Casa dos Contos Eróticos

Click to this video!

O DESPERTAR DE JÉSSICA

Autor: Adam Rei
Categoria:
Data: 17/01/2018 19:39:52
Nota 10.00
Assuntos:
Ler comentários (14) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

- Professor? - Chamou Priscila à porta do quarto.

-Sim – respondeu o professor Adam, sem parar de digitar no notebook.

- A Jéssica, aquela menina que lhe falei... ela chegou.

O professor parou por um momento de trabalhar no artigo que estava escrevendo.

-Ah sim! Podem entrar – Disse ele girando a cadeira.

Priscila entrou no quarto, encorajando uma outra moça mais jovem a fazer o mesmo.

-B-Boa tarde! – Disse Jéssica hesitante.

Ela olhou para o professor desconfiada e ele lhe lançou um sorriso acolhedor, na tentativa de tranquiliza-la.

-Boa tarde! – Disse ele – então, você é a Jéssica, amiga da Priscila.

-Sim.

-Vou deixar vocês conversarem – Disse Priscila, saindo do quarto e fechando a porta.

Neste momento o professor pode perceber a cara de desespero da menina. Ele ficou um bom tempo somente examinando a moça. Era bem magrinha. Pele morena, cabelos lisos que escorriam pelo pescoço. Vestia uma blusinha bege e uma saia vermelha. Aparentava ser muito tímida, pois ficou ali parada, braços escondendo o corpinho magro, enquanto fixava o olhar no carpete do quarto.

-Quantos anos você tem? – Perguntou o professor, rompendo o silêncio.

- Dezessete.

-Dezessete? Você ainda é um bebe! – Disse o professor, com a clara intenção de provoca-la

O olhar da moça se desviou rapidamente do carpete para o rosto do professor.

-Eu não sou nenhum bebe! - Disse ela bruscamente.

Professor Adam apenas sorriu para ela.

-Quer se sentar? – Perguntou o professor

-Não, obrigada.

- Sua amiga me disse que você tem a intenção de morar aqui junto com as outras meninas – disse ele, girando a cadeira para mexer no computador – ela já te explicou as condições?

-Mais ou menos.

-Aqui você não é obrigada a fazer nada o que não queira. Exceto, claro, serviços domésticos. Se ficar, vai ter que ajudar.

-Isso ela me disse.

-Algumas meninas que trabalham fora preferem ajudar financeiramente para a manutenção da casa - disse ele girando novamente na cadeira para poder olhá-la - ajudam com o valor que acharem justo. Temos uma piscina, uma sala de informática, uma sala de cinema e uma biblioteca. Você pode ter acesso a qualquer parte da casa, menos o meu quarto e o meu banheiro, salvo nas ocasiões de limpeza. Você é livre para ir e vir quando bem entender. Sua vida fora dos portões não é problema meu. Você é livre para namorar e fazer o que quiser, contanto que não traga homens para dentro de minha casa. Se você engravidar, está fora. A visita de amigas é permitida. A visita de familiares também é permitida. Alguma dúvida?

- Quanto tempo posso ficar?

-O tempo que você achar necessário. Tenho meninas que estão comigo há quatro anos.

- Entendi.

- Só mais uma coisa que eu queria esclarecer. Minha intenção aqui é ajudar meninas que, como você, não tem aonde ir. Você provavelmente já deve ter ouvido histórias ao meu respeito e vou lhe adiantar algumas coisas: não sou gigolô! Não exijo absolutamente nada de minhas meninas, a não ser os serviços domésticos de quem pretende morar aqui. Você ou qualquer outra menina não tem que fazer nada para mim que não queiram. Você deve saber que tenho um caso com várias meninas que moram aqui...

-Sim, me falaram isso.

-Pois muito bem. Eu não as forço a nada. Elas se relacionam comigo porque querem. E todas elas são maiores de idade. Portanto, pode ficar tranquila, pois não sou nenhum abusador. Jamais toquei em muitas meninas que moram ou moraram aqui.

- Entendi.

- Você tem mais alguma dúvida?

-Não senhor...

-Ok, pode se juntar as outras meninas.

-Com licença.

Jessica foi muito bem recebida por todas as moças e não demorou muito tempo para ela se sentir em casa. Rapidamente ela se integrou à rotina da casa, cumprindo as tarefas que para ela foram propostas pelas meninas mais velhas.

Todos os dias pela manhã ela saia para comprar pão. Voltava e ajudava nos serviços da cozinha. Depois ajudava a limpar algum cômodo da casa, de acordo com o calendário pregado na parede:

Segunda-feira: Biblioteca e sala de cinema, Terça-feira: sala de informática e banheiros das meninas. Quarta-feira: sala de estar e quarto das meninas. Quinta-feira: banheiro e quarto do professor Adam. Sexta feira: cozinha e área. Sábado: Folga. Domingo: Folga.

Outras meninas cuidavam das roupas do professor, outras dos mantimentos da casa, outras eram responsáveis pelo pagamento das contas, etc. A casa funcionava dentro de uma rígida disciplina.

Aos fins de semana, as vezes, ela saia para passear com as meninas mais chegadas, mas outras vezes preferia ficar na casa. Algumas meninas iam visitar parentes, outras organizavam festas na casa, com a permissão do professor, onde muitas meninas costumavam levar amigas ou mesmo alguns parentes. Amigos do sexo masculino era proibido.

Às vezes Jéssica até esquecia que o professor morava lá, pois raramente o via. Ele era um homem muito reservado, que passava a metade do seu tempo no quarto e a outra metade dando aulas em uma escola perto da casa. Nem mesmos nas festas, que eram frequentes, o professor dava as caras. Ficava enfurnado no seu quarto, ouvindo música, assistindo filmes, trabalhando ou trancado com alguma ou algumas das meninas. Nem mesmo para se alimentar o professor aparecia. Geralmente, as refeições tinham que ser levadas por alguma das moças. Jéssica achava este comportamento muito estranho. Diziam que era um homem extremamente inteligente, além de completamente louco por mulheres, sendo, contudo, muito respeitador.

Além dela, outras quinze meninas moravam na casa. Todas eram lindas! Jéssica conhecia cinco delas que tinham um caso com o professor. Eram elas quem davam as ordens, quem admitiam ou não novas meninas e, se alguma menina se interessasse em ser amante do professor, tinham que falar com uma delas primeiro, coisa que nem passava pela cabeça de Jéssica.

Um assunto que era bastante recorrente entre as amigas era “sexo”, um tema que Jéssica pouco podia contribuir, pois era ainda virgem. Todavia, algumas das meninas pareciam ter bastante experiência, relatando suas peripécias com os namorados ou com o próprio professor.

Foi numa festa de despedida de uma das moças que Jéssica teve a oportunidade de conhecer melhor o Professor Adam, que todas chamavam de “rei”.

Era mesmo uma pessoa muito inteligente. Também era muito simpático e sorridente. Passou um bom tempo andando de grupinho em grupinho conversando e se divertindo. Era também muito respeitador e cavalheiro com todas as moças, embora Jéssica tenha notado uma característica do “rei”: não tirava os olhos da bunda e dos decotes das meninas. “Homens”, pensou.

Ele deve ter passado umas duas ou três vezes por ela: com uma latinha de cerveja na mão, lhe lançando um charmoso sorriso e uma piscada de olhos despretensiosa. Foi rapidamente conversar com outro grupo. Depois, passou bastante tempo conversando com Mônica, a moça que estava se despedindo da casa. Ela estava muito emocionada, pois havia morado na casa por dois anos. Mas, agora, havia noivado e estava de partida para morar com o rapaz em outra cidade.

Depois disso, o rei voltou para o seu quarto.

A festa já havia varado a madrugada e Jéssica estava exausta. Ficou sentada num banquinho próximo a porta da cozinha, com os olhos grudados da TV.

Uma das meninas, Cristina, a mais velha de casa, amante do professor e também uma das mais lindas, se aproximou trazendo duas latinhas de cerveja na mão, uma delas fechada.

- Não bebo – antecipou-se Jéssica.

-Mas não é para você, querida, és menor de idade, lembra? O rei pediu para alguém levar isto para ele no quarto. Pode fazer o favor?

-Claro! – Respondeu Jéssica um tanto envergonhada.

Pegando a cerveja em sua mão, Jéssica rapidamente se levantou. Atravessou a cozinha, virou à esquerda, atravessou um longo e discretamente iluminado corredor, até se deparar com uma porta grande e prateada. A porta do quarto do professor Adam. Percebeu que estava destrancada, mas deu duas batidinhas. Não obtendo resposta chamou:

-Professor?

Ainda sem resposta.

Hesitante, empurrou a porta e colocou discretamente a cabeça para dentro do quarto. Estava parcamente iluminado por uma centelha de luz azul. Podia ouvir uma música bem baixinha tocando. Um rock romântico. Olhou para um lado. Viu a cama “king size” do professor vazia. Olhou para o outro lado e levou um susto.

Ajoelhada do carpete estava uma moça completamente nua. Cabelos longos que escorriam pelas costas, cabeça metida entre as pernas do professor Adam, em plena atividade oral.

Jessica teve um sobressalto. Pensou em sair de lá de fininho. De fato, já havia dado meia volta. Porém, deteve-se. A curiosidade falara mais alto. Voltou, discretamente metendo a cabeça novamente para dentro do quarto, para espiar o professor sentado em uma poltrona, acariciando ternamente o rosto da moça que lhe sugava o caralho duro.

Jéssica tentou reconhecer a moça, sem sucesso. Nunca tinha a visto. Não era nenhuma das meninas da casa. Ela sentiu algo estranho dentro dela. Uma onda de choque que subiu pela espinha e explodiu em seu cérebro.

O professor pegou uma lata de cerveja que estava na mesinha ao lado e tomou um gole, enquanto a moça não parava de chupar o seu pinto. Ele disse alguma coisa que Jéssica não conseguiu ouvir e a moça passou, então, a bater punheta. O professor colocou a latinha de cerveja na boca da mulher, que tomou um gole. Logo depois abocanhou novamente a pica do professor.

Jéssica começou a sentir sua buceta umedecendo. Nem acreditava que estava se excitando vendo aquela cena. Continuou espiando os dois. A moça tinha parado de chupar e disse algo, levantando-se. Ao vira-se, Jéssica escondeu-se atrás da porta temendo ser vista. Quando foi espiar novamente, a moça estava deitada de bruços na cama e o professor estava de pé. Ele vestia uma camiseta regata preta e uma bermuda vermelha. Porém, o que lhe chamou a atenção foi o seu membro duro a mostra.

Jéssica era um verdadeiro caldeirão de sentimentos: estava envergonhada e excitada, amedrontada e curiosa.

O professor aproximou-se da moça e encostou aquele pinto duro na bunda dela. Jéssica começou a sentir agora um calor em seu corpo e sua respiração ficou ofegante.

Quando o professor começou a foder a moça, tinha um sorriso no rosto. Já a moça tinha a boca aberta e os olhos arregalados. Seus gemidos podiam ser ouvidos. Jéssica ficou imaginando se estaria sentindo dor, pois já tinha ouvido falar de dor durante o sexo. De repente, Jéssica percebeu que estava se tocando e parou assustada. O que estava acontecendo com ela?

O professor estava ainda metendo para valer naquela moça. Súbito, parou. Pediu para a moça sentar na sua pica e removeu a bermuda, ficando nú da cintura para baixo.

Jessica se escondeu novamente. Quando voltou a espiar, o professor estava deitado e a mulher acabando de montar sobre ele. Ela jogou os cabelos para trás, ajeitou a pica do professor em sua buceta e começou a rebolar sobre ele, gemendo alto.

Jessica ficou observando o professor delirando de tesão, enquanto a mulher, agora, pulava sobre seu mastro endurecido.

-Vou gozar! – Disse o professor – e a mulher parou de pular em cima do pinto para começar a masturba-lo, boca aberta, movimentos rápidos.

Jéssica viu quando um líquido espesso começou a jorrar do pau do professor e sentiu um pouco de nojo ao ver a mulher receber tudo em sua boca. Ouviu o professor urrando de prazer, como se fosse um animal e achou tudo muito estranho.

“Então é isso o que as meninas tanto falam? ” Pensou ela.

Jéssica estava com a perereca toda melada. Já havia sentido isso antes, mas não com tanta intensidade.

Aquela experiência havia mudado algo nela. Um sentimento novo começou a surgir. Um pensamento começou a tomar forma em sua mente. Olhou para o casal que agora estavam jogados na cama, abraçados, e se imaginou no lugar da mulher.

Assustada, rapidamente tentou afastar o pensamento e saiu correndo do local, deixando a lata de cerveja cair no assoalho.

[email protected]

Comentários

26/01/2018 16:44:51
OBS: você já é uma rainha, Vanessa!
26/01/2018 15:36:47
Vanessa: Se essa for a sua vontade, tem o meu apoio. Tão somente cuide bem para escolher os rapazes certos. Materiais para os seus contos, que já são incríveis, com certeza não faltarão! Obrigado por ler o meu conto! Beijos do rei.
25/01/2018 23:43:04
Muito interessante essa pensão(?). Como meu filho está para casar e vou ficar sozinha numa casa enorme, acho que vou fazer o mesmo, acolhendo vários rapazes. Quem sabe não pode surgir uma ¨rainha Vanessa¨ ? Rs. Essa Jéssica ainda vai aprontar com certeza. Beijos da Vanessa.
22/01/2018 18:42:04
Adelia: Você está certíssima. O comportamento das pessoas é influenciado pelo meio em que vivem, bem como pelos traços que lhes são inatos e que chamamos de "temperamentos". Muito obrigado por ler o meu conto! Tia Berta: muito agradecido! Beijos carinhosos do rei.
22/01/2018 16:26:39
sensacional
21/01/2018 10:05:49
Dizem que somos consequência do meio. Essa Jéssica não só vai despertar, como pelo jeito irá mais além. Só achei desperdício ela derrubar a latinha de cerveja ao sair correndo. Com certeza logo virá a continuação. Está ótimo até aqui. Bjs.
20/01/2018 15:56:53
Estrelaperdida: Na casa do rei sempre há vagas para qualquer mulher que queira amar e ser amada!. Que bom que gostou do conto! Beijos carinhosos do rei.
19/01/2018 21:39:01
Maravilhoso, simplesmente maravilhoso... Meu anjo, será que tem vaga para mim também? rsrs. Me visite, bjs úmidos.
19/01/2018 15:38:20
Lady Diva: muito obrigado por ter lido e comentado meu conto! Valeu Mesmo! Estou escrevendo uma continuação para essa história! Fique ligada. Beijos do rei!
18/01/2018 21:14:24
Show de conto, Adam. Narrativa primorosa e envolvente. Com certeza, essa Jéssica depois desse episódio de voyeurismo, vai entrar para o rol das meninas que transam com o ¨rei¨. Rs. Bjs, Val.
18/01/2018 14:19:40
Obrigado a todos pelos comentários!
18/01/2018 11:24:36
É bom demais quando somos presenteados com contos com essa qualidade ! A narrativa impecável... Ansioso pela próxima parte.
18/01/2018 07:23:07
Bom
18/01/2018 02:12:22
Excelente

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.




Online porn video at mobile phone


xvideo muilher surpresa nxvideo sexo u buracucontos eroticos mulher casada bi sonia e suas amigasguia de como fuder cadelascristina loirinha sem juizonovinhobonitinho de quatro pede rola grossano cucontos de corno minha namorada virou puta de um traficantever contos de tio q criou sobrinha e depois fudeu ate nu cugozanu gostozo na bucita da irma dominu xvidesbatando o joelhinho na mesa xvideosMulher lendo jornal e dando cu pornoPai chupando e amassando os seios e vagina da filha e passando a mao na vagina dela ver video calcinha molhadacontos eróticos de doutor advogado e clientecombinamos chupando os peitos da mulher fazendo sexo ela gritar onlineconto gay virei namorado do tio viuvopornodoidocalçinhasescondendo atrás do Paiol pornôirmalouca pra perdero cabaco pro irmarempreggadas tesudas escitando patrao no youtubegorda girando o cu na rola jigante videos caseirosvídeos porno metendo na minha tia depois do carnavalEncoxada no transporte público contos erótico2 mulequis regaca a buceta da novinha branquinha tesudamulher não transa com pauzãooooquero abri uma janela parA o porno baiano com bucetasXvideos.comcontoscornoQuadrinhos eróticos meu padrinho pauzudo me comeudepilando a minha tia gravida contos eroticosvidio page novinha tomando banho gostoso na fasendaWwwcasa dos contos enquilina pagando alugelnoiva casa e não sabia tamanho iria infartar pornohttp://conto me punhetaram a noite todaContosveridicos contados por novinhasbaixar grátis vídeos pornô lésbicas gemendo grostoso e esfregando buceta com buceta molhadinhas até gosarmulher pelada com a b***** cheia de goza cobrindo a telaEsfreegando a pica na maninha inocenti contos eroticcoscasetudo comendo cadela no ciocontos gay iniciadores de boys inocentes fotos gratisporno sacana mao na bucetta no cu nojento ao vivoconto erotico guto e elainedominando um casalvidio porno bate popa vol casadavideo porno irmã bricano com seu imão e apiroca escurrega etranovinha louca pra mamar um cacete do coroa bebadocontos eroticos feminino ajudei o porteiro negro a fuder eu e minha irma juntotavinhomg casa dos contosCapítulo 2 segunda temporada contos erótico sempre te quiscontos erotico pegando a mulher no flagracontos eróticos encesto mae de 35 anos fodendo com seu jovem filho e gozando muitocomo passar a pomada azulzinha na buçetadei minha virgindade promeuirmãogêmeochupo e emguliu apora toda xvideosna zoofilia as cadelas aceita ser fudidaContos sobre beijos e podolatriaFotos d cazada sendo fodida p roludonariz de policial dando o priquito a outros policialaxo que minha mulher pulou a cerca pra fazer analSite porno de facio asseçoHOMENS BOMBADAO COM PENIS ACAVALADOS GOZANDO NA BOCA DE LOIRAS PORNOnovos Contos erodicos de tulatufos videoFiz sexo com meu profeasmarisa chupando meu pautem lebica olaine 2017 pra comigo outra mulher por celularlesbica transando com a amiga ate ela vira o zoinhoa minha mae obrigou meu padrasto tira a minha virgindadevideo omem fragado botando arola pra levantando as saia das muulhres dentro do onibunsmae gozou loucamente no pau de 25cm dp filho dotadpf***** pelos peões da obra contos eróticos gayscontos eróticos minha mãe parte 4incesto tirando virgindade de garota de oito anos no semáforosexo oline depiladora não aguentaou ver o cliente de pau duro e caiu de boca2 comedor do pintao sacaneia casada do rabao