semana e as vezes todos os dias, eu comprava no mesmo verdureiro. O dono era um senhor maduro que sempre tinha um comentário de duplo sentido que faz as mulheres sorrirem. Essa manhã foi diferente. Seus comentários tinham muito sentido para mim, pois me faziam molhar a xoxota e a calcinha evidentemente, fazia meus mamilos ficarem eriçados. Eu olhava para o volume entre suas pernas e percebia que ele estava excitado comigo.

Esse dia ele aproveitou-se que não havia outras clientes na loja e começou a dizer coisas que realmente me faziam corar, dizia o quanto eu era agradável, bonita, sensual, sempre sem dizer diretamente nada, mas eu sabia perfeitamente o que ele dizia. Por exemplo ele dizia que haviam mulheres que mexiam com a cabeça dos homens apenas por andarem na rua. Que essas mulheres eram capazes de fazer qualquer um perder a cabeça, todas elas. Ou dizia que o tesouro escondido sempre era mais aprazível e impressionante. Dentre outras baboseiras.

Mas esse dia simplesmente ele me perguntou se eu já havia provado sua banana? E me mostrou uma banana enorme e grossa, bem grande mesmo.

Não sei porque respondi que ela deveria estar dura pois ainda não estava madura. E disse isso olhando para o formidável volume que ele tinha entre as pernas e que estava estufando sua calça.

Comecei então a pedir as verduras e legumes que precisava: Berinjelas, batatas, quiabo, beterraba, abobora e cenouras! Ele me respondeu que as cenouras tinham acabado de chegar e que ele ainda não tivera tempo de as desembalar, mas que a tarde já estaria na banca. Se eu poderia voltar dentro de uma hora que já as teria desencaixotado.

- Eu lhe respondi que sim, voltaria depois para buscar as cenouras.

Fiz outras compras, retornando ao verdureiro por volta do meio dia e meia, ele já estava fechando a loja, pois somente funciona pela manhã e estava sozinho.

- Vim buscar as cenouras, lhe disse parando à porta.

- Ah sim, claro, me respondeu. Contudo se a senhora não se importar terá que esperar alguns minutos enquanto vou buscar? Contudo talvez seja melhor que a senhora mesmo escolha as que queira, disse abrindo a porta e me convidando para entrar na loja.

Assim fomos nós dois até os fundos da loja, onde estava o estoque. Ele vinha atrás de mim, quase encostando em meu corpo, eu sentia sua respiração e isso mexeu comigo, sentia que estava ficando acalorada e excitada com aquela situação, minha xoxota começou a umedecer e minha calcinha também.

Chegamos a uma espécie de galpão onde haviam diversas caixas de verduras, frutas, legumes, em um canto, havia um colchão encostado na parede, com um lençol enrolado sobre ele. Olhei curiosa para aquela peça. Ele percebeu meu assombro e me disse:

- Às vezes a mercadoria chega bem cedo e tenho que dormir aqui para recebe-las e também para descansar antes de voltar para casa. Também algumas damas se sentam nele para esperar o produto. Começamos a rir desse comentário e eu perguntei.

- E são muitas as damas que o fazem?

- Algumas!

Respondeu de forma misteriosa e maliciosa.

- Aqui estão as cenouras, me disse mostrando-me uma caixa que acabara de abrir. Escolha as que preferi.

Eu me aproximei da caixa que estava no chão e quando me inclinei para escolher algumas, o senti. Era seu cacete duro apoiado em meu traseiro, bem no rego de minha bunda, mostrando-me um caminho do qual eu não poderia mais voltar.

Fiquei quieta, não disse nada. Ele me apertava mais e dizia:

- E essa cenoura? O que você acha dela?

Continuei calada, mas sorria baixinho.

Ele então levantou meu vestido até deixar a mostra minha calcinha. Se inclinou sobre minhas costas e me disse baixinho no ouvido:

- Você gosta dessa fruta que quero lhe dar?

- Sim, respondi com voz rouca.

0 verdureiro, que se chama José, começou então a me empurrar para o lado do colchão, sempre segurando minha cintura e roçando o cacete em meu traseiro, dizendo que iria me arrebentar, acabar comigo com aquele enorme cacete que tinha e que eu sentia, dizendo ainda que eu iria receber o que estava procurando.

Me deixei conduzir. Somente pensava que esse homem grande e pauzudo iria meter em mim e alguns minutos. A única coisa que me preocupava é que estava usando uma calcinha velha e que inclusive poderia estar furada, mas nunca pensei que poderia acontecer o que estava ocorrendo nesse instante.

Ele quase me carregava no ar, suas mãos acariciavam meu corpo como um possesso. Eu continuava sentindo seu palpitante cacete bem no rego de minha bunda, pressionando minhas carnes, sua glande quente empurrava o tecido como se quisesse entrar através dele.

Era um homem rude no trato com uma mulher e a mim não estranhei, pois, a maioria dos homens me trata assim. Não era indelicado, mas era bruto, tosco, um homem das cavernas e não um cavalheiro. Uma mulher submissa gosta também de se sentir dominada, de sentir o membro duro do homem mostrando que a deseja e o que a fará sentir. A dureza de seu cacete era seu cartão de visita e mostrava claramente quem era o dono da situação, quem era o macho alfa e quem era a fêmea naquela relação. Ele não abria muito espaço para doçura, mas a intensidade das sensações era incrível e eu estava tão molhada que não queria esperar mais para sentir ele dentro de mim.

Ele mordia minha orelha, lambia meu pescoço, deslizando a língua lentamente numa caricia. Dizia baixinho que eu iria voltar para casa cheia de porra e satisfeita e até mesmo cansada. Me mostrou o colchão, disse que eu iria morde-lo, que eu iria me fartar, seria amada até ficar sem folego, exausta e dolorida.

Eu não respondia nada. Somente me deixava conduzir e tratava de assimilar que depois de muitos anos, outro homem que não era meu marido iria meter em mim. Isso me dava medo, sabia que meu marido era muito macho, ciumento e possessivo e que eu seria duramente castigada se ele viesse a tomar conhecimento disso. Mas eu não me importei naquele momento. Estava muito excitada e desejando esse verdureiro pauzudo e bruto, que me dominava nesse momento, me tratando como uma dona de casa qualquer que abriria bem as pernas para recebe-lo e que gritaria sob seu corpo e submetida a seu enorme membro.

Ele então abaixou minha calcinha de um puxão, passou então sua mão grossa de trabalhador por toda a racha de minha bunda, de cima até embaixo, detendo-se em minha vagina, cujos lábios abriu com seu dedo maior pois percebeu que eu já estava encharcada. Eu apenas gemi e abri um pouco mais as pernas. Ele então me virou e meteu a língua dentro de minha boca, num beijo possessivo e molhado, chupava-me a língua e eu sentia como se a língua dele pudesse chegar até minha garganta. Em seguida ele me segurou pelos ombros e me empurrou para baixo, até que eu me ajoelhei no chão de frente para ele. Em seguida ele começou a esfregar meu rosto no volume de seu ainda escondido membro. Eu senti em meu rosto a forma e a dureza daquele membro, me parecia grande e grosso como eu imaginava quando olhei para entre suas pernas pela manhã.

- Você quer isso, vadia?

Eu não respondi, mas me deixei levar, afinal de contas estava excitada e submissa como deveria estar. Ele então abriu o zíper da calça e seu cacete saltou de dentro, era grande, era grossa e era cabeçuda, me segurou pelos lados do rosto, elevou meu rosto de modo que pudesse olhar para ele e me disse:

- Vou fazer você engolir e chupar esse cacete até se fartar.

Então ele baixou a posição de meu rosto até ficar defronte ao seu cacete e me puxou contra seu ventre. A cabeça daquele cacete apontava para minha boca e eu entreabri a mesma para receber aquele troço de carne dura e palpitante. A glande começou a pressionar meus lábios e segui abrindo a boca até conseguir que aquele chapéu entrasse e deslizasse boca adentro em direção à minha garganta. Era muito grande e era muito grosso aquele pau duro, muito duro, apontando para sua barriga. Eu chupava e lambia aquele cacete, babando-o com minha saliva. Eu estava em êxtase com aquele membro dentro da boca. Sentia minha vagina cada vez mais molhada e escorrendo meus fluidos pelas coxas, porque a calcinha, já não tinha condição de absorver mais nada. Eu queria aquilo, estava gostando daquilo, do que estava acontecendo e me sentia uma mulher desejada e que seria com certeza complacida por aquele rude homem.

Ele metia em minha boca como se estivesse fazendo-o em minha xoxota e assim fiquei chupando aquele pau por muito tempo, ele não tinha pressa e conseguia segurar sua excitação impedindo-se de gozar em minha boca. Eu já estava com a boca cansada de tanto chupar, quando ele puxou o cacete de dentro e então segurando-o com uma das mãos, bateu com o mesmo em meu rosto, aquele pau duro e inchado, cabeçudo, batia em minha face, em meu nariz, em todo meu rosto. Sentia aquele falo poderoso e via como da fenda na sua glande deslizava gotas de seu próprio liquido pre-seminal, seu lubrificante natural, misturado com minha saliva o que deixava aquele quadro completamente babado.

Em seguida ele me puxou de novo para cima e novamente me beijou, enfiando a língua dentro de minha boca, digladiando com a minha e sem demonstrar qualquer reparo no fato de eu a instantes estar chupando-o, gostei daquela atitude, pois meu marido me mandava lavar a boca depois de o chupar, para somente então voltar a beijar minha boca. Percebi que aquele homem não tinha nojo de mim e nem da caricia que eu acabara de fazer no mesmo, ao contrário agradecia com beijos e caricias, aumentando ainda mais meu grau de excitação.

Ele me segurou pelas nádegas e disse que me partiria ao meio, disse que iria enfiar todo seu grande e grosso cacete em meu ânus e que o abriria para sempre, que nunca mais o esqueceria quando estivesse fazendo amor com outro homem.

- Você vai sentir um verdadeiro cacete arrombando sua argola, esse seu delicioso anel de couro.

Então ele me virou de costas para ele. Senti seu pau duro bem no rego de minha bunda e ele roçando aquela peça de nervos em mim. Eu me preparei para receber aquilo tudo em minhas profundidades.

Depois ele puxou meu rosto para trás e voltou a me beijar. Eu me ajeitava elevando os pés para que seu cacete entrasse no vão de minhas pernas, eu já queria sentir aquele membro percorrendo minhas carnes. Com uma das mãos ele conduziu o cacete e colocou a cabeça bem na entrada na buceta, eu arrebitei o mais que podia o traseiro e então com um movimento de quadril ele começou a entrar dentro de mim, senti minhas carnes sendo abertas, esticadas. Era um descomunal volume que me penetrava. Abri a boca para me ajudar a respirar porque a pressão era muito grande e apesar de minha natural lubrificação, da lubrificação dele e de minha saliva deixada no corpo de seu cacete, ainda assim a penetração era justa, apertada, parecia que eu estava sendo desvirginada novamente, era muito maior e mais grosso que o de meu marido.

Senti um grande alivio quando seu ventre se apoiou em meu traseiro, eu sabia que tinha sido totalmente penetrada, mas então ele começou a bombear. Entrava e saia, seu pau puxava a aba de minha xoxota para fora e depois empurrava de novo para dentro. Estirando minhas carnes. Sentia que meu clitóris era pressionado pelos pequenos lábios da vagina sendo puxados e isso aumentava ainda mais o grau de minha excitação. A minha única saída foi começar a gemer e quase gritar o prazer que estava recebendo, sentia minhas carnes cada vez mais molhadas, escorrendo fluidos perna abaixo, coxa abaixo. Suas mãos em meus quadris apoiavam e davam sustentação aos seus embates, ao seu ir e vir dentro de mim. Em segundo não consegui me conter e gritei o prazer, ele me estava fazendo gozar e gozar de uma forma tão intensa que perdi o equilíbrio, a sustentação das pernas e cai de quatro no chão, ao lado do colchão. Quando senti que caia e que seu cacete saia de dentro de mim, foi uma tristeza, como se tivesse sido abandonada.

Esse foi o único momento em que ele foi delicado comigo, pois me ajudou a me posicionar sobre o colchão e voltou então a entrar por trás dentro de mim e continuar martelando seu falo em minhas entranhas. Penetrava-me profundamente, sentia a cabeça de seu cacete pressionando o colo de meu útero, empurrando minhas carnes para dentro e depois as puxando para fora, achei que ficaria totalmente arregaçada e machucada com aquele colosso.

Mas além daquele pedaço estrondoso de carne ele tinha outras ideias, me segurou pelos cabelos me mantendo bem penetrada e lubrificando um dedo o enfiou em minha bunda. Ele começou então a enfiar e tirar o dedo de dentro de mim, laceando, alargando meu ânus, depois ele enfiou um segundo dedo, doeu, pois não sou acostumada a dar a bunda, meu marido me comeu algumas vezes, mas não é sua preferência.

Enquanto procurava alargar meu buraco traseiro, ele não parava de me penetrar e me acariciar, levando-me a ter diversos orgasmos sucessivos, um atrás do outro, cada um mais intenso que o outro. Eu estava nas nuvens sentindo um enorme prazer, sendo amada, sendo subjugada e sabendo que aquele homem estava desfrutando de mim, tanto quanto eu desfrutava dele.

Enquanto ele metia e me acariciava ele também me ofendia, chama-me de puta de vadia, de mulher fácil e principalmente de submissa.

Eu lhe respondi que não era puta, que era casada e que nunca havia traído meu marido antes. Ele então me deu um sonoro tapa na bunda cujos dedos ficaram marcados em minha pele.

- Eu sabia que deveria ter avançado sobre você antes. Há anos pensava nesse momento, mas nunca percebi que seria tão fácil, você parecia ser inatingível, sequer conversava, chegava pegava o que queria pagava e ia embora. Eu olhava você caminhando e ficava excitado, mas não podia pôr a perder uma cliente por causa de apenas uma tentação. Mas quando comecei a conversar e você me respondeu, fui tomando confiança e sabia que era apenas uma questão de tempo, que você seria subjugada por meu cacete e eu te arrombaria com ele.

As palavras serviram apenas para me excitar mais ainda e eu gemia e rebolava debaixo daquele verdureiro de pinto grande e grosso que estava me abrindo toda. Meus gritinhos de prazer eram sonorizados a cada bombeada que ele dava, seu cacete era implacável dentro de mim. E ele dizia:

- Toma puta, goza gostoso, goza de novo com esse macho que está te perfurando.

Eu sentia seu cacete pulsando dentro de mim. Eu apertava os músculos internos da vagina para sentir tudo que me era possível e desfrutar daquele homem rude, mas que estava me levando a sentir sensações que eu tinha certeza jamais esqueceria em toda a minha vida. Estava maravilhada em ser submetida a ele, em sentir sua masculinidade dentro de mim, em sentir minhas carnes macias sendo abertas, minha intimidade violada.

Ele me ofendia, me chamada de puta, de vadia. Eu não me sentia ofendida, ao contrário tinha aquelas palavras como um elogio, pois ele estava tendo prazer comigo e eu tendo com ele. Gozávamos cada vez mais intensamente. Eu sentia que estava aberta, arregaçada com aquele enorme cacete me abrindo as carnes mais delicadas e sensíveis de meu corpo.

- Vou te mandar para casa totalmente aberta e arreganhada. Seu marido vai poder enfiar a mão dentro de você, porque se enfiar o pinto, não vai sentir nada, pois duvido que o cacete dele seja maior e mais grosso que o meu.

Ele dizia essas palavras e em meu intimo sabia que não estava mentindo. Meu marido era bem-dotado, mas esse homem era um verdadeiro cavalo, parecia um garanhão puro sangue e seu cacete era simplesmente fantástico de grosso e grande.

Eu tentava ignorar, sentia-me trespassada cada golpe de sua glande contra o colo de meu útero apenas ampliava as suas palavras, eu sabia que nunca esqueceria esse cacete e estava gozando tudo que podia, aproveitando, pois não tinha nem ideia de como chegaria em casa. Ele não parava de meter, entrava e saia de dentro de mim como se estivesse possuído, suas penetradas eram fortes e fundas, ele estava me mostrando como um verdadeiro macho alfa trata sua fêmea.

De repente ele me deitou de costas no colchão, sua boca começou a me lamber o rosto, beijava meus lábios e lambia meu pescoço e minha orelha, arrepiando-me. Deitou em cima de mim e me penetrou novamente, deu dois fortes empurrões, cavalgando-me, enfiando até o fundo e minha vagina e então ele tirou tudo para fora.

Eu olhava seu cacete duro entre nossos corpos, olhava minha xoxota toda aberta e escancarada. Então ele me ordenou que abrisse o máximo possível a perna e levasse os joelhos ao peito e com as mãos que abrisse bem a bunda.

Ele iria me comer analmente. A princípio desesperei, não sabia se iria conseguir receber aquele cacete dentro de meu ânus. Ele iria arregaçar meu traseiro e eu não podia fazer nada para impedi-lo, ele iria romper meu cu. Tinha medo, estava com medo, sabia que iria doer, ele iria me marcar como uma vaca de sua propriedade, meu marido poderia descobrir. Seria muito difícil receber tamanho aparato em meu traseiro, mas ele estava decidido e eu iria tentar, com todas as forças e ganas eu iria tentar. Eu tinha a necessidade de que este verdureiro pintudo me dera o merecido castigo, por me excitar e molhar as calcinhas pensando em seu cacete grande e cabeçudo. Ele passou o cacete pela racha de minha bunda, espalhando os fluidos por toda a extensão, mas centrando em meu ânus. Ele espalhava os fluidos que seu cacete havia arrancado de dentro de mim e que misturado à sua própria lubrificação, permitira que seu cacete entrasse e saísse de minha xoxota. Eu sentia os fluidos escorrer por minhas coxas tamanha a excitação que sentia. Mesmo assim ele deu uma cusparada em meu rabo, misturando saliva àquele coquetel baboso.

Uma de suas mãos segurou minha cintura e a outra a base do cacete. Ele então apoiou a glande bem na entrada de meu ânus e começou a pressionar, pensei que ele iria me separar em duas, pois quando senti a cabeça dilatando o buraco de meu ânus, pensei que não aguentaria, queimava e doía muito, então, seu cacete duro, implacável e quente, começou a trespassar-me.

Eu rogava que ele me libertasse, que ele parasse de enfiar, de empurrar, era um gemido, um ganido e não palavras. Um lamento profundo, contudo, eu me deixava penetrar e tratava de relaxar e abrir o máximo que podia meu ânus. Eu já tinha dado a bunda, mas nunca para um cacete como aquele. Nada tão grande havia andado por ali. Quando ele começou a bombear eu já chorava de dor, minha bunda queimava como se estivesse em carne viva, então, momentos depois a dor começou a diminuir, comecei a sentir seu cacete deslizando para dentro e para fora, ao mesmo tempo que ele dizia palavras diferentes em meus ouvidos, dizia que eu era corajosa, que estava de parabéns, que havia sido valente naquele momento e que ele estava satisfeito comigo. Sua mão acariciava meu traseiro enquanto eu sentia seu peso em minhas costas. Comecei a sentir prazer e a me sentir protegida, saber que um homem poderoso como ele, capaz de encher cada parte de meu corpo com seu cacete, tinha momentos de delicadeza e de atenção. Ele exigia, mas sabia tratar bem uma mulher.

Quando por fim ele terminou comigo, eu estava toda dolorida, tinha esperma escorrendo de meu ânus e de minha vagina, estava sem calcinha e assim me dirigi para casa, ainda lembrando dos carinhos e do prazer proporcionado pelo verdureiro.

Quando cheguei em casa, me esperava o desastre. Meu marido havia chegado mais cedo do que o costume, pois a fábrica havia encerrado mais cedo o expediente. Ao olhar para mim e eu abaixar o olhar, no mesmo instante ele percebeu que eu tinha dado para outro homem, tinha deitado com outro macho.

Ele então me ensinou como responder por meus atos e que devemos estar preparados para isso. Ele me deu uma surra que me deixou toda marcada, com enormes vergões nas coxas, na bunda e nas costas. Ele usou um cinto de couro para isso.

Depois me levou para o banheiro e me obrigou a tomar um belo banho. Pensei que iria me abandonar, que meu casamento estava acabado. Mas não sei porque não fez isso, ao contrário, me jogou na cama e fez amor comigo de uma forma intensa, carinhosa, mostrou-me quem era meu esposo e preciso confessar que vibrei em seus braços, evidentemente não tanto e nem com a intensidade que havia conseguido com meu verdureiro.

Comentários

18/10/2017 03:03:11
Excelente
28/07/2017 20:00:17
Muito bom, me excitei bastante.
16/06/2017 20:58:17
Uaiii. Lembrei do meu paizinho que tinha uma mercearia e me comia em cima das sacas de farinha.. Eu tinha so 14 anos mas aguentava rola
04/06/2017 23:23:48
uma leitura mt longa, mas me encheu de tesão. [email protected]
uem
03/06/2017 00:35:06
que delicia de conto quero te vender verdura tambem te foder toda
30/05/2017 09:29:28
Delícia de Conto...Dá uma lida no Meu acho que vai gostar s seus textos publicados "Minha nova amiga da escola, seu irmão menor e sua linda mãe. Parte 10 " http://sharoland-nn.ru/texto/
26/05/2017 09:06:44
Hmmm, delicia de conto!!! Quem resiste a uma casadinha tarada assim? Eu ia pegar a calcinha e não devolver. Nota mil! Se puder, leia o meu tb. Abs.
12/05/2017 11:54:46
Ótimo conto, envolvente do início ao fim. Essa transa com o verdureiro foi muito bem narrada e excitante. Ainda bem que tudo terminou com apenas uma surra de cinta. Rsss. Dou nota 10. Te convido a ler os meus. Desde já agradeço. Bezitos.
09/05/2017 09:30:48
caralho que conto delicioso, fiquei imaginando vc sendo minha esposa......
08/05/2017 14:52:40
Muito bom mesmo. Parabéns
06/05/2017 21:51:20
Obrigado pelos comentarios, é sempre sensacional saber que agradamos ao nosso leitor
06/05/2017 11:13:34
Tesudo querido! Muito tesudo. O que mais dizer. Vc, Dolores, gosta mesmo da coisa e não resiste às tentações. Não posso condenar, porque sei como é difícil segurar o desejo quando a libido vai ao máximo. Só acho que teu marido não deveria surrá-la com o cinto. Se ele aceita e perdoa, o castigo é dispensável. Fica aqui meu comentário e nota. Sem dúvida dez. Visite-me quando puder!
06/05/2017 08:59:11
Excelente conto. Bem descrito e prazeroso
06/05/2017 07:18:10
Obrigado pessoal, é sempre excelente saber que estamos agradando aos nossos leitores, bjus, carinhos e caricias da surfista
06/05/2017 06:28:28
Ótimo
06/05/2017 02:42:02
Excitante
06/05/2017 01:32:40
Teu marido te conhece muito bem, sabe o que vc precisa. De agora em diante a cinta vai estar sempre presente entre vcs, Teu marido te ama,,,O conto esta muito bom mesmo,bem escrito e com detalhes excitante. Gostei,
05/05/2017 22:36:57
Aa seu marido adorou q vc deu pra outro.ótimo conto parabéns

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.




Online porn video at mobile phone


porno de professora na forretacontos eroticos dominada na frente do meuenteada dorme de conchinha com padrasto e e penetrada.porno incesto com muita seducaoconto minha sogra mim escutava meter na filha dela batia sirrricacontos erotico sobrinho pausudo so de sungasogra fagar gero de pau durovideos de mulheres ficando toda impinadinha ao perceber a encoxadadeu para nao ser caguetada para o marido xvideosconto + de conchinha com meu filhoconto eroticos mulher do corno na borrachariaComi o rabo sujo de bosta do Lukinha contos eróticos gaysvídeo de uma mulher é o cara para tirar a virgindade dela pegando ela pulsaputa zoofilia coladalevando a cunhada para tomar injeção no bumbumporno a mulhe na parede e o homem a tras e saindo gosmacontos eróticos filhinha novinha gostosa delirando no colo do papaiconto erotico machucou o cu da casadinhaxvideo filinha mimada senta no colo do papai para masturbaVer contos eroticos de pai comendo a buceta virger da filhaeu quero GTA Marginal trabalhando na ambulância disfarçadocontos meu amigo foi em casa e minha mulher o chavecouque kikada cunhadinha pornocontos de sexo depilando a sograconto de sexo com cunhadaxvidios outros purai favoritoschupando buseta labefo pasda mso bocscontos sex fui enrrabado na adolescencia e gameixporno novinha tomando banho de porta aberta ai o seu irmão entra e ver ela e fica de queixo caído com o que ta vendo xvvidio padrasto fasendo a enteada gosar d tesao.acompanhando que Rominho ligouContos de meninas novinhas que liberaram o cuzinho pro namorado da sua mãe mas não aguentaram a rolaconto erótico menina timida mas cai de boca no pau tão novinha e peitudacache:Vk2StliVkE8J:gtavicity.ru/texto/20040419 Contos de primeira transa virgem detalhadamenteo vídeo de um homem e uma mulher dançando pelada com botãozinho para minha boca sem travar para não escolher se eu quero ou não aquele é minha nota porfavor aquele preto"mostra o seu que eu mostro o meu" vídeo pornobaixando GTA tomando banho no banheiro tocando siririca eu não aguentei e ajudei ela comendo elacontos de incesto mãe pede a filho que depois a Cona e o greloveterinaria zoofilia conto eroticominha tia Gleice Albuquerque pornôconto erótico minha empregadinha novinhacontos eróticos a aposta da esposacontos eróticos meu maridoviado corno na zoofiliavideos de porno cazeiros no mato no riu em todo cantomulher enfiando um pepino enorme na buceta fazendo barulhocontos de viadinho dr calsinhamelando buceta com salivaporno chupando a bucheta da minha padroa em baixo da mesa na sala de reuniõesx videos casada safada dando para padrinhode casamentocache:ldh9BdSAKNMJ:gtavicity.ru/texto/201703301 cd_patryziapredador de viado contos eroticosboquete da minha prima no meio da lavourra de cafe pornovelhopintudocontosconto com putinha novasPorno sexo gemido de prazer de esfomeadas com pauzao gostosocomendo amiguinha da entiada de 15anosconto gay o nerd e o bad boy 7conto erodico fodir com o namorado da minha amiga e ela chega na orao pedreiro me comeu a forca!!contos eroticosofereceu a filha pro caralhudo gigante xvideosconheci a menina arranca a roupa dela fica pelada fazendo sexoComtos Eroticos filho de menor fodendo mae gostosonaxv.ogenrro.cl.endo.asograver gostosas que presisou rasgar o seu chortinho de putinha para dar a bucetaescravo da esposa scatconto erotico lesbico dei o troco no meu marido com sua amanteContinuasao do video porno do pia esfregando na mae video chinescontos as calcinhas da minha sobrinha branquinhamenina novinha reclamando do pau grande caiu no zzaapfilhinha da a buceta para irmao e padrastocomendo amiguinha da entiada de 15anosvideos de sexo gay imperador sendo puta dos guardas do palaciovirgens+perdendo+o+cabacao+da+buceta+e+do+cu++virgensconto erótico gay o riquinho e o favelado 30contos eróticos paifinge dormundo fudendo filho e filha. virgem