Casa dos Contos Eróticos


Click to this video!

Desafiado pelo irmão Caçula (enrabamos o recruta)

Eu sou o Tiago. Um cara moreno, fiz 23 anos tem pouco tempo, alto e forte por conta da rotina de exercícios na Marinha. Cabelo sempre curtinho na máquina 1, ombrudo, peitoral aberto e levemente peludo, assim como as pernas. Pezão 43. Comecei a servir aos 18 anos, depois de passar na prova e mudar de cidade pra fazer os cursos necessários à minha formação. Até então, ainda morava com meus pais e irmão mais novo, que passei a visitar só nas férias. Nessa época, eu já tava de agarração com a Pâmela pelos cantos da casa, ora ouvindo esporro da minha mãe, ora sendo pego no flagra pelo meu pai, mas nada que eles não tivessem feito no tempo deles. Depois de alguns anos como marinheiro, acabei trazendo a mina pra morar comigo aqui na cidade onde sirvo, assim nos tornamos noivos e passamos a viver juntos, o que é bom no começo e se torna aceitável depois de um tempo. Mas vamos ao que interessa. Nos dois últimos meses de relacionamento, parece que minha noiva veio se arrependendo de tudo que havia feito até então. Ela não era de conversar e se abrir sempre, mas a insatisfação era nítida em seus olhos castanhos, não importa o ambiente em que estávamos. Não sei dizer se estava farta do trabalho no laboratório, da distância de sua família ou de mim. Mas não tentei entender, nem tinha como, porque a resposta foi sempre a mesma quando perguntei.

- Não é nada demais.

- Mas o que é? Existe alguma coisa, então..

- Não é nada..

Não saímos disso. No meio dessa situação de indiferença da Pâmela, ainda recebi uma mensagem da minha mãe no meio da semana, numa quarta-feira ensolarada.

- Tiago?

- Fala, Dona Stela!

- Preciso de um favorzão seu. Chama teu irmão pra passar um tempo aí contigo e vê se põe um pouco de disciplina na cabeça dele, porque tá impossível! Eu já não aguento mais, não sei o que fazer, Tiago!

Meu irmão a quem ela se referiu é o Renan, 5 anos mais novo que eu. Desde pequeno, o garoto era brigão, mas recentemente meus pais se divorciaram e parece que isso mexeu um pouco com ele, deixando estressado, sem dormir, além de descontar tudo no sexo, que era sua descoberta e vício do momento. O moleque não parava de comer piranha.

- E o que meu pai falou, mãe? - perguntei.

- Teu pai tá achando que é fase, que vai passar. Você sabe que não sou de incomodar vocês, prefiro fazer tudo sozinha, mas realmente tá muito difícil! Chama ele pra fazer um curso, alguma prova, qualquer coisa, mas tira esse garoto daqui!

Tudo verdade. Minha mãe não costumava pedir nada, então a situação devia estar bem chata, ainda mais com a mudança que tiveram que fazer da casa do meu pai pro novo apartamento, tudo acontecendo ao mesmo tempo.

- Acho que não tem problema. Manda ele vir pra cá, eu aproveito e peço as férias e tiro um tempo com ele pra mostrar a cidade.

- Vou falar, mas aí você aproveita e fala também, pra ver se ele vai logo!

- Tá certo, Dona Stela!

- Depois eu ligo pra falar com mais calma, tá? Beijo, filho!

- Beijo, mãe!

Depois de uns meses sem voltar em casa, finalmente encontraria com o Renan outra vez. E foi aí que lembrei de como as coisas estavam com a Pâmela, porque aceitei tudo aquilo sem sequer perguntar a opinião dela ou avisá-la. Mas, ao meu ver, se um irmão dela precisasse passar um tempo lá em casa, eu jamais me oporia, nem questionaria. Tudo bem. Dei a notícia naquele mesmo dia, já pela noite.

- Amor, o Renan vai passar uns dias com a gente. Você se importa?

- Claro que não.

Eu não soube se ela tava sendo irônica ou se falou sério, porque a resposta foi espontânea, bem rápida.

- Não mesmo?

- Não mesmo.

Mas não me olhou, pareceu distante.

- Pâmela, tá tudo bem? Você tá tão diferente ultimamente. - comecei.

- Tô sim. Não é nada..

- Como assim nada? Então tá acontecendo alguma coisa e você sempre responde isso.

- Sempre tá acontecendo alguma coisa, Tiago. Em qualquer lugar.. mas comigo não é nada.

Disse e foi pro banheiro tomar banho. Se ela queria espaço, eu daria.

Na sexta-feira da outra semana, fim de tarde, saí do quartel onde sirvo em terra e fui direto à rodoviária buscar meu irmão. Não demorei muito a reconhecê-lo, porque não havia mais de um ano sem vê-lo. Mais baixo que eu, o mesmo tom de pele e o rosto mais bruto por causa da barba cerrada, enquanto meu rosto era liso por conta da carreira militar. Marinheiro não pode ter barba ou bigode. Ainda assim, o moleque pareceu um homão, mesmo sendo mais novo e relativamente mais fraco. Podia não ter a desenvoltura completa que um marinheiro como eu tem, porém seu corpo já era crescido e ainda estava crescendo cada dia mais, pronto pra um incentivo que fosse de qualquer tarefa, cheio de potencial dentro dos músculos.

- Mal me viu e já fechou a cara, moleque?

Sobrancelha riscada, bermuda de algodão, jaqueta e chinelo de dedo. Do lado, uma mala de mão e a mochila nas costas. Bonezinho pra trás. O típico marrento que acha que é dono de si, do mundo e de todos.

- Ih, qual foi?

Apertou minha mão e veio batendo o ombro no meu. Era nosso cumprimento oficial de irmãos.

- Como tá, parelha?

- Tudo indo, Renan. E você?

Aí abriu o sorriso típico de fumante que pensa que engana.

- Tega na manteiga, mermão! Nada me abala!

- Tô vendo!

Começamos a rir e o ajudei com as malas. Não falamos muito, só nos adiantamos pra sair dali e retornamos pra casa.

- E aí, e o curso lá? Mãe disse que você quer seguir carreira..

- É, o que vier é lucro. Tô metendo a cara em qualquer bico, Tiaguin.

- Não é exatamente um bico, né? Já pensou em fazer a prova pra cá, que nem eu fiz? Já tá na idade.

- Então, é isso pô. Acho que vai rolar.

- Mas tá estudando?

Ele fez questão de me olhar antes de começar a rir bem alto.

- Aí é foda, né Renan?

- Porra, tu me conhece, sabe como eu sou!

Disse isso e abriu as pernas bem largado no banco do carona do carro. Mesmo de chinelos, o moleque tava de meias. Só fazia mesmo o que gostava, pelo visto não daria muito certo na carreira militar. Do contrário, teria que ser praticamente reeducado, desde a postura até à própria linguagem corporal. O nosso corpo e nossa maneira de fazer qualquer coisa diz muito sobre nós. E tudo que o corpo do meu irmão dizia, eu podia ver bem, mas ainda queria ouvir da boca dele pra acreditar.

- E o pai? - perguntei.

- Tá bem..

Não foi o que eu esperei ouvir, pareceu vago demais.

- Você tava com ele esse tempo?

- Nada, só fiquei uns dias lá.

- E lá, ele te dá liberdade?

E outra vez me olhou, mas agora não riu alto. Tornou a olhar pra frente e disse com total incerteza, a sobrancelha levantada e um pouco de hesitação.

- Não, né..

Meu irmão nunca presto pra mentir, ninguém melhor que eu pra saber. E não é só isso, ele sabia bem o que eu queria dizer. Como disse, vi sinais evidentes de algo que já conhecia em seu corpo. Algo que já havia visto no nosso pai e que estava presente no sangue de nós três, como homens de uma mesma família.

- Já te aviso que por aqui vai ser só rotina pra você. - recomecei.

- Eu sei, eu sei.. Mãe falou.

- Nada que vá matar um moleque desse tamanho, mas vai dar uma canseira braba.

- Aqui nós é pau pra toda obra, meu mano!

- Então quero ver!

Chegamos em casa e ele foi pro quarto de hóspedes desfazer as malas. Aproveitei e pedi uma pizza tamanho família, que chegou junto com a Pâmela voltando do serviço.

- Oi, amor.

- Oi.

Ela passou por mim sem o beijo de sempre. Paguei ao entregador e voltei pra cozinha.

- Renan tá aí, viu?

Mas ela nem respondeu, foi pro quarto e se trancou, não apareceu nem pra comer. Eu e meu irmão ficamos um bom tempo batendo papo e nos atualizando da vida um do outro, mas ele sempre meio evasivo na hora de responder perguntas, como se quisesse ocultar possíveis detalhes passíveis de julgamento. Comemos, tomamos umas cervejas e logo cada um foi pro seu quarto dormir. Pâmela já tava no quinto sono quando entrei.

No dia seguinte, levei Renan ao quartel pra ele conhecer um pouco da rotina militar. Pensando em tudo que poderia ser proveitoso pro moleque melhorar o comportamento e crescer como pessoa, fiz sua inscrição na prova que eu prestei para estar ali e também o inscrevi num curso de férias que era ministrado por alguns dos meus amigos da marinha, dentro da própria área do mesmo. Era quase uma espécie de preparatório físico para as provas que viriam a seguir, na intenção de já ambientar os futuros marinheiros com a vivência do que seria a carreira na força armada. Entre outras palavras, o moleque ia correr em pista olímpica, pular pneu, se arrastar sob arame farpado, subir paredes e por aí vai, no maior estilo treinamento de sobrevivência. Algo que achei que fosse derrubá-lo fácil no primeiro dia, até ver aquela carcaça firme e morena brilhando suada sob o sol.

- UM, DOIS! UM, DOIS! UM, DOIS!

Na fila de fora, eu o observei correr e pingar, só de bermuda e tênis, o corpo inchado por todo o esforço, mas o sorriso intacto no rosto, bem disposto a qualquer desafio, como se quisesse mostrar que precisaria de mais intensidade, caso quisesse mesmo deitar um filho da puta daquele perfil. Até meus colegas de farda pararam para vê-lo e me olharam aprovando o desempenho do meu irmão, mesmo faltando muita coisa para acontecer. Como tirei férias, não fiquei pra ver o treino do Renan por inteiro. Enrolei um tempo no quartel de papo com os amigos até a hora do almoço, voltei pra casa e retornei só pelo fim da tarde, hora em que o primeiro dia de rotina acabou. O sol se pôs no pátio principal, ele apareceu de banho tomado e bocejando mais que tudo, a mochila nas costas.

- Já cansou?

- Que nada, preparado pra outra!

- Isso aí, marinheiro! Boto fé!

Dentro de casa, meu irmão ficou mais na dele, quase não saiu do quarto de hóspedes. Nas poucas vezes em que apareceu, foi pra ir ao banheiro ou comer, sendo que até pra isso tivemos que chamá-lo. Na primeira vez, estava terminando de fazer a janta quando chamei ele e Pâmela. Ela veio, mas nem sinal do garoto, então pedi inadvertidamente que o chamasse no quarto enquanto eu terminaria de pôr a mesa. Não sei bem porque fiz o pedido, porque assim que acabei de arrumar tudo, eu mesmo fui lá chamá-lo. Antes de chegar, ouvi minha noiva batendo na porta.

- Renan, vem jantar! Tiago tá te chamando!

Quando pisei no corredor, foi o exato momento em que a porta abriu e Renan encheu os olhos no decote dela. Depois me olhou, completamente sem graça e tentando não parecer proposital.

- Opa! Já tô indo, vou só trocar de roupa.

Só de samba-canção e meias, ele entrou e fechou a porta. Ia comentar com ela sobre o ocorrido, mas parece que nem ela percebeu ou deu importância. O problema é que essas olhadas não terminaram aí, por mais que eu quisesse ignorar e achar que fosse tudo sem querer. A segunda vez foi quando ela cochilou no sofá e o moleque passou pro banheiro achando que eu tava dormindo. Reduziu até o passo pra manjar o rabão da minha noiva pra cima, já que ela tava de bruços. Olhou pra mim pra ter certeza que eu dormia, olhou de novo pra ela e ainda apertou firme o caralho na samba-canção. Como se não bastasse tudo isso, ainda tinha o hábito de andar seminu dentro de casa. A terceira vez foi a pior de todas, porque fiquei com a impressão de que o safado andou mexendo nas calcinhas dela, que ficavam penduradas no boxe do banheiro, e o puto tava só de sunga de praia, com um volume suspeito de quem tava se masturbando. Afinal de contas, o que eu pensei na hora de levar um jovem cheio de hormônios pra dentro de casa, pra perto da minha noiva? Pude lembrar de quando ainda morava com meus pais e eu e Pâmela éramos flagrados pelo Renan, que não conseguia parar de olhá-la. De repente agora estava tão próximo que não dava pra se controlar. Ele devia lotar o encanamento de tanta porra de punheta que batia pensando nela e eu sendo bonzinho o tempo todo.

- "Preciso ocupar o tempo desse moleque." - pensei. - "Preciso cansar a mente dele".

Até que, depois de muito pensar, juntei o útil ao agradável e tive a melhor das ideias. Como o Renan pegou bem a rotina inicial do curso de férias, não desconfiaria do meu plano. Combinei com o capitão que comandava sua turma de pegar mais pesado nos treinos, na intenção de cansá-los ao final do dia. Paralelo a isso, ainda o apresentei à atual turma de recrutas da marinha para que o moleque tentasse se enturmar e pegasse jeito pelos estudos, que era etapa essencial no processo seletivo, porém quanto a isso não tive muito sucesso. Agora, além dos treinos básicos, meu irmão também treinaria no solo lamacento do terreno de circuito, feito propositalmente pra exigir ainda mais força e empenho dos candidatos. Eles tinham que intercalar entre um lado e o outro, correndo sujos debaixo do sol e depois se jogando outra vez na lama, sem parar, ora escalando muro, ora debaixo de arame farpado e cara no barro.

- UM, DOIS! UM, DOIS! VAMO!

E o resultado do primeiro dia de intensivão apareceu. Renan dormiu no carro mesmo, chegou em casa e foi direto pra cama, só acordou no dia seguinte, antes de mais treino sob o sol. Nesse mesmo período de tempo, Pâmela juntou uma bolsa de roupas e veio me dar a notícia.

- Vou passar um tempo na minha mãe, Tiago.

- Como assim um tempo?

- Tô com saudades dela, das minhas irmãs.. Falei com o pessoal do laboratório e eles me deram uns dias.

- Mas você tá bem?

- Sim.

Levei ela na rodoviária, mas nada mudou.

- Quando você volta?

- Daqui a uns dias. Não se preocupa.

Voltei pra casa e tentei não me preocupar. Só queria entender o que estava acontecendo com ela, conosco, mas quanto mais tentava, mais distante me sentia de tudo.

Os dias foram passando devagar e nada da Pâmela voltar. Além disso, só depois que cheguei em casa reparei que ela deixara o anel de noivado sobre sua estante no quarto, mas tentei não me ligar muito nisso porque sabia que ela era desatenta com tudo e vivia mesmo perdendo as próprias coisas, desde jóias até documentos, carteira, chaves. Enquanto isso, cada vez mais Renan foi caindo de cabeça na rotina agressiva de treinamento. Cansou bem nos primeiros dias e só dormiu dentro de casa. Eu tive que acordá-lo pra comer e o moleque fazia isso quase caindo de sono, depois voltava pro quarto. Mas após um curto período foi se acostumando e resistindo cada vez mais, até dominar de vez o percurso e liderar o próprio ritmo de energia ao longo do dia. Ao mesmo tempo em que isso aconteceu, seu físico foi sendo estimulado ainda mais, tanto pela luz do sol quanto pelo esforço, além da satisfação que isso desencadeou dentro do corpo e da mente. O impacto foi tão grande que lembro-me do quão espantado fiquei quando entrei na biblioteca do batalhão e dei de cara com o moleque tomando aulas com um autêntico recruta da marinha, um moleque branquinho e com cara de nerd, de óculos e aparelho nos dentes.

- Aqui você faz a mesma regra de três pra descobrir a porcentagem de hectares de terra contaminada. Depois reverte as posições pra encontrar a quantidade de água.

- 32 pra 5?

- Correto. Calcula X.

A cara de animado, uma nova postura, até sua linguagem corporal era outra, sentado corretamente na cadeira e com total atenção ao que lhe era dito, sem querer adivinhar o que viria pela frente ou questionar, tal qual costumava fazer antes, com aquele jeito impulsivo de moleque apressado, afobado.

- X pra sobre 5, dá.. 640?

- 640 o que?

- 640 hectares.

- Excelente!

Fiquei orgulhoso por ver tanto resultado em tão pouco tempo. Dominar a rotina cansativa era o básico pro Renan conseguir ir adiante, já que teria que ter corpo pra aguentar e cabeça pra estudar, o que fora sua tormenta quando mais novo. Por conta de tanta aplicação, passei até a vê-lo menos. Uma vez acostumado com tudo, sequer precisei de levá-lo ou buscá-lo no quartel. E além disso, até enturmado o moleque tava, sempre acompanhado do recruta nerd e seus livros. Muito aplicado! Fora as rotinas diárias, passei a levar Renan pra conhecer a cidade no tempo livre. Apresentei os parques e até umas casas de show que talvez gostaria de visitar à noite, nos fins de semana sem aulas. Ele chegou a ir algumas vezes, levou uns colegas que fez no curso e até eu fui também. Em alguns episódios, o moleque foi direto pra casa do amigo nerd, só pra acordar e passar o domingo estudando e resolvendo questões de concurso. Comentei com minha mãe sobre isso tudo, mas ainda não havia entrado em contato com meu pai num bom tempo, até que decidi contar.

- Renan estudando!? AHAAHA

Não acreditei na reação do coroa.

- Pois é, nem eu acreditei quando vi!

- Acorda, Tiago. Teu irmão não gosta de escola. Por apostar que tem coisa aí!

- Ele tá outra pessoa, pai. Quando voltar, você vai ver. Isso se voltar, né? Do jeito que tá, vai querer servir mesmo! Mais um filho teu na marinha!

- Tá bom!

Ele poderia não crer, mas a realidade era essa mesmo, Renan estava um outro cara. Não parava mais em casa, tava com o corpo bem mais desenvolvido, totalmente disciplinado e atento ao que precisava. Chegando cedo no quartel diariamente e saindo tarde, sendo que às vezes aparecia com o nerd aqui em casa e ambos ficavam até tarde estudando e lendo textos, treinando redação. Nem pareceu mais o perdido que recebi meses antes, que sentava todo largado e ouvia funk o dia inteiro. Talvez fosse a vida adulta chamando.

O episódio que marcou de vez a transição do meu irmão Caçula aconteceu numa sexta-feira à noite. Lembro que eu tava de folga nesse dia e com uma dor de cabeça forte, então dormi após o almoço e só fui acordar no finalzinho da tarde, o sereno começando a cair. A casa tava toda escura, levantei zonzo e com a cabeça melhor, mas ainda assim tropeçando no meu próprio pé. Caminhei em silêncio e devagar até o banheiro pra dar um mijão. De lá de dentro, escutei um ruído parecido com o de alguém correndo numa esteira. Lembrei que o Renan devia estar treinando no quarto com o amigo, como estavam acostumados a fazer ao longo das últimas semanas. Comecei a imaginar o quão apertado era o espaço que eles tinham para tal.

- "Que injusto, os moleques cheios de energia assim e usando esse quartinho". - pensei.

Dei descarga, lavei as mãos e fui na cozinha pegar água. Enquanto fiz todo esse percurso, não parei de escutar os barulhos provenientes da prática exacerbada de exercícios físicos, como se fossem pequenos gemidos de esforço. Imaginei que os moleques tavam levando tão a sério a rotina de treino que acabariam passando dos limites e quebrariam alguma coisa dentro de casa, definitivamente precisando de um espaço maior pra extravasar a vontade de suar, ofegar e forçar os músculos, desenvolver o corpo. Foi então que, totalmente desatento e inadvertido dos sinais sexuais que meu irmão Caçula dava a todo instante sobre suas vontades de submeter alguém, abri a porta do quarto de hóspedes com a ideia de avisar sobre uma academia altamente capacitada que era ali perto. Mas não dei de cara com a rotina militar que estava esperando.

- TENENTE?

- RECRUTA!?

O nerdão tava de quatro na cama, pelado, se não fosse pelos coturnos que ainda tavam nos pés. As pernas juntinhas, um corpo durinho e o rabão pro alto, bem empinado, com a cara em pânico virada pra mim, os olhos arregalados e a testa suada. Em cima dele, bem nítido o caralho preto do Renan socado tão lá no fundo do cu do cadete, que o sacão peludo ficou estufado pra fora, como se resistisse bastante pra não acabar entrando junto. Ambos os ovos bem marcados de tanta pressão pra dentro de seu superior caso pertencesse à marinha. O moleque parou de meter por alguns segundos e me olhou. Depois de ver que não reagi, tornou a se empinar sobre o amigo nerd, esticou o corpo e voltou a meter bem no fundo do viado, como se não fosse consigo. Eu ainda me mantive imóvel e sem qualquer palavra, impactado pelo contraste extremo que fiz do meu irmão nos últimos dias e do que o vi fazendo ali.

- Re-R-..

O recruta tentou, mas a metida do Caçula era tão forte que a palavra não saiu por completa e se transformou em gemidos, ao mesmo tempo que o safado me olhou e sentiu o caralho rasgando e indo lá no fundo de si, de seu cu.

- SSSS! Renan-an-an-an!

Ele deu um tapa no lombo e enxugou o suor da testa com o antebraço.

- Isso, geme meu nome, cadela! Gosto quando tu geme, vai!

- RENAN! - aumentei o tom de voz.

Ele olhou pra mim outra vez, mas não conseguiu parar de jeito nenhum, estava fincado naquele cu como se nunca mais fosse soltá-lo, completamente engatado, agarrado feito um bicho e metendo sem parar.

- SSSSS!

Samuel, o recruta, não parou de gemer e me olhar, ciente de que eu poderia fazê-lo pagar por tudo aquilo dentro do quartel. Ele tentou parar o Renan, mas não pôde. Nada podia pará-lo, e eu sabia bem disso, desde o começo de tudo. Quando o busquei na rodoviária e o vi sentado todo abertão no banco do carro, soube na hora do que meus pais tanto reclamavam. Aliás, reclamara, porque só minha mãe falava, já que é de se esperar que meu pai também fosse vítima do mesmo tipo de aflição. Tava no sangue dos homens da nossa família, isso significava apenas uma coisa. Olhei pra baixo e senti meu caralho duro. A mesma sensação de quando embarcava pra algum país um pouco mais distante e passava longos períodos de tempo em alto-mar, cercado por uma porrada de homens respirando o mesmo ar carregado de hormônios masculinos e testosterona pura. A quentura que um expelia pela respiração, o outro inalava mesmo sem querer. E depois de tantos dias sem uma fodinha com uma mina, os banhos nos chuveiros tinham que ser gelados e rápidos, com a sorte de ninguém deixar o sabonete cair. Se isso acontecesse, era melhor não olhar. Um buraquinho inabitado, apertadinho e quente, pronto pra agasalhar um caralho carente e a milhares de quilômetros de casa, até mesmo da borda do continente. Se bobear era até mais apertado que a saudade no peito, por pior que fosse dizer isso. Mas eu, Tiago, nunca fiquei muito tempo, porque sabia que não conseguiria esconder a caceta dura, então preferia bater um punhetão no meu camarote do que acabar currando um dos amigos boys no vestiário.

- Ainda tá parado aí, Tiago?

Voltei a mim e, sem parar de meter por um só instante, Renan foi ousado.

- Anda, vem socar no teu recruta! Tu já deu pra algum superior, Samu?

E deu um tapa na raba do viado.

- FFFfffff! Não, Renan, não faz isso..

Mas meu irmão mais novo só riu, mordendo a boca e fodendo com vontade pra maltratar o cadete, trazendo as pregas pra fora como se fossem lábios chupando uma tora pra dentro. Nessas horas, todos os músculos do corpo moreno ficaram rígidos, contraídos. Sangue do meu sangue, óbvio que sua indisciplina estava completamente ligada à promiscuidade e à falta de limites sexuais. Entre outras palavras, um sodomita de primeira, comendo cu de viado debaixo do teto do irmão marinheiro e mais velho, pertencente às forças armadas e noivado até que provassem o contrário. Samuel só faltou virar os olhos, vi seus pés encolhendo os dedos de tanto tesãozinho que o piranho estava sentindo com um macho feito e faminto sobre si, alimentando-se de seu cu apertado só pra saciar a própria vontade de dar uma gozada. E, assim como os outros machos da família, tinha que ser um viado.

- Bora, Tiago!

E aí Renan me puxou. Tocou no meu braço e deu aquele estalo que parece ter ativado o que faltava na minha corrente sanguínea. Agora o fator sodomita estava ativado. Me deixei ser puxado por ele e o moleque saiu de dentro do recruta.

- Vai, tua vez!

Pensou como eu, mais valia o cu do que qualquer mamada. Ali, naquele momento, só me deixei levar e esqueci completamente do mundo ao redor. Botei o caralho pentelhudo e duro pra fora e, tão automaticamente quanto um bicho que sabe que vai acasalar, cheguei o quadril pra frente e penetrei meu recrutinha com vontade, sentindo o anel de seu cu puxando meu prepúcio pra trás sem eu precisar de usar as mãos. Um bom sodomita sabe que quando a piroca entra sozinha na cucetinha é porque ela já acostumou com aquela vara. E foi por isso que senti toda a quentura do corpo do meu irmão impressa naquelas entranhas quentes e aconchegantes, pegando fogo em volta do talo da minha caceta. Foi como se todo o rabo tentasse mastigar e engolir minha vara, que já tinha ido toda lá no fundo e batido na curva interna. Aquele com certeza era um rabão mexido pelo Renan há um tempo.

- HMMmm! CARALHoo!!

Samuel deu um impulso pra frente, mas Renan o puxou pra trás e fez colar por completo em mim, unindo nossos corpos suados num só aperto. Ensandecido, agarrei o peitoral do recruta por trás e continuei empurrando seu corpo, metendo com vontade de arregaçá-lo pelo cu, de tanto tesão e carência acumulados. Como pude ficar tanto tempo sem foder tendo um viado tão perto?

- Fode esse filho da puta, Tiago! Fode com força que ele só gosta assim!

Mas eu quase não ouvi, de tão tomado, só massageei os mamilos do Samuel e continuei metendo como pude, sentindo cada vez mais as pregas tragando o caralho. Foi aí que ele me afastou do garoto e me tirou de dentro dele.

- Xô te mostrar!

Subiu na cama e, de cima, enterrou a piroca de uma só vez no cuzinho dele, arrancando-lhe um gemido alto e lhe derrubando com força no colchão. Foi literalmente uma estaca sendo fincada, enterrada numa raba.

- ISSO, RENAN! FILHO DA PUTA!

Sem dó, meu irmão Caçula calou a boca do nerdão com um pezão e tornou a meter, fazendo o barulho que anteriormente eu confundi com o ruído de uma esteira.

- Assim, ó! Assim que tem que ser, Tiago! Fode ele que nem homem!

Saiu outra vez e me deu lugar. Cada vez mais incrível brincar desse jogo de entra e sai e toda vez sentir a quentura do meu irmão dentro do cu do cadete. Quando estava do lado de fora, pareceu frio e minha vara tremeu de tesão, chegou a babar enquanto o cheiro de cu subiu pelas minhas narinas e me fez aguardar a vez. Jamais imaginaria que dividiríamos um rabo juntos, quanto mais de outro homem e sendo eu seu superior no quartel.

- Tá pensando que eu não sei comer um cu, seu moleque!?

Botei Samuel de quatro novamente, só que joguei meu corpo sobre o seu e encaixei a piroca cu a dentro. Com as mãos apoiadas nas costas, só mexi o quadril pra estocar o caralho bem lá no fundo, a ponto de dobrar o moleque de volta pra mim e tornar a esticá-lo, pra que tomasse centímetro por centímetro.

- SSSSSS!

Ainda mordia a nuca e chupei sua orelha. Não fiquei muito tempo, deitei na cama e o coloquei de franguinho, mas por cima de mim, e fodi enquanto segurei seus pés. Vendo isso, Renan não resistiu.

- Aguenta uma dpzinha, recruta?

Pediu enquanto dedou sua boca.

- Não, eu sou muito apertado, Renan! Não faz isso, não!

- Poxa, por favor? Como é que tu quer que eu entre pra marinha assim, se tu não vai me dar essa moral?

Ainda fez carinha de pidão enquanto falou, alisando o rosto do amiguinho que tava liberando a rabiola pra eu entrar e fazer a festa.

- Mas vai doer! - todo manhosinho.

- Eu vou com carinho, Samu! Confia em mim, poxa!

E, devagarzinho, veio por cima, colocando a cabeça da verga encostada na minha e dando uma cuspida que esquentou até a glande.

- Dá uma relaxada, vai? Afrouxa só um pouquinho essa rabiola!

Empapou tudo de baba e foi metendo firme, sem hesitar, mas esperando o tempo do moleque.

- SSSS!

Tentou de um lado, tentou do outro, mas não teve jeito de entrar.

- É apertado mesmo, a gente vai acabar rasgando esse cu!

Muito tempo sem gozar, senti o corpo esquentando e a vara engrossando cada vez mais, ficando difícil de meter. Pra completar, o cadete rebolando de fogo em cima de mim, fazendo uma espécie de gemada com meus ovos.

- Assim que tu gosta, recruta?

- É assim, Tenente! Se soubesse que tu curtia!

- Tá gostando de servir, né? - perguntei.

- Agora mais ainda!

Chupei os mamilos e caprichei ver na pressão. Com o gozo próximo, coloquei ele de bruços na cama e finalizei enchendo o cuzinho de porra quente de macho necessitado, sentindo como se todo o peso que estava carregando fosse passado adiante em forma de leitinho injetado no rabo.

- Hmmmmm! Caralho!

- Isso! Ffffff

Fiquei um tempo dentro dele, sentindo tudo molhado, quente e escorregadio. Ali estava eu, deitado na cama com um viado e a caralha enterrada dentro dele, saciando meus desejos e vontades carnais através do prazer. Nós mal tivemos tempo de aproveitar o pós-coito, meu irmão puxou o Samuel e o pôs de quatro outra vez. Ele tava até com as pernas bambas, mas ficou firme e aguentou mais trolha no rabo, sendo que o Caçula enfiou e usou minha porra como lubrificante, isso foi me deixando galudo de novo.

- SSSS! Oorhhh!

- Você é muito piranho, né moleque? - falei.

- Eu!? - perguntou. - Por que?

E fez cara de inocente, ao mesmo tempo que socou de pirraça e empapou todo meu leite que tava lá dentro, fazendo espuma que escorreu pela parte de trás das pernas do cadete.

- Gosto de leite bem batido, só isso!

Ajeitou-se de lado, ficou certinho encaixado com o corpo dele e apoiou as mãos nas laterais. Pronto, estava encaixado. Quando pegou posição e firmeza, foi só acelerar ao máximo que pode, ressonando naquele barulho de fora bruta e violenta que faz QUALQUER CARALHO no mundo subir. O cheiro de sexo, suor, macho e porra estavam misturados naquele ambiente, de forma que, se a gente saísse dali e alguém entrasse, com certeza saberia que teve putaria das boas. Os mais safados ainda acertariam que foi só entre homens, com bastante pirocada no olho da cuceta. Renan enfiou as pernas no colchão e jogou o corpo pra frente.

- FFFFFF! Tranca esse cu do jeito que eu gosto, tranca!?

O desejo foi atendido e eu pude ver o pau do Samuel dando umas pulsadas, como se o safado piscasse pra deixá-lo ainda mais excitado. Por causa disso, tomou um tapa forte na raba, que ainda foi apertada pelos dedos a ponto de deixar marcas. Assim que Renan travou o corpo e parou, esticou os pés ao máximo e fechou os olhos.

- Aaahhh! Ssssss! Porra, viado!!

- Caralho, Renan!! Seu fodedor do caralho!

- Essa foi a melhor!! ssss

Eu endoidei. A vara tava mais latejante que tudo, nem pareceu que eu havia gozado há poucos minutos, mas todo aquele ambiente contribuiu pra isso, tanto é que eu nem fiz questão do boquete. Ou talvez fosse por ver meu irmão mais novo fodendo que nem bicho e não querer ficar pra trás, totalmente estimulado por sua índole sexual, como se fosse um incentivo em área que afetasse qualquer macho que estivesse ao redor. Assim que ele saiu de dentro, tomei posição de novo e já fui botando um filete de leite que desceu pra fora de volta pra dentro com a cabeça do meu pau. Entrei e escorreguei ainda mais no fundo, como se conhecesse novos cantos do cu do Samuel num tobogã já lubrificado.

- Caralho, tenente! Que delícia!

Ele estava extasiado de tesão sob meu corpo suado deslizando sobre o seu. Eu também tava meio morto, lembro que só deitei em cima dele e meti ao mesmo tempo em que deixei os mamilos esfregarem em suas costas, o que me deu ainda mais tesão. Quanto mais fodi, mais sentia suas paredes internas apertando e esquentando a vara. A segunda gozada foi quase seca e estufada, de tanto atrito que fizemos até o orgasmo, secando o cu dele.

- Fffffff! Isso, viado! Devagar!

Ele foi reduzindo o ritmo e rebolando lento até o prazer passar. Agora não teve jeito, todo o excesso de porra misturada em seu cu começou a sair como se fosse uma torneira. Ali estavam meus filhos e os filhos do meu irmão Caçula, que estavam precocemente sendo paridos por um viado e sua cuceta.

- Levanta pra limpar isso aqui, Samu!

A brincadeira não terminou. Ele pôs Samuel sentado e ficou de pé em sua frente. Começou a tocar uma punheta enquanto o safado lambeu seu saco e a perna suja de leite.

- Vem pra cá pra ele te limpar, Tiago!

Levantei e aí sim o putinho foi me mamando e limpando meu cacete, deixando novinho em folha. Com aquele fogo da juventude, Renan ainda tava meia-bomba e, assim como eu o fiz, preparou-se pra outra gozada. Aumentou o ritmo das mãozadas no caralho grosso e, num determinado momento, botou a cabeça dentro da boca do recruta, que tava mamando a minha também. Uma rola de frente pra outra na língua dele, a do meu irmão Caçula começou a esguichar mais leite, como se nem tivesse esporrado antes, sendo que todos os jatos quentes caíram em cima da minha pica e me arrepiaram o corpo. Foi uma sensação única e atemporal do encontro sexual de várias gerações e tabus, começando pela putaria entre homens da mesma família e culminando no sexo entre militares. Pra completar, ele ainda segurou meu ombro e apertou.

- Porra, velho! Que tesão!

Foi sincero quanto ao que sentiu, isso me deixou quase que dopado. Na minha pica, todo o resto de porra dele foi sugado pelo Samuel, que deixou tudo bem lustrado. Enquanto chupou, ainda foi arrastando uma glande contra a outra, ligando ambas por baba de rola e fazendo aquele atrito gostoso de pau com pau. Ficamos um tempo brincando assim, mas logo fui me recompondo e pensando em tudo que fiz, sem me arrepender.

- Vou tomar um banho, preciso esfriar a cabeça.

- Se precisar esquentar a cabeça de novo é só chamar, Tenente.

Renan deu-lhe um tapa na cara e o repreendeu.

- Tá maluco, viado? Aqui dentro tu me obedece!

- Ele é meu superior, cara!

E ficaram rindo. Tomei um banho gelado e fui pra sala comer, ao mesmo tempo em que assisti TV. Fiquei acordado vendo filme e tornei a escutar barulho de foda mais vezes, até fiquei de pau duro, mas quis um espaço pra não me entregar de vez ao tesão. Desistente, fui pro quarto e, com muito custo, peguei no sono outra vez, mas ainda encaralhado e pronto pra ser ordenhado novamente.

Dormi perdido em pensamentos, acordei tonto por tantas horas dormidas num curto espaço de tempo, e, pra completar, tava mijando no banheiro quando escutei a campainha tocar. Zonzo, passei no quarto do meu irmão e ele tava dormindo sozinho, por sinal de pau durão. Abri a porta.

- Bom dia, Tenente!

- Samuel?

- Renan já acordou?

E saiu entrando.

- Ou? Que isso, cadê o respeito?

Fechei a porta e ele olhou pra mim, lembrando-se que deveria ser mais educado em minha presença.

- Tem razão, senhor!

Quando achei que ele tomaria jeito, o molecote ajoelhou entre minhas pernas peludas e botou meu caralho pra fora, o tesão de mijo latente e as primeiras gotas já ameaçando pingar. Mas antes que pudesse reclamar, a gargantinha veio brincalhona sobre a glande, deslizando de um lado pro outro e acarinhando a uretra, trazendo à tona toda aquela vontade de mijar.

- Para, Samuel! Vou acabar mijando aqui, acabei de acordar!

- Não tem problema, Tenente!

E riu. Não acreditei naquela ousadia tremenda pra um moleque tão novo. Segurei firme pelo braço e caminhei até o banheiro, levando ele comigo como se fosse um refém prestes a pagar o preço máximo por sua cabeça, ou pela minha. Nem me preocupei em tirar a roupa, botei o filho da puta no boxe, entrei, encostei a porta e coloquei ele pra me mamar de novo. Outra vez a sensação indescritível de prazer oral na ponta do cacete, chega fiquei com os pelos da perna arrepiados. A vontade de mijar veio e não me contive.

- Ssss!

Mijar de pau duro é difícil, a urina vem em jatadas firmes. Cada uma batendo na boca do moleque e caindo no chão do boxe, mas ele nem se importou, seguiu me mamando e aguentando o mijão, sem parar de olhar com aquele semblante de piranha. Fora de mim outra vez, dei-lhe um tapa na cara e comecei a foder-lhe a boca, ao mesmo tempo em que terminava de mijar e já senti o gozo chegando. Foi aí que a porta fez barulho e chamou nossa atenção. Não acreditei no que estava prestes a acontecer.

- O que vocês tão fazendo?

- Só faltava você!

Samuel abriu a porta e deixou Renan entrar, ainda com a cara amarrotada de sono e o tesão aflorado de mijo. Assim como eu o fiz, ele não hesitou em bater punheta e mijar na cara do recruta safado, dando-lhe pauladas de vez em quando. Quando finalmente terminou, voltamos pra putaria gostosa do dia anterior, com o Samuel brincando de nos masturbar ao mesmo tempo. Até que botou uma piroca de frente pra outra e aproximou nossos corpos. Automaticamente, encostei no peitoral do Renan por causa do empurrão e isso me deixou com os mamilos dele entre os dedos. Esse leve arrastar foi suficiente pra sentir seu caralho engrossando contra o meu, freio no freio, a baba saindo do dele e lubrificando os dois, que começaram a deslizar de um jeito bem safado.

- Ssss!

Nesse ritmo, o safado foi alisando meus mamilos e eu os dele, um tocando o corpo do outro pela primeira vez no sentido sexual, mas nada muito sério. O cadete começou a nos punhetar juntos e, à cada mãozada arrastando contra a glande, mais e mais as jebas engrossaram em sua mão, prontas pra curra. Até que senti um hálito quente e, quando vi, Samuel tentou nos abocanhar ao mesmo tempo, mas não conseguiu, porque as cabeças por si só eram grossas.

- Assim não vou aguentar esse viadinho!

Renan saiu e botou o puto de quatro, com o sangue fervendo nas veias. Pra surpresa de todos ali, a campainha tocou. Olhei ao redor e contei as pessoas essenciais, que deveriam estar ali. Até que a mente lembrou de outra e um arrepio correu o corpo. Botei cueca pra esconder a ereção, bermuda jeans e fui até a porta. Quando abri, quase caí pra trás.

- Achou que eu não fosse aparecer pra ver essa putaria, né seu moleque?

- PAI!?

- Não! Adriano!

Ele olhou minha mala e riu.

- Começaram sem mim, né? Cês são um pirralhos mesmo. Vou ensinar uma coisa ou outra pra vocês, fica olhando!

E passou direto por mim, nem aí pra nenhuma apresentação ou explicação.

- PAI!? O que você tá fazendo aqui!?

Mas ele nem respondeu. Só de camiseta tipo garotão, óculos escuros, bermuda e chinelos de dedo. Ele havia guardado a moto no quintal e veio pra dentro de casa todo largadão. Ainda na sala, Renan nos alcançou segurando Samuel pelo braço como se fosse um objeto. Assim que viu nosso pai, soltou o puto no sofá e veio cumprimentando nosso coroa, sendo que tava completamente nu e com a piroca pra cima.

- E aí, velhote!? Porra, quanto tempo ein! Fala tu?

- Pô, tu nunca mais apareceu lá em casa pra gente torar um viadinho!

Nosso pai disse isso olhando pra ele e ao mesmo tempo tirando os chinelos e desfazendo o laço da bermuda. Sem sequer desviar o olhar do Renan, removeu a roupa e puxou o recruta pela nuca, prestes a sentir o hálito quente com a ponta da própria vara.

- Eu vim pra cá porque a mãe mandou eu tomar juízo, né? Te falei!

- Falou, falou..

Aí sim olhou pra baixo e sorriu pra ele, aproveitando pra colocá-lo na posição certa, direcionado à caceta envergada e pentelhuda. Algo que os homens de nossa família tinham em comum, além da sodomia genuína no sangue e nos genes, eram os caralhos pretos, grossos e peludos, ainda que cada um em sua proporção, nenhum dos três sendo circuncidados, ou seja, com o prepúcio cobrindo a cabeça quando mole, mas indo todo pra trás na ereção. O famoso "uncut" ou "não cortado". O do coroa talvez fosse o mais reto e menos comprido, sendo mais grosso na base. O meu era grosso num todo, torto pra direita e um pouco mais comprido que o dele. Renan tinha a pica pra esquerda e mais parecida com a do pai, só que de repente até maior e mais grossa, sendo um verdadeiro bicho.

- Mas acabou que vim pra cá tomar juízo e encontrei esse viadinho querendo tomar no cu. Pode, pai?

- Aí não pode, né recruta?

Samuel abriu o bocão e LHAU!, a vara foi toda de uma vez na garganta, até o talo. Ele chegou a se engasgar antes de tossir e se babar todo, mas não desistiu e continuou mamando. A cada estocada, o coroa brincou de foder-lhe a boca até cair vários filetes de baba e saliva, porque o moleque se segurou muito pra continuar brincando sem parar, com maestria e sucesso no que tava fazendo.

- Sss! Porra, bicho! E tu arranjou um viado bom, ein?

- Não falei?

Só aí me dei conta de que foi ele quem convidou nosso pai, por isso aquele encontro lendário estava acontecendo. Aquela era a horda de homens responsáveis pelas próximas gerações do nosso nome e de nossos genes sendo passados adiante, como se fosse uma espécie de clã, só que preferíamos fazer putaria e lotar viado de leite no cuzinho, já que tava tendo.

- SSSS! Putinha do caralho!!

Ele começou a controlar o ritmo do crânio do Samuel e não se aguentou na ponta do pé, teve que sentar no sofá e abrir as pernas bem espaçadas, deixando o sacão cair. Investiu na pressão à qual o cadete se submetera, de baixo à cima na piroca, indo da ponta ao talo grosso sem parar. Ao mesmo tempo, danou a investir o quadril contra ele. Foi aí que Renan se juntou a eles e impediu, colocando mais pica na boca do viado junto com o coroa, sem medo.

- Abre aí que tem espaço! Velho egoísta!

- Calma, calma!

Assim como fizemos antes, o velhote não se incomodou, pelo contrário, chegou mais pro lado no sofá e virou pra facilitar a mamada. Samuel fez com eles o que fez com a gente, botando piroca com piroca e sarrando, um frott gostoso entre pai e filho, ministrado por um piranho militar. Meu cacete tava a ponto de bala com a cena.

- E tu, cuzão?

O Caçula parou pra me olhar. De pé entre os dois, botei a piroca pra fora e o cadete caiu de boca, usando a mesma baba que passou na vara deles antes. A quentura de todo mundo estava reunida em uma só boquinha quente. Era na gargantinha que eu gostava.

- SSSSS!

Ele tirou e me incluiu na sarração deles. Com três varas na mão, foi brincando de esfregar tudo de uma vez, uma contra a outra, deslizando pela lubrificação proveniente da baba. Com as duas mãos livres, comecei a brincar no peitoral deles e ambos fizeram o mesmo. Abaixo de nós, a cabeça do Samuel lambendo e chupando os ovos, os sacos, ao mesmo tempo em que nos mexemos devagarzinho pra não sair daquela sincronia perfeita entre corpos.

- Fffffff! Que moleques safados que vocês são!

- Esse sangue que corre é todo teu, velho! Tudo tua herança, seu tarado da porra!

- Né não, é?

- Claro que é!

- Então vamos ver se é mesmo!

Saiu da formação triangular e botou o recruta de quatro no sofá. Com a caralha toda babada, abriu as nádegas e foi penetrando sem dificuldade. Sem muita calma, mas fazendo com cuidado e certo carinho que surge no calor da putaria, ajeitou-se dentro do gostoso e começou a foder bem breve, puxando ele pra trás pela boca.

- O que você e o pai andaram aprontando? - perguntei.

- Nada de mais. Tá ligado o Pacha?

Lembrei brevemente de algum amigo já coroa do nosso pai.

- Aquele da boate..

- Ah, sei..

- Então. Curramo ele, pô.

Só podia ser piada.

- E não iam me contar?

- Tu noivado?

Lembrei da Pâmela e de como ela pediu um tempo. Eu não tive culpa, era o espaço que ela mesma havia pedido. Já que deixou a aliança em casa, de repente estava envolvida com alguém em sua terra natal e eu nem saberia de nada, isso se ainda retornasse.

Nosso coroa não tinha nem 50 anos, ainda dava conta do recado e meteu com vontade no cadete. Fodeu de franguinho, de ladinho e voltou pro de quatro, que era sua posição favorita. Ficou brincando de meter enquanto eu e Renan revezamos a boquinha do Samuel, junto com a garganta. As vezes ele juntava os dois sacões e ficava lambendo a pele áspera. Meu pai travou seu corpo no do garoto e começou a gemer.

- SSSSS rebola, moleque piranho!

Deu-lhe um tapão na raba e soltou todo o leitinho ali dentro. Vendo essa cena, eu e meu irmão nos olhamos, mas eu fui mais rápido.

- Eu sou o próximo!

Posicionei-me naquele lombo como se engatasse numa moto e comecei a pilotá-lo, sentindo toda a porra que me fez melecando meu cacete e servindo de lubrificante pra minha foda que estava iniciando.

- Isso, Tenente! Acaba comigo! Ffff

Com as mãos no quadril do moleque, pus ele firme na vara pra poder acelerar até explodir lá dentro, ao ponto de empapar e ensopar o leite do meu pai que tava ali, de tão aflito, que nem o Renan fez com o meu no dia anterior. Pertinho do orgasmo, tirei a caralha e vi a ponte de porra presente, sentindo até o cheiro forte parecido com o de cloro ou água sanitária. Ao redor, eles me olharam e se masturbaram, o coroa já excitadão de novo, só esperando a vez. Encaixei no quente e apertado cuzinho de novo e terminei de foder olhando pra eles, colando lá dentro na hora de leitar, pra ir bem fundo.

- GRRrr! SSS CARALHOOO!

Ainda dei a remexida final na bunda, sentindo uma verdadeira inundação interior. Do meu ladinho, o Caçula já veio rápido com a piroca pra dentro assim que tirei a minha, pra não deixar nada vazar.

- Hoje tu vai ser um verdadeiro depósito, Samu!

Numa posição parecida com a da rã, engatou a vara pra cima e fodeu em velocidade máxima um bom tempo, sempre na intenção de espumar o leite meu e do nosso pai juntos.

- SSSSS!

De tão molhados, a meteção nem fez mais barulho de choque entre corpos, foram só os gemidos.

- HMMmmm

Botou ele de quatro e pediu o de sempre.

- Vai prendendo o cuzinho, vai!? Do jeitinho que eu gosto!

E foi atendido, como sempre também.

- ISSO! ISSs-

Travou o corpo suado, os músculos bem destacados e firmes, e lançou sua alíquota de esperma dentro da cucetinha encharcada e plantada de sêmen do recrutinha rabudo. Depois da cara de tesão, olhou pra gente e fez a pergunta.

- Quem é o próximo?

O coroa tomou posição e meteu dentro da nossa porra. Repetimos isso até cansar, cada um cair pra um lado e esquecer que já havia feito tanta putaria num só dia. Quando isso aconteceu, a rabiola do Samuel já tava vermelhinha e inchada de tanto tesão acumulado, mas o guerreiro pareceu satisfeito por saciar tanto desejo que deveria sentir sendo viado dentro de um quartel cercado de homem doido pra galar. Chupou e injetou leite quente no cu, de pai a filho, passando no mínimo por duas gerações diferentes de machos aflitos por putaria com outros caras. E falando em gala, elas saíram bem misturadas da rabeta dele, escorrendo por cima do meu saco e caindo pela perna do Renan. Por último, nos pés do nosso pai. Uma quantidade grande, espessa e morna de muito esperma dos três misturados.

- Aprendam com o pai de vocês, tá? Tô divorciado, mas não tô morto!

- Esses velhos adoram pagar de vividos, né? Tu já tinha comido viado antes do Pacha, coroa?

Renan falou e nós começamos a rir.

- Vocês comeram mesmo o Pacha? - perguntei de novo.

- Sim. Levei teu irmão no puteiro cheio de oriental, ruiva, mulata, ele me chega lá e fica galudo no lombo do viado! Posso com isso?

- Olha quem fala, né pai? - rebateu o Caçula.

Mais risadas.

- Tá no sangue!

- Mas fala aí, cadete.. quem fode melhor? - perguntei.

Ironicamente tímido depois de transformar o próprio cu numa mina de gala pra três machos parentes, o recruta olhou pro meu irmão e deu um sorrisinho, com aquela cara de quem tá apaixonadinho.

- Que puxa saco!

- Puxa não, é um chupa saco mermo!

Gargalhamos com as piadas do Renan.

- Ah, eu fodo com ele há mais tempo, sabem como é! Já tô até acostumado!

- Sério? Tem quanto tempo já?

- Mais de um mês, no mínimo! - nosso pai quem respondeu.

- O QUE?

Eles riram e eu fui o último a saber, indignado.

- Vocês ficavam pra cima e pra baixo estudando e indo pra noitada há um mês, como pode?

- Estudando? Porra, a gente mais trepa do que estuda, mano!

- Que isso!? E a biblioteca? Tavam estudando! - falei.

- Ah, as vezes rola de ler alguma coisa, né? Se não como é que passa na prova?

Pelo menos o moleque levou um mínimo a sério todo aquele tempo, não ficou só na foda.

- Quero só ver o resultado disso tudo!

Permanecemos mais um tempo conversando amenidades até o entardecer. Nosso pai foi embora depois de almoçar, porque ainda tinha uns compromissos pendentes, mas pediu que o avisasse quando rolasse daquelas festas, mesmo que morássemos em cidades diferentes. Estava separado da nossa mãe e comendo cu sem dó, era só dar mole. Renan continuou um tempo comigo e ainda na rotina de treinar, estudar e foder. Todo fim de semana ele trazia o Samuel pra cá e eles trepavam durante horas, sendo que em várias vezes eu participei só pra depositar sêmen naquele cuzinho guloso do meu cadete favorito dentro do quartel. Inclusive, vale a pena comentar que era dentro do batalhão que tirava minhas casquinhas dele, já que em casa era mais do meu irmão. O safado já tomava banho tarde, só pra ficar sozinho comigo no vestiário e ver minha piroca balançando antes de vestir a farda e dar plantão.

- Tá olhando o que, recruta?

Ali dentro, não podíamos dar mole. Cobrei dele postura e atitude.. só que não, quis mesmo intimidar o moleque antes de botá-lo pra mamar atrás de um dos armários, nunca dentro.

- Sssss!

Pra não deixar vestígios, ele permitiu que eu gozasse lá no fundo da garganta, guardando meu leite por um bom tempo na barriga. Quando não dava pra arriscar muito, eu só chegava no vestiário e tirava os coturnos. Ele sentia de longe o cheiro dos meus pés e vinha preparado pra meter a cara neles e lamber gostoso por entre os dedos, saciando a própria vontade de macho.

- ISSO! Lambe, vai! Safado!

Eu enchia a cara dele de tapa, era o que ele queria.

- Safado é você!

Aí tentava morder meus dedos. Brincava nos meus sovacos, sentia meu suor e se esfregava no meu corpo, lambendo-o por inteiro. As vezes era de madrugada que a putaria acontecia. Eu jogava o laser que tinha direto no rosto do garoto deitado na beliche do dormitório, ele via o sinal e vinha pro meu alojamento, que era separado. Em várias dessas vezes, justamente nas segundas-feiras em que nossa escala batia, o piranho aparecia com o cu leitado do Renan, que tinha dormido com ele na noite anterior e o comeu por inteiro, deixando ali o recadinho pra mim. Quando isso acontecia, eu porrava o Samuel e mandava ele de volta. Até cheguei a assinar uma folga forçada e da minha responsabilidade, só pra ele ir lá e dar o cuzinho pro Caçula, todo carregado com a carga do meu saco.

- Quero que volte com o atestado de atendimento!

- Não é de liberação? - perguntou.

- Nada disso, quer moleza? Vai e volta!

Ele entendeu o recado, foi lá em casa e fodeu. Voltou com o cu LOTADO de gala misturada e entrou na rola outra vez. Aos poucos, foi de nerdzinho tímido a um verdadeiro porrário piranho, disposto a qualquer putaria em qualquer ambiente, doido pra ser submetido. E metido. O auge dessas safadezas foi quando ambos foram pegos por um outro candidato a recruta no curso, um negro alto, marrento e todo caladão. Dei um esporro no meu irmão, mas segundo ele, ficou tudo bem e o cara "simplesmente entendeu", nascendo uma dívida entre ambos. Segundo ele, o rapaz também tinha cara de comedor de cu, por isso não se assustou com o que viu e prometeu ficar de bico calado. Até hoje ninguém nunca comentou nada a respeito.

No fim de tudo, eu e Pâmela nos falamos apenas pra terminar de vez a relação. Ela apareceu de boas lá em casa só pra pegar as próprias coisas e ainda se sentiu na necessidade de pedir desculpas por sua indiferença nos últimos meses.

- Você não me deve desculpas, jamais. Pensa no seu bem estar, em você!

Ela me deu um abraço e foi. Ao mesmo tempo que nosso laço terminou aí, o meu e o do Samuel começou de verdade, porque depois que Renan concluiu o curso e fez a prova da marinha, saiu de lá de casa dizendo que tinha que viajar pra um lugar e ainda encontrar alguém importante. A propósito, ele passou em ÚLTIMO lugar na prova, mas ainda assim passou. Se não tivesse desviado tanto a atenção pra putaria, com certeza seria um resultado melhor, porém já tava dentro e era isso que importava. Em menos de um ano, terminei meu noivado e consegui colocar juízo e disciplina na cabeça do meu irmão Caçula, mesmo que só um pouquinho. O problema é que essa mesma cabeça ele enfiava nos viados e aí ia tudo por porra abaixo. Ou a dentro. Quando juntávamos eu, ele e meu pai então! Aí era o fim da picada. Ou o começo? Uma coisa era certa: se dependesse de nós, a sodomia ainda seria passada várias e várias gerações adiante.

______________________________________________________

"LADO C" dos dois contos anteriores.

Ou seja, uma história paralela e com parte do enredo compartilhado.

Sigo anotando as sugestões das palavras de vocês! Pra quem não sabe, leia abaixo.

Tenho uma ideia diferente para as próximas histórias, mas preciso da ajuda de vocês.

Se quiser contribuir, basta comentar uma palavra que achar esteticamente bonita, diferente ou interessante. Não precisa ter um significado bonito, mas sim a escrita ou a pronúncia. Qualquer palavra, qualquer letra, mas só em português. Pode mandar no e-mail também, se preferir. Agradeço desde já!

- O próximo conto vai TER (e não ser) um jogo! Apareçam pra ver!

Vem ler "Lobisomem Cearense", exclusiva no wattpad: http://goo.gl/ezWCxi

+ WATTPAD: http://goo.gl/e6UDqd

+ twitter: @andmarvin_

+ facebook: http://goo.gl/V7H2qG

+ e-mail: [email protected]

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
23/06/2018 13:35:31
QUERIA SER EU LEVANDO VARA DESSES IRMÃOS E AINDAM AIS COM O PAI!! NOTA 10
24/10/2017 03:19:02
Adorei!!!!PERFECT❤
14/10/2017 10:08:13
Esse eu já conhecia, glookxxx! Mas mesmo assim obrigado pela sugestão. Li há um tempo atrás, mas não foi num site de contos eróticos não. Muito divertido também, adoro essas tramas criativas porque elas sempre abrem um pouquinho nossa mente, se permitirmos é claro. Tenho umas ideias parecidas, mas com poemas separados, algumas odes (sim, odes) e jogos de metáforas que vez ou outra até me permito usar nos contos que posto aqui. Atualmente estou escrevendo um pouco mais sobre paixões, tenho um conto que estou ansioso pra postar, mas quero ter a certeza de que está no mínimo decente pra ser lido. Com certeza vou querer que você esteja aqui pra ler!
10/10/2017 18:21:57
Já que você gostou do conto Língua Portuguesa, indico mais um, se me permite: A arte de amar nas mais diversas profissões Autor: APARECIDO RAIMUNDO DE SOUZA e
30/09/2017 10:39:39
Adoraria encontrar três Machos maravilhosos assim!!! Adorei!!!
24/09/2017 22:12:27
Dá uma olhada nesta autora: vallette pindorama e seu conto Língua Portuguesa... abs.
01/09/2017 14:08:31
Gostei muito ansioso para lo próximo
01/09/2017 13:01:37
Longo, mas excitante.
31/08/2017 17:12:33
bom.
31/08/2017 14:54:29
Q tesão esses homens dessa familia.....
31/08/2017 13:51:18
EU QUERO VER O RELACIONAMENTO DE RENAM COM O Diego <3
31/08/2017 10:31:21
que top




Online porn video at mobile phone


contos corno grupalO que comete fodendo uma mexidinhafodendo gestantesmolequeputovideo porno de mulher dano a sua buceta desfarçada para o primo familia sacanagarota q foi fudida no fundo d casa por um cachorro pastor alemaoporno incesto pai finge de bebe para comer a filhamolestando filhinha young pornonovos contos eroticos de maes dandos suas calcinhas usadas como premio pros filhosmenos viciada novinha molhada cracudos pornôdois negao dt realizando fantasia de n mulher casada porno doidomulher com grelo grande encara um big pau vejanovinha arregaca buceta doendo muitodois dotado fetendo com forca e tirando sangue da bucetinha da moleca assanhadaAmo beijar os pezinhos dela principalmente usando rasteirinhas contosdotado enfia baita pirocona inteirinha dentro, magrinha gemendo sem parar com o pauzão lhe rasgando todacache:PjjgrxSVmoYJ:zdorovsreda.ru/texto/2013011214 conto eróticopai colocar velho pra chupá buceta da filhabrincando escanchada contos pornocontos casada chantageada pelo porteiropeituda ri ao ver pinto mole do cara mais aproveita quando ta duraomithlee pron vidovodioporno de meninas que nao guento pau no cu.e beroincesto com meu vô contoso qui faco pra demorar enjacularEu tava em casa com meu amigo no sofá ai minha esposa saiu do quarto peladinha ai ela deu a buceta a nois dois casa dos contoscontos casada da o cu pro cão e o marido participa comendo tambemconto no cinepornomulheres mamas enormescom conas fantasticasMamando o caralho do vovo contoseroticosmeninas que amolece as pernas quando o pau entra na bucetinha delasfazendo empregada gozarcontos eroticos peguei meu marido dando pro caseiro. negao adotei eledesde novinha ja fudiasou uma loira muito puta e liberada para os negros pauzudos contosgosada no trem lotadocontos pornos comadres morenaporno mimnha filha e tao novimnha que nem petelho naceu aimdaconto erotico mendiga novinhaperdeno as prega saino bosta caseirohomem se mesturbano no causinha da cuiada fio dentalconto com onze anos eu trepei com meu tio foi muito gostoso mais doeutrabalhadora chote curto pornocontos eroticos ganhei um boquete no pokercomebuceta irma outra irma prexaautorizei minha mulher fuder com outroPica cabeçudas encaixando espertinho na xanaconto eroticosgemeasa filhada vai passar o feriado na casa de seu padrinho e tem pensamento erotico com eleLolytaputynha mulher cor de jambo anal classicocontos eroticos sou safada mostrei meu cu para amiga como estava largoXVIII minha mulher com negaotrazei com minha vizinha d camizola na cozinha dela ponoconto gay pirocudo da academianegao pasado opau na bumda da kasadaflagrei a novinha metendo no matinho e chantagiei contosxvideo ensinando boiarencoxando rabuda no trem casa dos contosolhar a buceta das julhersbucetas de gravidas bem inxadas escorrendo gozofode em terreiro de umbanda xvideo Vidio,de,yrma,de,quinzeano,bricano de,lutinha,com,yrmaoprovoquei meu pai calcinhameu filho adora analcontos eróticos de sinhozinho comendo escravaVer garotos com 16 cm de picafilme porno esposa gosta de varios na frende do marido corno ela goza ate desmaia de tanto gozafiume porno antigo do tasaõCleide a recatada contos eroticospornor doido homem batendo poleta na varandapornofamilhasacana